Análise dos Centros de Atendimento ao Turista em Belo Horizonte/Minas Gerais/Brasil entre os Anos de 2014 e 2018 Outros Idiomas

ID:
54805
Resumo:
OBJETIVO DO ESTUDO: Este trabalho tem como objetivo geral analisar os Centros de Atendimento ao Turista (CATs) em Belo Horizonte, Minas Gerais. Ao realizar um estudo entre os anos de 2014 e 2018, buscou-se compreender em que medida a realização da Copa do Mundo FIFA 2014 contribuiu para a melhoria dos serviços de informação turística na cidade. ORIGINALIDADE/RELEVÂNCIA: A informação turística tem papel categórico na promoção de um destino, por consequência, os Centros de Atendimento ao Turista assumem um papel promocional importante, já que concentram informações sobre determinada localidade e sobre os demais destinos turísticos do entorno. A escolha do tema se justifica uma vez que a melhoria dos Centros de Atendimento ao Turista foi definida como uma das áreas prioritárias na Matriz de Responsabilidades, assumida pelos governos municipal e estadual, além de se atentar para a importância de informações turísticas de qualidade para se ter um destino turístico mais inteligente. METODOLOGIA/ABORDAGEM: De caráter exploratório, a pesquisa foi dividida em duas etapas concomitantes, em um primeiro momento foi feito um levantamento bibliográfico sobre o tema e, paralelamente, foi realizada a avaliação da estrutura e dos serviços prestados pelos CATs, por meio de entrevistas e avaliação in loco, realizadas em 2014, um mês antes da realização da Copa do Mundo FIFA, e em maio de 2018. Os itens analisados foram agrupados, analisados e categorizados em três tópicos: a) “Produto Facilitador”; b) “Produto Suporte”; e c) “Produto Ampliado”. PRINCIPAIS RESULTADOS: Após definir os parâmetros de análise e comparar os dados de 2014 e 2018, pode-se considerar que apresentam uma funcionalidade que, muitas vezes, não condiz com a teoria daquilo que se entende por um CAT, já que tendem a cumprir a função somente de informar o turista e não de cativá-lo. Também foi possível observar que não houve melhorias dos serviços oferecidos pelos CATs após os investimentos realizados em 2014. CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS/METODOLÓGICAS: (i) Realizar uma revisão teórica sobre os CATs; (ii) Propor e sistematizar uma forma de análise e avaliação da infraestrutura e os serviços oferecidos; e (iii) Avaliar os legados pós Copa do Mundo FIFA 2014 nessa área.
Citação ABNT:
BRAGA, S. S.; MALTA, G. A. P.; SILVA, M. V. B.; BARBOSA, M. F. P.; PERINOTTO, A. R. C. Análise dos Centros de Atendimento ao Turista em Belo Horizonte/Minas Gerais/Brasil entre os Anos de 2014 e 2018. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, v. 8, n. 2, p. 174-191, 2019.
Citação APA:
Braga, S. S., Malta, G. A. P., Silva, M. V. B., Barbosa, M. F. P., & Perinotto, A. R. C. (2019). Análise dos Centros de Atendimento ao Turista em Belo Horizonte/Minas Gerais/Brasil entre os Anos de 2014 e 2018. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 8(2), 174-191.
DOI:
https://doi.org/10.5585/podium.v8i2.323
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54805/analise-dos-centros-de-atendimento-ao-turista-em-belo-horizonte-minas-gerais-brasil-entre-os-anos-de-2014-e-2018/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barbosa, M. F. P.; Braga, S. S.; Malta, G. A. P. Análise da sinalização turística em Belo Horizonte/MG (2013-2014). (2017). Turismo, Visão e Ação, v. 19, n. 2, p. 348-374, 2017.

Barretto, M. (1997). Manual de iniciação ao estudo do turismo. 2.ed. Campinas: Papirus.

Beni, M. C. (2001). Análise estrutural do turismo. 6. ed. São Paulo: SENAC/SP.

Bissoli, M.A.M.A. (2002). Planejamento Turístico Municipal com suporte em sistema de informação. 2. ed. São Paulo: Futura.

