Olhares da Gestão Hospitalar sobre a Mortalidade Perinatal: Contextualização e Perspectivas Outros Idiomas

ID:
54985
Periódico:
Resumo:
Este é um estudo qualitativo que teve como objetivo analisar a mortalidade perinatal sob a perspectiva de gestores hospitalares. Foram entrevistados gestores de três maternidades de hospitais públicos e privados. Os dados foram coletados por meio de entrevista e analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. As unidades de registro foram organizadas em: contextualizando os óbitos perinatais, ações que funcionam, estruturando a equipe e caminhando para as mudanças. Resultados demonstram que a visão dos gestores sobre o óbito perinatal não é homogênea, fato que não surpreende tendo em vista as particularidades, necessidades, responsabilidades e demandas eminentes das suas funções. No entanto, questões complementares estão presentes na visão da maioria deles, como as fragilidades do processo, a melhoria no atendimento, as deficiências estruturais e a gestão das informações das pacientes ao longo do percurso pré-natal.
Citação ABNT:
BIER, L. C. D.; CARLETTO, M. R.; RAVELLI, A. P. X.; BORGES, P. K. O. Olhares da Gestão Hospitalar sobre a Mortalidade Perinatal: Contextualização e Perspectivas. Gestão & Conexões, v. 8, n. 3, p. 31-51, 2019.
Citação APA:
Bier, L. C. D., Carletto, M. R., Ravelli, A. P. X., & Borges, P. K. O. (2019). Olhares da Gestão Hospitalar sobre a Mortalidade Perinatal: Contextualização e Perspectivas. Gestão & Conexões, 8(3), 31-51.
DOI:
10.13071/regec.2317-5087.2019.8.3.27022.31-51
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/54985/olhares-da-gestao-hospitalar-sobre-a-mortalidade-perinatal--contextualizacao-e-perspectivas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, P. V. B. (2018). Um rico olhar para a amamentação e políticas para a infância no Brasil da virada dos séculos XIX para o XX: A atuação de Fernandes Figueira e outros pioneiros. Cadernos de Saúde Pública, 34(4), 1-15. http://dx.doi.org/10.1590/0102311x00224717

Ariff, S., Soofi, S. B., Sadiq, K., Feroze, A. B., Khan, S., Jafarey, S. N., Ali, N., & Bhutta, Z. A. (2010). Evaluation of health workforce competence in maternal and neonatal issues in public health sector of Pakistan: An assessment of their training needs. BMC Health Services Research, 10(1), 319-328. http://dx.doi.org/0.1186/1472-6963-10-319

Azevedo, I. C. de, Silva, G. W. dos S., Vale, L. D., Santos, Q. G., Cassiano, A. do N., Morais, I. F. de, & Valença, C. N. (2015). Educação continuada em enfermagem no âmbito da educação permanente em saúde: Revisão integrativa de literatura. Saúde e Pesquisa, 8(1), 131-140. http://dx.doi.org/10.17765/2176-9206.2015v8n1p131-140

Baggio, M. A., Pereira, F. de C., Guimarães, A. T. B., Caldeira, S., & Viera, C. S. (2016). Programa Rede Mãe Paranaense: Análise da atenção pré-natal em uma regional de saúde. Revista Cogitare Enfermagem, 21(3), 1-10. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i3.45301

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo (3a ed). Lisboa: Edições 70.

Carlo, W. A., & Travers, C. P. (2016). Mortalidade materna e neonatal: Hora de agir. Jornal de Pediatria, 92(6), 543-545. http://dx.doi.org/10.1016/ j.jped.2016.08.001

Chartier, R. (1991). O mundo como representação. Estudos Avançados, 5(11), 173-191. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141991000100010

Ellard, D. R., Chimwaza, W., Davies, D., O'Hare, J. P., Kamwendo, F., Quenby, S., Griffiths, F., & ETATMBA Study Group (2014). Can training in advanced clinical skills in obstetrics, neonatal care and leadership, of non-physician clinicians in Malawi impact on clinical services improvements (the ETATMBA project): A process evaluation. BMJ Open, 4(8), 1-15. http://dx.doi.org/10.1136/bmjopen-2014-005751

