Racionalidades e Complexidades em Planejamento e Gestão de Projetos Outros Idiomas

ID:
55141
Resumo:
As últimas décadas foram marcadas pela emergência das teorias da complexidade e, paralelamente, pela construção das abordagens territoriais do desenvolvimento, processo que colocou em questão o desafio de repensar os procedimentos mais comuns utilizados na área de planejamento e gestão de projetos construídos segundo os pressupostos da racionalidade científica. Situado nessa temática, este artigo reflete sobre a relação entre a racionalização do processo de planejamento e gestão de projetos e a complexidade do desenvolvimento territorial. Para tal, faz uso da análise bibliográfica destacando a relevância da abordagem sistêmica para examinar sistemas complexos, investigando, por fim, alguns elementos de experiências com projetos de crédito rural a agricultores familiares e projetos sociais que fazem uso do Quadro Lógico como instrumento de planejamento e gestão. O texto sugere, por essa via, que existem possibilidades de aprimoramento dos procedimentos e técnicas racionais de planejamento e gestão de projetos para o trabalho em realidades complexas expressas nos territórios, quando se rompe com a unilinearidade das ações interventivas e se assume novas práticas de construção do conhecimento.
Citação ABNT:
DESCONSI, C.Racionalidades e Complexidades em Planejamento e Gestão de Projetos . Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 49, p. 44-58, 2019.
Citação APA:
Desconsi, C.(2019). Racionalidades e Complexidades em Planejamento e Gestão de Projetos . Desenvolvimento em Questão, 17(49), 44-58.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.49.44-58
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55141/racionalidades-e-complexidades-em--planejamento-e-gestao-de-projetos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARMANI, D. Como elaborar projetos sociais? Porto Alegre: Tomo Editorial, 2004.

BACELAR, T. Gestão social e desenvolvimento sustentável dos territórios, o desafio da multidimensionalidade: uma visão a partir do Brasil. In: BACELAR, T. et al. (org.). Gestão social dos territórios. Brasília: IICA, 2009. p. 35-52. Vol. 10. (Série DRS).

BASSO, D. (org.). Estudo da dinâmica e perspectivas da indústria de Ijuí-RS. Ijuí: Ed. Unijuí, 2000.

BASSO, D.; DELGADO, N.; SILVA NETO, B. Incertezas e racionalidades em ações de desenvolvimento local. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, ano 1, vol. 1, p. 73-105, 2003.

BENTALANFFY, L. V. Teoría general de los sistemas: fundamentos, desarrollo, aplicaciones. 7. ed. México: Fundo de Cultura Mexicana, 1976.

BUARQUE, S. Metodologia e planejamento do desenvolvimento local e municipal sustentável. Brasília: IICA, 1999.

CARRIÈRE J. P.; CAZELLA, A. Abordagem introdutória do conceito de desenvolvimento territorial. Revista Eisforia, Florianópolis: CCA; UFSC, n. 4, p. 23-47, 2006.

CHAVEZ-TAFUR, J. Aprendendo com a prática: uma metodologia para sistematização de experiências. Rio de Janeiro: Aspta, 2007.

COTRIM, D.; MIGUEL, L. Renda da pesca artesanal: Análise dos sistemas de produção na pesca em Tramandaí – RS. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 14, n. 3, p. 5-23, set./dez. 2009.

DESCONSI, C. Planejamento, gestão e execução de projetos; uma arena de conflitos entre redes de atores. Chapecó, Revisa Grifos, ano 27, n. 44, p. 71-91, 2018.

DESCONSI, C.; PACÍFICO, D. Apropriação do microcrédito rural no Nordeste brasileiro: o papel dos animais no sistema produtivo e econômico das famílias no agreste pernambucano. Revista Ideas, Rio de Janeiro, vol. 8, n. 2, p. 104-134, 2016.

FAO. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Manual metodológico de monitoreo y avaluación de Proyectos Metodologia SIMMER. Madri, España: FAO, 2012.

GEERTZ, C. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

GODELIER, M. Objet e méthodes et l’antrophologieéconomique. L’home, Paris, Tomo 5, vol. 2, 1965.

GTZ. German Tecnical Cooperation Agency. Planejamento orientado para objetivos. Guia técnico. Brasília: GTZ, 1998.

GUIMARÃES NETO, L. Antecedentes e evolução do planejamento territorial no Brasil. In: FAVARETO, A. et al. (org.). Políticas de desenvolvimento rural: avanços e desafios. Brasília: IICA, 2010, p. 47-80. (Série DRS).

MIGUEL, L. A. Dinâmica e diferenciação de sistemas agrários. Porto Alegre: Plageder; Ed. UFRGS, 2010.

MUCHNIK, J. Sistemas agroalimentarios localizados: evolución del concepto y diversidad de situaciones. CONGRESO INTERNACIONAL DE LA RED SIAL, 3., 2006, Baeza, España. Analles [...]. Baeza, España, 2006.

PFEIFER, P. Quadro Lógico um método para planejar e gerenciar mudanças. Revista do Serviço Público, Brasília: Escola Nacional de Administração Pública, ano 51, vol. 1, p. 81-122, 2010.

PRIGOGINE, I. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo: Unesp, 1996.

SEPUELVEDA, S. Desenvolvimento microrregional sustentável: métodos para planejamento. Brasília: IICA, 2005.

SILVA NETO, B. Complexidade e desenvolvimento. Desenvolvimento em Questão. Ijuí: Ed Unijuí, v. 2, n. 4, p. 9-32, 2004.

SILVA NETO, B.; BASSO, D. A ciência e o desenvolvimento sustentável: para além do positivismo e da pós-modernidade. Ambiente & Sociedade, Campinas, n. 23, vol. 2, p. 315-329, 2010.

SILVA, C. V.; MIGUEL, L. Extrativismo e visão sistêmica. Novos Cadernos Naea, v. 17, n. 2, p 189-217, 2014.