Um Estudo das Relações entre Gênero e Âncoras de Carreira Outros Idiomas

ID:
54044
Periódico:
Resumo:
Este artigo analisa a relação entre gênero e âncoras de carreira de estudantes de cursos de graduação em que predominam o gênero feminino ou o masculino. O método adotado foi o levantamento (survey). A amostra englobou 251 graduandos da área de Engenharia e 251 da área de Saúde. Os dados foram coletados por meio de questionários contendo o “Inventário de Orientação de Carreira” (IOC), de Schein (1990). As técnicas aplicadas foram a estatística descritiva e a análise fatorial exploratória. Os resultados apontam que na área de Engenharia os respondentes do sexo feminino valorizaram mais as âncoras Estilo de Vida e Segurança/Estabilidade, cujos atributos estão socialmente associados ao gênero. Na área de Saúde, os respondentes do sexo masculino valorizaram mais as âncoras Autonomia/Independência, Desafio Puro e Criatividade Empreendedora, cujos atributos estão associados ao gênero. Conclui-se que as escolhas profissionais estão fortemente associadas aos valores e atributos socialmente atribuídos ao gênero.
Citação ABNT:
VIEIRA, A.; MONTEIRO, P. R. R.; CARRIERI, A. P.; GUERRA, V. A.; BRANT, L. C. Um Estudo das Relações entre Gênero e Âncoras de Carreira. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. 3, p. 577-589, 2019.
Citação APA:
Vieira, A., Monteiro, P. R. R., Carrieri, A. P., Guerra, V. A., & Brant, L. C. (2019). Um Estudo das Relações entre Gênero e Âncoras de Carreira. Cadernos EBAPE.BR, 17(3), 577-589.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395172911
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54044/um-estudo-das-relacoes-entre-genero-e-ancoras-de-carreira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
SCHEIN, E. H. Career dynamics:matching individual and organizational needs. Reading: Addison-Wesley, 1978.

TABACHNICK, B. G.; FIDELL, L. S. Using multivariate statistics. 5. ed. Boston, MA: Pearson/Allyn & Bacon, 2007.

WATT, H. M. Gender and occupational choice. In: CHRISLER, J. C.; MCCREARY, D. R. Handbook of gender research in psychology. New York: Springer, 2010. p. 379-400.

ALVES, T. Profissões sociais e gêneros: perspectivas em torno do debate sobre serviço social e profissões femininas. Locus Social, v. 2, p. 21-28, 2009.

BABBIE, E. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

BARCLAY, W. B.; CHAPMAN, J. R.; BROWN, B. L. Underlying factor structure of Schein’s Career Anchor Model. Journal of Career Assessment, v. 21, n. 3, p. 430-451, 2013.

BARLEM, J. G. T. et al. Opção e evasão de um curso de graduação em enfermagem: percepção de estudantes evadidos. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 33, n. 2, p. 132-138, 2012.

BIMROSE, J. Guidance for girls and women. In: ATHANASOU J. A.; ESBROEK, R. (Ed.). International handbook of career guidance.New York: Springer, 2008. p. 375-404.

BRAVO, J. et al. Measuring career orientations in the era of the boundaryless career.Journal of Career Assessment, v. 6, p. 1-11, 2015.

BRUSCHINI, C.; LOMBARDI, M. R. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, v. 110, p. 67-104, 2000.

BRUSCHINI, M. C. A. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, 2007.

BUTLER, J. Performative acts and gender constitution: an essay in phenomenology and feminist theory. In:BIAL, H. The performance studies reader. New York: Routledge, 2004. p. 154-166.

CEBRIÁN, I.; MORENO, G. The effects of gender differences in career interruptions on the gender wage gap in Spain. Feminist Economics, v. 21, n. 4, p. 1-27, 2015.

CHAPMAN, J. R. A partial response to Feldman and Bolino’s critique. 2009. 82 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Brigham Young University, Provo, 2009.

CHAPMAN, J. R. An empirically derived framework for conceptualizing Schein’s career orientation theory.Journal of Career Assessment, v.24, n. 4, p. 669-684, 2015.

CHIES, P. V. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Estudos Feministas, v. 18, n. 2, p. 510-528, 2010.

CORSINI, L.; SOUZA FILHO, E. A. Um estudo sobre as representações sociais de mulheres executivas: estilo de comportamento e de gestão. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 7, p. 67-80, 2004.

DELHVI, S. S.; SÜß, S. Careers and career research in Germany: a literature review.Management Review Quarterly, v.66, n. 1, p. 1-31, 2016.

FARO, E. S. C. et al. Âncoras de carreira e transformações no modelo de administração: estudo de caso do Tribunal de Contas da União (TCU). Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 8, n. 4, p. 710-733, 2010.

FELDMAN, D. C.; BOLINO, M. C. Careers within careers: reconceptualising the nature of career anchors and their consequences. Human Resource Management Review, v. 6, n. 2, p. 89-112, 1996.

