Os Indicadores de Desempenho e de Qualidade e o Processo de Governança nas Universidades Federais Brasileiras: Um Estudo Multicaso Outros Idiomas

ID:
54192
Resumo:
O objetivo desta pesquisa foi verificar a relação entre a utilização dos indicadores de desempenho e de qualidade e o processo de governança das universidades federais brasileiras e para atendê-lo, realizaram-se entrevistas, com roteiro semiestruturado, com os gestores das quatro universidades com melhores resultados tanto nos indicadores de desempenho quanto de qualidade. Entretanto, para manter o anonimato nas entrevistas, conforme solicitado, codificou-se as universidades como universidade 1, universidade 2, universidade 3 e universidade 4. Os dados secundários foram coletados em pesquisas bibliográficas e documentais nos sites oficiais das universidades participantes da pesquisa. Para a análise dos resultados optou-se por fazer a triangulação de fontes de dados. Como resultado verificou-se questão da governança influencia sobremaneira a forma pela qual a gestão conduz seus trabalhos, pois as gestões em que se percebeu uma maturidade maior no processo de governança, compreendem melhor a importância dos indicadores e de todas as informações institucionais e os utilizam de forma estratégica.
Citação ABNT:
LOBATO, J. O.; ANDRADE, E. F. S.; MACCARI, E. A.; MAZIERI, M. R. Performance and Quality Indicators and the Governance Process in Brazilian Federal Universities: A Multi-Case Study. Revista de Administração da UFSM, v. 12, n. 3, p. 594-609, 2019.
Citação APA:
Lobato, J. O., Andrade, E. F. S., Maccari, E. A., & Mazieri, M. R. (2019). Performance and Quality Indicators and the Governance Process in Brazilian Federal Universities: A Multi-Case Study. Revista de Administração da UFSM, 12(3), 594-609.
DOI:
10.5902/19834659 38565
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54192/os-indicadores-de-desempenho-e-de-qualidade-e-o-processo-de-governanca-nas-universidades-federais-brasileiras--um-estudo-multicaso/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Andrade Oliveira, D. (2015). Nova Gestão Pública e Governos Demoráctico-Populares: Contradições entre a busca da Eficiência e a ampliação do Direito á Educação. Educação & Sociedade, 36(132), 625-646. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302015152440

Barbosa, G de C.; Freire, F de S.; Crisóstomo, V. L. (2011). Analyzing management indexes of Federal Universities against students’ performance at ENADE. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior, Campinas, 16(2), 317-344. https://doi.org/10.1590/S1414-40772011000200005

Barney, J. B. (1991). Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management. https://doi.org/10.1177/014920639101700108

Bernardes, J dos S.; Rothen, J. C. (2015). Comissão própria de avaliação: dois lados de uma mesma moeda. Estudos Em Avaliação Educacional, 26(62), 420-446. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.18222/eae266202966

Boynard, K. M. S. (2013). Indicadores de gestão em conflito com indicadores de qualidade?Lições econômicas para a gestão universitária. http://repositorio.unb.br/handle/10482/14753

Brasil. (2006). Orientações para o cálculo dos indicadores de gestão: decisão TCU no 408/2002 - Plenário. Versão revisada em janeiro de 2006. Tribunal de Contas Da União - TCU; Secretaria de Educação Superior - SESu/MEC; Secretaria Federal de Controle Interno - SFC. https://doi.org/10.1017/CBO9781107415324.004

Brasil. (2011). Orientações para Elaboração do Plano Plurianual 2012-2015. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos.

Brasil. (2012). Indicadores Orientações Básicas Aplicadas à Gestão Pública. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos. http://www.gespublica.gov.br/sites/default/files/documentos/indicadores_orientacoes_basicas_aplicadas_a_gestao_publica.pdf

Bresser-Pereira, L. C. (1997). Reforma do Estado nos Anos 90: Lógica e Mecanismos de Controle. Brasília: Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado, Cadernos MARE da Reforma do Estado.

Bresser-Pereira, L. C. (1999). Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. Revista Do Serviço Público, 1(4).

