Universidade Corporativa e Retenção de Líderes no Contexto Hospitalar Outros Idiomas

ID:
54982
Resumo:
Este estudo teve o objetivo de identificar a contribuição da universidade corporativa (UC) para a retenção de líderes em uma unidade de terapia intensiva (UTI) de uma instituição hospitalar do ABC paulista. A pesquisa assumiu abordagem qualitativa, sendo entrevistados sete líderes com atuação na UTI. Os resultados mostraram que existe clara colaboração das ações da UC para a atuação do líder junto às suas equipes, tendo como principais fatores de contribuição da educação corporativa para a carreira a avaliação de desempenho, os recursos para aprimoramento no relacionamento interpessoal e um forte destaque ao programa de desenvolvimento de líderes. Por fim, o estudo apontou que a UC da instituição pesquisada contribui para a retenção dos líderes da UTI. Evidencia-se, portanto, contribuição para pesquisas sobre esse tema que, em geral, consideram a UC apenas como forma de desenvolver competências profissionais e promover o desempenho organizacional ou a implementação de estratégias.
Citação ABNT:
MAURICIO, A. C. O.; VIEIRA, A. M.; BIDO, D. S. Universidade Corporativa e Retenção de Líderes no Contexto Hospitalar . Gestão & Regionalidade, v. 35, n. 106, p. 238-257, 2019.
Citação APA:
Mauricio, A. C. O., Vieira, A. M., & Bido, D. S. (2019). Universidade Corporativa e Retenção de Líderes no Contexto Hospitalar . Gestão & Regionalidade, 35(106), 238-257.
DOI:
10.13037/gr.vol35n106.5139
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54982/universidade-corporativa-e-retencao-de-lideres-no-contexto-hospitalar-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABTD – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. O retrato do treinamento no Brasil. Pesquisa Anual ABTD/MOT, 2013/2014. Disponível em: http://portal.abtd.com.br/Conteudo/Material/ Arquivo/PesquisaABTD20132014.pdf. Acesso em: 11 ago. 2018.

AGAPITO, P. R.; POLIZZI FILHO, A.; SIQUEIRA, M. M. M. Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 71– 93, 2015.

AMORIM, W. A. C.; CRUZ, M. V. G.; SARSUR, A. M.; FISCHER, A. L. Políticas de Educação Corporativa e o Processo de Certificação Bancária: Distintos Atores e Perspectivas. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 622647, 2015.

CAREGNATO, R. C. A.; MUTTI, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.15, n.4, p.679-684, 2006.

CASTRO, A. P. Tendências em T & D. In: BOOG, G.; BOOG, M. Manual de treinamento e desenvolvimento: gestão e estratégias. 6. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013. p. 30-49.

CASTRO, C. M.; EBOLI, M. Universidade Corporativa: gênese e questões críticas rumo à maturidade. RAE Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 4, p. 408–414, 2013.

CROOK, T. R.; TODD, S. Y.; COMBS, J. G.; WOEHR, D. J.; KETCHEN JR., D. J. Does human capital matter? A meta-analysis of the relationship between human capital and firm performance. Journal of Applied Psychology, Washington, DC, v. 96, n. 3, p. 443-456, 2011.

DIEHL, A. A. Pesquisa em ciências sociais aplicadas: métodos e técnicas. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

DUARTE, A. L. M.; LIMA, R. J. C.; MACCARI, E. A. Universidade corporativa e desenvolvimento de competências: estudo em uma rede de concessionárias do setor automotivo. Revista Administração UFSM, v. 9, n. 4, p. 738–755, 2016.

DUTRA, J. S. Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2014.

DUTRA, J. S.; COMINI, G. M. Competência como base para a gestão estratégica de pessoas. In: EBOLI, M.; FISCHER, A.; MORAES, F.; AMORIM, W. (Org.). Educação corporativa: fundamentos, evolução e implantação de projetos. São Paulo: Editora Atlas, 2010. p.101-121.

EBOLI, M. Educação corporativa no Brasil: evolução, conceitos e papéis. In: CASARINI, G. F.; BAUMGARTNER, M. (Org.). Educação corporativa: da teoria à prática. São Paulo: Editora Senac, 2012. p. 27-42.

EBOLI, M. Educação corporativa no Brasil: mitos e verdades. 4. ed. São Paulo: Ed. Gente, 2004.

EBOLI, M. O papel das lideranças no êxito de um sistema de educação corporativa. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 45, n. 4, p.118-122, out./dez. 2005.

