Democracia Digital na Área de Administração: Um Levantamento da Construção do Campo no Brasil Outros Idiomas

ID:
54177
Resumo:
Esta pesquisa realiza um levantamento da produção acadêmica no campo da Administração sobre democracia digital, governo eletrônico e termos afins. A prospecção envolve artigos que abordam gestão, políticas públicas e sistemas de informação, publicados em periódicos qualificados na área de Administração, entre 2002 e 2016. O estudo lança mão de uma análise de conteúdo, classificando as publicações de acordo com as seguintes variáveis: ano, periódico, autor, abordagem (gerencial, política, híbrida). Foram encontrados 49 artigos, distribuídos em apenas sete periódicos e majoritariamente produzidos por pesquisadores provenientes de apenas seis instituições brasileiras. Ademais, evidenciamos que o termo “democracia digital” era praticamente inexistente até 2011. Por fim, a abordagem gerencialista era predominante inicialmente, mas foi superada pela abordagem política nos últimos anos. Conclui-se que a área de Administração já foi capaz de superar uma visão excessivamente gerencial, mas que o tema ainda carece de maior atenção acadêmica.
Citação ABNT:
PINHO, J. A. G.; SAMPAIO, R. C.; WINKLER, I.; MORAIS, K. Democracia Digital na Área de Administração: Um Levantamento da Construção do Campo no Brasil. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 24, n. 78, p. 1-31, 2019.
Citação APA:
Pinho, J. A. G., Sampaio, R. C., Winkler, I., & Morais, K. (2019). Democracia Digital na Área de Administração: Um Levantamento da Construção do Campo no Brasil. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 24(78), 1-31.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12660/cgpc.v24n78.73630
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54177/democracia-digital-na-area-de-administracao--um-levantamento-da-construcao-do-campo-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abreu, J. C. (2016). Participação democrática em ambientes digitais: o desenho institucional do orçamento participativo digital. Cadernos EBAPE.BR, 14(3), 794-820. doi:10.1590/1679-395131558

Abreu, J. C., & Pinho, J. A. G. (2014). Sentidos e significados da participação democrática através da internet: Uma análise da experiência do Orçamento Participativo Digital. RAP-Revista de Administração Pública, 48(4), 821-846. doi:10.1590/0034-76121707

Abrucio, F. L. (2007). Trajetória recente da gestão pública brasileira: Um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. RAP-Revista de Administração Pública, 41, 6786. doi:10.1590/S0034-76122007000700005

Aggio, C. O., & Sampaio, R. C. (2014). A democracia digital do gabinete do governador: O perfil e os limites de um modelo consultivo de participação. In S. Silveira, S. Braga, & C. Penteado (Orgs.), Cultura, política e ativismo nas redes sociais (pp. 215-242). São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo.

Agune, R., & Carlos, J. (2005). Governo eletrônico e novos processos de trabalho. In E. Levy, & P. Drago (Orgs.), Gestão pública no Brasil contemporâneo (pp. 1-16). São Paulo,

Almeida, L. B., & Paula, L. G. (2005). O retrato da exclusão digital na sociedade brasileira. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, 2(1), 55-67. doi:10.1590/

Bernardes, M. B, Santos, P. M., & Rover, A. J. (2015). Ranking das prefeituras da região Sul do Brasil: Uma avaliação a partir de critérios estabelecidos na Lei de Acesso à Informação. RAP-Revista de Administração Pública, 49(3), 761-792. doi:10.1590/00347612119279

Beuren, I. M., Moura, G. D., & Kloeppel, N. R. (2013). Práticas de governança eletrônica e eficiência na utilização das receitas: Uma análise nos estados brasileiros. RAP-Revista de Administração Pública, 47(2), 421-442.

Bolzan, L. M., & Löbler, M. L. (2015). Socialização e afetividade no processo de inclusão digital: Um estudo etnográfico. Organizações & Sociedade, 23(76), 130-149. doi:10.1590/1984-9230767

Braga, L. V., & Gomes, R. C. (2016). Participação eletrônica e suas relações com governo eletrônico, efetividade governamental e accountability. Organizações & Sociedade, 23(78), 487-506. doi:10.1590/198492307878

Bresser-Pereira, L. C. (1998). A reforma do Estado dos anos 90: Lógica e mecanismos de controle. Lua Nova, (45), 49-95. doi:10.1590/S0102-64451998000300004

Campos, A. M. (1990, fevereiro/abril), Accountabilty: Quando poderemos traduzi-la para o português? RAP-Revista de Administração Pública, 24(2), 30-50.

