Fatores de Influência para Participação Eletrônica: Uma Visão Baseada na Teoria da Estruturação Outros Idiomas

ID:
54455
Resumo:
Na atualidade, o contexto da pesquisa empírica em participação eletrônica compreende uma diversidade de fontes de informação e tecnologias que impactam diretamente sobre a ação do cidadão. Esse contexto traz consigo um conjunto de resultados de pesquisa que ainda não consegue delinear totalmente os fatores de infl uência para esse tipo de participação. Nesse sentido, a Teoria da Estruturação se apresenta como uma alternativa efi caz para este ensaio teórico, trazendo consigo a necessidade de envolver, ao mesmo tempo, aspectos institucionais, coletivos e motivadores intrínsecos aos indivíduos. Assim, busca-se discutir os dois conceitos-chave desta teoria: agência e estrutura, relacionando-os com as teorias de uso das tecnologias nas organizações, afi m de compreender os fatores infl uenciadores da participação eletrônica para os cidadãos, a partir de uma revisão da literatura cujo norte é a Participação Eletrônica e a Teoria da Estruturação. Os cidadãos, restritos a um millieau que auxilia a confi gurar sua existência e realidade, tendem a buscar uma certa segurança ontológica em sua participação eletrônica, de modo a assegurar que a sua realidade de aceitação junto ao seu grupo social não irá se modifi car, facilitando a manutenção das condições que governam a continuidade de estruturas já dadas e, portanto, da reprodução dos sistemas sociais. Deste modo, as recompensas relacionadas à melhoria do bem-estar social produzido pela participação devem ser signifi cativamente maiores do que o risco produzido pela possibilidade de confl ito com os seus e perda do espaço de aceitação do grupo e consequentemente perda da segurança ontológica.
Citação ABNT:
RODRIGUES, J. L.Fatores de Influência para Participação Eletrônica: Uma Visão Baseada na Teoria da Estruturação. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, v. 8, n. 1, p. 41-60, 2019.
Citação APA:
Rodrigues, J. L.(2019). Fatores de Influência para Participação Eletrônica: Uma Visão Baseada na Teoria da Estruturação. Amazônia, Organizações e Sustentabilidade, 8(1), 41-60.
DOI:
http://dx.doi.org/10.17800/2238-8893/aos.v8n1jan/jun2019p41-60
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54455/fatores-de-influencia-para-participacao-eletronica--uma-visao-baseada-na-teoria-da-estruturacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDUIZA, E.; GALLEGO, A.; CANTIJOCH, M. Online political participation in Spain: The impact of traditional and Internet resources. Journal of Information Technology and Politics, v. 7, p. 356-368, 2010.

BARLEY, S. R. Technology as an occasion for structuring: Evidence from observations of ct scanners and the social order of radiology departments. Administrative Science Quarterly, v. 31, n. 1, p. 78-108, 1986.

BEST, S. J.; KRUEGER, B.S. Analyzing the representativeness of Internet political participation. Political Behavior, v. 27, p. 183-216, 2005.

BRAGA, L. V.; GOMES, R. C. Participação eletrônica e suas relações com governo eletrônico, efetividade governamental e accountability. Organizações & Sociedade, v. 23, n. 78, p. 487-506, 2016.

BRESSER-PEREIRA, L. C. A reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova, n. 45, p. 49-95, 1998. http://dx.doi.org/10.1590/S010264451998000300004.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 1, p. 07-40, 1996. http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/1734.

BRIGHT, J.; MARGETTS, H. Big Data and Public Policy: Can It Succeed Where E-Participation Has Failed? Policy and Internet, v. 8, n. 3, p. 218-224, 2016.

BRYANT, C. G. The uses of Giddens’ structuration theory. Reihe Soziologie, v. 37, 1999. http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0168-ssoar-221872.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL (CGI). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no setor público brasileiro: TIC governo eletrônico 2015. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

CUNHA, M.A.; COELHO, T.; PRZEYBILOVICZ, E. Get into the club: positioning a developing country in the international e-gov research. EJISDC, n. 79, v. 4, p. 1-21, 2017.

DAGNINO, E. ‘We All Have Rights, But... Contesting Concepts of Citizenship in Brazil’. In: N. Kabeer (ed.), Inclusive Citizenship: Meanings and Expressions, London: Zed Books, 2005.

DUNLEAVY, P. New Public Management Is Dead-Long Live Digital-Era Governance. Journal of Public Administration Research and Theory, v. 16, n. 3, p. 467-494, 2006.

FOUCAULT, M. Governmentality. In.: BURCHELL, G.; GORDON, C.; MILLER, P. (editores). The Foucault effect: studies in governmentality. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

GARCÍA, J. G. Gobierno Abierto: transparencia, participación y colaboración en las Administraciones Públicas. Revista Innovar, Colombia, v. 24, n. 54, 2014.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. 3 ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

GIDDENS, A. Central problems in social theory. Berkeley: University of California Press, 1979.

GIDDENS, A. Dualidade da Estrutura: Agência e Estrutura. Oeiras: Celta Editora, 2000.

IPEA. Relatório sobre participação social na Administração Pública Federal: Desafi os e perspectivas para a criação de uma política nacional de participação.

KAGARISE, W.; ZAVATTARO, S. M. Social Media: How One City Opens the Evidence Black Box. Public Administration Review, v. 77, n. 4, p. 486-488, 2017.

KAVANAUGH, A.; TEDESCO, J.; MADONDO, K. Social Media vs Traditional Internet Use for Community Involvement: Toward Broadening Participation. In: TAMBOURIS, E.; MACINTOSH, A.; BANNISTER, F. Anais 6th International Conference on Electronic Participation (ePart), Lecture Notes in Computer Science, p. 1-12. Dublin. Sep. 2014. <10.1007/978-3662-44914-11>.

