Internacionalização das Universidades Brasileiras - Contribuições do Programa Ciência sem Fronteiras Outros Idiomas

ID:
54119
Resumo:
A crítica ao Ciência sem Fronteiras (CsF) - a maior estratégia governamental de internacionalização na história do ensino superior brasileiro - resultou no interesse em pesquisar as realizações desse programa. Este artigo aborda as contribuições que o CsF tem feito para solidificar a internacionalização nas universidades brasileiras. Para isso, analisa a lógica subjacente à concepção e implementação do programa, seus resultados e, particularmente, sua expansão no nível institucional. A investigação assumiu caráter qualitativo, de natureza exploratória, combinando recursos bibliográficos e documentais por meio da análise temática de conteúdo. Os resultados revelam que o CsF potencializou a exposição das universidades brasileiras no ambiente internacional; favoreceu a criação de parcerias e redes acadêmicas internacionais; influenciou na definição do modelo de internacionalização do Ensino Superior desejado pelo Governo brasileiro. Na medida em que contribuiu para uma curva de aprendizagem e influiu sobre a decisão de se avançar em um processo de internacionalização mais amplo e orgânico, ampliou as condições que criam um ambiente internacional no interior das universidades brasileiras.
Citação ABNT:
PROLO, I.; VIEIRA, R. C.; LIMA, M. C.; LEAL, F. G. Internacionalização das Universidades Brasileiras - Contribuições do Programa Ciência sem Fronteiras. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 319-361, 2019.
Citação APA:
Prolo, I., Vieira, R. C., Lima, M. C., & Leal, F. G. (2019). Internacionalização das Universidades Brasileiras - Contribuições do Programa Ciência sem Fronteiras. Administração: Ensino e Pesquisa, 20(2), 319-361.
DOI:
10.13058/raep.2019.v20n2.1330
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54119/internacionalizacao-das-universidades-brasileiras---contribuicoes-do-programa-ciencia-sem-fronteiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKKARI, A. Internacionalização das Políticas Educacionais: transformações e desafios. Petrópolis: Vozes, 2011.

ALMEIDA, S. M. C. Do Maranhão para o mundo e vice-versa: Ciência sem Fronteiras como política de internacionalização do IFMA. 2016. 184 f., Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2016.

ALTBACH, P. G.; HAZELKORN, E. Can we measure education quality in global rankings? University World News, 25 ago 2018 2018.

ARAYA, M. J. M.; OREGIONI, M. S. Internacionalización de la Universidad en el marco de la Integración Regional. Tandil: Grafi kart, 2015.

ARCHANJO, R. Moving globally to transform locally? Academic mobility and language policy in Brazil. Lang Policy, p. 1-22, 2016.

AVEIRO, T. M. M. O programa Ciência sem Fronteiras como ferramenta de acesso à mobilidade internacional. Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, v. 3, n. 2, p. 1-21, 2014.

AZEVEDO, M. L. N. D. The Bologna Process and higher education in Mercosur: regionalization or Europeanization? International Journal of Lifelong Education, v. 33, n. 3, p. 411-427, 2014.

BALLATORE, M.; BLOSS, T. Le sens caché de la mobilité des étudiants Erasmus. In: DERVIN, F. e SUOMELA-SALMI, E. (Ed.). Mobilité académique – perspectives croisées. Turku: Université de Turku/Département d’Études Françaises, 2007. p. 30-63.

BASTOS, A. O. Gestão do Programa Ciência sem Fronteiras nos cursos de graduação da área de Saúde em universidades brasileiras. 2017. 130 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Mestrado Profissional em Educação, Faculdade Pernambucana de Saúde, Recife, 2017.

BERRY, C.; TAYLOR, J. Internationalisation in higher education in Latin America: policies and practice in Colombia and Mexico. Higher Education, v. 67, n. 5, p. 585-601, 2014.

BIDO, M. C. F. Ciência com fronteiras: a mobilidade acadêmica e seus impactos. 2015. 132 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Educacional) – Programa de Pós-Graduação em Gestão Educacional, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2015.

BISCHOFF, V. As ações públicas de internacionalização da educação superior no Brasil e seu alinhamento com a Política Externa Brasileira no Governo Dilma Rousseff 2011-2014. 2017. 245 f. Tese (Doutorado em Estudos Estratégicos Internacionais) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Estratégicos Internacionais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

BORGES, R. A.; GARCIA-FILICE, R. C. A língua inglesa no Ciência sem Fronteiras: paradoxos na política de internacionalização. Interfaces Brasil/Canadá, v. 16, n. 1, p. 72101, 2016.

BRASIL. Decreto nº 7.642, de 13 de Dezembro de 2011. Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2016.

BRITISH-COUNCIL. Fund Newton. 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2016.

