Efeitos de Mudanças Regulatórias no Microcrédito no Desempenho Financeiro e Social de Cooperativas de Crédito Brasileiras

ID:
54440
Resumo:
Este estudo investiga se e como o desempenho fi nanceiro e social das cooperativas que ofertam microcrédito no Brasil foi afetado pelo advento do Crescer – Programa Nacional de Microcrédito. A pesquisa preenche lacuna na literatura da área, uma vez que há poucos estudos sobre cooperativas que trabalham com microcrédito e também sobre os efeitos de intervenções governamentais na área de microcrédito. Pesquisas como esta podem auxiliar na avaliação do impacto de intervenções governamentais sobre o desempenho das instituições direta ou indiretamente afetadas. Os resultados do estudo acrescentam novos elementos ao debate sobre o mercado do microcrédito e sobre a inserção das cooperativas de crédito nesse mercado. Em particular, as evidências aqui discutidas oferecem subsídio para o desenho de políticas públicas e para a defi nição de estratégias de instituições de microfi nanças, as quais tipicamente combinam objetivos econômicos e sociais. Com base na literatura, foram calculados 15 indicadores para cada cooperativa, relacionados ao seu desempenho fi nanceiro e social. As inferências baseiam-se na implementação do estimador de diferença em diferenças utilizando o advento do Crescer, em 2011, como o evento exógeno de interesse, e incluindo, no grupo de controle, as cooperativas de crédito que não forneceram empréstimos de microcrédito ao longo do período amostral. A pesquisa apresenta evidências de que o volume de clientes e de operações de microcrédito realizadas pelas cooperativas de crédito brasileiras foi positivamente afetado por mudanças regulatórias ocorridas em 2011, de forma compatível com os objetivos da intervenção governamental. As evidências também sugerem que a intervenção governamental enfocada não comprometeu a sustentabilidade fi nanceira das cooperativas. As mudanças enfocadas são: redução substancial das taxas de juros e custos de transação, implementação de subsídios aos participantes do programa e impulso para bancos públicos para aumentar sua oferta de microcrédito produtivo e orientado.
Citação ABNT:
SANTOS, A. L. C.; BARROS, L.; TAKEDA, T.; GONZALEZ, L. Efeitos de Mudanças Regulatórias no Microcrédito no Desempenho Financeiro e Social de Cooperativas de Crédito Brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 30, n. 81, p. 338-351, 2019.
Citação APA:
Santos, A. L. C., Barros, L., Takeda, T., & Gonzalez, L. (2019). Efeitos de Mudanças Regulatórias no Microcrédito no Desempenho Financeiro e Social de Cooperativas de Crédito Brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 30(81), 338-351.
DOI:
10.1590/1808-057x201807590
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54440/efeitos-de-mudancas-regulatorias-no-microcredito-no-desempenho-financeiro-e-social-de-cooperativas-de-credito-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aghion, B. A. de.; Morduch, J. (2005). The economics of microfinance. 2 ed.). Cambridge: MIT Press.

Angrist, J. D. & Pischke, J. S. (2008). Mostly harmless econometrics: An empiricist’s companion. New Jersey: Princeton University Press.

Armendáriz, B.; Morduch, J. (2010). The economics of microfinance. 2 ed. London: MIT Press.

Banco Central do Brasil. (2011). Resolução n] 4.000, de 25 de agosto de 2011. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a realização de operações de microcrédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores. https://www.bcb.gov.br/pre/normativos/busca/downloadNormativo.asp?arquivo=/Lists/Normativos/Attachments/49342/Res_4000_v1_O.pdf.

Barone, F. M.; Sader, E. (2008). Acesso ao crédito no Brasil: evolução e perspectivas. Revista de Administração Pública, 42(6), 1249-1267.

Barry, T. A.; Tacneng, R. (2014). The impact of governance and institutional quality on MFI outreach and financial performance in Sub-Saharan Africa. World Development, 58, 1-20.

Bassem, B. S. (2009). Governance and performance of microfinance institutions in Mediterranean countries. Journal of Business Economics and Management, 10(1), 31-43.

Bastelaer, T. V. (2000). Does social capital facilitate the poor’s access to credit?A review of the microeconomic literature. [Working Paper]. The World Bank Social Capital Initiative.

Bédécarrats, F.; Baur, S.; Lapenu, C. (2011). Combining social and financial performance: A paradox? Paper presented at the Global Microcredit Summit. Valladolid. http://www.microcreditsummit.org/resource/23/combiningsocial-and-financial-performance.html.

Borba, P da R. F. (2012). Relação entre desempenho financeiro e desempenho social de instituições de microfinanças na América Latina (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Brau, J. C.; Woller, G. M. (2004). Microfinance: A comprehensive review of the existing literature. Journal of Entrepreneurial Finance, 9(1), 1-27.

Christen, R. P.; Rosenberg, R. (2000). The rush to regulate: Legal frameworks for microfinance. CGAP Occasional Paper. [Working Paper]. World Bank.