KRUEGER, B. S. Assessing the potential of Internet political participation in the United States: A resource approach. American Politics Research, v. 30, n. 5, p. 476-498, 2002. .

LEONARDI, P. M. Theoretical foundations for the study of sociomateriality. Information and Organization, v. 23, n. 2 p. 59-76, 2013.

LIDÉN, G. Inequality in Local Digital Politics: How Different Preconditions for Citizen Engagement Can Be Explained. Policy and Internet, v. 8, n. 3, p. 270-291, 2016.

LILLEKER, D.; KOC-MICHALSKA, K. Whats drive political participation? Motivations and mobilization in a digital age. Political Communication, v. 34, n. 1, p. 21-43, 2017. <10.1080/10584609.2016.1225235>

MACINTOSH, A. Characterizing E-Participation in Policy-Making.PROCEEDINGS OF THE 37TH HAWAII INTERNATIONAL CONFERENCE ON SYSTEM SCIENCES2004 (HICSS-37). Anais...Island of Hawaii (Big Island): Computer Society Press, 2004.

MERGEL, I. Building Holistic Evidence for Social Media Impact. Public Administration Review, v. 77, n. 4, p. 489-495, 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). United Nations E-Government Survey 2016: E-Government in Support of Sustainable Development. ONU: New York, 2016.

ORLIKOWSKI, W. The duality of technology: rethinking the concept of technology in organizations. Organization Science, v. 3, n. 3, 1992.

ORLIKOWSKI, W. The sociomateriality of organisational life: considering technology in management research. Cambridge Journal of Economics. v. 34, p. 125-141, 2010. <10.1093/cje/bep058>.

ORLIKOWSKI, W. Using technology and constituting structures: A practice lens for studying technology in organizations. Organization Science, n. 11, v. 4, p. 404-428, 2000..

OSBORNE, S. P. The new public governance? Public Management Review, v. 8, n. 3, p. 377-387, 2006..

PAULA, A.; KEINERT, T. Inovações institucionais participativas : uma abordagem exploratória da produção brasileira em Administração Pública na RAP e no EnAPG (1990-2014). Cad. EBAPE.BR, v. 14, n. 5, p. 744-758, 2016..

PHANG, C. W.; KANKANHALLI, A. A research framework for citizen participation via eConsultation. In: PROCEEDINGS OF THE ELEVENTH AMERICAS CONFERENCE ON INFORMATION SYSTEMS.Omaha, NE, USA.Proceedings of the AMCIS. Paper 145, 2005. .

PIÑEDO-NEBOT, C. P. Posibilidades y condicionamientos de los presupuestos participativos Posibilidades. Temas para el debate, n. 113, p. 1-6, 2004. .

PINHO, J. A. Sociedade da Informação, Capitalismo e Sociedade Civil: Refl exões sobre Política, Internet e Democracia na Sociedade Brasileira. RAE, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 98-106, 2011. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75902011000100009.

POLAT, R. K. The Internet and political participation - Exploring the explanatory links. European Journal of Communication, v. 20, n. 4, p. 435-459, 2005..

POOLE, M; DESANCTIS, G. Understanding the use of group decision support systems: The theory of adaptive structuration. In: FULK, J.; STEINFIELD, C. Organizations and communication technology. Newbury Park: Sage, 1990.

RICART, R. M.; UBALDI, B. Como planejar governos digitais que apoiem o crescimento inclusivo e sustentável, na América Latina e Caribe. In: BARBOSA, Alexandre F. (Coord.) Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no setor público brasileiro: TIC governo eletrônico 2015. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016.

RUEDIGER, M.A. Robôs, redes sociais e política no Brasil [recurso eletrônico]: estudo sobre interferências ilegítimas no debate público na web, riscos à democracia e processo eleitoral 2018. Rio de Janeiro: FGV, DAPP, 2017.

SABIONI, M. et al. Contextos (in)adequados para o engajamento cidadão no controle social. Revista de Administração Pública, v. 50, n. 3, p. 477-500, 2016. <10.1590/0034-7612153518>.

SÆBØ, Ø.; ROSE, J.; SKIFTENES FLAK, L. The shape of eParticipation: Characterizing an emerging research area. Government Information Quarterly, v. 25, n. 3, p. 400-428, 2008. .

SANFORD, C.; ROSE, J. Characterizing eParticipation. International Journal of Information Management, v. 27, n. 6, p. 406-421, 2007. .

SCOTT, S. V; ORLIKOWSKI, W. J. Reconfi guring relations of accountability: Materialization of social media in the travel sector. Accounting, Organizations and Society, v. 44, n. 1, p. 26-40, 2012. .

SEO, J.; HASAN, M. Where are e-government in South Asian Countries? A comparative approach. A Research Journal of South Asian Studies, v. 30, n. 2, p. 7-24, 2015. .

SHAO, P.; WANG, Y. How does social media change Chinese political culture? The formation of fragmentized public sphere. Telematics and Informatics, v. 34, p. 694-704, 2017. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0736585316302878..

SUSHA, I.; GRÖNLUND, Å. EParticipation research: Systematizing the field. Government Information Quarterly, v. 29, n. 3, p. 373-382, 2012. .

TUFEKCI, Z. Twitter and tear gas: the power and fragility of networked protest. Washington: Yale University Press, 2017.

VICENTE, M. R.; NOVO, A. An empirical analysis of e-participation. The role of social networks and e-government over citizens’ online engagement. Government Information Quarterly, v. 31, n. 3, p. 379-387, 2014. .

WILSON, W. The study of administration. Political Science Quarterly, v. 2, n. 2, p. 197-222, 1887.