FERREIRA, S. I. et al. Escolhas e planejamento de carreira: a tirania dos discursos tradicionais. Revista Brasileira de Orientação Profissional, v. 14, n. 2, p. 165-175, 2013.

FIGUERÊDO, R. B. de; CRUZ, F. M. L. Psicologia: profissão feminina? A visão dos estudantes de Psicologia. Estudos Feministas, v. 25, n. 2, p. 803- 828, 2017.

GOBILLON, L.; MEURS, D.; ROUX, S. Estimating gender differences in access to jobs. Journal of Labor Economics, v. 33, v. 2, p. 317-363, 2015.

GUBLER, M.; ARNOLD, J.; COOMBS, C. Reassessing the protean career concept: empirical findings, conceptual components, and measurement. Journal of Organizational Behavior, v. 35, n. 1, p. 23-40, 2014.

GUBLER, M.; BIEMANN, T.; TSCHOPP, C.; GROTE, G. How career anchors differentiate managerial career trajectories. Journal of Career Development, v. 42. n.5, p. 412-430, 2015.

HÄRKÖNEN, J.; MANZONI, A.; BIHAGEN, E. Gender inequalities in occupational prestige across the working life: an analysis of the careers of West Germans and Swedes born from the 1920s to the 1970s. Advances in Life Course Research, v. 29, p. 41-51, 2016.

HECKERT, T. M. et al. Gender differences in anticipated salary: role of salary estimates for others job characteristics, career paths, and job inputs. Sex Roles, v. 47, n. 3-4, p. 139-151, 2002.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

HUGMAN, R. Power in caring professions. London: The Macmillan Press, 1991.

KNIVETON, B. H. Managerial career anchors in a changing business environment. Journal of European Industrial Training, v. 28, n. 7, p. 564-573, 2004.

LEE, S.H.; WONG, P.K. An exploratory study of technopreneurial intentions: a career anchor perspective. Journal of Business Venturing, v. 19, n.1, p. 7-28, 2004.

LOTUFO, M.; MIRANDA, A. D. Sistemas de direção e práticas de gestão governamental em secretarias estaduais de saúde. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 41, n. 6, p. 1143-1163, 2007.

MAGEE, W. Effects of gender and age on pride in work, and job satisfaction. Journal of Happiness Studies, v. 16, n. 5, p. 1091-1115, 2015.

MATTOS, A. H. G. A ocupação feminina no mercado de trabalho: desafios para a gestão contemporânea das organizações. Gestão Contemporânea, v. 6, n. 6, p. 23-43, 2010.

MIGUEL, L. F. Voltando à discussão sobre capitalismo e patriarcado. Estudos Feministas, v. 25, n. 3, p. 1219-1237, 2017.

PEREZ, A. M.; ROCHA, J. R.; HIPOLITO, A. L. L.; CALIXTO, R. C. O conhecimento sobre a formação gerencial do enfermeiro: revisão integrative. Revista de Enfermagem da UFPE, v. 8, n. 2, p. 3700-3708, 2014.

RALEY, S; BIANCHI, S. Sons, Daughters, and Family Processes: Does Gender of Children Matter? Annual Review of Sociology, v. 32, p. 401-421, 2006.

RANSOM, M.; OAXACA, R. L. Intrafirm mobility and sex differences in wages. Industrial and Labor Relations Review, v. 58, n. 2, p. 219-237, 2005.

RICE, L.; BARTH, J. M. Hiring decisions: the effect of evaluator gender and gender stereotype characteristics on the evaluation of job applicants. Gender Issues,v. 33, n. 1, p. 1-21, 2016.

RODRIGUES, R. A.; GUEST, D.; BUDJANOVCANIN, A. From anchors to orientations: towards a contemporary theory of career preferences. Journal of Vocational Behavior, v. 83, p. 142-152, 2013.

SAFFIOTI, H. I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. CadernosPagu, n. 16, p. 115-136, 2001.

SCHEIN, E. H. Career anchors and career paths: a panel study of management school graduates. Massachusetts: MIT Sloan School of Management, 1974. (Technical Report, n. 1).

SCHEIN, E. H. Career anchors and job/role planning: the links between career planning and career development. In: MONTROSS, D. H.; SHINKMAN, C. J. (Ed.). Career development:theory and practice. Springfield: Charles C. Thomas, 1992. p. 207-218.

SCHEIN, E. H. Career anchors revisited: implications for career development in the 21st century. Academy of Management Perspectives,v. 10, p. 80-88, 1996.

SCHEIN, E. H. Career anchors:discovering your real values. San Diego: University Associates, 1990.

SCHEIN, E. H.; VAN MAANEN, J. Career anchors and job/role planning. Organizational Dynamics,v.45, n. 3, p. 165-173, 2016.

SCHULZ, D. J.; ENSLIN, C. The female executive’s perspective on career planning and advancement in organizations. SAGE Open, v. 4, n. 4, p. 1-9, 2014.

VIEIRA, A.; AMARAL, G. A. A Arte de ser beija-flor na tripla jornada de trabalho da mulher. Saúde eSociedade, v. 22, p. 403-414, 2013.