Estudo de Caso na Pró-Reitora de Gestão de Pessoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: Análise Através da Matriz de Risco Outros Idiomas

ID:
54400
Resumo:
A matriz de risco mostra-se como um instrumento de apoio as organizações a atingirem suas metas estratégicas prevenindo falhas e perdas. O aumento da complexidade de organizações públicas torna esta ferramenta ainda mais necessária. Apesar disto, ainda há pouca literatura no Brasil que trata sobre o uso da matriz de risco em organizações públicas, resultando em uma heterogeneidade de práticas adotadas pelas diversas organizações. Neste contexto, este estudo busca demonstrar um método simples e prático fundamentado em base teórica, de identificação e avalição de riscos através do mapeamento de processos, visando contribuir para a gestão de risco. Apresenta-se como um estudo de caso realizado na Coordenadoria de Administração de Pessoal da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. A pesquisa baseou-se na experiência do autor e na literatura existente. As rotinas foram avaliadas por meio de ilustração em formato de fluxograma, matrizes e diagramas, facilitando a identificação e estudo dos riscos inerentes aos processos.
Citação ABNT:
ASSUNÇÃO, A. R. B.; SILVA, M. R.; ROSA, R. O.; CAMPEÃO, P. Estudo de Caso na Pró-Reitora de Gestão de Pessoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: Análise Através da Matriz de Risco . Revista de Gestão e Secretariado, v. 10, n. 2, p. 140-170, 2019.
Citação APA:
Assunção, A. R. B., Silva, M. R., Rosa, R. O., & Campeão, P. (2019). Estudo de Caso na Pró-Reitora de Gestão de Pessoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: Análise Através da Matriz de Risco . Revista de Gestão e Secretariado, 10(2), 140-170.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7769/gesec.v10i2.868
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54400/estudo-de-caso-na-pro-reitora-de-gestao-de-pessoas-da-universidade-federal-de-mato-grosso-do-sul--analise-atraves-da-matriz-de-risco-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABNT.Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2000). NBR ISO 6023. Informação e Documentação: Referências - Elaboração. Rio de Janeiro: ABNT.

Bergamini Junior, S. (2005). Controles Internos como um Instrumento de Governança Corporativa. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, 12(24), 149-188.

Berry, A; Phillips, J. (1998). Pulling it Together. Risk Management. New York, 45(9), 53-58.

Brasil. (2015). Tribunal de Contas da União. Processo de Tomada de Contas-TC n. º028.192/2014-1. Relatório. Levantamento. Gestão da Dívida Pública Federal. Identificação de Riscos Mais Relevantes e de Questões que Ensejam a Atuação do TCU. Determinação. Arquivamento. Relator: Ministro José Mucio Monteiro, Brasília, DF. .

Brasil. (2016). Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e a Controladoria-Geral da União. Instrução Normativa Conjunta n.º 1. Dispõe sobre os controles internos, gestão de riscos e governança no âmbito do Poder Executivo federal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 1, pp. 14.

Brasil. (2017). Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União. Portaria n.º 915, de 2017. Institui a Política de Gestão de Riscos – PGR do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União – CGU. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 1, pp. 66.

Brasil. (2017). Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – MP. Manual de Gestão de Integridade, Riscos e Controles Internos da Gestão. Brasília.

Bresser-Pereira, L. C. (1996). Da Administração Pública Burocrática à Gerencial. Revista do Serviço Público, 120(1).

Bresser-Pereira, L. C. (1998). Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. Brasília: ENAP/Editora 34.

Coso. (1992). Committe of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Internal Control – Integrated Framework. New York: AICPA.

Coso. (2007). Committe of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Enterprise Risk Management – Integrated Framework. Executive Summary. United States. .

Crouhy, M.; Galai, D.; Mark, R. (2004). Gerenciamento de Risco uma Abordagem Conceitual e Prática: Uma Visão Integrada dos Riscos de Crédito, Operacional e de Mercado. Rio de Janeiro: Qualitymark, São Paulo: SERASA.

Damodaran, A. (2009). Gestão Estratégica do Risco. Porto Alegre: Bookman.

Drew, S. A. W.; Kendrick, T. (2005). Risk Management: the five pillars of corporate governance. Journal of General Management, UK, 31(2), 19-36.

Ferma. (2003). Federation of European Risk Management Associations. Normas de Gestão de Riscos. Portugal: FERMA, 2003.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo, Atlas.

Harvey, D. (1992). Condição Pós-Moderna: Uma Pesquisa Sobre as Origens da Mudança Cultural. São Paulo: Edições Loyola.

Jorion, P. (2001). Value at Risk: The New Benchmark for Managing Financial Risk. Irvine: McGraw-Hill Professional.

Maanen, J. V. (1979). Reclaiming Qualitative Methods for Organizational Research: A Preface. Administrative Science Quarterly, 24(4), 520-526.

Manzini, E.J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semiestruturada. In: MARQUEZINE: M. C.; ALMEIDA, M. A.; OMOTE; S. (Orgs.) Colóquios sobre pesquisa em Educação Especial. Londrina: Eduel, pp. 11-25.

Marshall, C. L. (2002). Medindo e Gerenciando de Riscos Operacionais em Instituições Financeiras. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Martin, N.C.; Santos, L.R.; Dias Filho, J.M. (2014). Governança Empresarial, Riscos e Controles Internos: A Emergência de um Novo Modelo de Controladoria. Revista Contabilidade & Finanças – USP, São Paulo, n. 34, pp. 7-22.

Mattar, F. N. (2001). Pesquisa de marketing. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Minayo, M C de S. (2009). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 28 ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Paes de Paula, A. P. (2005). Administração Pública Brasileira Entre o Gerencialismo e a Gestão Social. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 45(1), 36-49.

Pmbok.(2013). Um Guia do Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos. 5 ed. EUA, In: Project Management Institute,

Ramos, C. H. F. (2009). Análise de Risco Empresarial. Santa Catarina: Qualytool, 2009.

Selltiz, C.; Wrightsman, L. S.; Cook, S. W. (1965). Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo: Herder.

Spira, L. F.; Page, M. (2003). Risk management: The reinvention of internal control and the changing role of internal audit. Accounting, AuditingandAccountabilityJournal, 16(4), 640-661.

Thaheem, M. J.; De Marco, A. (2013). A Survey on Usage and Diffusion of Project Risk Management Techniques and Software Tools in the Construction Industry. In: Proceedings of World Academy of Science, Engineering and Technology. World Academy of Science, Engineering and Technology (WASET), p. 1-8.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.

ABNT.Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2009). NBR ISO 31000. Gestão de riscos: Princípios e diretrizes. Rio de Janeiro.

Roesch, S. M. A. et al. (2005). Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração. 3 ed. São Paulo, Atlas.