Botequins Tradicionais do Rio de Janeiro: Estratégia de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial Outros Idiomas

ID:
54321
Resumo:
Botequim é um tipo muito popular de bar no Rio de Janeiro. Os botequins tradicionais são símbolos culturais da cidade, pois traduzem a alma e o jeito de ser carioca, resgatam aspectos de uma cultura, além de representarem a identidade e as formas de ocupação deste povo. Desde 2011, em razão do seu valor simbólico, esses estabelecimentos vêm sendo declarados “Patrimônio Cultural Carioca” em diferentes instrumentos normativos. Este artigo identifica e analisa a legislação-base relacionada aos botequins cariocas que são Patrimônio Cultural Carioca pelo poder público municipal. É do interesse deste trabalho apresentar a evolução dos instrumentos de gestão para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial associado a esses estabelecimentos gastronômicos. Essa pesquisa tem natureza exploratória e qualitativa, com procedimentos metodológicos obtidos por meio de pesquisa bibliográfica, documental e de campo, com a realização de entrevistas. Esse estudo identifica mudança no enfoque dado ao patrimônio cultural imaterial pelo poder público municipal. Esse novo direcionamento das ações tem relação direta com a parceria entre Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE-RJ), para a requalificação dos negócios tradicionais do centro da cidade, que oportunizou a abertura e o registro dos estabelecimentos no Livro de Registro das “Atividades Econômicas Tradicionais e Notáveis”. A análise apresenta ações que se desdobraram a partir desta estratégia de salvaguarda patrimonial pelo IRPH, as quais promovem a valorização da identidade cultural local, agregam valor à marca e ao produto turístico “botequim tradicional” e podem contribuir para o desenvolvimento do turismo no Rio de Janeiro.
Citação ABNT:
LAVANDOSKI, J.; GIGLIO, G. Botequins Tradicionais do Rio de Janeiro: Estratégia de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial . Revista Acadêmica do Observatório de Inovação do Turismo, v. 13, n. 2, p. 38-60, 2019.
Citação APA:
Lavandoski, J., & Giglio, G. (2019). Botequins Tradicionais do Rio de Janeiro: Estratégia de Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial . Revista Acadêmica do Observatório de Inovação do Turismo, 13(2), 38-60.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54321/botequins-tradicionais-do-rio-de-janeiro--estrategia-de-salvaguarda-do-patrimonio-cultural-imaterial-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALEIXO, M. de O.; BARTHOLO, R. Tradições culturais e gastronomia carioca. Acervo, Rio de Janeiro, v.. 28, n.º 1, p. 67-85, 2015.

ALGRANTI, L.M. Tabernas e botequins: cotidiano e sociabilidades no Rio de Janeiro (1808-1821). Acervo, Rio de Janeiro, v. 24, n.º 2, p. 24-42, jul/dez, 2011.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 6 mai. 2018.

BUENOS AIRES. Lei nº 35, de 13 de julho de 1998. Comisión de Protección y Promoción de los Cafés, Bares, Billares y Confiterías Notables. Buenos Aires, jul. 1998. Disponível em: . Acesso em: 2 jun. 2018.

CASTRO, A.M. de B.H. de. Bares e botequins tradicionais: patrimônios culturais para as sustentabilidades na cidade do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Geografia)Pósgraduação em Geografia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

CASTRO, C.A.T. Processos de patrimonialização e turistificação na produção do espaço do bairro Cidade Velha, Belém-PA. Dissertação (Mestrado em Geografia)-Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade: UNESP, 2006.

CRUZ, R. de C.A. da. “Patrimonialização do patrimônio”: Ensaio sobre a relação entre turismo, “patrimônio cultural” e produção do espaço. GEOUSP Espaço e Tempo, n.º31, p. 95-104, 2012.

DIAS, R. Turismo e patrimônio cultural: recursos que acompanham o crescimento das cidades. São Paulo: Saraiva, 2006.

DOMINGUES, J. Os contratempos do espaço: patrimônio cultural imaterial e o livro de registro Atividades Econômicas Tradicionais e Notáveis. PragMatizes: Revista Latino Americana de Estudos em Cultura, v. 8, nº. 14, p. 144 -160, 2018.

FUNARI, P.P.A; PELEGRINI, S.C.A. Patrimônio histórico e cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

GAGLIARDI, C.M.R. O patrimônio cultural como atrativo turístico. In: NETTO, A. P. e ANSARAH, M. G. R. Produtos turísticos e novos segmentos de mercado: planejamento, criação e comercialização. São Paulo: Manole, p. 149-162, 2015.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989.

GONÇALVES, J.R.S. O patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (Orgs). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2.ed., p. 25-33, 2009.

GONÇALVES, J.R.S. Ressonância, materialidade e subjetividade: as culturas como patrimônios. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 11, n.º 23, p.15-36, jan/jun, 2005.

IPHAN. Patrimônio imaterial. Disponível em: . Acesso em: 6 mar. 2018.

LEITE, E.; CAPONERO, M.C. As possíveis articulações entre preservação do patrimônio, turismo e desenvolvimento econômico e sua trajetória no Brasil a partir dos anos 1960. Revista Confluências Culturais, vol. 4, n.º 1, mar., p. 9-19, 2015.

MELLO, P.T. de. Pendura essa, a complexa etiqueta na relação de reciprocidade em um botequim do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social)-Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2003.

MELLO, P.T. de; SEBADELHE, Z.O. Memória afetiva do botequim carioca. Rio de Janeiro: José Olympio, 2015.

NEVES, D.P. O consumo de bebidas alcoólicas: prescrições sociais. BIB, São Paulo, n.º 55, p. 73-98, 2003.

OLIVEN, R.G. Patrimônio intangível: considerações iniciais. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (Orgs). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2.ed., p. 80-82, 2009.

ORTIZ, R. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

REJOWSKI, M. Tesauro brasileiro de turismo [recurso eletrônico]. São Paulo: ECA-USP, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 23.162, de 21 de julho de 2003. Institui o registro de bens de natureza imaterial que constituem Patrimônio Cultural Carioca e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2003.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 34.869, de 5 de dezembro de 2011. Cria o cadastro dos Bares e Botequins Tradicionais – Patrimônio Cultural Carioca. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2011B.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 36.605, de 11 de dezembro de 2012. Declara Patrimônio Cultural Carioca bares e botequins tradicionais que menciona. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2012.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 37.086, de 3 de maio de 2013. Dispõe sobre a elaboração de estudo sobre o valor histórico-cultural das atividades comerciais desenvolvidas na Rua da Carioca e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2013A.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 37.271, de 12 de junho de 2013. Determina a abertura do Livro de Registro das Atividades Econômicas Tradicionais e Notáveis. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2013B.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 37.273, de 12 de junho de 2013. Cria o Sítio Cultural da Rua da Carioca, tomba os imóveis que menciona, e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2013C.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 38.645, de 2 de maio de 2014. Declara de utilidade pública, para fins de desapropriação, os imóveis que menciona. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2014A.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 39.705, de 30 de dezembro de 2014. Cria o Cadastro dos Negócios Tradicionais e Notáveis. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2014B.

RIO DE JANEIRO. Decreto no 43.914, de 31 de outubro de 2017. Registra, como patrimônio cultural imaterial, os bens que menciona, e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2017.

RIO DE JANEIRO. Lei Complementar no 111, de 01 de fevereiro de 2011. Institui o Plano Diretor da Cidade do Rio de Janeiro e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2011A.

RIO DE JANEIRO. Lei no 3.947, de 16 de março de 2005. Institui o registro de bens culturais de natureza imaterial que constituem patrimônio cultural carioca e dá outras providências. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2005.

RIO DE JANEIRO. Registro de bens culturais de natureza imaterial. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

RIO DE JANEIRO. Resolução IRPH no 02, de 18 de outubro de 2016. Define o conceito de “Atividades Econômicas Tradicionais e Notáveis” e estabelece diretrizes para salvaguarda destes bens culturais de natureza imaterial. Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro, Poder Executivo, 2016.

RITTO, B. Negócios de valor: Caminhos da tradição carioca. Rio de Janeiro: SEBRAE/RJ; Prefeitura do Rio de Janeiro, 152p., 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.

RODRIGUES, M. Preservar e consumir: o patrimônio histórico e o turismo. In: FUNARI, P.P.; PINSKY, J. (orgs.). Turismo e patrimônio cultural. São Paulo: Contexto, p. 15-24, 2012.

SEBRAE. Guia de compras negócios de valor. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.

SEBRAE, PREFEITURA DO RIO DE JANEIRO. Negócios de valor: grandes histórias, novas ideias. Rio de Janeiro: SEBRAE/RJ; Prefeitura do Rio de Janeiro, 21p., s/d.

SEBRAE. Projeto negócios de valor. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.

SILVA, L.A.M da. O significado do botequim. Enfoques Revista dos alunos do PPGSA-UFRJ, v. 10, nº 1, 115-136, 2011.

SILVA, S.S. Patrimonialização, cultura e desenvolvimento. Um estudo comparativo dos bens patrimoniais: mercadorias ou bens simbólicos? Revista Eletrônica do Programa de PósGraduação em Museologia e Patrimônio PPG-PMUS UNIRIO, v. 5, n.º 1, p. 157-183, 2012.

TELLES, M.F de P. A captura do patrimônio imaterial carioca pela lógica empreendedora: O caso das atividades econômicas tradicionais e notáveis. Tese (Doutorado em Direito)-Pós-graduação em Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, 2018.

TELLES, M.F de P. Patrimônio cultural imaterial do Rio de Janeiro: uma construção da identidade cultural carioca? In: FILHO, F.H.C. (org.). Conflitos culturais: como resolver? como conviver? Fortaleza: IBDCult, p. 205-224, 2016.