Histórias, Memórias e Futebol Amador: Reflexões e Possibilidades nos Estudos Organizacionais Outros Idiomas

ID:
53757
Periódico:
Resumo:
O objetivo deste estudo é refletir sobre as possibilidades de estudo do futebol amador no âmbito da Administração. Para tanto, realizamos uma revisão da literatura sobre o pós-estruturalismo, a história e a memória e o futebol amador. Inicialmente, discutimos a fuga da instrumentalização da individualidade e do conhecimento, destacando a contradição e a realidade diversa. Na sequência, refletimos sobre o estudo da história e da memória e as possibilidades de novos olhares sobre saberes e práticas. Ademais, partimos da consideração do futebol amador como produto da cultura popular, repleto de possibilidades, reinvenções e improvisações. Por fim, essas bases permitiram a reflexão sobre as diversas possibilidades no distanciamento da realidade determinada, rompendo com a instrumentalidade do conhecimento, com a objetividade e o binarismo do que deve ser considerado como futebol, caminhando para um olhar que valoriza as fragmentações, rupturas, fissuras e múltiplas possibilidades de representação do real e de exercício da modalidade.
Citação ABNT:
CORREIA, G. F. A.; CARRIERI, A. P. Histórias, Memórias e Futebol Amador: Reflexões e Possibilidades nos Estudos Organizacionais. Gestão & Conexões, v. 8, n. 2, p. 8-24, 2019.
Citação APA:
Correia, G. F. A., & Carrieri, A. P. (2019). Histórias, Memórias e Futebol Amador: Reflexões e Possibilidades nos Estudos Organizacionais. Gestão & Conexões, 8(2), 8-24.
DOI:
10.13071/regec.2317-5087.2019.8.2.23013.8-24
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53757/historias--memorias-e-futebol-amador--reflexoes-e-possibilidades-nos-estudos-organizacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andrade, E. P. de, & Almeida, J. R. de (2018). Trajetórias docentes e história pública: a construção de um acervo com narrativas de professores. In J. R. de Almeida & S. Meneses (Orgs.). História pública em debate: patrimônio, educação e mediações do passado (pp. 129-144). São Paulo: Letra e Voz.

Barros, A., & Carrieri, A. de P. (2015). O cotidiano e a história: construindo novos olhares na Administração. Revista de Administração de Empresas, 55(2), 151161. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-759020150205

Bosi, E. (2003). O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial.

Bosi, E. (2015) Memória e sociedade: lembranças de velhos (3a ed.). São Paulo: Companhia das Letras.

Carneiro, A. de T. (2016). Pode a área de Estudos Organizacionais ser historiográfica? Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 3(8), 1019-1049. https://doi.org/10.25113/farol.v3i8.3814

Carrieri, A. de P. (2014). As gestões e as sociedades. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 1(1), 21-64. https://doi.org/10.25113/farol.v1i1.2592

Costa, A. de S. M. da, & Saraiva, L. A. S. (2011). Memória e formalização social do passado nas organizações. Revista de Administração Pública, 46(6), 1761-1780. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122011000600007

Costa, A. de S. M. da, & Silva, M. A. de C. (2017). Novas fontes, novas versões: contribuições do acervo da Comissão Nacional da Verdade. Revista de Administração Contemporânea, 21(2),163-183. http://dx.doi.org/10.1590/19827849rac2017150101

Costa, A. de S. M. da, Barros, D. F., & Martins, P. E. M. (2010). Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. Revista de Administração de Empresas, 50(3), 288-299. http://dx.doi.org/10.1590/S003475902010000300005

Cunha, L. C. da, Freitas, G. da S., & Rigo L. C. (2016). Entre a Laguna dos Patos e o oceano: notas sobre a memória e algumas transformações do futebol amador de São José do Norte/RS (Brasil). Licere, 19(4), 298-319.

Delgado, L. de A. N. (2010). História oral: memória, tempo, identidades. (2a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Duarte, R. (2002). Pesquisa qualitativa: reflexões sobre o trabalho de campo. Cadernos de Pesquisa, 115, 139-154. http://dx.doi.org/10.1590/S010015742002000100005

Ferreira, F. V. (2010). Potencialidades da análise histórica nos estudos organizacionais brasileiros. Revista de Administração de Empresas, 50(1), 37-47. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902010000100004

Fontoura, Y., Alfaia, L., & Fernandes, A. (2013). A pesquisa histórica em estudos organizacionais no Brasil: uma análise paradigmática e novas perspectivas. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 11(1), 83-103.

Giglio, S. S., & Spaggiari, E. (2010). A produção das ciências humanas sobre futebol no Brasil: um panorama (1990-2009). Revista de História, 163, 293-350. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i163p293-350

Gouvêa, J. B., Cabana, R. del P. L., & Ichikawa, E. Y. (2018). As histórias e o cotidiano das organizações: uma possibilidade de dar ouvidos àqueles que o discurso hegemônico cala. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(12), 297-347. https://doi.org/10.25113/farol.v5i12.3668

Joaquim, N. de F., & Carrieri, A. de P. (2018). Construção e desenvolvimento de um projeto de história oral em estudos sobre gestão. Organizações e Sociedade, 25(85), 303-319. http://dx.doi.org/10.1590/1984-9250857

Lages, C. E. D. M., & Silva, S. R. da (2012). Futebol e lazer: diálogos e aproximações. Licere, 15(1), 1-13.

Mendes, C. G. (2015). Pós-estruturalismo e a crítica como repetição. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 30(88), 45-60. http://dx.doi.org/10.17666/30884559/2015

Mósca, H. M. B., Silva, J. R. G. da, & Bastos, S. A. P. (2010). Fatores institucionais e organizacionais que afetam a gestão profissional de departamentos de futebol dos clubes: o caso dos clubes de futebol no Brasil. Revista Gestão e Planejamento, 10(1), 53-71.

Myskiw, M. (2015). As ‘tradições varzeanas’ nos ‘times de camisa’: notas etnográficas sobre a circulação de jogadores num circuito de lazer da cidade de Porto Alegre. Licere, 8(3), 158-196.

Myskiw, M., & Stigger, M. P. (2014). O futebol “de várzea” é “uma várzea”!? Etnografia da organização no circuito municipal de Porto Alegre. Movimento, 20(2), 445-469. https://doi.org/10.22456/1982-8918.42060

Nunes, C. da C., & Mattedi, M. (2015). A. Memórias da constituição do cenário esportivo amador em Santa Catarina. Licere, 18(2), 1-33.

Oliveira, A. de P. (2013). Entre a várzea e o profissional: sobre um campeonato de futebol amador. Espaço Plural, 14(29), 115-140.

Paula, A. P. P. de, Maranhão, C M. S. de A., & Barros, A. N. de (2009). Pluralismo, pós-estruturalismo e "gerencialismo engajado": os limites do movimento critical management studies. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 392-404. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512009000300002

Pena, F. G., Martins, T. S., Oliveira, L. L. de, & Carrieri, A. de P. (2016). O polo da moda em Belo Horizonte: uma análise histórica do Barro Preto. Revista de Administração FACES Journal, 15(4), 8-26. http://dx.doi.org/10.21714/19846975FACES2016V15N4ART3160

Peters, M. (2000). Pós-estruturalismo e filosofia da diferença. Belo Horizonte: Autêntica.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, 2(3), 3-15.

Rey, F. G. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Ribeiro, R. R. (2016, setembro). Futebol amador e patrimônio cultural: percursos de um debate necessário. Anais do Simpósio Internacional Futebol, Linguagem, Artes, Cultura e Lazer, Belo Horizonte, MG, Brasil, 2.

Rodrigues, F. X. F., & Benitez, A. K. (2017, julho). O futebol de várzea em Cuiabá/MT: lazer, identidades e mediação cultural na comunidade São Gonçalo Beira Rio em Cuiabá/MT. Anais do Congresso Brasileiro de Sociologia, Brasília, DF, Brasil, 18.

Santos, A. D. G. dos (2014). Os três pontos de entrada da economia política do futebol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 36(2), 561-575. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892014000200019

Santos, J. V. P. dos, Carrieri, A. de P., Pereira, V. F., & Martins, T. S. (2016). Pesquisa histórica em administração: a (re)construção identitária da Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte (MG). Revista de Ciências da Administração, 18(46), 9-22. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2016v18n46p9

Santos, V. T. dos, & Ichikawa, E. Y. (2018). Representações sociais, história e memória: possíveis contribuições para os estudos organizacionais. Revista Eletrônica Gestão & Sociedade, 12(31), 2213-2231. https://doi.org/10.21171/ges.v12i31.2261

Silva, P. G. da, Mello, S. C. B. de, & Trindade, A. (2016). Do saber filosófico à ciência crítica: buscando evidências do pós-estruturalismo nos estudos críticos em gestão no Brasil entre os anos de 2010 e 2015. Organizações em Contexto, 12(24), 327-343. http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v12n24p327-343

Souza, E. M. de, & Costa, A. M. da (2013). Usos e significados do conhecimento histórico em estudos organizacionais: uma (re)leitura do taylorismo sob a perspectiva do poder disciplinar. Cad. EBAPE.BR, 11(1), 1-15. http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512013000100002

Souza, E. M. de, Souza, S. P., & Silva, A. R. L. da (2013). O pós-estruturalismo e os estudos críticos de gestão: da busca pela emancipação à constituição do sujeito. Revista de Administração Contemporânea, 17(2), 198-217. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552013000200005

Thomson, A. (1997). Recompondo a memória: questões sobre a relação entre a história oral e as memórias. Projeto História, 15, 51-84.

Wanderley, S., & Barros, A. (2018). Decoloniality, geopolitics of knowledge and historic turn: towards a Latin American agenda. Management & Organizational History, 14(1), 79-97. https://doi.org/10.1080/17449359.2018.1431551