Coleman, S., & Blumler, J. (2009). The internet and democratic citizenship: Theory, practice and policy. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Cruz, C. F., Ferreira, A. C. de S., Silva, L. M. da, & Macedo, M. Á. da S. (2012). Transparência da gestão pública municipal: Um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. RAP-Revista de Administração Pública, 46(1), 153-176. doi:10.1590/S0034-76122012000100008

Cruz, M. do C. M. T., Silva, T. A. B., & Spinelli, M. V. (2016). O papel das controladorias locais no cumprimento da Lei de Acesso à Informação pelos municípios brasileiros. Cadernos EBAPE.BR, 14(3), 721-743. doi:10.1590/1679-395131556

Cunha, M. A., Coelho, T. R., & Pozzebon, M. (2014). Internet e participação: O caso do orçamento participativo digital de Belo Horizonte. RAE-Revista de Administração de Empresas, 54(3), 296-308. doi:10.1590/

Cunha, M. A. V. C. da, & Miranda, P. R. de M. (2013). O uso de TIC pelos governos: Uma proposta de agenda de pesquisa a partir da produção acadêmica e da prática nacional. Organizações & Sociedade, 20(66), 543-566. doi:10.1590/S1984-92302013000300010

Dahlberg, L. (2001). Democracy via cyberspace: Mapping the rhetorics and practices of three prominent camps. New media & society, 3(2), 157-177. doi:10.1177/14614440122226038

Damian, I. P. M., & Merlo, E. M. (2013). Uma análise dos sites de governos eletrônicos no Brasil sob a ótica dos usuários dos serviços e sua satisfação. RAP-Revista de Administração Pública, 47(4), 877-900. doi:10.1590/

Diniz, E., Barbosa, A., Junqueira, Á., & Prado, O. (2009). O governo eletrônico no Brasil: Perspectiva histórica a partir de um modelo estruturado de análise. RAP-Revista de Administração Pública, 43(1), 23-48. doi:10.1590/S0034-76122009000100003

Faria, C., Rehbein, M., & Sathler, A. (2016). Netizen em ação: Hackeando o parlamento a partir de dentro. In S. Silva, R. Bragatto, & R. Sampaio (Orgs.), Democracia digital, comunicação política e redes: Teoria e prática (pp. 393-418). Rio de Janeiro, RJ: Letra & Imagem.

Ferneda, E., Alonso, L. B. N., & Braga, L. V. (2011). Digital certification in the Brazilian e-government. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 8(2), 331-346. doi:10.1590/S1807-17752011000200004

Ferreira, A. S. S., & Neves, S. C. (2002). Contribuições para o planejamento da integração e da publicação de informações da administração pública. RAUSP-Revista de Administração, 37(1), 63-71.

Filgueiras, F., & Lorenzelli, M. (2005). Sistemas de informação e políticas públicas na política de assistência social do município de São Paulo: Um casamento feliz entre inovação política e modernização gerencial. RAP-Revista de Administração Pública, 39(3), 613-633.

Freire, A. P., Castro, M., & Fortes, R. P. M. (2009). Acessibilidade dos sítios web dos governos estaduais brasileiros: Uma análise quantitativa entre 1996 e 2007. RAP-Revista de Administração Pública, 43(2), 395-414.

Freitas, C. S., Lima, F. F., & Lima, F. Q. (2015). Os desafios ao desenvolvimento de um ambiente para participação política digital: O caso de uma comunidade virtual legislativa do projeto e-Democracia no Brasil. Organizações & Sociedade, 22(75), 639-657. doi:10.1590/1984-9230759

Gomes, W. (2005). Internet e participação política em sociedades democráticas. Revista FAMECOS, (27), 58-78.

Gomes, W. (2011). Participação política online: Questões e hipóteses de trabalho. In R. Maia, W. Gomes, & F. Marques (Orgs.), Internet e participação política no Brasil (pp. 19-46). Porto Alegre, RS: Sulina.

Gomes, W. (2016). 20 anos de política, estado e democracia digitais: Uma cartografia do campo. In S. Silva, R. Bragatto, & R. Sampaio (Orgs.), Democracia digital, comunicação política e redes: Teoria e prática (pp. 39-76). Rio de Janeiro, RJ: Letra & Imagem.

Goncalves, A., Nascimento, L. A., Bouzada, M. & Pitassi, C.(2016). Factors that influence the adoption and implementation of public digital accounting according to the evaluation by managers of brazilian companies. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, v. 13, n. 2, p. 193218.

Guimarães, T. A., & Medeiros, P. H. R. (2005). A relação entre governo eletrônico e governança eletrônica no governo federal brasileiro. Cadernos EBAPE.BR, 3(4), 1-18. doi:10.1590/S1679-39512005000400004

Hegel, G. W. F. (1969). Textos dialéticos (Selecionados por Djacir Menezes). Rio de Janeiro, RJ: Zahar Editores.