EBOLI, M. Papéis e responsabilidades na gestão da educação corporativa. In: EBOLI, M.; FISCHER, A.; MORAES, F.; AMORIM, W. (Org.). Educação corporativa: fundamentos, evolução e implantação de projetos. São Paulo: Editora Atlas, 2010. p. 122-139.

FERNANDES, H. S.; PULZI JR.; S. A. P.; COSTA

FERNANDES, H. S.; SILVA, E.; CAPONE NETO, A; PIMENTA, L. A; KNOBEL, E. Gestão em terapia intensiva: conceitos e inovações. Revista Brasileira de Clínica Médica. São Paulo, v.9, p.129-137, mar-abr, 2011.

FISCHER, A. L.; DUTRA, J. S.; AMORIM, W. A. C. Gestão de pessoas: desafios estratégicos das organizações contemporâneas. São Paulo: Editora Atlas, 2009. p.171-195.GIL, A. C. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2014.

GDIKIAN, E. A.; SILVA, M. C.; EBOLI, M. Educação corporativa: um estudo exploratório em empresas de destaque. In:

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; MELLO, R. B. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 301-323.

HAY GROUP BRASIL. Por que está tão crítico reter profissionais? 2011. Disponível em: https://www.haygroup.com/downloads/ br/Retencao_funcionarios_Hay_Group.pdf. Acesso em: 12 ago. 2016.

HEEDE, K. V. et al. Effective strategies for nurse retention in acute hospitals: a mixed method study. International Journal of Nursing Studies, Bethesda, v. 50, p. 185194, 2013.

HUGHES, J. C.; ROG, E. Talent management: A strategy for improving employee recruitment, retention and engagement within hospitality organizations. International Journal of Contemporary Hospitality Management, v. 20, n. 7, p. 743-757, 2008.

HUTCHINGS, K.; CURI, H.; SHEA, T. Employee attraction and retention in the Australian Resources Sector. Journal of Industrial Relations, Sydney, v. 53, n. 1, p.83-101, 2013.

LEITE, N. P.; ALBUQUERQUE, L. G. Gestão estratégica de pessoas nas organizações petroquímicas de Camaçari – Bahia: seus reflexos nas estratégias de atração, retenção e desenvolvimento de profissionais. Revista Ibero-Americana de Estratégia RIAE, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 61-96, set./dez. 2012.

LEITE, N. P.; LEITE F. P.; ALBUQUERQUE, L. G. A gestão de pessoas e as estratégias de atração, desenvolvimento e retenção de profissionais: o caso Petrobras. Revista Ibero-Americana de Estratégia RIAE, São Paulo, v. 12, n. 4, p. 91122, out./dez. 2013.

MCALEARNEY, A. S.; SINIORIS, M. Executive Leadership Development in U. S. Health Systems / Practitioner Application. Journal of Healthcare Management, v. 55, n. 3, p. 206–224, 2010.

MEISTER, J. C. Educação corporativa. São Paulo: Ed. Pearson, 1999.

PACHECO, L. et al. Capacitação e desenvolvimento de pessoas. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

RICARDO, E. J. Gestão da educação corporativa: cases, reflexões e ações em educação à distância. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

SALU, E. J. Administração hospitalar no Brasil. Barueri: Manole, 2013.

SANTOS, N. C. D. et al. A retenção de talentos não remunerados: um modelo de gestão dos voluntários que atuam no Terceiro Setor Brasileiro. Revista Organizações em Contexto, v. 11, n. 22, p. 47-80, 2015.

SILVA, E. C. A.; VIEIRA, A. M.; KUBO, E. K. M.; BISPO, M. S. Aprendizagem Organizacional no Setor Farmacêutico: uma Análise Multinível a Partir da Percepção dos Gestores. RACE: Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 14, n. 3, p. 1091-1118, 2015.

STAREC, C. As novas fronteiras do conhecimento no mundo do trabalho. In: TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora UnB, 2001.

TARAPANOFF, K. (Org.). Inteligência organizacional e competitiva. Brasília: Editora UnB, 2001.

TOWNSEND, K.; WILKINSON, A. Managing under pressure: HRM in hospitals. Human Resource Management Journal, v. 20, n. 4, p. 332338, 2010.

VERGARA, S. C. Gestão de pessoas. São Paulo: Editora Atlas, 2014.

VIEIRA, A. M.; RIVERA, D. P. B. A Hermenêutica no Campo Organizacional: duas possibilidades interpretativistas de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 44, p. 261-273, 2012.