Dinâmica Setorial e Especialização Produtiva da Indústria de Transformação Brasileira entre 1998 e 2014 Outros Idiomas

ID:
54179
Resumo:
O processo de desindustrialização no Brasil tem sido amplamente discutido na literatura econômica. Contudo, seria o caso de considerarmos toda a indústria como perdedora desse processo de desenvolvimento? E quais seriam os fatores associados às transformações estruturais da indústria brasileira? Este artigo analisa os setores perdedores e ganhadores do processo de desenvolvimento brasileiro entre 1998 e 2014, período marcado por profundas transformações econômicas. O trabalho utiliza uma abordagem bastante desagregada, incluindo dados de 200 classes da indústria de transformação e uma nova estratégia de agrupamento dos setores mais e menos dinâmicos. Os resultados destacam: setores especialmente favorecidos, como o processamento de commodities agrícolas e os setores de bens de consumo (como a fabricação de computadores, aparelhos telefônicos, aparelhos de ar-condicionado, automóveis, aparelhos de televisão, entre outros); e setores especialmente fragilizados, como os segmentos têxteis e da indústria química.
Citação ABNT:
MAIA, B. A. A.; MAIA, A. G. Sector Dynamics and Productive Specialization in the Brazilian Manufacturing Industry between 1998 and 2014. Revista Brasileira de Inovação, v. 18, n. 1, p. 121-156, 2019.
Citação APA:
Maia, B. A. A., & Maia, A. G. (2019). Sector Dynamics and Productive Specialization in the Brazilian Manufacturing Industry between 1998 and 2014. Revista Brasileira de Inovação, 18(1), 121-156.
DOI:
http://dx.doi.org/10.20396/rbi.v18i1.8653206
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54179/dinamica-setorial-e-especializacao-produtiva-da-industria-de-transformacao-brasileira-entre-1998-e-2014/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
BACHA, E. Bonança externa e desindustrialização: uma análise do período 2005-2011. In: BACHA, E.; BOLLE, M. de. (org.). O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013. p. 97-120.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Banco de dados agregados. Sistema Sisbacen. . Access in:20Sep.2015.

BARBOSA FILHO, N. Dez anos de política econômica. In: SADER, E. (org). 10 anos de governo pós-neoliberal no Brasil - Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013.

BARBOSA FILHO, N. O desafio macroeconômico de 2015-2018. Revista de Economia Política v. 35, n. 3, p. 403-425, jul./set. 2015.

BATISTA JUNIOR, P. A economia como ela é. São Paulo: Boitempo. 2000.

BAUMOL, W. Macroeconomics of unbalanced growth: the anatomy of urban crisis. American Economic Review, v. 57, n. 3, p. 415-426,1967.

BIELSCHOWSKY, R.; SQUEFF, G.; VASCONCELOS, L. Evolução dos investimentos nas três frentes de expansão da economia brasileira na década de 2000. In: CALIXTRE, A.; BIANCARELLI, A.; CINTRA, M. A. (org.). Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro. 1. ed. Brasília: Ipea. 2014. p. 195-225.

BRESSER-PEREIRA, L.; NASSIF, A.; FEIJÓ, C.; ARAÚJO, E. Structural change and economic development: is Brazil catching up or falling behind? Cambridge Journal of Economics v. 39, n. 5, p. 1307-1332, 2015.

BRESSER-PEREIRA, L. The Dutch Disease and its neutralization: a ricardian approach. Brazilian Journal of Political Economy v. 28, n. 1, p. 47-71, Jan./Mar. 2008.

CARVALHO, L.; KUPFER, D. Diversificação ou especialização: uma análise do processo de mudança estrutural da indústria brasileira. Revista de Economia Política v. 31, n. 4, p. 618-637, out./dez. 2011.

CHANG, H. J. Kicking away the ladder: development strategy in historical perspective. London: Anthem Press, 2002.

CHANG, H. J. Maus samaritanos - O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

CHENERY, H. Structural change and development policy. New York: Oxford University Press. 1979.

CLARK, C. The conditions of economic progress. London: MacMillan. 1957.

COUTINHO, L.; KUPFER, D. As múltiplas oportunidades de desenvolvimento e o futuro da indústria brasileira. In: DE TONI, J. (org.). Dez anos de política industrial: balanços e perspectivas (2004-2014). Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. 2015.

CRIVISQUI, E. Presentación de los métodos de clasificación. Bruxelas: Programa Presta, ULB. 1999.

CUADRAS, C. M. Métodos de análisis multivariante. Barcelona: EUNIBAR - Editorial Universitária de Barcelona S. A. 1981.

DE CARVALHO, F. Brazil still in troubled waters. New York: Levy Economics Institute of Bard College. 2017. (Public Policy Brief, n. 143).

DIAO, X.; MCMILLAN, M.; RODRIK, D. The recent growth boom in developing economies: a structural change perspective. National Bureau of Economic Research, 2017.

FIGUEIREDO FILHO, D.; SILVA JÚNIOR, J. Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opinião Pública v. 16, n. 1, p. 160-185, 2010.

FISHLOW, A. Origens e consequências da substituição de importações: 40 anos depois. In: BACHA, E.; BOLLE, M. B. de (org.). O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2013. p. 97-120.

FUNCEX - Fundação de Comércio Exterior. . Access in:Feb.2016.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Instituto Brasileiro de Economia: Índice de Preços por Atacado - Setorial, FGV Dados Premium.

GHANI, E.; O’CONELL, S. Can service be a growth escalator in low income countries? Washington, DC: World Bank. July 2014. (Policy Research Working Paper, 6971). . 2014.

HAIR, JR, J. F.; BLACK, W; BABIN, B; ANDERSON, R. Multivariate data analysis. 6. ed. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall, 2006.

HAMILTON, W. Geometry for the selfish herd. Journal of theoretical Biology, v. 31, n. 2, p. 295-311, 1971.

HAUSMANN, R.; HIDALGO, C.; BUSTOS, S. The atlas of economic complexity: mapping paths to prosperity. Cambridge, MA: Mit Press, 2014.

HIRATUKA, C.; SARTI, F. Transformações na estrutura produtiva global, desindustrialização e desenvolvimento industrial no Brasil. Brazilian Journal of Political Economy/Revista de Economia Política v. 37, n. 1, p. 189-207, 2017.

HIRSCHMAN, A. O. The strategy of economic development. New Heaven: Yale University Press, 1958.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Comissão Nacional de Classificação (Concla). . Access in: Nov.2015.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Anual da Indústria. . Access in: Oct.2016.

KIM, C.; LEE, S. Different paths of deindustrialization: Latin American and Southeast Asian countries from a comparative perspective. Journal of International and Area Studies v. 21, n. 2, p. 65-81, 2014.

KIM, J.; MUELLER, C. Factor analysis - Statistical methods and practical issues. Iowa: University of Iowa, 1978.

KRUGMAN, P. A crise de 2008 e a economia da depressão. Translation of Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

KUBIELAS, S. Transformation of technology patterns of trade in the post-socialist economies. In: DYKER, D. A.; RADOSEVIC, S. (ed.). Innovation and structural change in post-socialist countries: a quantitative approach. Kluwer Academic Plublishers, 1999. p. 385-410.

KUZNETS, S. Modern economic growth: findings and reflections. The American Economic Review v. 63, n. 3, p. 247-258, 1973.

KUZNETS, S; MURPHY, J. T. Modern economic growth: rate, structure, and spread. New Haven: Yale University Press, 1966.