Eficiência da Alocação de Recursos Públicos nas Unidades da Federação nos Governos Lula e Dilma Outros Idiomas

ID:
54618
Resumo:
A eficiência nos gastos constitui um dos principais desafios da gestão pública. Neste artigo, analisa-se a eficiência na alocação de recursos públicos nas 27 Unidades da Federação (UF) durante os governos Lula e Dilma. Para tanto, utilizou-se a Análise Envoltória de Dados ( Data Envelopment Analysis – DEA), no modelo Retornos Constantes à Escala, proposto por Charnes, Cooper e Rhodes (1978) e conhecido como modelo CCR, e no modelo Retornos Variáveis à Escala, proposto por Banker, Charnes e Cooper (1984) e nomeado BCC, com orientação de output , para o cálculo de eficiência das 27 UFs. Como entrada para os dois modelos, foram utilizados os gastos com saúde e educação de cada UF, assim como a renda média familiar. Como saída, utilizou-se a média do Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) dos municípios de cada UF. Foram feitas correlações entre a eficiência de cada UF obtida pela DEA e o respectivo Produto Interno Bruto (PIB). Com base no CCR, em que a eficiência é calculada considerando-se o axioma da proporcionalidade entre inputs e outputs , houve maior número de UFs eficientes no governo Dilma. Em relação ao BCC, o qual admite que a eficiência máxima varie em função da economia de escala, os resultados são semelhantes entre os dois governos, apresentando o governo Lula maior número de UFs eficientes. Há correlação entre os modelos CCR e BCC, assim como entre o modelo CCR e o PIB, mas não há correlação entre o modelo BCC e o PIB.
Citação ABNT:
SILVA, C. R. M.; ALVES, R. M. P.; LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Eficiência da Alocação de Recursos Públicos nas Unidades da Federação nos Governos Lula e Dilma. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 24, n. 78, p. 1-20, 2019.
Citação APA:
Silva, C. R. M., Alves, R. M. P., Luca, M. M. M., & Vasconcelos, A. C. (2019). Eficiência da Alocação de Recursos Públicos nas Unidades da Federação nos Governos Lula e Dilma. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 24(78), 1-20.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12660/cgpc.v24n78.73696
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54618/eficiencia-da-alocacao-de-recursos-publicos-nas-unidades-da-federacao-nos-governos-lula-e-dilma/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Silva, M. C., Oliveira, A. F., Martins, J. D. M., & Silva, J. D. G. (2014). Análise envoltória de dados na avaliação da eficiência das despesas de investimentos dos estados e do Distrito Federal. Revista Universo Contábil, 10(3), 114-133. doi:10.4270/RUC.2014322

Afonso, A., Romero, A., & Monsalve, E. (2013). Public sector efficiency: Evidence for Latin America [Discussion Paper Nº IDB-DP-279]. Inter-American Development Bank, Lisboa, Portugal.

Avelino, B. C., Bressan, V. G. F., & Cunha, J. V. A. (2013). Estudo sobre os fatores contábeis que influenciam o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM) nas capitais brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(3), 274-290. doi:10.17524/repec.v7i3.993

Balaguer-Coll, M. T., Prior, D., & Tortosa-Ausina, E. (2007). On the determinants of local government performance: A two-stage nonparametric approach. European Economic Review, 51(2), 425-451. doi:10.1016/j. euroecorev.2006.01.007

Banker, R. D., & Natarajan, R. (2008). Evaluating contextual variables affecting productivity using data envelopment analysis. Operations Research, 56(1), 48-58. doi:10.1287/ opre.1070.0460

Banker, R. D., Charnes, A., & Cooper, W. W. (1984). Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, 30(9), 1078-1092. doi:10.1287/mnsc.30.9.1078

Beuren, I. M., Moura, G. D., & Kloeppel, N. R. (2013). Práticas de governança eletrônica e eficiência na utilização das receitas: Uma análise nos estados brasileiros. RAP-Revista Administração Pública, 47(2), 421-441. doi:10.1590/S0034-76122013000200007

Brito, C. C. (2017). Conceito de território rural e políticas públicas e sua evolução histórica nos governos FHC e Lula. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 22(72), 173-192. doi:10.1590/S0034-76122013000200007

Charnes, A., Cooper, W., & Rodhes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision marking units. European Journal of Operational Research, 2(6), 429-444. doi:10.1016/03772217(78)90138-8

Chiechelski, P. C. S. (2005). Avaliação de programas sociais: Abordagens quantitativas e suas limitações. Textos & Contextos, 4(1), 1-12.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm

Costa, C. C. M., Ferreira, M. A. M., Braga, M. J., & Abrantes, L. A. (2015). Fatores associados à eficiência na alocação de recursos públicos à luz do modelo de regressão quantílica. RAP-Revista Administração Pública, 49(5), 1319-1347. doi:10.1590/00347612130868

Debnath, R. M., & Shankar, R. (2014). Does good governance enhance happiness: A cross nation study. Social Indicators Research, 116(1), 235-253. doi:10.1007/s11205013-0275-1

Diniz, J. A., Macedo, M. A. S., & Corrar, L. J. (2012). Mensuração da eficiência financeira municipal no Brasil e sua relação com os gastos nas funções de governo. Gestão & Regionalidade, 28(83), 5-20. doi:10.13037/ gr.vol28n83.1347

Faé, R., Goulart, S., & Abdala, P. R. Z. (2016). Estratégia nacional de desenvolvimento nos governos Lula e Dilma: Transformação neoliberal. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(1), 1-18. doi:10.12712/rpca.v10i1.654

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. (2015). Índice FIRJAN de desenvolvimento municipal. Publicações Sistemas

FIRJAN: Pesquisas e estudos socioeconômicos. Recuperado de http://www.firjan.com.br/ ifdm/downloads/ Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. (2016). Índice FIRJAN de desenvolvimento municipal. Consulta ao índice. Recuperado de http://www.firjan.com.br/ifdm/

Hauner, D., & Kyobe, A. (2010). Determinants of government efficiency. World Development, 38(11), 1527-1542. doi:10.1016/j.worlddev.2010.04.004

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Estados@. Recuperado de http:// www.ibge.gov.br/estadosat/

Lei Complementar n. 101, de 4 de maio de 2000 (2000). Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp101.htm

Leite, G. A., Filho, & Fialho, T. M. M. (2015). Relação entre indicadores de gestão pública e de desenvolvimento dos municípios brasileiros. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 20(67), 277-295. doi:10.12660/cgpc. v20n67.52080

Machado, S. P., Júnior, Irffi, G., & Benegas, M. (2011). Análise da eficiência técnica dos gastos com educação, saúde e assistência social dos municípios cearenses. Planejamento e Políticas Públicas, (36), 87-113.

Meza, A. L., Biondi, L., Neto, Mello, J. C. C. B. S., & Gomes, E. G. (2005). ISYDS – Integrated System for Decision Support (SIAD – Sistema Integrado de Apoio à Decisão): A software package for Data Envelopment Analysis model. Pesquisa Operacional, 25(3), 493-503. doi:10.1590/

Moura, F. A., & Sauer, L. (2009, janeiro/abril). Reflexões sobre a metodologia de construção do IDH e suas implicações quantitativas. Desafio: Revista de Economia e Administração, 10(20), 114-128.

Moutinho, J. A. (2016). Transferências voluntárias da União para municípios brasileiros: Mapeamento do cenário nacional. RAP-Revista Administração Pública, 50(1), 151-166. doi:10.1590/0034-7612139003

Mukokoma, M. M. N., & Dijk, M. P. (2013). New public management reforms and efficiency in urban water service delivery in developing countries: Blessing or fad? Public Works Management & Policy, 18(1), 23-40. doi:10.1177/1087724X12459043

Peña, C. R. (2008). Um modelo de avaliação da eficiência da administração pública através do método Análise Envoltória de Dados (DEA). RAC-Revista de Administração Contemporânea, 12(1), 83-106. doi:10.1590/

Rodrigues, M. A. V. (2017). Democracia vs. eficiência: Como alcançar equilíbrio em tempo de crise financeira. RAP-Revista de Administração Pública, 51(1), 88-104. doi:10.1590/0034-7612165400

S0101-74382005000300011 Morais, L. P. (2015). Desenvolvimento socioeconômico e geração de emprego e renda na América Latina e no Caribe: Potenciais contribuições da economia social e solidária. Revista Direito Mackenzie, 9(1), 131153.

S1415-65552008000100005 Pinto, J. F., & Santos, L. T. D. (2017). Administração pública brasileira no século XXI: Caminhamos para alguma reforma? Administração Pública e Gestão Social, 9(3), 205-215. doi:10.21118/apgs.v1i3.1325

Sandroni, P. (1989). Dicionário de economia: Nova edição revista e ampliada (8a ed.). São Paulo, SP: Best Seller.

Santos, G. F. Z., & Schommer, P. C. (2018). Bureaucracy, civil society and ideology in Latin America. Gobernar: The Journal of Latin American Public Policy and Governance, 2(3), 1-17.

Scarpin, J. E., & Slomski, V. (2007). Estudo dos fatores condicionantes do Índice de Desenvolvimento Humano nos municípios do estado do Paraná: Instrumento de controladoria para a tomada de decisões na gestão governamental. RAP-Revista Administração Pública, 41(5), 909-933.

Scarpin, J. E., Macedo, F. F. R. R., Starosky, L., Filho, & Rodrigues, M. M., Júnior. (2012). Análise da eficiência dos recursos públicos direcionados à educação: Estudo nos municípios do estado de Santa Catarina. Revista Gestão Pública: Práticas e Desafios, 3(6), 27-48.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. RAP-Revista de Administração Pública, 43(2), 347-369. doi:10.1590/S003476122009000200004

Secretaria do Tesouro Nacional. (2016). Informações contábeis e fiscais do setor público. Recuperado de http://www.tesouro. fazenda.gov.br/web/stn/-/informacoes-contabeis-e-fiscais-do-setor-publico

Siedenberg, R. S. (2003). Indicadores de desenvolvimento socioeconômico: Uma síntese. Desenvolvimento em Questão, 1(1), 4571. doi:10.21527/2237-6453.2003.1.45-71

Souza, F. J. V., & Barros, C. C. (2013). Eficiência na alocação de recursos públicos destinados a assistência hospitalar nos estados brasileiros. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 3(1), 71-89. doi:10.29386/ rgfc.v3i1.84

Souza, P. C., Scatena, J. H. G., & Kehrig, R. T. (2017). Eficiência hospitalar no SUS: Análise de 10 hospitais do mix público-privado do Estado de Mato Grosso. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 22(72), 335-354. doi:10.12660/cgpc.v22n72.66242

Trompieri-Neto, N., Lopes, D. A. F., Barbosa, M. P., & Holanda, M. C. (2009). Determinantes da eficiência dos gastos públicos municipais em educação e saúde: O caso do Ceará. In E. B. S. Carvalho, M. C. Holanda, & M. P. Barbosa (Orgs.), Economia do Ceará em debate (pp. 57-72). Fortaleza, CE: IPECE.