Fadel, C. B., Schneider, L., Moimaz, S. A. S., & Saliba, N. A. (2009). Administração pública: O pacto pela saúde como uma nova estratégia de racionalização das ações e serviços em saúde no Brasil. Revista de Administração Pública, 43(2), 445-456. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122009000200008

Ferrer, W. M. H. (2016). Metodologia da pesquisa científica. Marília: UNIMAR. Ministério da Saúde (2007). Caderno de educação popular e saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Brasília.

Ministério da Saúde (2016). Síntese de evidências para políticas de saúde: mortalidade perinatal (2a ed.). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Brasília.

Muller, E. T., Schmidt, S. M. S., & Noal, H. C. (2016). A magnitude da educação permanente e da educação continuada em enfermagem: uma revisão bibliográfica. Anais da Semana Acadêmica Integrada da Faculdade Integrada de Santa Maria, RS, Brasil, 7.

Nicolini, D. (2012). Practice theory, work, and organization: an introduction. Oxford: University Press.

Nogueira, E. M. R., & Filippin, N. T. (2018). Práticas de humanização na assistência ao parto e nascimento hospitalar. Disciplinarum Scientia, 19(3), 581-590.

Okonofua, F., Randawa, A., Ogu, R., Agholor, K., Okike, O., Abdus-Salam, R. A., Gana, M., Abe, E., Durodola, A., & Galadanci, H. (2017). Views of senior health personnel about quality of emergency obstetric care: A qualitative study in Nigeria. PlosOne, 12(3), 4867. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0173414

Pinheiro, F. M. G., Pinho, J. A. G. de, & Bruni, A. L. (2017). Accountability em parcerias público-privadas: Espaços para avanços em unidades hospitalares sob gestão direta e em regime de parceria. Organizações & Sociedade, 25(84), 155-174. http://dx.doi.org/10.1590/1984-9240848

Portaria de Consolidação n. 2, de 28 de setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/ prc0002_03_10_2017.html

Portaria n. 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ saudelegis/gm/2007/ prt1996_20_08_2007.html

Resolução CES/PR n. 29/02. Secretária de Estado da Saúde. Recuperado de http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/SPP_Arquivos/comite_mort_mat_infant/12 resolucaoacompanhante-029_reduzida_1pg.pdf

Resolução n. 2.171, de 30 de outubro de 2017. Regulamenta e normatiza as Comissões de Revisão de Óbito, tornando-as obrigatórias nas instituições hospitalares e Unidades de Pronto Atendimento (UPA). Conselho Federal de Medicina. Recuperado de https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/ resolucoes/BR/2017/2171

Rey, F. L. G., & Bizerril, J., Neto (2015). Saúde, cultura e subjetividade: uma referência interdisciplinar. Brasília: UniCEUB.

Rodrigues, P. L. (2017). Avaliação da qualidade do sistema de informação sobre mortalidade e fatores associados à mortalidade perinatal no Brasil (Tese de Doutorado). Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Singh, K., Brodish, P., & Haney, E. (2014). Postnatal care by provider type and neonatal death in sub-Saharan Africa: A multilevel analysis. BMC Public Health, 14(941), 1-7. https://doi.org/10.1186/1471-2458-14-941

Támer, G. L., Ruiz-López, M. D., & Pérez de la Cruz, A. J. (2015). Hospital malnutrition: Relation between the hospital length of stay and the rate of early readmissions. Medicine Clinical, 132(10), 377-84. https://doi.org/10.1016/j.medcli.2008.06.008

Vituri, D. W., & Évora, Y. D. M. (2015). Gestão da qualidade total e enfermagem hospitalar: Uma revisão integrativa de literatura. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(5), 945952. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680525i

Vizzoni, A. G. (2017). Gestão hospitalar: gerenciando processos de trabalho em saúde (Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização). Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.