BRITISH-EMBASSY-BRASILIA. Prosperity Fund Strategy Brazil Programme FY 2015/16. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2016.

BUARQUE, C. Relatório de avaliação de políticas públicas: Programa Ciência sem Fronteiras. 2015. Disponível em: < www19.senado.gov.br/sdleg-getter/public/getDocument?docverid=d96d0b6a-8fd9-4526-bbd9-32a9e4d71d48 >. Acesso em: 22 set. 2016.

CAPES-PRINT. Programa Institucional de Internacionalização – Capes-PrInt EDITAL nº. 41/2017 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

CAPES. A internacionalização na Universidade Brasileira: resultados do questionário aplicado pela CAPES. Brasília, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

CAPES. Esclarecimento sobre regulamento de bolsas no exterior. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

CAPES; CNPQ. Painel de Controle do Programa Ciência sem Fronteiras dados atualizados até Janeiro/2016. 2016. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2016.

CASTRO, C. D. M. et al. Cem mil bolsistas no exterior. Interesse nacional, v. 5, n. 17, p. 25-36, 2012.

CHAVES, G. M. N. As bolsas de graduação-sanduiche do programa ciência sem fronteiras: uma análise de suas implicações educacionais. 2015. 196 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2015.

CHAVES, V. L. J.; CASTRO, A. M. D. A. D. Internacionalização da educação superior no Brasil: programas de indução à mobilidade estudantil. Revista Internacional de Educação Superior, v. 2, n. 1, p. 118-137, 2016.

COSTA, N. C. Internacionalização da Educação Superior e o Programa Ciência Sem Fronteiras: um estudo na Universidade Federal Fluminense. 2016. 145 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas e Formação Humana) – Programa em Políticas Públicas e Formação Humana, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

CPS. Parceria do CPS com Embaixada Britânica capacitará professores de inglês. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

DE WIT, H. Rationales for Internationalisation of Higer Education. Millennium: Journal of International Studies, v. 11, n. july, p. 1-8, 1998. DE WIT, H. et al. The globalization of internationalization: emerging voices and perspectives. New York: Routledge, 2017.

DOBBINS, M. Convergent or divergent Europeanization? An analysis of higher education governance reforms in France and Italy. International Review of Administrative Sciences, v. 83, n. 1, p. 177-199, 2015.

DOLBY, N.; RAHMAN, A. Research in international education. Review of Educational Research, v. 78, n. 3, p. 676-726, 2008.

EGRON-POLAK, E.; HUDSON, R. IAU 4th Global Survey Internationalization of higher education: growing expectations, fundamental values. IAU, 2014.

EWERT, S. Higher education cooperation and networks in the Baltic Sea Region: A basis for regionalization and region building? Journal of Baltic Studies, v. 43, n. 1, p. 95-116, 2012.

FINDLAY, A. M. et al. Motivations and experiences of UK students studying abroad. Research Paper no. 8, p. 1-74, 2010.

FRANÇA, T.; PADILLA, B. Cooperação Sul-Sul, uma via alternativa? Um caso exploratório entre Brasil e Argentina. Forum Sociológico. Série II, 2015. CESNOVA. p.61-71.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasilia: Líber Livro, 2007.

GACEL-ÁVILA, J. Comprehensive internationalisation in Latin America. Higher Education Policy, v. 25, n. 4, p. 493-510, 2012.

GACEL-ÁVILA, J.; RODRÍGUEZ-RODRÍGUEZ, S. Internacionalización de la educación superior en América Latina y el Caribe: Un Balance. Universidad de Guadalajara; Benemérita Universidad Autónoma de Puebla: Unesco-Iesalc, 2018.

GAO, Y. Toward a set of internationally applicable indicators for measuring university internationalization performance. Journal of studies in international education, v. 19, n. 2, p. 182-200, 2015.

GIGLIO, R. Impacto do programa ciências sem fronteiras nas competências de seus egressos. 2015. 63 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015.

HAZELKORN, E. Rankings and the reshaping of higher education: The battle for world-class excellence. London: Palgrave Macmillan, 2011.

HEFCE. Financial health of the higher education sector 2015-16 to 2018-19 forecasts. 2016. Disponível em: < www.hefce.ac.uk/media/HEFCE,2014/Content/Pubs/2016/201634/EFCE2016_34.pdf >. Acesso em: 20 mar. 2017.

HUDZIK, J. K. Comprehensive internationalization: From concept to action. Washington, DC: NAFSA, 2011.

IIE. Open Doors. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

JÖNS, H.; HOYLER, M. Global geographies of higher education: The perspective of world university rankings. Geoforum, v. 46, p. 45-59, 2013.

