Os Influenciadores Digitais no Processo de Tomada de Decisão de Seus Seguidores Outros Idiomas

ID:
54663
Resumo:
No cenário atual, cada vez mais as pessoas estão mais online do que off-line. Assim, novas formas de trabalho e marketing estão sendo escolhidas para suprir a demanda e chegar ao público alvo. O marketing digital juntamente com o marketing de conteúdo caracterizado pelos influenciadores digitais vem ganhando cada vez mais força, a fim de ser um modo de marketing mais eficaz e efciente. Objetiva-se identificar como os influenciadores digitais auxiliam na tomada de decisão de compra dos seus seguidores, no ramo da beleza. Foi utilizado o método survey, sendo a coleta de dados por meio de um questionário, contendo 17 perguntas fechadas. Obteve-se uma amostra de 208 respondentes, em outubro de 2018. Evidencia-se que a maior parte dos respondentes são do sexo feminino inserida nesse campo dos influenciadores digitais. Além disso, caracteriza-se uma amostra de jovens e 66,3% tem Ensino Médio completo, considerando-se uma geração millennials voltada ao mundo da tecnologia. Ainda, as estratégias de marketing dos influenciadores digitais transmitem confiança aos seus seguidores, tonando-se essa relação lucrativa para as marcas/empresas e para os próprios influenciadores digitais. Conclui-se que os influenciadores digitais no ramo da beleza influenciam na tomada de decisão de compra em seus seguidores.
Citação ABNT:
SCHINAIDER, A. D.; BARBOSA, I. N. Os Influenciadores Digitais no Processo de Tomada de Decisão de Seus Seguidores. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, v. 5, n. 3, p. 98-115, 2019.
Citação APA:
Schinaider, A. D., & Barbosa, I. N. (2019). Os Influenciadores Digitais no Processo de Tomada de Decisão de Seus Seguidores. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, 5(3), 98-115.
DOI:
https://doi.org/10.20401/rasi.5.3.322
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54663/os-influenciadores-digitais-no-processo-de-tomada-de-decisao-de-seus-seguidores/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, M.; Coelho, R; Camilo-Junior, C.; Godoy, R. (2017). Quem Lidera sua Opinião? Influência dos Formadores de Opinião Digitais no Engajamento. UFGO. Recuperado em 13 de junho de 2018, de: http://www.scielo.br/pdf/rac/v22n1/19827849-rac-22-01-0115.pdf.

Barcelos, R.; Rossi, C. (2014). Mídias sociais e adolescentes: uma análise das consequências ambivalentes e das estratégias de consumo. BASE. Recuperado em 02 de junho de 2018, de: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/104985/000932103.pdf?sequence=1

Bartels, R. (1988). The History of Marketing Thought. Columbus, Publishing Horizons. Cap 1-3.

Coelho, T. (2018). 10 fatos sobre o uso de redes sociais no Brasil que você precisa saber. Techtudo. Recuperado em 11 de novembro de 2018, de: https://www.techtudo.com.br/noticias/2018/02/10-fatos-sobre-o-uso-de-redes-sociaisno-brasil-que-voce-precisa-saber.ghtml.

Eugenio, M. (2018). Digital influencer: o que é e como ele impacta o consumidor? Dlojavirtual, Canoas. Recuperado em 29 de junho de 2018, de: https://www.dlojavirtual.com/marketing-digital/digital-influencer-o-que-e-e-como-eleimpacta-o-consumidor.

Ferreira, M. (2018). Os influencers digitais na estratégia do marketing das marcas: de cosméticos femininos. UFPR, 2018. Recuperado em 05 de agosto de 2018, de: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/56371/R%20-%20E%20- %20MAYRA%20CANDIDO%20FERREIRA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Freitas, H.; Oliveira, M.; Saccol, A.; Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa suvey. Revista de Administração da USP, São Paulo, 35 (3).

Gerhardt, T; Silveira, D. (2009). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Recuperado em 19 de novembro de 2018, de: https://books.google.com.br/books?hl=ptPT&lr=&id=dRuzRyEIzmkC&oi=fnd&pg=PA9&dq=porque+pesquisa+descritiva&ots= 92S8_-kqGD&sig=_ABsQkueOa-6FKw-vqFCXQU2-s#v=onepage&q&f=false.

Gil, A. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª. ed. São Paulo: Atlas.