Ifinedo, P. (2012). Drivers of e-government maturity in two developing regions: Focus on Latin America and Sub-Saharan Africa. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 9(1), 05-22. doi:10.1590/S1807-17752012000100002

Inamine, R., Erdmann, R. H., & Marchi, J. J. (2012). Análise do sistema eletrônico de compras do governo federal brasileiro sob a perspectiva da criação de valor público. RAUSP-Revista de Administração, 47(1), 124-139. doi:10.5700/rausp1030

Joia, L. A. (2009). Governo eletrônico e capital intelectual nas organizações públicas. RAP-Revista Administração Pública, 43(6), 1379-1405.

Joia, L. A., & Cavalcante, A. A., Neto. (2004). Fatores críticos de sucesso na construção de processos government-to-government. Organizações & Sociedade, 11(29), 29-48. doi:10.1590/S1984-92302004000100002

Laia, M. M., Cunha, M. A., Nogueira, A. R. R., & Mazzon, J. A. (2011). Políticas de governo eletrônico no Brasil: Contexto, gestão de TIC e resultados. RAE-Revista de Administração de Empresas, 51(1), 43-57. doi:10.1590/

Medeiros, P. H. R., & Guimarães, T. A. (2006). A institucionalização do governo eletrônico no Brasil. RAE-Revista de Administração de Empresas, 46(4), 67-78. doi:10.1590/S003475902006000400007

Ministério da Ciência e Tecnologia. (2000). Sociedade da informação no Brasil: Livro verde. Brasília, DF.

Mota, F. P. B., Bellini, C. G. P., Souza, J. M. D. S., & Oliveira, T. D. J. N. (2016). The influence of civic mindedness, trustworthiness, usefulness, and ease of use on the use of government websites. RAUSP-Revista de Administração, 51(4), 344-354. doi:10.1016/j. rausp.2016.07.002

Nabuco, A. L., Macedo, A. L., & Ferreira, R. (2009). A experiência do OP digital em Belo Horizonte: O uso das novas tecnologias no fortalecimento da democracia participativa. IP – Informática Pública, Ano 11(1), 139-155.

Neuendorf, K. (2002). The content analysis guidebook. Londres, UK: Sage.

Nogueira, M. A. (2004). Um estado para a sociedade civil: Temas éticos e políticos da gestão democrática. São Paulo, SP: Cortez.

Oliveira, A. G. de, & Pisa, B. J. (2015). IGovP: Índice de avaliação da governança pública—instrumento de planejamento do Estado e de controle social pelo cidadão. RAP-Revista de Administração Pública, 49(5), 1263-1290. doi:10.1590/0034-7612136179

Pinho, J. A. G. (2008). Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: Muita tecnologia, pouca democracia. RAP-Revista de Administração Pública, 42(3), 471-493.

Pinho, J. A. G. (2011). Sociedade da informação, capitalismo e sociedade civil: Reflexões sobre política, internet e democracia na realidade brasileira. RAE-Revista de Administração de Empresas, 51(1), 98-106. doi:10.1590/S0034-75902011000100009

Pinho, J. A. G. (2016). Reforma da administração pública no Brasil: A resistência do “bunker” patrimonialista e a reforma que não acontece. Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(3), 130-140.

Pinho, J. A. G de, & Sacramento, A. R. S. (2009, novembro/dezembro). Accountability: Já podemos traduzi-la para o português? RAP-Revista de Administração Pública, 43(6), 1343-1368. doi:10.1590/S0034-76122009000600006

Pinho, J. A. G., & Santos, M. E. P. (2015, abril/junho). Aporias em torno do conceito de gestão social: Dilemas teóricos e políticos. REGE-Revista de Gestão, 22(2), 155172. doi:10.5700/rege556

Pozzebon, M., & Diniz, E. H. (2012). Theorizing ICT and society in the Brazilian context: a multilevel, pluralistic and remixable framework. BAR-Brazilian Administration Review, 9(3), 287-307. doi:10.1590/S180776922012000300004

Prado, O. (2009). Governo eletrônico, reforma do estado e transparência: O programa de governo eletrônico do Brasil. 2009. Tese de doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, SP.

Przeybilovicz, E., Cunha, M. A., & Coelho, T. R. (2015). O desenvolvimento dos estudos sobre governo eletrônico no Brasil: Um estudo bibliométrico e sociométrico. RESI: Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 14(3), 1-24. doi:10.21529/ RESI.2015.1403005

Rampelotto, A., Löbler, M. L., & Visentini, M. S. (2015). Avaliação do sítio da Receita Federal do Brasil como medida da efetividade do governo eletrônico para o cidadão. RAP-Revista de Administração Pública, 49(4), 959-983. doi:10.1590/0034-7612131581

Raupp, F. M., & Pinho, J. A. G. (2011). Construindo a accountability em portais eletrônicos de câmaras municipais: Um estudo de caso em Santa Catarina. Cadernos EBAPE.BR, 9(1), 117-139. doi:10.1590/S167939512011000100008

