Estratégias e Geração de Vantagem Competitiva no Mercado de Veículos Off Road: Análise Fenomenológica do Lançamento do Modelo Ford Ecosport no Brasil Outros Idiomas

ID:
5414
Resumo:
RESUMO No universo da administração existem poucas pesquisas que fazem uso do método fenomenológico. O objetivo central da pesquisa está em identificar as inovações e o empreendedorismo decorrentes das principais estratégias empregadas pela Ford do Brasil, no projeto e lançamento do veículo EcoSport, em 2003, tendo como referencial teórico os pressupostos da teoria da RBV (Resource Based View) complementada pelas vertentes estratégicas propostas pela Escola empreendedora, Escola do posicionamento e Escola ambiental. Por meio do emprego do método fenomenológico na pesquisa qualitativa, análise pós-factum, instrumentalizada através de entrevistas com especialista do mercado Off-Road, executivos da Ford, vendedores de concessionárias de automóveis próprias e concorrentes, buscou-se identificar os recursos geradores de vantagens competitivas. Os resultados da pesquisa apontam para a pertinência da análise fenomenológica ao detectar os recursos empregados pela Ford na perspectiva das estratégias de negócios: a presença do líder empreendedor; posicionamento do produto e capacidade produtiva em consonância com as exigências do ambiente.
Citação ABNT:
BAZANINI, R.; BERTON, R. Estratégias e Geração de Vantagem Competitiva no Mercado de Veículos Off Road: Análise Fenomenológica do Lançamento do Modelo Ford Ecosport no Brasil. Revista Brasileira de Marketing, v. 10, n. 1, p. 123-150, 2011.
Citação APA:
Bazanini, R., & Berton, R. (2011). Estratégias e Geração de Vantagem Competitiva no Mercado de Veículos Off Road: Análise Fenomenológica do Lançamento do Modelo Ford Ecosport no Brasil. Revista Brasileira de Marketing, 10(1), 123-150.
DOI:
10.5585/remark.v10i1.2203
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/5414/estrategias-e-geracao-de-vantagem-competitiva-no-mercado-de-veiculos-off-road--analise-fenomenologica-do-lancamento-do-modelo-ford-ecosport-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abagnano, N. (2007). Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes.

Ansoff, H. I. (1965). Corporate strategy. New York: McGraw-Hill.

Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores. (2007). Estatísticas de produção. Recuperado em 5 maio, 2007, de http://www.anfavea.com.br/tabelas.html.

Assumpção, M. L. (1977). Estruturação da entrevista psicológica. São Paulo: Atlas.

Babie, E. (1989). The practice of social research. Belmont, CA, USA: Wadsworth.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management. 17(1), 99-120.

Barney, J.; Hesterly, W. S. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Carvalho, E. G. (2005). Globalização e estratégias competitivas na indústria automobilística: uma abordagem a partir das principais montadoras instaladas no Brasil. Revista Gestão & Produção, 12(1), 121-133. Recuperado em 5 maio, 2008, de . 2005.

Chandler, A. D.; Jr. (1962). Strategy and structure: chapters in the history of the American industrial enterprise. Cambridge: The MIT Press.

Cruz, C. C. (2003). Antonio Maciel Neto Empreendedor do Ano na Indústria recupera o brilho da Ford. Revista Isto é Dinheiro, edição 329. Recuperado em 15 outubro,2007, de http://www.terra.com.br/istoedinheiro/329/empreendedor/329_antonio_maciel.htm.

Cruz, C. C. (2003). Luc: o pensador. Revista Isto é Dinheiro, edição 312. Recuperado em 21 dezembro,2008, de http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/10617_LUC+O+PENSADOR.

Fahey, L.; Randall, R. M. (1999). MBA Curso prático: estratégia. 2a ed. Rio de Janeiro: Campus.

Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores. (2007). Emplacamentos. Recuperado em 5 maio, 2007, de http://www.fenabrave.org.br/logon.asp.

Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores. (2007). Participação de mercado da FORD. Arquivo ABRADIF – Associação Brasileira dos Distribuidores Ford. Recuperado em 5 maio, 2007, de http://www.fenabrave.com.br/principal/pub/anexos/20100526094728anual_2007.pdf.

Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores. (2007). Rede de distribuidores FORD. Arquivo ABRADIF- Associação Brasileira dos Distribuidores Ford. Recuperado em 5 maio, 2007 de http://www.fenabrave.com.br/principal/pub/anexos/20100526094728anual_2007.pdf.

Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores. (2007). Vendas anuais dos modelos. Recuperado em 5 maio, 2007, de http://www.fenabrave.org.br/logon.asp.

Fisher, A. L.; Silva, N. B. (2004). Os programas de melhoria contínua como processos de aprendizagem organizacional: o caso de uma indústria de produtos alimentícios. Anais do XXVIII Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração – EnAnpad. Curitiba, PR, Brasil, 25-29. [CD-ROM].

Giorgi, A. (1997). The theory, practice and evaluation of the phenomenological method as a qualitative research procedure. Journal of Phenomenological Research, 28(2), 235‑260.

Henderson, B. D. (1998). As Origens da Estratégia. In C. Montgomery, & M. Porter (Eds.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva 3a ed. Rio de Janeiro: Campus.

Henneman, M. S. (1990). Fenomenologia e psicologia em Amedeo Giorgi. Anais do Seminário sobre Pesquisa Fenomenológica nas Ciências Humanas e Sociais. Porto Alegre, RS, Brasil, 7-10.

Husserl, E. (1990). A idéia da fenomenologia. Lisboa: Edições 70.

INOVA. (2005). O pioneiro da FORD. Edição 54, São Paulo. Recuperado em 2 abril,2008, de http://www.inova.unicamp.br/inventabrasil/ecosport.htm.

Jornauto. (2004). A FORD no Brasil. Edição 138, São Paulo. Recuperado em 6 maio,2008, de http://www.jornauto.com.br/138/ford85anos.htm.

Martins, J.; Bicudo, M. A. V. (1989). A pesquisa qualitativa em psicologia: fundamentos e recursos básicos. São Paulo: EDUC.

Mintzberg, H.; Ahlstrand, B.; Lampel, J. (2000). Strategy safary: a guided tour through the wilds of strategic management. New York: The Free Press.

Moustakas, C. (1994). Phenomenological research methods. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Pimenta, L. J.; Cruz, R. (2008). A crise da rede de concessionárias de automóveis no Brasil. Recuperado em 7 junho, 2008, de http://74.125.47.132/search?q=cache:BAqGcAbQmmAJ:www.abradif.com.br/Informatica/Pimenta/ARTIGO.pdf+pimenta+concession%C3%A1rias+ford&hl=pt-BR&ct=clnk&cd=6&gl=br.

Porter, M. E. (1998). Competitive strategy: technics for analising industries and competitors. New York: The Free Press.

Prahalad, C. K.; Hamel, G. (1998). A competência essencial da corporação. In C. Montgomery, & M. Porter (Eds.). Estratégia: a busca da vantagem competitiva. 3a ed. Rio de Janeiro: Campus.

Quintella, H. L. M. M.; Rocha, H. M.; Alves, M. F. (2005). Projetos de veículos automotores: fatores críticos de sucesso no lançamento. Revista Produção, 15(3), 334-346.

Sanders, P. (1982). Phenomenology: a new way of viewing organizational research. Academy of Management Review, 7(3), 353-360.

Silva, F. V. V. (2007). Análise das estratégias competitivas na indústria automobilística. Rio de Janeiro. Recuperado em 8 outubro, 2008, de http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/cgibin/PRG_0599.EXE/10114_1.PDF?NrOcoSis=32551&CdLinPrg=PT.

Streubert, H. J.; Carpenter, D. R. (1995). Qualitative research in nursing. advancing the humanistic imperative. Philadelphia: J. B. Lippincott Company.

Venkatraman, N.; Grant, J. (1986). Construct measurement in organizational strategy research: a critique and proposal. Academy of Management Review, 11(1), 71-87.

Whipp, R. (1996). Creative deconstruction: strategy and organizations. In: C. Stewart, C. Hardy, & W. Nora (Eds.). Handbook of organization studies (pp. 261-275). London: Sage Publications.

Whittington, R. (2002). O que é estratégia. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Zaccarelli, S. B. (2002). Estratégia e sucesso nas empresas. São Paulo: Saraiva.