Relação entre Ciclo de Vida Organizacional e Uso de Instrumentos de Contabilidade Gerencial Outros Idiomas

ID:
54775
Resumo:
O estudo objetiva averiguar a relação do ciclo de vida organizacional com o uso de instrumentos tradicionais e modernos de Contabilidade Gerencial. Uma survey foi realizada em 37 empresas industriais e aos dados aplicaram-se técnicas de estatística descritiva, análise discriminante e correlações. Os resultados mostram que a maioria dessas empresas encontra-se no estágio de nascimento e possuem diferentes anos de constituição, não seguindo a ordem determinística preconizada na Teoria do Ciclo de Vida. Dos instrumentos tradicionais, apenas os métodos de custeio não apresentaram relação significativa com os estágios do ciclo de vida. Constatou-se relação negativa entre o estágio de nascimento e o uso de instrumentos de Contabilidade Gerencial e relação positiva entre os estágios de crescimento, maturidade e rejuvenescimento com os instrumentos de Contabilidade Gerencial. O uso de instrumentos modernos de Contabilidade Gerencial é maior no estágio de rejuvenescimento. Portanto, conforme a empresa avança nos estágios do ciclo de vida, maior é o uso de instrumentos de Contabilidade Gerencial.
Citação ABNT:
SANTOS, V. D.; CORRÊA, N. L.; BEUREN, I. M.; GOMES, T. Relação entre Ciclo de Vida Organizacional e Uso de Instrumentos de Contabilidade Gerencial. Enfoque Reflexão Contábil, v. 38, n. 2, p. 67-85, 2019.
Citação APA:
Santos, V. D., Corrêa, N. L., Beuren, I. M., & Gomes, T. (2019). Relação entre Ciclo de Vida Organizacional e Uso de Instrumentos de Contabilidade Gerencial. Enfoque Reflexão Contábil, 38(2), 67-85.
DOI:
10.4025/enfoque.v38i2.40964
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54775/relacao-entre-ciclo-de-vida-organizacional-e-uso-de-instrumentos-de-contabilidade-gerencial/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABDEL-KADER, M.; LUTHER, R. IFAC's conception of the evolution of management accounting: a research note. Advances in Management Accounting, v.15, n. 1, p. 229-247, 2006.

ADIZES, I. Gerenciando mudanças. São Paulo: Pioneira, 1993.

ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações: como e porque as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. São Paulo: Pioneira, 1990.

ANTHONY, R. N.; GOVINDARAJAN, V. Sistemas de controle gerencial. São Paulo: Atlas, 2006.

AUZAIR, S.M.; LANGFIELD-SMITH, K. The effect of service process type, business strategy and life cycle stage on bureaucratic MCS in service organizations. Management AccountingResearch, v. 16, n. 4, p. 399-421, 2005.

BEUREN, I. M.; RENGEL, S.; HEIN, N. Ciclo de vida organizacional pautado no modelo de Lester, Parnell e Carraher (2003) e na lógica fuzzy: classificação de empresas de um segmento industrial de Santa Catarina. Revista de Administração, v. 47, n. 2, p. 197-216, 2012.

BEUREN, I. M.; RENGEL, S.; RODRIGUES JUNIOR, M. M. Relação dos atributos da contabilidade gerencial com os estágios do ciclo de vida organizacional. Innovar, v. 25, n. 57, p. 63-78, 2015.

CARVALHO, K. L.; SARAIVA JUNIOR, A. F.; FREZATTI, F.; COSTA, R. P. A contribuição das teorias do ciclo de vida organizacional para a pesquisa em contabilidade gerencial. RAM - Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n.4 p. 1-10, 2010.

CHENHALL, R.H.; LANGFIELD-SMITH, K.The relationship between strategic priorities, management techniques and management accounting: an empirical investigation using a systems approach. Accounting, Organizations and Society, v. 23, n. 3, p. 243-264, 1998.

CHENHALL, R.H. Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, v. 28, n. 2, p. 127-168, 2003.

CHRISTENSEN, C.R.; SCOTT, B.R. Summary of course activities. In: SCOOT, B.R. Stages of corporate development -part 1. Case note nº. 9-371-294. Boston: HBS Case Services, 1964.