Bresser-Pereira, L. C. (2010). Democracia, Estado Social e Reforma Gerencial. Revista de Administração de Empresas, n. 50, 112-116.

Bundt, C F da C. (2000). Universidade: mudanças e estratégias de ação. Universidade Federal de Santa Catarina.

Catani, A. M.; Oliveira, J. F. de; Dourado, L. F. (2001). Política educacional, mudanças no mundo do trabalho e reforma curricular dos cursos de graduação no Brasil. Educação & Sociedade.

Choo, C. W. (2003). A Organização do Conhecimento - Livro de gestão do conhecimento. São Paulo: Senac.

Cittadin, A. (2011). Proposta de estruturação de uma unidade organizacional de controladoria em uma Instituição de Ensino Superior. Florianópolis - SC. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/95214

Corbucci, P. R. (2007). Desafios da educação superior e desenvolvimento no Brasil. Desafios Da Educação Superior e Desenvolvimento No Brasil, Texto para Discussão 1287, 35. http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/1887

Cunha, C. J. C. A. (1995). Planejamento Estratégico em Universidades. Florianópolis: NEST- Núcleo de Estudos do Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas da UFSC.

Daft, R. L. (1983). Organization theory and design. St. Paul: West Pub. Co.

Davenport, T. H. (1994). Reengenharia de processos. Rio de Janeiro: Campus.

Davenport, T.; Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Peres L,Tradutor, 8.

Eisenhardt, K. M.; Graebner, M. E. (2007). Theory building from cases: Opportunities and challenges. Academy of Management Journal, 50(1), 25-32. https://doi.org/10.5465/AMJ.2007.24160888

Ferreira, H.; Cassiolato, M.; Gonzalez, R. (2009). Uma experiência de desenvolvimento metodológico para avaliação de programas: o modelo lógico do programa segundo tempo. Texto para Discussão (Vol. 1369). Brasília: IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1369.pdf

Francisco, T. H. A.; Nakayama, M. K.; Melo, P. A. de; Pitta, M. A.; Oliveira, F. P. de. (2015). Análise epistemológica da avaliação institucional da educação superior brasileira: reflexões sobre a transposição de paradigmas. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior. (Vol. 20).

Gomes, E. G. M. (2009). Gestão por Resultados e eficiência na Administração Pública: uma análise à luz da experiência de Minas Gerais. Tese de Doutorado. http://hdl.handle.net/10438/4652

Gonçalves, R. B.; Vieira, G. B. B.; Stallivieri, L. (2016). Os recursos estratégicos e as Instituições de Ensino Superior: estudo de caso em uma Universidade do Sul do Brasil. Revista GUAL, 9(3), 89-107.

INEP. (2018). Indicadores de qualidade. http://portal.inep.gov. br/web/guest/indicadores-de-qualidade

INEP. (2018). Sinopses Estatisticas da Educacao Superior.

Leite, D.; Tutikian, J.; Holz, N. (2000). Avaliação & compromisso: construção e prática da avaliação institucional em uma universidade pública. Porto Alegre: Ed. da Universidade, 2000. Editora Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2000.

Magalhães, E. A. de; Silveira, S de F. R.; Abrantes, L. A.; Ferreira, M. A. M.; Walkim, V. R. (2010). Custo do ensino de graduação em instituições federais de ensino superior: o caso da Universidade Federal de Viçosa. RAP, Rio de Janeiro, 44(3), 637-66. http://www.scielo.br/pdf/rap/v44n3/05

Martins, G de A.; Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Meyer Jr, V. (1991). Planejamento Estratégico: Uma renovação na gestão das instituições universitárias. Brasília: Seminário - A administração universitária rumo ao ano 2000.

Monteiro, S. A. (2015). Indicadores de qualidade para avaliação dos processos de gestão da informação. Universidade Federal da Paraíba.

Oliveira, D. A. (1996). A qualidade total na educação: os critérios da economia privada na gestão da escola pública. In Educação e trabalho no capitalismo contemporâneo: leituras selecionadas. p. 57-90. São Paulo: Atlas.

