Megaeventos e Turismo no Rio de Janeiro: Um Olhar Sobre o Planejamento Estratégico e a Promoção da Imagem da Cidade Outros Idiomas

ID:
54605
Resumo:
A cidade do Rio de Janeiro orientou sua gestão para políticas estratégicas que promoveram renovações urbanas em seu espaço desde a década de 1990, o que a tornou palco de megaeventos, como a Copa do Mundo (2014) e os Jogos Olímpicos (2016). Perante a discussão sobre quais são as questões que emergem após a realização dos megaeventos na cidade, este artigo objetivou analisar como o Rio orientou a sua governança pública a partir dos Planos Estratégicos e quais foram as principais ações previstas nestes para o desenvolvimento do turismo e para a promoção da sua imagem a fim de posicionar-se de forma competitiva internacionalmente. As metodologias adotadas foram: pesquisas bibliográfica, documental e de campo (nas intervenções urbanas promovidas como espaços de consumo e lazer), e entrevistas com gestores públicos e moradores afetados. Aponta-se que nenhuma ação estratégica visou o desenvolvimento qualitativo do turismo participativo; somente focou no aumento do fluxo de turistas. As intervenções elitizaram os espaços públicos e atenderam a uma pequena parcela, evidenciando que tais políticas visaram a promoção da cidade e não o bem-estar social, em um processo claro de gentrificação.
Citação ABNT:
FERNANDES, A. M. V.Megaeventos e Turismo no Rio de Janeiro: Um Olhar Sobre o Planejamento Estratégico e a Promoção da Imagem da Cidade. Caderno Virtual de Turismo, v. 19, n. 1, p. 1-16, 2019.
Citação APA:
Fernandes, A. M. V.(2019). Megaeventos e Turismo no Rio de Janeiro: Um Olhar Sobre o Planejamento Estratégico e a Promoção da Imagem da Cidade. Caderno Virtual de Turismo, 19(1), 1-16.
DOI:
https://doi.org/10.18472/cvt.19n1.2019.1532
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54605/megaeventos-e-turismo-no-rio-de-janeiro--um-olhar-sobre-o-planejamento-estrategico-e-a-promocao-da-imagem-da-cidade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMADO, G. Brasil não terá mais campanha para atrair turistas durante Olimpíada. In: O Globo. 10 de julho, 2016.

ASSOCIAÇÃO DOS EMBAIXADORES DE TURISMO DO RIO DE JANEIRO. 2016. https://www.facebook.com/Associacao-Dos-embaixadores-de-turismo-do-Rio-de-JaneiroAbemtur-RJ-827314160666263 .

BARCELONA TURISME. Estadístiques de turisme a Barcelona i comarques. Ayuntamiento de Barcelona, 2015.

BORJA, J.; FORN, M. Políticas da Europa e dos Estados para as cidades. Espaço e Debates, v. XVI, n. 39, 1996.

BRASIL.Ministério do Turismo. Índice de Competitividade do Turismo Nacional: relatório Brasil. Brasília, DF: Ministério do Turismo, 2015.

BRASIL.Ministério do Turismo. Relatório Eventos Internacionais no Brasil (2003-2009). Brasília, DF: Ministério do Turismo, 2011.

BRASIL.Ministério do Turismo. Turistas aprovam a Olimpíada e querem voltar ao Brasil. 19 ago. 2016. http://www.turismo.gov.br/ultimasnoticias-7041-turistas-aprovam-as-olimpiadas-e-queremvoltar-ao-brasil.htlm. Acesso em: set. 2016.

BRITO, C. Após quatro meses, Parque Olímpico no Rio tem sinais de abandono. Rio de Janeiro, fev. 2017. http://https://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/apos-quatro-meses-parque-olimpico-norio-tem-sinais-de-abandono.ghtml. Acesso em: jul. 2017.

CALEIRO, J. P. Rio de Janeiro e Minas Gerais, os estados ricos e falidos. Revista Exame.com. 2016. http://exame.abril.com.br/economia/rio-de-janeiro-e-minas-gerais-se-ricos-por-que-falidos/. Acesso em: jan. 2016.

CARLOS, C. A. S. L. O patrimônio cultural na cidade dos grandes eventos e oportunidades reflexões sobre o patrimônio cultural frente ao contexto político-administrativo da cidade do Rio de Janeiro no século XXI. Cadernos do Proarq. n. 21. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013. p. 29-45.