JUDD, K. E. 101 mil brasileiros no mundo: as implicações do Programa Ciência Sem Fronteiras para o Estado Desenvolvimentista Brasileiro. 2014. 138 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Sobre as Américas Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

KEHM, B. M.; TEICHLER, U. Research on internationalisation in higher education. Journal of Studies in International Education, v. 11, n. 3-4, p. 260-273, 2007.

KNIGHT, J. Concepts, rationales, and interpretive frameworks in the internationalization of higher education. In: DEARDOFF, D. K. E. A. (Ed.). The SAGE handbook of international higher education. London: SAGE Publications Inc, 2012. p. 27-42.

KNIGHT, J. International universities: Misunderstandings and emerging models? Journal of Studies in International Education, v. 19, n. 2, p. 107-121, 2015.

KNIGHT, J. Internationalization remodeled: Definition, approaches, and rationales. Journal of studies in international education, v. 8, n. 1, p. 5-31, 2004.

KNOBEL, M. Brazil seeks academic boost by sending students abroad. International Higher Education, v. 66, p. 15-17, 2012.

LAGE, T. S. R. Políticas de internacionalização da Educação Superior na Região Norte do Brasil: Análise do Programa Ciência sem Fronteiras na Universidade Federal do Tocantins. 2015. 182 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2015.

LEAL, F. G.; MORAES, M. C. B. Decolonialidade como epistemologia para o campo teórico da internacionalização da educação superior. Education Policy Analysis Archives, v. 26, n. 87, p. 1-29, 2018.

LEAL, F. G.; STALLIVIERI, L.; MORAES, M. C. B. Indicadores de internacionalização: o que os Rankings Acadêmicos medem? Revista Internacional de Educação Superior, v. 4, n. 1, p. 52-73, 2017.

LEITE, D. B. C.; GENRO, M. E. H. Avaliação e internacionalização da educação superior: Quo vadis América Latina? Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 17, n. 3, p. 763-785, 2012.

LIMA, M. C.; CONTEL, F. B. Internacionalização da educação superior: nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda, 2011.

LIMA, M. C.; CONTEL, F. B. Períodos e motivações da internacionalização da educação superior brasileira. 5ème coloqque del l’IFBAE, 2009.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S. D. Competitividade organizacional: uma tentativa de reconstrução analítica. Organizações & Sociedade, v. 4, n. 7, p. 97-114, 1996.

MARGINSON, S.; ORDORIKA, I. ‘El central volumen de la fuerza’. Global hegemony in higher education and research. In: RHOTEN, D.; CALHOUN, C. (Ed.). Knowledge matters: The public mission of the research university. New York: Columbia University Press, 2011. p. 67-129.

MARINGE, F.; FOSKETT, N.; WOODFIELD, S. Emerging internationalisation models in an uneven global terrain: Findings from a global survey. Compare: a journal of comparative and international education, v. 43, n. 1, p. 9-36, 2013.

MEC. Acordo inédito entre Brasil e Reino Unido vai agilizar reconhecimento mútuo de diplomas. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2017.

MENINO, F. O fim do Ciência sem Fronteiras. Carta Capital, 26 abr. 2017, 2017.

MILHOMEM, R. B. B. Implementação do Programa Ciência Sem Fronteiras no Estado do Tocantins: limites, desafios e potencialidades. 2016. 143 f. Dissertação (Mestrado em Gestão de Políticas Públicas) – Programa de Pós-Graduação em Gestão de Políticas Públicas, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2016.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, 1999.

MORENO, A. C. EUA lançam plano para aumentar o nº de americanos estudando no Brasil. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2016.

MORLEY, L. et al. Internationalisation and migrant academics: the hidden narratives of mobility. Higher Education, v. 76, n. 3, p. 537-554, 2018.

MOROSINI, M. C.; DALLA, M. C.; GUILHERME, A. Internationalization of Higher Education: A Perspective from the Great South. Creative Education, v. 8, n. 01, p. 95-113, 2017.

MOROSINI, M. C.; NASCIMENTO, L. M. D. Internacionalização da Educação Superior no Brasil: a produção recente em teses e dissertações. Educação em Revista, v. 1, n. 33, p. 1-27, 2017.

MULLER, C. Ensino superior no Brasil: a caminho de Ciência sem Fronteiras? In: DANE, F. (Ed.). Relações Brasil-Alemanha. Rio de Janeiro: Cadernos Adenauer XIV, edição especial, Konrad Stiftung, 2013. p. 43-53.

NAFSA. Find out how your state and district benefit from international students. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2018.

NORTH, D. C. Institutions, Institutional Change and Economic Performance. Cambridge: University Press, 1990.

OECD. Education at a Glance 2016: OECD Indicators. 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2018.

OECD. Education at a Glance 2017: OECD Indicators. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2018.

PRASAD, P. Crafting qualitative research: working in the postpositivist traditions. New York: ME Sharpe, 2005.

QS. University Rankings – Top Universities. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2017.

RAMOS, A. G. Programa Ciência sem Fronteiras: desdobramentos e análise das possíveis contribuições à formação acadêmica dos bolsistas. 2016. 85 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.

RIBEIRO, C. P. D. S. Análise do Programa Ciência sem Fronterias (CsF) e de sua Efetividade na Promoção da Visibilidade Internacional dos Trabalhos Científicos dos Programas de Pós-graduação do Centro de Ciências Exatas e Tecnolóficas/UFV. 2014. 112 f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública em Rede Nacional) – Programa de Pós-Graduação em Administração Pública em Rede Nacional, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2014.

RIVAS, R. M.; MULLET, S. Countervailing institutional forces that shape internationalization of science: an analysis of Brazil’s Science without Borders program. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 13, n. 1, p. 12-21, 2016.

RODRIGUES, S. B.; CARRIERI, A. D. P. A tradição anglo-saxônica nos estudos organizacionais brasileiros. RAC, v. 5, n. Edição Especial, p. 81-102, 2001.

RUBIÃO, A. História da Universidade: genealogia para um modelo participativo. Coimbra: Ed. Almedina, 2013.

SÁNCHEZ, E. D.; MUÑOZ, M. D. C.; BENÍTEZ, E. F. V. La Gestión de Internacionalización de la Educación Superior en las Universidades Públicas de Paraguay. In: ARAYA, J. M. J. (Ed.). Aportes para los estudios sobre Internacionalización de la Educación Superior en América del Sur. Tandil: Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, 2015. p. 137-162.

SANTOS, B. D. S. A universidade do século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SCOTT, W. R. Approaching adulthood: the maturing of institutional theory. Theory and society, v. 37, n. 5, p. 427-442, 2008.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations: foundations for organizational science. London: Thousand Oaks, 1995.

SEEBER, M. et al. Why do higher education institutions internationalize? An investigation of the multilevel determinants of internationalization rationales. Higher education, v. 72, n. 5, p. 685-702, 2016.

SEHNEM, P. R. Relações entre os contributos de Programas de Mobilidade Internacional e a Competência Comunicativa Intercultural de Estudantes Universitários. 2015. 356 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, 2015.

SHIELDS, R. Reconsidering regionalisation in global higher education: Student mobility spaces of the European Higher Education Area. Compare: A Journal of Comparative and International Education, v. 46, n. 1, p. 5-23, 2014.

STAKE, R. E. A arte da investigação com estudos de caso. 4.ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2016.

STEIN, S. Internationalization for an uncertain future: Tensions, paradoxes, and possibilities. The Review of Higher Education, v. 41, n. 1, p. 3-32, 2017.

TERRIER, E. Mobilités et expériences territoriales des étudiants internationaux en Bretagne: interroger le rapport mobilités spatiales-inégalités sociales à partir des migrations étudiantes. 2009. 474 f. Université Rennes 2; Université Européenne de Bretagne, 2009.

THE. World Uiversity Rankings 2016-2017. 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2018.

THIENGO, L. C. Universidade de Classe Mundial e o consenso pela excelência: tendências globais e locais. 2018. 365 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

UFSC. UFSC ocupa a posição de 101-150ª no ranking Golden Age University. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2018.

USP. Na 118ª posição, USP é a brasileira mais bem avaliada no QS Ranking. 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 ago 2018.

VELHO, L. Conceitos de ciência e a política científica, tecnológica e de inovação. Sociologias, v. 13, n. 26, p. 128-153, 2011.

VIEIRA, R. C.; LIMA, M. C. Academic Ranking-From Its Genesis to Its International Expansion. Higher Education Studies, v. 5, n. 1, p. 63-72, 2015.

WALKER, P. International student policies in UK higher education from colonialism to the coalition: Developments and consequences. Journal of Studies in International Education, v. 18, n. 4, p. 325-344, 2014

WESTPHAL, A. M. S. Egresso da primeira chamada do programa “Ciência sem Fronteiras”: reflexos no sistema educacional brasileiro (Learning with outcomes). 2014. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Universidade Católica de Brasília, Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2014.

WHITSED, C.; GREEN, W. What’s in a name? A theoretical exploration of the proliferation of labels for international education across the higher education sector. Journal of Studies in International Education, v. 18, n. 2, p. 105-119, 2014.

YEMINI, M.; SAGIE, N. Research on internationalisation in higher education–exploratory analysis. Perspectives: Policy and Practice in Higher Education, v. 20, n. 2-3, p. 90-98, 2015.