Globo, O. (2011) Publicidade na internet já movimenta R$ 1,2 bilhão. Recuperado em 09 de setembro de 2018, de: http://oglobo.globo.com/tecnologia/mat/2011/02/12/ publicidade-na-internet-ja-movimenta-1-2bilhao-923791125.asp.

Kottler, P.; Keller, K. (2013). Administração de marketing, 14 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Maurício, P; Gerolis, B; Medeiros, M. (2017). Influenciadores Digitais Como Parte da Disrupção do Modelo de Negócios do Jornalismo. In: Congresso Brasileiro de Ciênvias da Comunicação, 40º., Curitiba, Anais eletrônicos... Curitiba, 3-3. Recuperado em 17 de julho de 2018, de: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2017/resumos/R120502-1.pdf.

Moresi, E. (2003). Metodologia da Pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília.

Oliveira, M. (2011). Metodologia Científica: um manual para a realização de pesquisas em administração. UFG. Recuperado em 24 de junho de 2018, de: https://adm.catalao.ufg.br/up/567/o/Manual_de_metodologia_cientifica__Prof_Maxwell.pdf.

Pavanello, G. (2017). Digital influencer, qual é sua função? Seguidoresgram, São Paulo. Recuperado em 29 de outubro de 2018, de: https://seguidoresgram.com.br/digitalinfluencerqual-e-sua-funcao/.

Pita, A. (2015). O processo da tomada de decisão na compra de um livro infantil. Dissertação de Mestrado em Gestão de Empresas, UAL, Lisboa. Recuperado em 11 de junho de 2018, de: http://repositorio.ual.pt/bitstream/11144/1882/1/TeseMestrado_AnaCristinaPita.pdf.

Ratcheva, A. (2017). A influência de digital influencers no processo de decisão de compra do público feminino. Trabalho final de conclusão de curso apresentado à Especialização em Marketing Empresarial, UFPR, Curitiba. Recuperado em 29 de outubro de 2018, de: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/52978/R%20-%20E%20- %20ACEA%20EVGUENI%20RATCHEVA.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Reamp, Equipe. (2018). Influenciadores digitais e sua relação com as marcas. BLOGREAMP. Recuperado em 29 de outubro de 2018, de: http://reamp.com.br/blog/2018/07/influenciadores-digitais-e-sua-relacao-com-asmarcas/.

Recuero, R. (2009). Redes sociais na internet. Porto Alegre: Editora Meridional. Recuperado em 02 de junho de 2018, de: http://www.ichca.ufal.br/graduacao/biblioteconomia/v1/wpcontent/uploads/redessociaisnainternetrecuero.pdf.

Rez, R. (2016). Marketing de conteúdo: a moeda do século XXI. São Paulo: DVS Editora. Recuperado em 04 de maio de 2018.

Sampaio, V.; Tavares, C. (2017). Marketing digital: O poder da influência das redes sociais na decisão de compra do consumidor universitário da cidade de Juazeiro do Norte-CE. Revista Científica Semana Acadêmica, Fortaleza, n. 104, 5-9. Recuperado em 03 de junho de 2018, de: https://semanaacademica.org.br/system/files/artigos/artigo_cira_e_cristiano_0.pdf.

Semis, L. (2018). Veja o que mudou na idade mínima para ingresso no Infantil Fundamental. Nova Escola. Recuperado em 20 de novembro de 2018, de: https://novaescola.org.br/conteudo/12222/veja-o-que-mudou-ou-nao-na-idademinima-para-ingresso-na-educacao-infantil-e-fundamental.

Teixeira, J. (2010). Fatores que influenciam o comportamento do consumidor. Pós-graduação curso de especialização em gestão estratégica de vendas e negociação, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro. Recuperado em 04 de junho de 2018, de: http://www.avm.edu.br/docpdf/monografias_publicadas/k212800.pdf.

Torres, C. (2009). A bíblia do marketing digital: Tudo o que você queria saber sobre o marketing e publicidade na internet e não tinha a quem perguntar. São Paulo: Novatec. Recuperado em 01 de maio de 2018, de: https://drive.google.com/file/d/1uNGAKv6nBZt23RhB6Cnn9NMQyF_OMWm/view.

Valverde, C. (2016). As 12 redes sociais com mais mulheres, Super Interessante. Recuperado em 19 de novembro de 2018, de: https://super.abril.com.br/blog/superlistas/as-12-redessociais-com-mais-mulheres/.

Vargo, S. L.; Lusch, R. L. (2004). Envolving to a New Dominant Logic for Marketing. Journal of Marketing, 68.