CORREIA, R.B. Ciclo de vida organizacional e instrumento de gestão: uma investigação nas empresas baianas. 2010. 236f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

FAVERI, D. B.; CUNHA, P. R.; SANTOS, V.; LEANDRO, D. A. Relação do ciclo de vida organizacional com o planejamento: um estudo com empresas prestadoras de serviços contábeis do estado de Santa Catarina. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 8, n. 4, p. 382-402, 2014.

FÁVERO, L. P.; BELFIORE, P.; SILVA, F. L.; CHAN, B. L. Análise de dados:modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FREZATTI, F.; RELVAS, T. R. S.; NASCIMENTO, A. R.; JUNQUEIRA, E. R.; BIDO, D. S. Perfil de planejamento e ciclo de vida organizacional nas empresas brasileiras. Revista de Administração, v. 45, n. 4, p. 383-399, 2010.

GREINER, L.E. Evolution and revolution as organizations grow. Harward Business Review, v. 50, n. 4, p. 37-46, 1972.

HAIR JR., J. F; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6. ed. São Paulo: Bookman, 2009.

KLANN, R. C.; KLANN, P. A.; POSTAI, K. R.; RIBEIRO, M J. Relação entre o ciclo de vida organizacional e o planejamento em empresas metalúrgicas do município de Brusque-SC. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 6, n. 16, p. 119-142, 2012.

LAVARDA, C. E. F.; PEREIRA, A. M. Uso dos sistemas de controles de gestão nas diferentes fases do ciclo de vida organizacional. Revista Alcance, v. 19, n. 4, p. 497-518, 2012

LESTER, D.L.; PARNELL, J.A.; CARRAHER, S. Organizational life cycle: a five-stage empirical scale. International Journal of Organizational Analysis, v. 11, n. 4, p. 339-354, 2003.

LIPPETT, G.L.; SCHMIDT, W.H. Crises in a developing organization. Harvard Business Review,v. 45, n. 6, p. 102-112, 1967.

MARQUES, A. C. F. Deterioração organizacional: como detectar e resolver problemas de deterioração e obsolescência organizacional. São Paulo: Makron Books, 1994.

MARQUES, L.; CUNHA, P. R.; FAVERI, D. B.; WALTER, F. M. Relação entre o ciclo de vida organizacional e o processo orçamentário em empresas metal mecânicas do alto e médio Vale do Itajaí. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 33, n. 2, p. 1-18, 2014.

MARTINS, E. Contabilidade de custos. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MILLER, D; FRIESEN, P.H. A longitudinal study of the corporate life cycle. Management ScienceGlobal, v. 30, n. 10, p. 1161-1183, 1984.

MOORES, J.C.R; YUEN, S. Management accounting systems and organizational configuration: a life-cycle perspective. Accounting, Organization and Society, v. 26, n. 4, p.351-389, 2001.

NECYK, G. A. O desenvolvimento da contabilidade gerencial nas empresas: uma perspective de ciclo de vida. 2008. 187f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) –Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

NECYK, G. A.; SOUZA, B. C.; FREZATTI, F. Ciclo de vida das organizações e a contabilidade gerencial. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 27, n. 1, p. 09-22, 2008.

QUINN, R.E.; CAMERON, K. Organizational life cycles and shifting criteria of effectiveness: some preliminary evidence.Management Science, v. 29, n 1, p. 33-51, 1983.

RHENMAN, E. Organization theory for long-range planning. London: Wiley, 1973.

SOUTES, D. O. Uma investigação do uso de artefatos da contabilidade gerencial por empresas brasileiras. 2006. 116f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

SOUZA, R.P.; GUERREIRO, R.; OLIVEIRA, M.P.V. Relationship between the maturity of supply chain process management and the organizational life cycle. Business Process Management Journal, v. 21, n. 3, p. 466-481, 2015.

SULAIMAN, M. B.; AHMAD, N. N. N.; ALWI, N. Management accounting practices in selected Asian countries: a review of the literature. Managerial Auditing Journal, v. 19, n. 4, p. 493-508, 2004.

VALERIANO, C. E. B. Ciclo de vida organizacional e artefatos de contabilidade gerencial: uma investigação nas 250 pequenas e médias empresas que mais cresceram no Brasil entre 2008 e 2010. 2012. 124f. Dissertação(Mestrado em Contabilidade) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.