O que você Faz com o seu Tempo? Um Estudo sobre Work-Life-Balance Outros Idiomas

ID:
54056
Resumo:
A presente pesquisa se propôs a ampliar os estudos acerca da temática Work-Life Balance. Para tanto, buscou verificar se as características dos funcionários e a flexibilidade da jornada de trabalho proposta por uma empresa de tecnologia da Grande Florianópolis refletem na percepção de gestão adequada de tempo e, respectivamente, no equilíbrio entre vida pessoal e laboral (Work-Life Balance) dos colaboradores. A metodologia utilizada caracteriza-se quanto ao objetivo como descritiva, sendo a coleta de dados realizada com a aplicação de um questionário, por meio da plataforma virtual do “Google Forms”. Os dados, advindos do retorno de 38 questionários, foram analisados inicialmente de forma descritiva, o que permitiu identificar um perfil jovem e sem filho dos funcionários, e a percepção dos mesmos sobre a gestão adequada do tempo e de equilíbrio entre vida pessoal e laboral. Com base no Teste U de Mann-Whitney, evidenciou-se que, a diferença da área de formação e idade foram estatisticamente significativas no que se refere ao tempo de sono (variável da gestão de tempo), assim como a formação parece influenciar o equilíbrio entre vida pessoal e laboral (para a variável redução de carga horária com redução proporcional de salário). A flexibilização da carga horária de trabalho por parte da empresa não parece exercer influência sobre a percepção dos funcionários quanto a gestão de tempo e equilíbrio da vida pessoal e laboral. Este resultado pode ser justificado pela política de promoção de um ambiente de trabalho descontraído por parte da empresa a todos os funcionários.
Citação ABNT:
ANDRADE, L.; SCHÄFER, J. D.; LUNKES, R. J. O que você Faz com o seu Tempo? Um Estudo sobre Work-Life-Balance. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 9, n. 1, p. 1-11, 2019.
Citação APA:
Andrade, L., Schäfer, J. D., & Lunkes, R. J. (2019). O que você Faz com o seu Tempo? Um Estudo sobre Work-Life-Balance. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 9(1), 1-11.
DOI:
https://doi.org/10.18696/reunir.v9i1.632
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54056/o-que-voce-faz-com-o-seu-tempo--um-estudo-sobre-work-life-balance/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Altoé, S. M. L. (2014). Fatores explicativos do Work-Life balance de contadores à luz da psicologia positiva. 2014. 142 f.. Mestrado em Contabilidade - Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Andrade, M. C. P. (2011). Work-Life Balance: Condições de trabalho facilitadoras da integração do papel profissional e familiar. Exedra: Revista Científica, (1), 41-54.

Baltes, B. B.; Clark, M. A.; Chakrabarti, M. (2010). 16 Work- Life Balance: The Roles of Work-Family Conflict and Work- Family Facilitation.

Beauregard, T. A.; Henry, L. C. (2009). Making the link between work-life balance practices and organizational performance. Human resource management review, 19(1), 9-22.

Chandra, V. (2012). Work-life balance: Eastern and western perspectives. The International Journal of Human Resource Management, 23(5), 1040-1056.

Covey, S. R. (2005). Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes. São Paulo: Best.

Darcy, C.; McCarthy, A.; Hill, J.; Grady, G. (2012). Work-life balance: One size fits all?An exploratory analysis of the differential effects of career stage. European Management Journal, 30(2), 111-120.

Isaacs, D. (2016). Work-life balance, Journal of Pediatrics and Child Health, v. 52, 2016.

Lima, M. D. C. F.; Jesus, S. B. (2011). Administração do tempo: um estudo sobre a gestão eficaz do tempo como ferramenta para o aumento da produtividade e work life balance. Revista de Gestão e Secretariado, 2(2), 121-144.

Moen, P.; Fan, W.; Kelly, E. L. (2013). Team-level flexibility, work-home spillover, and health behavior. Social Science & Medicine, 84, 69-79.

Moen, P.; Kelly, E. L.; Hill, R. (2011). Does enhancing worktime control and flexibility reduce turnover?A naturally occurring experiment. Social problems, 58(1), 69-98.

Moen, P.; Kelly, E. L.; Tranby, E.; Huang, Q. (2011). Changing work, changing health: can real work-time flexibility promote health behaviors and well-being?. Journal of Health and Social Behavior, 52(4), 404-429.

Paludo, S. D. S.; Koller, S. H. (2007). Psicologia Positiva: uma nova abordagem para antigas questões. Paidéia: cadernos de educação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, SP. Vol. 17, n. 36 (2007), p. 9- 20.

Pasquali, L. (2017). Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Editora Vozes Limitada.

Perlow, L. A.; Kelly, E. L. (2014). Toward a model of work redesign for better work and better life. Work and Occupations, 41(1), 111-134.

Robortella, L. C. A. (1994). O moderno direito do trabalho: flexibilização, terceirização; novas tecnologias, contratos atípicos; participação na empresa. Ed. LTr.

Saltzstein, A. L.; Ting, Y.; Saltzstein, G. H. (2001). Work‐family balance and job satisfaction: The impact of family‐friendly policies on attitudes of federal government employees. Public administration review, 61(4), 452-467.

Sutton, K. L.; Noe, R. A. (2005). Family-friendly programs and work-life integration: more myth than magic?. na.

Tasca, C. F. F. B.; Bezerra, C. S. (2017). A indisponibilidade dos direitos do trabalhador em face da flexibilização da legislação trabalhista brasileira. Revista Âmbito Jurídico, (159).

Vignoli, V. D. A. (2010). Flexibilização da jornada de trabalho: importância e limitações (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Vogelmann, E. M. (2012). Flexibilização da carga horária como forma de motivação organizacional.

Wong, S. C. K.; Ko, A. (2009). Exploratory study of understanding hotel employees’ perception on work-life balance issues. International Journal of Hospitality Management, 28(2), 195-203.

Wu, L.; Rusyidi, B.; Claiborne, N.; McCarthy, M. L. (2013). Relationships between work-life balance and job-related factors among child welfare workers. Children and Youth Services Review, 35(9), 1447-1454.