Desenvolvimento Sustentável: Um Discurso em Disputa Outros Idiomas

ID:
55140
Resumo:
Presente na agenda global durante praticamente toda a segunda metade do século 20 e início do 21, e formalmente institucionalizado em 1987 pela Organização das Nações Unidas, o Desenvolvimento Sustentável é, hoje, uma das maiores preocupações da humanidade e um discurso em constante disputa. O conceito apresenta relação com os conceitos desenvolvimento e sustentabilidade, e o Desenvolvimento Sustentável é importante para a compreensão e resolução de problemas enfrentados pela humanidade. A literatura mostra que é um conceito ainda em construção. Este artigo busca apresentar o Desenvolvimento Sustentável enquanto campo de disputa ideológica que enfrenta embates conceituais e políticos. É importante reconhecer que o Desenvolvimento Sustentável não está desvinculado dos níveis de consumo e produção de que trata o seu escopo conceitual. Por isso, as relações de poder rumo ao Desenvolvimento Sustentável precisam desembocar em um agenciamento coletivo. Assim, o objetivo deste estudo é descrever a disputa pelo conceito de Desenvolvimento Sustentável existente entre as teorias da Sustentabilidade Forte e da Sustentabilidade Fraca. Os resultados obtidos foram analisados pelos autores e ajudaram a traçar um panorama temporal dos embates travados entre estas duas linhas teóricas antagônicas.
Citação ABNT:
SUGAHARA, C. R.; RODRIGUES, E. L. Desenvolvimento Sustentável: Um Discurso em Disputa . Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 49, p. 30-43, 2019.
Citação APA:
Sugahara, C. R., & Rodrigues, E. L. (2019). Desenvolvimento Sustentável: Um Discurso em Disputa . Desenvolvimento em Questão, 17(49), 30-43.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.49.30-43
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55140/desenvolvimento-sustentavel--um-discurso-em-disputa-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMOVAY, R. Muito além da economia verde. São Paulo: Editora Abril, 2012.

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

AMARAL, A. C. COP21: Sucesso histórico ou fracasso velado? Centro de Ciência do Sistema Terrestre. 2015. Disponível em: http://www.ccst.inpe.br/cop21-sucesso-historico-ou-fracasso-velado/. Acesso em: 24 fev. 2018.

AYRES, R. U.; VAN DEN BERGH, J. C. J. M.; GOWDY, J. M. Viewpoint: weak versus strong sustainability, 1998. Available from: http://kisi.deu.edu.tr/sedef.akgungor/ayres.pdf. Cited: 10 Mar. 2018.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. São Paulo: Editora Zahar, 2001.

BERKES, F.; FOLKE, C. A systems perspective on the interrelations between natural, human-made and cultural capital. Ecological Economics, v. 5, n.1, p. 1-8, 1992.

BM&F BOVESPA. Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE). Disponível em: http://www.bmfbovespa. com.br/pt_br/produtos/indices/indices-de-sustentabilidade/indice-de-sustentabilidade-empresarial-ise. htm. Acesso em: 30 abr. 2017.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é – o que não é. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

BRUNDTLAND, G. H. Our Common Future: Report of the World Commission on Environment and Development United Nations Commission, Oslo, p. 1-59, 1987. Available from: http://www.un-documents.net/ wced-ocf.htm. Cited: 24 Apr. 2017.

CABEZA GUTÉS, M. The concept of weak sustainability. Ecological Economics, v. 17, n. 3, p. 147-156, 1996.

CARSON, R. Silent spring. São Paulo: Gaia, 2010.

CORAZZA, R. I.; BONACELLI, M. B. M.; FRACALANZA, P. S. Três visões sobre sustentabilidade e implicações para a avaliação. Revista Tecnologia e Sociedade, v. 9, n. 18, p. 214-228, 2013.

CORDANI, U. G.; MARCOVITCH, J.; SALATI, E. Avaliação das ações brasileiras após a Rio-92. Estudos Avançados, v. 11, n. 29, p. 399-408, abr. 1997.

COSTANZA, R.; DALY, H. E. Natural Capital and Sustainable Development. Conservation Biology, v. 6, n. 1, p. 37-46, 1992.

DIETZ, S.; NEUMAYER, E. Weak and strong sustainability in the SEEA: Concepts and measurement. Ecological Economics, v. 61, n. 4, p. 617-626, 2007.

ELKINGTON, J. Sustentabilidade: canibais com garfo e faca. 2. ed. São Paulo: Makron Books, 2012.

FURTADO, C. Os desafios da nova geração. The Challenges of the New Generation Speech in the Opening Ceremony of the III International Conference Celso Furtado " Development in a Globalization Context ". Revista de Economia Política, v. 24, n. 496, 2004.