Paro, V. H. (2001). Administração escolar: introdução crítica. 10 ed. São Paulo: Cortez.

Queiróz M I de P. (1992). O pesquisador, o problema da pesquisa, a escolha de técnicas: algumas reflexões. In In: Lang, A.B.S.G. Reflexões sobre a pesquisa sociológica. pp. 13-29. São Paulo: Centro de Estudos Rurais e Urbanos.

Rossato, R. (2005). Universidade: nove séculos de história. Universidade de Passo Fundo, UPF Editora.

Rua, M das G. (2004). Desmistificando o problema: uma rápida introdução ao estudo dos indicadores. Avaliação de Resultados No Ciclo Da Gestão Pública, 1-20. http://antigo.enap.gov.br/downloads/ec43ea4fUFAM-MariadasGraEstudoIndicadores-novo.pdf

Sampaio, H. (2011). O setor privado de ensino superior no Brasil: continuidades e transformações. Revista Ensino Superior, 2(4), 28-43. https://www.google.com.br/search?q=sAMPAIO,+H.+Ensino+superior+no+Brasil.+O+setor+privado.+Ed.+Hucitec,+São+Paulo,+1999&ie=utf-8&oe=utf-8&client=firefox-b-ab&gws_=cr&ei=9c1CWaHRBsPhmwGijKGoBw#q=sAMPAIO,+H.+Ensino+superior+no+Brasil.+O+setor+privado.+

Santana, É E de P.; Sobrinho, Z. A. (2007). O Interpretativismo, Seus Pressupostos e Sua Aplicação Recente na Pesquisa do Comportamento do Consumidor. Anais Do I Encontro Do Ensino e Pesquisa Em Administração e Contabilidade, 1-10.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração de Empresas, 43(2), 347-369. http://www.scielo.br/pdf/rap/v43n2/v43n2a04

Siggelkow, N. (2007). Persuasion with Case Studies. The Academy of Management Journal, 50(1), 20-24. https://doi.org/10.5465/AMJ.2007.24160882

Silva, M. A. da; Cunha, C J C de A.; Possamai, F. (2001). O que os aprendem para dirigir unidades universitárias: o caso da UFSC. Anpad. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2001-cor-751.pdf

Silva, M. A. da; Moraes, L V dos S. de. (2002). Como os Professores Aprendem para Dirigir Unidades Universitárias: O Caso da UFSC, 1-16. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2002-cor-948.pdf

Siqueira, M. C. (2005). Gestão Estratégica da Informação. Brasport.

Tarapanoff, K. (2006). Inteligência, informação e conhecimento em corporações. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT).

Terto, D. C.; Pereira, R L de A. (2011). A Nova Gestão Pública e as Atuais Tendências da Gestão Educacional Brasileira. Simpósio Brasileiro de Política e Administração Da Educação, n. 10. http://www.anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/trabalhosCompletos02.htm

UFLA - Universidade Federal de Lavras. (2018). Relatório de Autoavaliação Institucional - 20152017. LAVRAS: CPA - Comissão Própria de Autoavaliação UFLA.

UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais. (2018). Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI 2018 - 2023. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (2016). Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI 2016 - 2026. (UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Ed.). Porto Alegre.

UFSCAR- Universidade Federal de São Carlos. (2013). Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI/MEC. Universidade Federal de São Carlos.

UFSCAR - Universidade Federal de São Carlos. (2017). Projeto de autoavaliação da Universidade Federal de São Carlos. 1-47. Institucional - PDI/MEC. Universidade Federal de São Carlos.

Vieira. (2013). Educação Superior No Contexto Nacional. http://www.scielo.br/pdf/rap/v51n1/0034-7612-rap-51-01-00147.pdf

Vieira, S. L. (2007). Gestão, avaliação e sucesso escolar: recortes da trajetória cearense. Estudos Avançados -USP, 21(90), 45-60. http://www.revistas.usp.br/eav/article/viewFile/10236/11853

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman.