Uma Análise da Relação entre Flexibilização do Trabalho, Exaustão Emocional e Engajamento dos Trabalhadores Outros Idiomas

ID:
54365
Resumo:
A gestão de pessoas modernizou-se e, entre as práticas mais modernas que têm sido adotadas pelas organizações, destacase a flexibilização dos arranjos laborais. Todavia ainda não há clareza quanto ao impacto que essa prática exerce sobre todas as dimensões do comportamento humano no trabalho. Diante desse cenário, definiu-se como objetivo para esta pesquisa analisar a influência da flexibilização do trabalho sobre o engajamento e a exaustão emocional dos trabalhadores, assim como do engajamento sobre a exaustão. Para atingir o objetivo proposto, realizou-se um levantamento de campo nas cidades de Mariana, Ouro Branco e Ouro Preto, todas localizadas no estado de Minas Gerais. Para análise dos dados, optou-se pela Modelagem de Equações Estruturais. Analisando os resultados obtidos, não foi possível confirmar a influência da adoção de arranjos laborais flexíveis por parte das organizações sobre o grau de engajamento e de exaustão dos funcionários. Por outro lado, confirmou-se a relação testada entre o engajamento e a exaustão do trabalhador. Ou seja, os resultados encontrados indicam que os profissionais mais engajados estão menos sujeitos a experimentarem maior desgaste emocional em suas atividades laborais. Logo, conclui-se que os indivíduos que mobilizam seus melhores esforços e veem no trabalho uma forma de se expressar fisicamente, emocionalmente e cognitivamente, mostrando disposição ao realizarem suas tarefas, tendem a preservar (e não a drenar) seus recursos mentais.
Citação ABNT:
CERIBELI, H. B.; ROCHA, G. B. S. Uma Análise da Relação entre Flexibilização do Trabalho, Exaustão Emocional e Engajamento dos Trabalhadores . Revista Ciências Administrativas, v. 25, n. 1, p. 1-14, 2019.
Citação APA:
Ceribeli, H. B., & Rocha, G. B. S. (2019). Uma Análise da Relação entre Flexibilização do Trabalho, Exaustão Emocional e Engajamento dos Trabalhadores . Revista Ciências Administrativas, 25(1), 1-14.
DOI:
10.5020/2318-0722.2019.7420
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54365/uma-analise-da-relacao-entre-flexibilizacao-do-trabalho--exaustao-emocional-e-engajamento-dos-trabalhadores-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALFES, K. et al. The link between perceived human resource management practices, engagement and employee behaviour: a moderated mediation model. The International Journal of Human Resource Management, v. 24, n. 2, p. 330-351, 2013.

ALMEIDA, M. I. R.; TEIXEIRA, M. L. M.; MARTINELLI, D. P. Por que administrar estrategicamente recursos humanos? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 12-24, 1993.

ARROWSMITH, J.; PARKER, J. The meaning of ‘employee engagement’for the values and roles of the HRM function. The International Journal of Human Resource Management, v. 24, n. 14, p. 2692-2712, 2013.

BAJZIKOVA, L. et al. Are flexible work arrangements attractive enough for knowledge-intensive businesses? Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 99, p. 771-783, 2013.

BAKKER, A. B.; DEMEROUTI, E.; SANZ-VERGEL, A. I. Burnout and work engagement: the JD-R approach. Annual Review of Organizational Psychology and Organizational Behavior, v. 1, p. 389-411, 2014.

BEN-AVI, N.; TOKER, S.; HELLER, D. “If stress is good for me, it’s probably good for you too”: stress mindset and judgment of others’ strain. Journal of Experimental Social Psychology, v. 74, p. 98-110, 2018.

CAMARGOS, M.A.; BARBOSA, F.V. Fusões, aquisições e takeovers: um levantamento teórico dos motivos, hipóteses testáveis e evidências empíricas. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 17-38, 2003.

CERIBELI, H. B.; FERREIRA, F. J. R. Uma análise da relação entre flexibilização do trabalho, comprometimento organizacional e intenção de permanência na organização. Revista Globalización, Competitividad & Gobernabilidad, Espanha, v. 10, n. 3, p. 37-56, 2016.

COENEN, M.; KOK, R. A. Workplace flexibility and new product development performance: the role of telework and flexible work schedules. European Management Journal, v. 32, n. 4, p. 564-576, 2014.

COLE, R.; OLIVER, A.; BLAVIESCIUNAITE, A. The changing nature of workplace culture. Facilities, v. 32, n. 13/14, p. 786-800, 2014.

CORDES, C. L.; DOUGHERTY, T. W. A review and an integration of research on job burnout. Academy of Management Review, v. 18, n. 4, p. 621-656, 1993.

COSTA, S. A. C. Controle em novas formas de trabalho: teletrabalhadores e o discurso do empreendedorismo de si. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 462-474, 2013.

DEDECCA, C. S. Racionalização econômica e trabalho no capitalismo avançado. Campinas: IEUnicamp, 1999.

FERNANDES, L. C.; FERREIRA, M. C. Qualidade de vida no trabalho e risco de adoecimento: estudo no poder judiciário brasileiro. Psicologia USP, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 296-306, 2015.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L.; BORINI, F. M. The Brazilian multinationals’ approaches to innovation. Journal of International Management, v. 19, n. 3, p. 260-275, 2013.

GARRETT, R. K.; DANZIGER, J. N. Which telework?Defining and testing a taxonomy of technologymediated work at a distance. Social Science Computer Review, v. 25, n. 1, p. 27-47, 2007.

GARSON, G. D. Testing statistical assumptions. Asheboro: Statistical Associates Publishing, 2012.

GENARI, D.; FACCIN, K.; MACKE, J. Mensuração do comprometimento organizacional em redes de indústrias vitivinícolas brasileiras. REAd-Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 19, n. 2, 2013.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas SA. 2008.

GRISCI, C. L. I.; CARDOSO, J. Experimentação do tempo e estilo de vida em contexto de trabalho imaterial. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 12, n. 4, p. 851-865, 2014.

HAIR JUNIOR. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAIR JUNIOR, J. F. et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HALLIDAY, L. et al. Grit and burnout in UK doctors: a cross-sectional study across specialties and stages of training. Postgraduate Medical Journal, v. 93, n. 1101, p. 389-394, 2017.

HARRISON, D. A.; NEWMAN, D. A.; ROTH, P. L. How important are job attitudes?Meta-analytic comparisons of integrative behavioral outcomes and time sequences. Academy of Management Journal, v. 49, n. 2, p. 305-325, 2006.

HILL, J. E. et al. Defining and conceptualizing workplace flexibility. Community, Work and Family, v. 11, n. 2, p. 149-163, 2008.

HOOPS, B.K. Review of the truth about burnout: how organisations cause personal stress and what to do about it. Psychiatric Rehabilitation Journal, v. 23, n. 2, p. 194-195, 1999.

JÖRESKOG, K. G. A general method for estimating a linear structural equation system. ETS Research Report Series. New Jersey: Educational Testing Service , 1970.

KAHN, W. A. Psychological conditions of personal engagement and disengagement at work. Academy of Management Journal, NY-USA, v. 33, n. 4, p. 692-724, 1990.

KARSTEN, L.; LEOPOLD, J. Time and management: the need for management. Personnel Review v. 32, n. 4, p. 405-421, 2003. DOI: https://doi.org/10.1108/00483480310477506

KATARIA, A.; GARG, P.; RASTOGI, R. Employee engagement and organizational effectiveness: the role of organizational citizenship behavior. International Journal of Business Insights & Transformation, v. 6; n. 1, p. 102-113, 2013.

LEITE, N. P.; LEITE, F. P.; ALBUQUERQUE, L. G. A gestão de pessoas e as estratégias de atração, desenvolvimento e retenção de profissionais: o caso Petrobrás. Revista Ibero-Americana de Estratégia, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 91-122, 2013.

LEWIS, R.; DONALDSON-FEILDER, E.; THARANI, T. Management competencies for enhancing employee engagement. London: Chartered Institute of Personnel and Development, 2011.

MARUYAMA, G. Basics of structural equation modeling. Thousand Oaks: Sage Publications, 1997.

MASCARENHAS, A. O.; BARBOSA, A. C.Q. Produção científica brasileira em gestão de pessoas no período 2000-2010. RAE-Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 53, n. 1, 2013.

MASLACH, C. Burnout: the cost of caring. Upper Saddle River -Nova Jérsei: Prentice Hall, 1982.

MASLACH, C.; JACKSON, S. E. Maslach Burnout Inventory. Palo Alto- Califórnia, EUA: Consulting Psychologists Press, 1986.

MASLACH, C.; JACKSON, S. E. The measurement of experienced burnout. Journal of Occupational Behavior, v. 2, p. 99-113, 1981.

MASLACH, C.; LEITER, M. P. Trabalho: fonte de prazer ou desgaste. Campinas: Papirus, 1997.

MENDONÇA, A. A. A crise econômica e a sua forma contemporânea. Lisboa: Caminho, 1990.

MENESES, M. P. P. et al. A produção científica brasileira sobre a gestão de recursos humanos de 2001 e 2010. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 15, n. 4, p. 111-134, 2014.

OLIVIER, A. L.; ROTHMANN, S. Antecedents of work engagement in a multinational company. SA Journal of Industrial Psychology, v. 33, n. 3, p. 49-56, 2007.

OUWENEEL, E.; LE BLANC, P. M.; SCHAUFELI, W. B. Do-it-yourself: an online positive psychology intervention to promote positive emotions, self-efficacy, and engagement at work. Career Development International, v. 18, n. 2, p. 173-195, 2013.

PETERS, P.; WILDENBEEST, M. Telework as a job resource: a comparison of ‘flow’ and exhaustion among marginal and substantial teleworkers. Gedrag&Organisatie, v. 23, n. 2, p. 97-117, 2010.

PILATI, R.; LAROS, J. A. Modelos de equações estruturais em psicologia: conceitos e aplicações. Psicologia, Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 23, n. 2, p. 205-216, 2007.

PORTO-MARTINS, P. C.; BASSO-MACHADO, P. G.; BENEVIDES-PEREIRA, A. M. T. Engagement no trabalho: uma discussão teórica. Fractal, Revista de Psicologia, Niterói, v. 25, n. 3, p. 629-644, 2013.

RAFALSKI, J. C.; ANDRADE, A. L. DevelopmentofthePerceptionsof Future RetirementScale (PFRS) andpsychosocialcorrelates. Psico-USF, Itatiba, v. 22, n. 1, p. 49-62, 2017.

RAFALSKI, J. C.; ANDRADE, A. L. Home-office: aspectos exploratórios do trabalho a partir de casa. TemasemPsicologia, Ribeirão Preto, v. 23, n. 2, p. 431-441, 2015.

RASHEED, A.; KHAN, S.; RAMZAN, M. Antecedents and consequences of employee engagement: the case of Pakistan. Journal of Business Studies Quarterly, v. 4, n. 4, p. 183-200, 2013.

RICH, B. L.; LEPINE, J. A.; CRAWFORD, E. R. Job engagement: antecedents and effects on job performance. Academy of Management Journal, v. 53, n. 3, p. 617-635, 2010.

ROHM, R. H. D.; LOPES, N. F. O novo sentido do trabalho para o sujeito pós-moderno: uma abordagem crítica. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 332-345, 2015.

SARDESHMUKH, S. R.; SHARMA, D.; GOLDEN, T. D. Impact of telework on exhaustion and job engagement: a job demands and job resources model. New Technology, Work and Employment, v. 27, n. 3, p. 193-207, 2012.

SCHAUFELI, W. B.; BAKKER, A. Utrecht Work Engagement Scale (UWES). Utrecht: Occupational Health Psychology Unit, 2003.

SCHAUFELI, W.; SALANOVA, M. Work engagement: on how to better catch a slippery concept. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 20, n. 1, p. 39-46, 2011.

SEPPÄLÄ, P. et al. The construct validity of the Utrecht Work Engagement Scale: multisample and longitudinal evidence. Journal of Happiness Studies, v. 10, n. 4, p. 459-481, 2009.

SHUCK, B.; REIO JÚNIOR, T. G. Employee engagement and wellbeing: a moderation model and implications for practice. Journal of Leadership & Organizational Studies, v. 21, n. 1, p. 43-58, 2014.

STACCIARINI, T. S. G.; PACE, A. E. Análise fatorial confirmatória da escala Appraisal of Self Care Agency Scale - Revised. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto-SP, v. 25, p. 1-9, 2017.

TIMMS, C. et al. Flexible work arrangements, work engagement, turnover intentions and psychological health. Asia Pacific Journalof Human Resources, v. 53, n. 1, p. 83-103, 2015.

VASCONCELOS, I. F. F. G. et al. Resiliência organizacional e inovação sustentável: um estudo sobre o modelo de gestão de pessoas de uma empresa brasileira de energia. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 910-929, 2015.

VASCONCELOS, P.; FURTADO, E.; PINHEIRO, P. R. An approach of multidisciplinary criteria for modeling alternatives of flexible working. Computers in Human Behavior, v. 51, parte B, p. 1054-1060, 2015.

VIANA, A. B. N. Pesquisa quantitativa aplicada ao varejo. In: MERLO, E. M. (org.). Administração de varejo com foco em casos brasileiros. Rio de Janeiro: LTC, 2011.Cap. 15.

WINDELER, J. B.; CHUDOBA, K. M.; SUNDRUP, R. Z. Getting away from them all: managing exhaustion from social interaction with telework. Journal of Organizational Behavior, v. 38, n. 7, p. 977-995, 2017.

WONG, I. A.; WAN, Y. K. P.; GAO, J. H. How to attract and retain generation Y employees?An exploration of career choice and the meaning of work. Tourism Management Perspectives, v. 23, p. 140-150, 2017.

XANTHOPOULOU, D.; BAKKER, A.; FISCHBACH, A. Work engagement among employees facing emotional demands: The role of personal resources. Journal of Personnel Psychology, v. 12, n. 2, p. 74-84, 2013.

XU, E.; HUANG, X.; ROBINSON, S. L. When self-view is at stake: responses to ostracism through the lens of self-verification theory. Journal of Management, v. 42, n. 1, p. 1-21, 2015.

ZOHAR, D. Predicting burnout with a hassle-based measure of role demands. Journal of Organizational Behavior, v. 18, p. 101-115, 1997.