Conning, J. (1999). Outreach, sustainability and leverage in monitored and peer-monitored lending. Journal of Development Economics, 60(1), 51-77.

Cozarenco, A.; Szafarz, A. (2014). Microcredit in developed countries: unexpected consequences of loan ceilings. [Working Paper]. Centre Emile Bernheim.

Cull, R.; Demirgüç-Kunt, A.; Morduch, J. (2008). Microfinance meets the market. Journal of Economic Perspectives, 23(1), 167-192

Gonzalez, L.; Diniz, E. H.; Pozzebon, M. (2015). The value of proximity finance: How the traditional banking system can contribute to microfinance. Innovations, 10(1-2), 125-137.

Gonzalez, L.; Righetti, C.; Di Serio, L. C. (2014). Microcrédito e impacto sobre a geração de renda: o caso do Banco Real. Revista de Economia Contemporânea, 18(3), 453-476.

Hartarska, V. (2005). Governance and performance of microfinance institutions in Central and Eastern Europe and the Newly Independent States. World Development, 33(10), 1627-1643.

Hartarska, V.; Nadolnyak, D. (2008). An impact analysis of microfinance in Bosnia and Herzegovina. World Development, 36(12), 2605-2619.

Kar, A. K. (2010). Sustainability and mission drift in microfinance. (Tese de Doutorado). Hanken School of Economics, Helsinki.

Kipesha, E. F.; Zhang, X. (2013). Sustainability, profi tability and outreach tradeoffs: evidences from microfinance institutions in East Africa. European Journal of Business and Management, 5(8), 136-149.

Lauer, K.; Staschen, S. (2013). Regulation. In J. Ledgerwood, J. Earne.; C. Nelson. (Eds.), The new microfinance handbook: A financial market system perspective. p. 413-436. Washington D. C.: International Bank for Reconstruction and Development/The World Bank.

Ledgerwood, J. (1999). Microfinance handbook: An institutional and financial perspective. Washington D. C.: International Bank for Reconstruction and Development/The World Bank.

Lei nº 11.110, de 25 de abril de 2005. (2005). Institui o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado - PNMPO e altera dispositivos da Lei nº 8.029, de 12 de abril de 1990, que dispõe sobre a extinção e dissolução de entidades da administração pública federal; da Lei nº 9.311, de 24 de outubro de 1996, que institui a Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira - CPMF; da Lei nº 9.872, de 23 de novembro de 1999, que cria o Fundo de Aval para a Geração de Emprego e Renda - FUNPROGER; da Lei nº 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, que dispõe sobre a instituição de Sociedades de Crédito ao Microempreendedor; e da Lei nº 10.735, de 11 de setembro de 2003, que dispõe sobre o direcionamento de depósitos a vista captados pelas instituições financeiras para operações de crédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores; e dá outras providências. http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2005/lei-11110-25-abril-2005-536683publicacaooriginal-27600-pl.html.

Lei nº 12.613, de 18 de abril de 2012. (2012, 19 de abril). Altera a Lei no 10.735, de 11 de setembro de 2003, que dispõe sobre o direcionamento de depósitos à vista captados pelas instituições financeiras para operações de crédito destinadas à população de baixa renda e a microempreendedores, e dá outras providências. http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12613.htm.

Lei nº 12.666, de 14 de junho de 2012 (2012, 15 de junho). Altera a Lei nº 11.110, de 25 de abril de 2005, para autorizar a União a conceder subvenção econômica, sob a forma de equalização de parte dos custos a que estão sujeitas as instituições financeiras para contratação e acompanhamento de operações de microcrédito produtivo orientado; autoriza a concessão de subvenção econômica, sob a modalidade de equalização de taxa de juros, nas operações de financiamento para a estocagem de álcool combustível; altera a Lei nº 10.453, de 13 de maio de 2002; e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12666.htm.

Littlefield, E.; Morduch, J.; Hashemi, S. (2003). Is microfinance an eff ective strategy to reach the Millennium Development Goals? Focus Note, 24(2003), 1-11.

Luzzi, G. F.; Weber, S. (2006). Measuring the performance of microfinance institutions. https://dx.doi. org/10.2139/ssrn.918750.

Luzzi, G. F.; Weber, S. (2007). Measuring the performance of MFIs: An application of factor analysis. In B. Balkenhol (Ed.), Microfinance and Public Policy. p. 153-170. London: Palgrave Macmillan.

Macchiavello, E. (2012). Microfinance Regulation and Supervision: a multi-faced prism of structures, levels and issues. NYU Journal of Law and Business, 9(125), 125-197.

Martins, P. H.; Winograd, A.; Salles, R. C. (2002). Manual de Regulamentação das Microfinanças: Programa de Desenvolvimento Institucional. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Meagher, P. (2002). Microfinance regulation in developing countries: A comparative review of current practice. https://www.microfinancegateway.org/sites/default/files/mfg-en-paper-microfinance-regulation-in-developingcountries-a-comparative-review-of-current-practice-2002.pdf.

