The Behavior of Brazilian Companies Shares Return under Social Responsibility Outros Idiomas

ID:
54940
Periódico:
Resumo:
Vários estudos científicos procuram estabelecer uma relação entre a adoção de práticas de responsabilidade social corporativa e o desempenho financeiro e/ou econômico das empresas. Não existem respostas definitivas para esta questão. O desempenho comparado do ISE - Índice de Sustentabilidade Empresarial e do índice Ibovespa, ambos do mercado de ações brasileiro, é frequentemente utilizado para caracterizar a influência das boas práticas corporativas nesta área. Este trabalho investigou esta questão sob um prisma inovador. Em vez de usar diretamente essa série de retornos do índice, construímos um portfólio composto apenas por empresas que permaneceram na carteira ISE ao longo dos cinco anos de 2012 a 2016 e comparamos seu desempenho com uma carteira de igual número de empresas, tomadas dentre as mais líquidas que participaram continuamente do portfólio do Ibovespa no mesmo período e que não faziam parte do ISE. Para este propósito, utilizamos o teste de comparação de médias de Mann-Whitney, os testes de estacionariedade de séries de retorno – Dickey-Fuller Aumentado e Phillips-Perron – e o teste de cointegração de Engle-Granger. Os resultados mostraram maiores retornos médios e menor risco, medido pelo desviopadrão, para a carteira de empresas socialmente responsáveis, indicando um crescimento de seus ganhos comparado à carteira de empresas convencionais, e também indicaram uma tendência dos retornos em se equilibrar no longo prazo.
Citação ABNT:
CAVENAGHI, F. B.; PIMENTA JÚNIOR, T.; ANTÔNIO, R. M.; LIMA, F. G.; CORRÊA, A. C. C. The Behavior of Brazilian Companies Shares Return under Social Responsibility. Revista de Negócios, v. 24, n. 3, p. 49-61, 2019.
Citação APA:
Cavenaghi, F. B., Pimenta Júnior, T., Antônio, R. M., Lima, F. G., & Corrêa, A. C. C. (2019). The Behavior of Brazilian Companies Shares Return under Social Responsibility. Revista de Negócios, 24(3), 49-61.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2019v24n3p49-61
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54940/the-behavior-of-brazilian-companies-shares-return-under-social-responsibility/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Assaf Neto, A. (2014). Finanças Corporativas e Valor. 7 ed.). São Paulo: Atlas.

Byus, K.; Deis, D. R.; Ouyang, B. (2010). Doing well by doing good: corporate social responsibility and profitability. SAM Advanced Management Journal, 75(1), 44-55.

Campos, F. M.; Lemme, C. F. (2009). Investimento socialmente responsável no mercado de capitais: análise do desempenho de índices internacionais e fundos de ações brasileiros que consideram questões ambientais e sociais. Revista Eletrônica de Administração, 15(2), 286-306.

Caparelli, C. E. (2010). Sustentabilidade e retorno ao acionista: um evento sobre o índice de sustentabilidade empresarial. In Proceedings of XIII SEMEAD - Seminários em Administração, São Paulo, Brazil, p. 1-16.

Carroll, A. B. (1979). A three dimensional model of corporate performance. Academy of Management Review, 4(4), 497-505.

Carroll, A. B.; Shabana, K. M. (2010). The Business Case for Corporate Social Responsibility: A Review of Concepts, Research and Practice. International Journal of Management Reviews, 12(1), 85-105.

Cavalcante, L. M. R. T.; Bruni, A. L.; Costa, F. J. M. (2009). Sustentabilidade empresarial e valor das ações: uma análise na bolsa de valores de São Paulo. Revista de Gestão Social e Ambiental, 3(1), 70-86.

Clifton, D.; Amran, A. (2011). The stakeholder approach: a sustainability perspective. Journal of Business Ethics, 98(1), 121-136.

Dalmácio, F. Z.; Buoso, D. (2016). Comparação dos indicadores contábeis das empresas com ações listadas no índice de sustentabilidade empresarial (ISE) com os das demais empresas listadas na Bovespa. Revista de Finanças e Contabilidade da Unimep, 3(2), 1-17.

Davis, K. (1960). Can business afford to ignore social responsibilities? California Management Review, (2), 70-76.

Drucker, P. F. (1991). As novas realidades no governo e na política, na economia e nas empresas, na sociedade e na visão do mundo. 2 ed. São Paulo: Pioneira.

Durand, R.; Paugam, L.; Stolowy, H. (2019). Do investors actually value sustainability indices? Replication, development, and new evidence on CSR visibility. Strategic Management Journal, 40(9), 1471-1490.

Elkington, J. (1994). Towards the sustainable corporation: win-win-win business strategies for sustainable development. California Management Review, 36(2), 90-100.

Engle, R. F.; Granger, C. W. J. (1987). CoIntegration and Error Correction: Representation, Estimation, and Testing. Econometrica, 55(2), 251-276.

Ethos – Instituto Ethos. (2013). Indicadores Ethos de responsabilidade social empresarial. São Paulo: Instituto Ethos.

Fama, E.; French, K. (1993). Common risk factors in the returns on stocks e bonds. Journal of Financial Economics, (33), 3-56.

Freguete, L. M.; Nossa, V.; Funchal, B. (2015). Responsabilidade Social Corporativa e Desempenho Financeiro das Empresas Brasileiras na Crise de 2008. Revista de Administração Contemporânea, 19(2), 232-248.

Friedman, M. (1962). Capitalism and Freedom. Chicago, IL: University of Chicago Press.

Gitman, L. J. Princípios de Administração Financeira. 10 ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004.

Gujarati, D. (2000) Econometria Básica. São Paulo: Makron Books.

Hawn, O.; Chatterji, A. K.; Mitchell, W. (2018). Do investors actually value sustainability?New evidence from investor reactions to the Dow Jones Sustainability Index (DJSI). Strategic Management Journal, 39(4), 949-976.

ISE. (2015). Metodologia do Índice de Sustentabilidade Empresarial. BM&FBOVESPA. http://www.b3.com.br/pt_br/market-data-eindices/indices/indices-de-sustentabilidade/indicede-sustentabilidade-empresarial-ise.htm.

López, M. V.; Garcia, A.; Rodriguez, L. (2007). Sustainable development and corporate performance: a study based on the Dow Jones sustainability index. Journal of Business Ethics, 75(3), 285-300.

Machado, M. R.; Machado, M. A. V.; Corrar, L. J. (2009). Desempenho do índice de sustentabilidade empresarial (ISE) da bolsa de valores de São Paulo. Revista Universo Contábil, 5(2), 24-38.

Magno, A.; Barbosa, S. (2009). O ativismo social empresarial e o seu viés antidissensual. Caderno CRH, 22(56), 325-343.

Markowitz, H. (1952). Portfolio Selection. The Journal of Finance, 7(1), 77-91.

Martins, D. L. O.; Bressan, V. G. F.; Takamatsu, R. T. (2015). Responsabilidade social e retornos das ações: uma análise de empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 14(42), 85-98.

Pascuotte, D. (2012). Efeito no preço e volume das ações das companhias ingressantes no índice de sustentabilidade empresarial (ISE). Revista de Finanças Aplicadas, 1(1), 1-13.

Pereira, A. C.; Silva, G. Z.; Carbonari, M. E. (2011). Sustentabilidade, responsabilidade social e meio ambiente. 1 ed. São Paulo: Saraiva.

Rogers, P.; Jalal, K. F.; Boyd, J. A. (2007). An introduction to sustainable development. Londres: Earthscan.

Santos, P. S. A.; Dani, A. C.; Crespi, N. T.; Lavarda, C. E. F. (2013). Desempenho econômico e a responsabilidade social corporativa: uma contribuição para a análise da relação destas variáveis no caso das maiores companhias abertas Brasileiras. Enfoque: Reflexão Contábil, 32(1), 15-27.

Sartori, S.; Latrônico, F.; Campos, L. M. S. (2014). Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, 17(1), 1-22.

Souza, F. A.; Albuquerque, L. S.; Rego, T. F.; Rodrigues, M. A. (2011). Responsabilidade social empresarial: uma análise sobre a correlação entre a variação do índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e o lucro das empresas socialmente responsáveis que compõem esse índice. Revista de Administração, Ciências Contábeis e Sustentabilidade, 1(1), 52-68.

Vergini, D. P.; Turra, S.; Jacomossi, F. A.; Hein, N. (2015). Impacto da responsabilidade social no desempenho econômico financeiro das empresas brasileiras componentes do Dow Jones Sustainability Index. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 19(2), 879-898.