Indicadores de Gestão do Ensino Técnico Federal e sua Correlação com Eficiência Acadêmica: Uma Análise da Relação entre o Desempenho Discente e os Investimentos Ocorridos com a Política Pública de Expansão dos Institutos Federais da Região Nordeste entre 2012 e 2016 Outros Idiomas

ID:
53962
Resumo:
A criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFEs), enquanto política pública de expansão do ensino técnico-tecnológico ensejou um aumento exponencial de recursos aplicados nos mesmos. Para acompanhamento do desempenho e avaliação dos resultados quanto à destinação de recursos materiais e humanos, o Tribunal de Contas da União (TCU) estabeleceu indicadores acadêmicos que expressam o resultado da ampliação da oferta e a melhoria da eficiência e da eficácia das instituições federais de educação profissional. O objetivo deste artigo é analisar, nos Institutos Federais da Região Nordeste entre os anos de 2012 e 2016, a correlação entre a Taxa de Eficiência Acadêmica dos Concluintes indicador de qualidade que mede a capacidade de alcançar êxito entre os alunos que finalizam e os demais indicadores de gestão estabelecidos, desde 2005, pelo TCU, para as Instituições da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica EPCT. Quanto à metodologia, foi empregada a análise quali-quantitativa para melhor atender ao objetivo da pesquisa, que enseja a apreciação de dados numéricos mensuráveis, sem prejuízo da análise dos fatores motivacionais e interpretativos. Os resultados mostraram que não existe relação entre o indicador de qualidade Taxa de Eficiência Acadêmica de Concluintes e os indicadores de gestão estabelecidos pelo TCU na amostra analisada.
Citação ABNT:
MATSUMOTO, M. C. S. G. B.; ALBUQUERQUE, S. A. S.; RITA, L. P. S.; PINTO, I. M. B. S. Indicadores de Gestão do Ensino Técnico Federal e sua Correlação com Eficiência Acadêmica: Uma Análise da Relação entre o Desempenho Discente e os Investimentos Ocorridos com a Política Pública de Expansão dos Institutos Federais da Região Nordeste entre 2012 e 2016. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, v. 9, n. 3, p. 7-19, 2019.
Citação APA:
Matsumoto, M. C. S. G. B., Albuquerque, S. A. S., Rita, L. P. S., & Pinto, I. M. B. S. (2019). Indicadores de Gestão do Ensino Técnico Federal e sua Correlação com Eficiência Acadêmica: Uma Análise da Relação entre o Desempenho Discente e os Investimentos Ocorridos com a Política Pública de Expansão dos Institutos Federais da Região Nordeste entre 2012 e 2016. NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, 9(3), 7-19.
DOI:
http://dx.doi.org/10.22279/navus.2019.v9n3.p07-19.769
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/53962/indicadores-de-gestao-do-ensino-tecnico-federal-e-sua-correlacao-com-eficiencia-academica--uma-analise-da-relacao-entre-o-desempenho-discente-e-os-investimentos-ocorridos-com-a-politica-publica-de-expansao-dos-institutos-federais-da-regiao-nordeste-entre-2012-e-2016/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAÚJO, Marlene de; GAZZOLA, Rosaura. Políticas públicas: prestação de contas dos atores. Revista de Política Agrícola, Brasília, v. 26, n. 1, p. 25-37, 2017.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 15 jan. 2018

BRASIL. Lei 11.892 de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 15 jan. 2008

BRASIL. Ministério da Educação. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico — São Paulo: Fundação Santillana, 2016. http://download.inep.gov.br/acoes_internacionais/pisa/resultados/2015/pisa2015_completo_final_baixa.pdf. Acesso em: 15 jan. 2016.

BRASIL.Ministério da Educação. Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica. Brasília, 2004. http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/p_publicas.pdf. Acesso em: 09 jan. 2004.

BRASIL.Ministério da Educação.Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Manual para produção e análise de indicadores da rede federal de EPCT. Brasília, DF: MEC, 2014. http://sitesistec.mec.gov.br/images/arquivos/pdf/manual_indicadores_gestao_exercicio2014.pdf. Acesso em: 15 jan. 2014

BRASIL.Ministério da Educação. Um Novo Modelo Em Educação Profissional E Tecnológica. Concepção e Diretrizes. Brasília, 2010. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6691-if-concepcaoediretrizes&category_slug=setembro-2010-pdf&Itemid=3019. Acesso em 17 dez. 2010.

BRASIL.Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - SPI. Indicadores de programas: Guia Metodológico / Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - Brasília: MP, 2010.

BRASIL.Tribunal de Contas da União – TCU. ACÓRDÃO Nº 2.267/2005 - TCU – Plenário. Relatório de Auditoria Operacional e de Legalidade na Secretaria de Educação Média e Tecnológica do Ministério da Educação – Setec/MEC. Ata nº 49/2005 – Plenário. Brasília, DF, 13 de dezembro de 2005. http://www.tcu.gov.br/Consultas/Juris/Docs/judoc/Acord/.../TC-004-550-2004-0.do. Acesso em 23 dez. 2005.

BRASIL.Tribunal de Contas da União – TCU. ACÓRDÃO Nº 2.508/2011 - TCU – Primeira Câmara. Tomada de Contas. Ata nº 13/2011 – Primeira Câmara. Brasília, DF, 26 de abril de 2011. https://contas.tcu.gov.br/pesquisaJurisprudencia/#/detalhamento/11/%252a/NUMACORDAO%253A2508%2520ANOACORDAO%253A2011/DTRELEVANCIA%2520desc%252C%2520NUMACORDAOINT%2520desc/false/2/false. Acesso em 23 dez. 2011.

BUENO, Alexandre; TORKOMIAN, Ana Lúcia Vitale. Índices de licenciamento e de comercialização de tecnologias para núcleos de inovação tecnológica baseados em boas práticas internacionais. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 23, n. 51, p. 95-107, jan. 2018. ISSN 1518-2924. https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2018v23n51p95/35513. Acesso em: 02 maio 2018.

COELHO, Michelle Queiroz. Indicadores de performance para projetos sociais: a perspectiva dos stakeholders. Revista Alcance, Biguaçu SC, v. 11, n. 3, p. 423-444, set./dez. 2009.

GOMES, F. P.; ARAÚJO, R. M. de. Pesquisa qualiquantitativa em administração: uma visão holística do objeto de estudo. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO (SEMEAD), 8.; 2005, São Paulo. Anais [...]. http://sistema.semead.com.br/8semead/resultado/trabalhosPDF/152.pdf. Acesso em: 10 jan. 2005.

HÖFLING, Eloisa de Matos. Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, Campinas, SP, v. 21, n. 55, p. 30-41, 2001.

IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2017 /, Coordenação de População e Indicadores Sociais. - Rio de Janeiro: IBGE, 2017. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101459.pdf. Acesso em 15 jan. 2017.

KLOOT, Louise; MARTIN, John. Strategic performance management: A balanced approach to performance management issues in local government. Management Accounting Research, v. 11, n. 2, p. 231-251, 2000. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1044500500901306. Acesso em: 10 jan. 2000.

PALADINO, Carolina de Freitas. Políticas públicas: considerações gerais e possibilidade de controle judicial. A&C-Revista de Direito Administrativo & Constitucional, Curitiba, v. 8, n. 32, p. 219-240, 2008.

PETRI, Sérgio M. Modelo para apoiar a avaliação das abordagens de gestão de desempenho e sugerir aperfeiçoamentos: sob a ótica construtivista. 2005. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 2005.

RESENDE, Viviane de Melo. Análise interdiscursiva de políticas públicas: Reflexão epistemológica. Ambitos: Revista Internacional de Comunicación, Sevilla, Espanha, n. 39, p. 6, 2017.

SILVA, Polyana Tenório de Freitas et al. Indicadores de gestão do ensino superior e sua correlação e retenção: uma análise da taxa de sucesso na graduação em seis instituições federais de ensino entre 2006 e 2015. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE (SINGEP), VI, São Paulo, SP, 2017. Anais [...]. https://singep.org.br/6singep/resultado/506.pdf. Acesso em: 12 jan. 2017.

SOLIGO, Valdecir. Indicadores: conceito e complexidade do mensurar em estudos de fenômenos sociais. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 52, p. 12-25, 2012.

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, jul./dez.; p. 20-45, 2006.

SOUZA, Francisco das Chagas Silva et al. Institutos Federais: expansão, perspectivas e desafios. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, Natal, v. 2, n. 5, p. 17-26, 2016. http://periodicos.uern.br/index.php/RECEI/article/viewFile/1949/1048. Acesso em: 17 dez. 2016.