Raupp, F. M., & Pinho, J. A. G. (2013). Accountability em câmaras municipais: Uma investigação em portais eletrônicos. RAUSP-Revista de administração, 48(4), 770-782. doi:10.5700/rausp1120

Raupp, F. M., & Pinho, J. A. G. (2016). Review of passive transparency in Brazilian city councils. RAUSP-Revista de Administração, 51(3), 288-298. doi:10.1016/j. rausp.2016.02.001

Reis, A. F., Dacorso, A. L. R., & Tenório, F. A. G. (2015). Influência do uso de tecnologias de informação e comunicação na prestação de contas públicas municipais—um estudo de caso no Tribunal de Contas dos Municípios do estado da Bahia. RAP-Revista de Administração Pública, 49(1), 231-252.

Rezende, D. A. (2007). Planejamento de informações públicas municipais: Sistemas de informação e de conhecimento, informática e governo eletrônico integrados aos planejamentos das prefeituras e municípios. RAP-Revista de Administração Pública, 41(3), 505-536. doi:10.1590/S003476122007000300007

Rossetto, A. M., Orth, D., & Rossetto, C. R. (2004). Implicações de variáveis organizacionais na adoção de inovações tecnológicas em organizações públicas: Estudo de caso de implantação de sistema de informações geográficas em prefeitura de médio porte. RAP-Revista de Administração Pública, 38(1), 109-136.

Ruediger, M. A. (2002). Governo eletrônico e democracia: Uma análise preliminar dos impactos e potencialidades na gestão pública. Organizações & Sociedade, 9(25), 29-43. doi:10.1590/S1984-92302002000300004

Ruediger, M. A. (2003). Governança democrática na era da informação. RAP-Revista de Administração Pública, 37(6), 1257-1280.

S0034-75902011000100005 Marques, F. (2010). “Muro baixo, o povo pula”: Iniciativas institucionais de participação digital e seus desafios fundamentais. Opinião Pública, 16(1), 117-142. doi:10.1590/S010462762010000100005

S0034-759020140305 Cunha, M. A., & Santos, G. S. (2005). O uso de meios eletrônicos no relacionamento do parlamentar com o cidadão nos municípios brasileiros. Organizações & Sociedade, 12(35), 69-89. doi:10.1590/S1984-92302005000400004

S0034-76122013000400004 Denhardt, R. (2011). Teorias da administração pública. São Paulo, SP: Cengage Learning.

S1807-17752005000100005 Barbosa, A. F. (Coord.). (2016). Pesquisa sobre o uso das tecnologias da informação e comunicação no setor público brasileiro – TIC Domicílios 2015. Comitê Gestor da Internet. São Paulo, SP: CGI.br.

Sampaio, R. C. (2016). E-Orçamentos participativos como iniciativas de e-solicitação: Uma prospecção dos principais casos e reflexões sobre a e-participação. RAP-Revista de Administração Pública, 50(6), 937-958.

Sampaio, R. C., Bragatto, R. C., & Nicolas, M. A. (2016). A construção do campo de internet e política: Análise dos artigos brasileiros apresentados entre 2000 e 2014. Revista Brasileira de Ciência Política, (21), 285-320. doi:10.1590/0103-335220162108

Santos, P. M., Bernardes, M. B., Rover, A. J., & Mezzaroba, O. (2013). Ranking dos tribunais de contas brasileiros: uma avaliação a partir dos padrões web em governo eletrônico. RAP-Revista de Administração Pública, 47(3), 721-744. doi:10.1590/S003476122013000300009

Silva, R. L. D., & Rue, L. A. D. L. (2015). A acessibilidade nos sites do Poder Executivo estadual à luz dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência. RAP-Revista de Administração Pública, 49(2), 315-336. doi:10.1590/0034-7612130130

SP: FUNDAP. Akutsu, L., & Pinho, J. A. G. (2002). Sociedade da informação, accountability e democracia delegativa: Investigação em portais de governo no Brasil. RAP-Revista de Administração Pública, 36(5), 723-745.

Teles, A., & Joia, L. A. (2012). Infoinclusão em Piraí Digital: evidências empíricas a partir da Teoria Ator-Rede. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 9(2), 369-390. doi:10.4301/S180717752012000200009

Tridapalli, J. P., Fernandes, E., & Machado, W. V. (2011). Gestão da cadeia de suprimento do setor público: Uma alternativa para controle de gastos correntes no Brasil. RAP-Revista de Administração Pública, 45(2), 401-433. doi:10.1590/S0034-76122011000200006

Vitoriano, M. A. V., & Souza Neto, J. (2015). Information technology service management processes maturity in the Brazilian Federal direct administration. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 12(3), 663-686. doi:10.4301/S1807-17752015000300009