Brasil. (2007). Plano Nacional do Turismo - Diretrizes, metas e programas 2007 - 2010. Brasília, DF: Ministério do Turismo.

Brasil. (2009). Proposta Estratégica de Organização Turística Copa do Mundo 2014 Brasil. Ministério do Turismo; Fundação Getúlio Vargas. Brasília. http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads_publicacoes/BRASIL_final_NOVO.pdf.

Carneiro, J. B.; Fontes, N. D. (1997). Turismo e eventos: instrumento de promoção e estratégia de marketing. Turismo em Análise, 8(1), 63-74.

Castelli, G. (2003). Administração Hoteleira. Caxias do Sul: EDUCS.

Espigão, Helga S.; Silva, Bruna S.; Dias, Michelle G. (2012). Centros de Informações Turísticas: estudo de caso do OfficialTourism Centre na cidade de Dublin, Irlanda. Congresso Latino-Americano de Investigação Turística. edição 5.: 2012: São Paulo, SP.

Ferreira, R. S.; Wada, E. K. (2010). Eventos uma alavanca de negócios: como e por que implantar PEGE. São Paulo: Aleph.

Filho, V. Lucca. (2005). Estudo do fluxo de informações em centros de informações turísticas de Santa Catarina: Programa Portais do Lazer. (Dissertação de Mestrado). Florianópolis.

Füster, L. F. (1985) Introduccion a la teoria y tecnicadel turismo. Madrid: Alianza.

Gohr, C. F.; Santos, L. C.; Veiga, M. F. (2009) A informação como elemento chave para a qualidade do produto turístico: uma análise dos postos de informações turísticas do município de Florianópolis/SC. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 14, n. 2, p. 169-186, 2009.

Ignarra, L. R. (1999). Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira.

Ishiy, Morupi. (1998). Turismo e megaeventos esportivos. Turismo em Análise, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 47- 61.

Malta, Guilherme Augusto Pereira; Braga, Solano De Souza; Perinotto, André Riani Costa; Barbosa, Maria Flávia Pires. (2018). Análise da oferta, uso e qualidade dos APPS de informação turística em Belo Horizonte - MG no período 2014-2017. Revista Marketing and Tourism Review.

Matias, M. (2007). Organização de eventos: procedimentos e técnicas. Editora Manole.

Mendes, D. A. T.; Wada, E. K. (2016). Copa 2014: As relações de hospitalidade e hostilidade ao visitante - Brasil. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, v. 5, n. 1, p. 39-47, 2016.

Moscardo, G. (1998). Interpretation and sustainable tourism: Functions, examples and principles. Journal of Tourism Studies, v. 9, n. 2, p. 13.

Moscardo, G. (1999). Making Visitors mindful: principles for creating sustainable visitors experiences through effective communication. Illinois, USA: SagamorePublishing.

Nascimento, Maria de J.; Silva, Paula S. (2004). Informação: insumo básico para o desenvolvimento do setor de turismo em Santa Catarina. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 9, n. 1, p. 48-69.

Oliveira, A. P. (2001). Turismo e desenvolvimento: planejamento e organização. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

Organização Mundial do Turismo (OMT). (2004). Tourism and poverty alleviation recommendation for action. Madrid: World Tourism Organization. action. Madrid: World Tourism Organization.

Pearce, P. (1991). Visitor’s centres and their function in the landscape of tourism. In: G. Moscardo. Ughes, K. (Orgs.) Visitor centres: exploring new territory. National Conference on Visitor Centres. Townsville, Australia: James Cook University, p. 138-143.

Phillips, J.J.; Myhill, M.; Mcdnough, J.B. (2008). O valor estratégico dos eventos: como e por que medir ROI. São Paulo: Aleph.

Piscopo, Marcos Roberto et al. (2015). O setor brasileiro de turismo: evolução, situação atual e perspectivas futuras. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, v. 4, n. 1, p. 1-14, 2015.

Ruschmann, Doris Van De Meene. (1997). Turismo e Planejamento sustentável: A proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus.