Como aproveitar oportunidades como operador econômico autorizado da receita federal do Brasil Outros Idiomas

ID:
54204
Resumo:
Este trabalho apresenta a elaboração de um planejamento estratégico para o aproveitamento de oportunidade trazida pelo Programa Brasileiro do Operador Econômico Autorizado (OEA), gerenciado pela Receita Federal, que possibilita a redução de custos operacionais para empresas que atuam no comércio exterior brasileiro, por meio da adequação de seus processos internos aos padrões internacionais de compliance nas operações aduaneiras. Para que possam se habilitar ao programa muitas empresas que operam no comércio exterior necessitam de assessoria especializada, dadas as peculiaridades para adequação a esse processo. Isso representa uma oportunidade para as consultorias oferecerem o serviço de apoio para as empresas se beneficiarem desse programa. Para tanto, a consultoria PORTORIUM preparou-se para aproveitar essa oportunidade, cujo processo e ações estão apresentados neste relato, iniciando com a caracterização da oportunidade, o contexto em termos de mercado, em seguida o seu diagnóstico, finalizando com o plano de ações para o seu aproveitamento aonde o desafio deste trabalho foi tratar com o ineditismo e as variáveis do processo de implantação do OEA no Brasil.
Citação ABNT:
II, C. A. P.; FACCHIN, T.; SILVA JUNIOR, W. T.; ALMEIDA, R. B. A. H. Como aproveitar oportunidades como operador econômico autorizado da receita federal do Brasil. Revista Inovação, Projetos e Tecnologias, v. 6, n. 1, p. 1-18, 2018.
Citação APA:
Ii, C. A. P., Facchin, T., Silva Junior, W. T., & Almeida, R. B. A. H. (2018). Como aproveitar oportunidades como operador econômico autorizado da receita federal do Brasil. Revista Inovação, Projetos e Tecnologias, 6(1), 1-18.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54204/como-aproveitar-oportunidades-como-operador-economico-autorizado-da-receita-federal-do-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Brasil. (2014). Você conhece o OEA? Receita Federal. Recuperado em 19 junho, 2018, de http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/importacao-eexportacao/oea/noticias/2015/voce-conhece-o-oea

Brasil. (2016). Portos secos. Receita Federal. Recuperado em 19 junho, 2018, de http://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/importacao-e-exportacao/recintoalfandegados/portos-secos

Brasil. (2018a). Aeroportos – terminais de cargas. Receita Federal. Recuperado em 19 junho, 2018, de https://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/importacao-e-exportacao/recintoalfandegados/aeroportos-terminais-de-cargas-1

Brasil. (2018b). Portos (marítimos, fluviais e lacustres). Receita Federal. Recuperado em 19 junho, 2018, de https://idg.receita.fazenda.gov.br/orientacao/aduaneira/importacao-e-exportacao/recintoalfandegados/portos-maritimos-e-fluviais

Confederação Nacional da Indústria. (2016). As barreiras da burocracia: o setor portuário. Brasília, DF: CNI, 2016. Recuperado em 19 junho, 2018, de http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2016/9/barreiras-da-burocracia-setor-portuario/

Fink, A. (1995a). The survey handbook (Vol. 1, 1a ed.). (The Survey Kit). Thousand Oaks: Sage.

Fink, A. (1995b). How to design surveys (Vol. 5, 1a ed.). (The Survey Kit). Thousand Oaks: Sage.

Kotler, P. (2000). Administração de Marketing (10a ed.). São Paulo: Prentice Hall.

Pinsonneault, A., & Kraemer, K. L. (1993). Survey research methodology in management information systems: an assessment. Journal of Management Information Systems, 10(2), 75-105.

Porter, M. E. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Elsevier.

Porter, M. E. (1999). Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Elsevier.

Porter, M. E. (2004). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier.

Silva, A. A., & Brito, E. P. Z. (2013). Incerteza, racionalidade limitada e comportamento oportunista: um estudo na indústria brasileira. Revista de Administração Mackenzie, 14(1), 176-201.