Estrutura de Classe e Mobilidade Social no Processo de Inserção Profissional de Jovens no Brasil: Reflexões e Agenda de Pesquisa Outros Idiomas

ID:
54043
Periódico:
Resumo:
Diante do contexto de aumento do número de matrículas no Ensino Superior brasileiro e do discurso organizacional de falta de mão de obra qualificada no mercado de trabalho brasileiro, cresce a importância de estudos acerca de inserção profissional no país. Contudo, grande parte dos já existentes se refere a pesquisas empíricas, sem contemplar particularidades como as especificidades socioeconômicas e a recente expansão do Ensino Superior. Assim, este artigo discute o processo de inserção profissional integrando-o aos conceitos de mobilidade e classe social, à luz das teorias de Pierre Bourdieu e Jessé Souza. A partir disso, propõe-se que a inserção profissional seja analisada como um momento que pode aumentar as chances de mobilidade social, levando-se em conta as singularidades históricas e sociais do Brasil nessa construção. Tal entendimento pode contribuir para o desenvolvimento de uma teoria acerca da inserção profissional no país, ao evidenciar a existência de outros elementos, para além da formação, que podem interferir nesse processo, rebatendo o discurso da meritocracia individual no acesso dos jovens ao mercado de trabalho.
Citação ABNT:
MARTINS, B. V.; SCHERDIEN, C.; OLIVEIRA, S. R. Estrutura de Classe e Mobilidade Social no Processo de Inserção Profissional de Jovens no Brasil: Reflexões e Agenda de Pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. 3, p. 564-576, 2019.
Citação APA:
Martins, B. V., Scherdien, C., & Oliveira, S. R. (2019). Estrutura de Classe e Mobilidade Social no Processo de Inserção Profissional de Jovens no Brasil: Reflexões e Agenda de Pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, 17(3), 564-576.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395173103
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54043/estrutura-de-classe-e-mobilidade-social-no-processo-de-insercao-profissional-de-jovens-no-brasil--reflexoes-e-agenda-de-pesquisa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAHAMSEN, B.; DRANGE, I. Ethnic minority students’ career expectations in prospective professions: navigating between ambitions and discrimination. Sociology, v. 49, n. 2, p. 252-269, 2015.

ALVES, N. Inserção profissional dos jovens: do problema social ao objecto sociológico. 2007. .

AMARAL, R. C. G.; OLIVEIRA, L. B. Os desafios da primeira gestão: uma pesquisa com jovens gestores. Revista de Administração Contemporânea, v. 21, n. 3, p. 373-392, 2017.

ANTHIAS, F. Hierarchies of social location, class and intersectionality: towards a translocational frame. International Sociology, v. 28, n. 1, p. 121-138, 2012.

ATKINSON, W. Class. Hoboken: Wiley, 2015.

BEAUD, S. Les trois soeurs et le sociologue: notes ethnographiques sur la mobilité sociale dans une fratrie d’enfants d’immigrés algériens.Idées Économiques et Sociales, v. 175, n. 1, p. 36-48, 2014.

BERTAUX, D. L’approche biographique: sa validité méthodologique, sés pontentialités. Cahiers Internationaux de Sociologie. v. 69, n. 2, p. 197-223, 1980.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. Porto Alegre: Zouk, 2015.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

BOURDIEU, P. Princípios de uma antropologia econômica. In: BOURDIEU, P. As estruturas sociais da economia. Lisboa: Instituto Piaget, 2001. p. 237-270.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes, 2013.

BRASIL. Microdados Censo da Educação Superior 2014: INEP. . Acesso em: 06 fev. 2014.

CARDOSO, A. Transições da escola para o trabalho no Brasil: persistência da desigualdade e frustração de expectativas. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 51, n. 3, p. 569-616, 2008.

CENTRE D’ÉTUDES ET DE RECHERCHES SUR LES QUALIFICATIONS – CÉREQ. Quand l’école est finie: premiers pas dans la vie active de la génération 2010. Enquête 2013. Marseille: Céreq, 2014.

CHAN, T. W.; BOLIVER, V. The grandparents effect in social mobility: evidence from British birth cohort studies. American Sociological Review, v. 4, n. 78, p. 662-678, 2013.

CHAN, T. W.; GOLDTHORPE, J. H. Class and status: the conceptual distinction and its empirical relevance. American Sociological Review, v. 72, n. 4, p. 512-532, 2007.

CORDEIRO, J. P. Modalidades de inserção profissional dos quadros superiores nas empresas. Sociologia, Problemas e Práticas, n. 38, p. 79-98, 2002.

DUBAR, C. L’insertion comme articulation temporelle du biographique et du structurel. Revue Française de Sociologie, v. 35, n. 2, p. 283-291, 1994.

DUBAR, C. La construction sociale de l’insertion professionnelle.Éducation et Sociétés, v. 7, n. 1, p. 23-36, 2001.

FLOR, L. S.; LAGUARDIA, J.; CAMPOS, M. R. Mobilidade social intergeracional e saúde no Brasil: uma análise do survey “Pesquisa dimensões sociais das desigualdades (PDSD)”, 2008. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n. 6, p. 1869-1880, 2014.

FRANCO, D. S. et al. Entre a inserção e a inclusão de minorias nas organizações: uma análise crítica sob o olhar de jovens trabalhadores. Economia e Gestão, v. 17, n. 48, p. 43-61, 2017.

FRANCO, D. S. MAGALHÃES, A. F.; PAIVA, K. C. M. Ações do imaginário organizacional moderno na subjetividade de jovens aprendizes do setor bancário. Competência – Revista da Educação Superior do Senac-RS, v. 10, n. 1, p. 11-30, 2017.

FRANZOI, N. L. Inserção profissional. In: CATTANI, A. D.; HOLZAMANN, L. (Orgs.). Dicionário de trabalho e tecnologia. 2. ed. Porto Alegre: Zouk, 2011. p. 229-231.

FRIEDMAN, S. Habitus clivé and the emotional imprint of social mobility. Sociological Review, v. 64, n. 1, p. 129-147, 2016.

FRIEDMAN, S., O’BRIEN, D.; LAURISON, D. Like skydiving without a parachute: how class origin shapes occupational trajectories in British acting. Sociology, v. 51, n. 5, p. 992-1010, 2017.

GALLAND, O. Entrer dans la vie adulte: des étapes toujours plus tardives mais resserrées. Économie et Statistique, n.337-338, p. 13-36, 2000.

GALLAND, O. Sociologie de la jeunesse. 4. ed. Paris: A. Colin, 2007.

GANZ LUCIO, C. Apresentação. In: MACAMBIRA, J.; ANDRADE, F. R. B. (Orgs.). Trabalho e formação profissional: juventudes em transição. Fortaleza: IDT/UECE/BNB, 2013. p. 7-11.

GANZEBOOM, H. B. G.; DE GRAAF, P. M.; TREIMAN, D. J. A standard international socio-economic index of occupational status. Social Science Research, v. 21, n. 1, p. l-56, 1992.

GUIMARÃES-DOS-SANTOS, G. P. Juventude, trabalho e educação: uma agenda pública recente e necessária. Por quê? In: MACAMBIRA, J.; ANDRADE, F. R. B. (Org.). Trabalho e formação profissional: juventudes em transição. Fortaleza: IDT/UECE/BNB, 2013. p. 73-88.

HELAL, D. Mérito, Reprodução Social e Estratificação Social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 73, p. 251-268, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa mensal de emprego (PME). 2018. . Acesso em: 18 jul. 2018.

INTERNACIONAL LABOUR ORGANIZATION - ILO. Global Employment Trends for Youth. 2017. .

LAHIRE, B. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LEMOS, A. H. C.; DUBEUX, V. J. C.; PINTO, M. C. S. Educação, empregabilidade e mobilidade social: convergências e divergências. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 368-384, 2009.

LIMA, T. A. P.; HELAL, D. H. Entre a meritocracia e o capital social: refletindo sobre as trajetórias de carreira dos técnicos administrativos de uma universidade federal. Gestão Pública: Práticas e Desafios, v. 7, n. 1, p. 1-12, 2016.

MASSON, P.; SUTEAU, M. Réinterroger la relation entre école et mobilité sociale. Le cas des enfants d’agriculteurs et d’ouvriers dans l’Ouest. Sociologie du Travail, v. 52, n. 1, p. 40-54, 2010.

NICOLE-DRANCOURT, C. Histoire d’un sujet et satut du sujet. In: LUROL, M. (Ed.). Les jeunes et l’emploi. Recherches Pluridisciplinaires. Paris: La Documentation Française, 1996. p. 113-150.

NICOLE-DRANCOURT, C; ROULLEAU-BERGER, L. Les jeunes e le travail 1950-2000. Paris: PUF. 2001.

OLIVEIRA, E. G.; SOUSA, A. A. Trabalho, juventude e educação no contexto do capitalismo atual. In: MACAMBIRA, J.; ANDRADE, F. R. B. (Orgs.). Trabalho e formação profissional: juventudes em transição. Fortaleza: IDT/UECE/BNB, 2013. p. 91-104.

OLIVEIRA, L. B.; HONÓRIO, S. R. F. S. Atração e desligamento voluntário de jovens empregados: um estudo de caso no setor jornalístico. Revista de Administração, v. 49, p. 714-730, 2014.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. In it together: why less inequality benefits all. 2015. .

PAIVA, K. C. M.; FUJIHARA, R. K.; REIS, J. F. Valores organizacionais, valores do trabalho e atitudes retaliatórias: um estudo com jovens aprendizes em uma empresa pública. Teoria e Prática em Administração, v. 7, n. 1, p. 54-78, 2017.

PASTORE, J.; VALLE SILVA, N. Mobilidade social no Brasil. São Paulo: Makron Books, 2000.

PERO, V. Mobilidade social no Rio de Janeiro. In: GUIMARÃES, N. A. et al. Mercados de trabalho e oportunidades: reestruturação econômica, mudança ocupacional e desigualdade na Inglaterra e no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2008. p. 163-180.

PEUGNY, C. La mobilité sociale descendante: l’épreuve du déclassement. 2007. .

PEUGNY, C. O destino vem do berço? Desigualdades e reprodução social. Campinas: Papirus, 2014.

POCHMANN, M. Nova classe média? O trabalho na base da pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012.

RIBEIRO, C. A. C. Classe, raça e mobilidade social no Brasil. DADOS – Revista de Ciências Sociais, v.49, n. 4, p. 833-873, 2006.

RIBEIRO, C. A. C. Mobilidade e estrutura de classes no brasil contemporâneo. Sociologias, v. 16, n. 37, p. 178-217, 2014.

RIBEIRO, C. A. C. Quatro décadas de mobilidade social no Brasil. DADOS – Revista de Ciências Sociais, v. 55, n. 3, p. 641-679, 2012.

RIBEIRO, C. A. C.; SCALON, M. C. Mobilidade de classe no Brasil em perspectiva comparada. DADOS – Revista de Ciências Sociais, v. 44, n. 1, 2001.

RIBEIRO, C. A. C.; SCHLEGEL, R. Estratificação horizontal da Educação Superior no Brasil (1960 a 2010). In: ARRETCHE, M. (Org.). Trajetórias das desigualdades:como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo: Ed. Unesp/CEM, 2015. p. 133-162.

RIESSMANN, C. K. Analysis of personal narratives. 2000. .

ROCHA-DE-OLIVEIRA, S.; PICCININI, V. C. Contribuições das abordagens francesas para o estudo da inserção profissional. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 13, n. 1, p. 63-73, 2012.

ROCHA-DE-OLIVEIRA, S.; PICCININI, V. C. Uma análise sobre a inserção profissional de estudantes de administração no Brasil. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, p. 44-75, 2012.

ROCHA, S. A inserção dos jovens no mercado de trabalho. Cadernos CRH, v. 21, n. 54, p. 533-550, 2008.

SCALON, M. C. Ensaios de estratificação. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

SCALON, M. C. Mobilidade social no Brasil: padrões e tendências. Rio de Janeiro: Revan/IUPERJ-UCAM, 1999.

SOUZA, J. A construção social da subcidadania. Para uma sociologia política da modernidade periférica. 2. ed. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2006.

SOUZA, J. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

SOUZA, M. B. C. A.; HELAL, D. H.; PAIVA, K. C. M. Burnout e jovens trabalhadores. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 25, n. 4, p. 751-763, 2017.

SPOSITO, M. P. Algumas reflexões e muitas indagações sobre as relações entre juventude e escola no Brasil. In: ABRAMO, H. W.; BRANCO, P. P. M. (Org.). Retratos da juventude brasileira: análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Instituto Cidadania/Fundação Perseu Abramo, 2005. p. 87-127.

VERNIÈRES, M. L’insertion professionnelle: analyses et débats. Paris: Économica, 1997.

VINCENS, J. L’insertion professionnelle des jeunes: à la recherche d’une definition conventionnelle. Formation et Emploi, n. 60, p. 21-36, 1997.

VOLKMER MARTINS, B.; ROCHA-DE-OLIVEIRA, S. Expansão e diversificação do Ensino Superior, impactos no mercado de trabalho e inserção profissional no Brasil: reflexões iniciais e proposta de agenda de pesquisa. Desenvolve – Revista de Gestão do Unilasalle, v. 6, n. 2, p. 53-70, 2017.