Medida Provisória nº 543. (2011). Altera a Lei nº 11.110, de 25 de abril de 2005, para autorizar a União a conceder a instituições financeiras subvenção econômica sob a forma de equalização de parte dos custos a que estão sujeitas, para contratação e acompanhamento de operações de microcrédito produtivo orientado. http://www2.camara.leg.br/legin/fed/medpro/2011/medidaprovisoria-543-24-agosto-2011-611340publicacaooriginal-133479-pe.html.

Mersland, R.; Strøm, R. Ø. (2009). Performance and governance in microfinance institutions. Journal of Banking & Finance, 33(4), 662-669.

Meyer, R. L. (2002). The demand for flexible microfinance products: lessons from Bangladesh. Journal of International Development, 14(3), 351-368.

Miffl in. Soares, M. M.; Melo Sobrinho, A. D. (2008). Microfinanças: o papel do Banco Central do Brasil e a importância do cooperativismo de crédito. 2 ed. Brasília: Banco Central do Brasil.

Miguel, A. C. (2012). Microcrédito no Brasil: uma agenda de política pública para o mercado de microfinanças. REDD – Revista Espaço de Diálogo e Desconexão, 4(2), 1-23.

Morduch, J. (1999). The microfinance promise. Journal of Economic Literature, 37(4), 1569-1614.

Navajas, S.; Schreiner, M.; Meyer, R. L.; Gonzalez-Vega, C.; Rodriguez-Meza, J. (2000). Microcredit and the poorest of the poor: theory and evidence from Bolivia. World Development, 28(2), 333-346.

Neri, M.; Medrado, A. (2010). Experimentando microcrédito: uma análise de impacto do Crediamigo no acesso a crédito. Documentos Técnico-Científicos, 41(1), 133-154.

Portaria n. 83. (2014). Estabelece como condições Pará Pagamento de equalização do Programa Crescer sem Âmbito do Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado - PNMPO PARA O Exercício de 2014. http://www.fazenda.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/portarias-ministeriais/2014/portariano-83-de-21-de-marco-de-2014-1.

Portaria nº 271. (2012). Art. 1º Observados os limites e as demais condições estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional e por esta Portaria, fica autorizado o pagamento de equalização de encargos financeiros, sobre os saldos médios diários de financiamentos concedidos pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES, com recursos próprios. http://fazenda.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/portariasministeriais/2012/portaria-no.-271-de-30-de-julho-de-2012.

Portaria nº 411. (2013). Art 1º Obedecidas as condições, critérios e limites estabelecidos pela Lei nº 11.110, de 25 de abril de 2005, pelo Decreto nº 5.288, de 29 de novembro de 2004, e pela Resolução do Conselho Monetário Nacional - CMN nº 4.000, de 25 de agosto de 2011, e alterações posteriores, fica autorizado o pagamento de equalização de parte dos custos a que estão sujeitas as instituições financeiras para contratação e acompanhamento de operações de microcrédito produtivo orientado contratadas de 1º de junho de 2013 até 31 de dezembro de 2013, desde que sejam observadas as seguintes condições... http://www.fazenda.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/portariasministeriais/2013/portaria-no.-411-de-10-de-julho-de-2013.

Quayes, S. (2012). Depth of outreach and financial sustainability of microfinance institutions. Applied Economics, 44(26), 34213433.

Railienė, G.; Sinevičienė, L. (2015). Performance valuation of credit unions having social and self-sustaining aim. ProcediaSocial and Behavioral Sciences, 213(2015), 423-429.

Rosales, R. (2000). Marco jurídico para as instituições de microcrédito. In: Seminário Internacional BNDES Microfinanças. p. 1-20. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Rosenberg, R. (2009). Measuring results of microfinance institutions: Minimum indicators that donors and investors should track – A technical guide. CGAP Technical Guide. http://www.cgap.org/publications/measuringresults-microfinance-institutions-minimum-indicators.

Schreiner, M.; Yaron, J. (1999). The subsidy dependence index and recent attempts to adjust it. Savings and Development, 23(4), 375-405.

Schroder, M. (2005). Finanças, comunidades e inovações: organizações financeiras da agricultura familiar – O Sistema Cresol (1995-2003). (Tese de Doutorado). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Secretaria de Política Econômica. (2012). Relatório de gestão do exercício de 2011. Brasília: Ministério da Fazenda.

Shadish, W. E.; Cook, T. D.; Campbell, D. T. (2002). Experimental and quasi-experimental designs for generalized causal inference. Boston: Houghton

Ward, A. M.; McKillop, D. G. (2005). An investigation into the link between UK credit union characteristics, location and their success. Annals of Public and Cooperative Economics, 76(3), 461-489.

Wooldridge, J. M.; (2010). Econometric analysis of cross section and panel data. 2 ed. Cambridge: MIT Press.