FERNANDES, A. M. V. Patrimônio Cultural, Turismo e a Renovação das Cidades: aproximações e dissonâncias entre Barcelona e Rio de Janeiro. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas, 2017.

FISCHER, T.; GUANAIS, F. C. Entre planos, projetos e estratégias: o caso Rio Sempre Rio. Organizações e Sociedade, Salvador, v. 6, n. 14, 1999.

GIANNELLA, L. C. Revirando o “Porto Maravilha”: luta pelo espaço e contradições urbanas na zona portuária do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado). Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, 2015.

HARVEY, D. Do gerenciamento ao empresariamento: a transformação da administração urbana no capitalismo tardio. Espaço e Debates, v. 39, n. 16, p. 48-64, 1996.

MACHADO, R. Rio está entre as cidades mais caras do mundo. In: Panrotas. 19 de julho, 2016. http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/destinos/2016/07/rio-esta-entre-cidades-maiscaras-do-mundo.127639.html. Acesso em: ago. 2016.

MARTINS, F. No Rio, Paes distribui nas escolas “Banco Imobiliário” que exalta suas obras. In: UOL. Rio de Janeiro, 2013. http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/02/22/prefeitura-do-rio-vai-distribuir-nasescolas-banco-imobiliario-que-exalta-obras-de-paes.htm. Acesso em: nov. 2013.

OLIVEIRA, M. P. Projeto Rio Cidade: intervenção urbanística, planejamento urbano e restrição à cidadania na cidade do Rio de Janeiro.Diez años de cambio en el Mundo, en la Geografía y en las Ciencias Sociales, 1999-2008. Scripta Nova: Revista Electronica de Geografía y Ciencias Sociales. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2008, vol. XII, n. 270 (117). http://www.ub.es/geocritic/sn/sn-270-117.htm.

PIRES, H. F. Planejamento e intervenções urbanísticas no Rio de Janeiro: a utopia do Plano Estratégico e sua inspiração catalã. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona: Universidad de Barcelona, 5 de noviembre de 2010, v. XV, n. 895. (13). http://www.ub.es/geocritic/b3w-895-13.htm.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Concurso Rio em Cartaz. http://www.rio.rj.gov.br/web/irph/rioemcartaz .

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Plano Estratégico da Prefeitura do Rio de Janeiro 2017-2020. Rio de Janeiro, 2016. http://www.conselhodacidade.com.br/v3/pdf/ planejamento_estrategico_17-20.pdf.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Plano Estratégico da Prefeitura do Rio de Janeiro: o Rio mais integrado e competitivo (2009-2012). Rio de Janeiro, 2009. http://www.conselhodacidade.com.br/v3/pdf/planejamento_estrategico_site.pdf .

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Plano Estratégico da Prefeitura do Rio de Janeiro: o Rio mais integrado e competitivo Pós-2016 (2013 2016). Rio de Janeiro, 2013. http://www.conselhodacidade.com.br/v3/pdf/planejamento_estrategico_13-16.pdf.

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. Visit.rio Magazine. Rio de Janeiro. n. 1, janeiro de 2016.

PUFF, J. Rio 2016 escancara crise do modelo dos Jogos Olímpicos “como nunca antes”. Entrevista do professor pesquisador BOYKOFF, J. à BBC do Rio de Janeiro. In: BBB Brasil. Rio de Janeiro. 12 julho, 2016. http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36770268.

RAMALHO, G. Policiais e bombeiros fazem manifestação dentro do Galeão. In: O Globo. 04/06/2016. . Acesso em: jun. 2016.

SANCHÉZ, F.; GUTERMAN, B.; LAIBER, P. Disputas simbólicas na cidade maravilhosa: atores, instrumentos e gramáticas territoriais. XVI ENANPUR: ESPAÇO, PLANEJAMENTO E INSURGÊNCIAS. Belo Horizonte, maio de 2015. Anais… Belo Horizonte, 2015.

VAINER, C. Pátria, empresa e mercadoria: notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In: ARANTES, O.; MARICATO, E.; VAINER, C. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 75-104.

VIEIRA, R. Mtur revela os destinos mais postados no Instagram. Panrotas. 2016. http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/destinos/2016/12/mtur-revela-os-destinos-mais-postadosno-instagram-fotos_142977.html.

VIGNATI, F. Gestão de destinos turísticos: como atrair pessoas para polos, cidades e países. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio, 2008.