G1. Trump anuncia saída dos EUA do Acordo de Paris sobre mudanças climáticas. Natureza. Disponível em: https://g1.globo.com/natureza/noticia/trump-anuncia-saida-dos-eua-do-acordo-de-paris-sobre-mudancas-climaticas.ghtml. Acesso em: 24 fev. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

GREENPEACE. O surgimento do Greenpeace. Brasil. 2010. Disponível em: http://www.greenpeace.org/ brasil/pt/quemsomos/Greenpeace-no-mundo/. Acesso em: 29 abr. 2017.

GUIMARÃES, R. P.; FONTOURA, Y. S. dos R. da. Rio+20 ou Rio-20?: crônica de um fracasso anunciado. Ambiente & Sociedade, v. 15, n. 3, p. 19-39, dez. 2012.

LOVELOCK, J. Gaia: alerta final. Rio de Janeiro: Ed. Intrínseca, 2010.

MARQUES, L. Capitalismo e colapso ambiental. Campinas: Editora Unicamp, 2015.

MCCORMICK, J. Rumo ao paraíso: a história do movimento ambientalista. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1992.

MEADOWS, D. H. The Limits to Growth, 1972. Available from: http://doi.wiley. com/10.1111/j.1752-1688.1972.tb05230.x. Cited: 14 Mar. 2017.

MEBRATU, D. Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. Environmental Impact Assessment Review, v. 18, n. 6, p. 493-520, 1998.

MELLO, F.; TONI, A. Trajetórias do desenvolvimento no Brasil pós-Rio+20. Sustentabilidade socioambiental e desenvolvimento – qual é agenda do campo popular no Brasil pós Rio + 20. Anais […]. São Paulo, SP: Friedrich-Ebert-Stiftung (FES), 2013.

MELLO, Fátima; TONI, Ana. Sustentabilidade do desenvolvimento no Brasil pós-Rio+20. São Paulo: Ed. Friedrich-Ebert-Stiftung (FES), 2013. 26p. Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/10454.pdf. Acesso em: jul. 2014.

MITCHAM, C. The concept of sustainable development: its origins and ambivalence. Technology in Society, v. 17, n. 3, p. 311-326, 1995.

NASCIMENTO, E. P. do. Trajetória da sustentabilidade: do ambiental ao social, do social ao econômico. Estudos Avançados, v. 26, n. 74, p. 51-64, 2012.

ONU. Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento. 1992.

ONU. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2015. Disponível em: www.und.org/content/dam/brazil/docs/agenda2030/undp-br-Agenda2030-completo-pt-br-2016. pdf. Acesso em: 19 ago. 2017. WCED. Our Common Future. World Commission on Environment and Development. Oxford: Oxford University Press, 1987.

PNUD. IDH. PNUD Brasil. 2017. Disponível em: www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0.html. Acesso em: 16 fev. 2018.

ROBECOSAM. Dow Jones Sustainability Indices. Sustainability Indices. Available from: www.sustainability-indices.com/about-us/dow-jones-sustainability-indices.jsp. Cited: 30 Apr. 2017.

ROBINSON, J. Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, v. 48, n. 4, p. 369-384, 2004.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. [S.l.] Garamond, 2004.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.

SILVA JUNIOR, R. D.; FERREIRA, L. D. C. Sustentabilidade na era das conferências sobre meio ambiente e desenvolvimento – um olhar para ecologia e economia. Ambiente & Sociedade, v. 16, n. 1, p. 1-18, 2013.

SLAPER, Timothy F.; HALL, Tanya J. The Triple Bottom Line: What Is It and How Does It Work? Indiana University Kelley School of Business, Indiana Business Research Center, p. 4-8, 2011.

UN. Clean Water and Sanitation: Why it Matters, 2017b.

UN. Climate Action: why it Matters, 2017c. Available from: http://www.un.org/sustainabledevelopment/ wp-content/uploads/2017/07/16-00055m_Why-it-Matters_Climate-Action_3p.pdf. Cited: 21 Sept. 2017

UN. Report of the United Nations Conference on the Human Environment, p. 80, June 1972.

UN. Zero Hunger: Why it matters, 2017a. Available from: www.un.org/sustainabledevelopment/wp-content/uploads/2016/08/2_Why-it-Matters_ZeroHunger_2p.pdf. Cited: 21 Sept. 2017.

UNITED NATIONS GENERAL ASSEMBLY. The future we want, 2012. Available from: www.rio20.gov.br/documentos/documentos-da-conferencia/o-futuro-que-queremos/at_download/the-future-we-want.pdf. Cited: 14 Apr. 2012.

UNITED NATIONS. COP21. ONU Brasil. Available from: www.nacoesunidas.org/cop21/. Cited: 24 Feb. 2018.

UNITED NATIONS. Our Common Future, 1987.

VEIGA, J. E. da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

VEIGA, J. E. da. Indicadores de sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, p. 39-52, 2010.