Economia Criativa e Inovação Social: Uma Análise a Partir de uma Comunidade de Artesãos Cearenses Outros Idiomas

ID:
55148
Resumo:
A Economia Criativa (EC) ganha força por promover vantagens competitivas por meio da criatividade e de características culturais próprias de uma região. Uma das áreas da Economia Criativa é o artesanato, reconhecido como meio de manifestação cultural e criativa. Considerando que este tipo de economia baseia-se em ativos criativos, que estimulam a geração de emprego e renda, a exportação de ganhos e conhecimento e promove a inclusão social, este trabalho visa a analisar como a Economia Criativa gera Inovação Social por meio do artesanato. Definiu-se como objeto de estudo empírico um grupo de artesãos cearenses. A metodologia adotada foi o estudo de caso, com a realização de entrevistas e observações diretas. Foi entrevistado o artesão líder da comunidade e uma analista do Sebrae. Os resultados revelaram que a Economia Criativa está diretamente ligada às atividades que executam em seus processos a criatividade, tornando-os um modelo de negócio diferenciado. O artesanato desenvolvido por este grupo tem a participação de todos os artesãos e o resultado se transforma em ganhos coletivos para a região. Com base nos dados coletados constatou-se que o modelo de organização dos artesãos qualifica-se como um negócio criativo e gera Inovação Social para a comunidade.
Citação ABNT:
GALLAS, J. C.; PIMENTA, A. A.; GONÇALO, C. R.; RODRIGUES, R. B. Economia Criativa e Inovação Social: Uma Análise a Partir de uma Comunidade de Artesãos Cearenses . Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 49, p. 176-190, 2019.
Citação APA:
Gallas, J. C., Pimenta, A. A., Gonçalo, C. R., & Rodrigues, R. B. (2019). Economia Criativa e Inovação Social: Uma Análise a Partir de uma Comunidade de Artesãos Cearenses . Desenvolvimento em Questão, 17(49), 176-190.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.49.176-190
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55148/economia-criativa-e-inovacao-social--uma-analise-a-partir-de-uma-comunidade-de-artesaos-cearenses-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BENDASSOLLI, P. F. et al. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 1, 2009.

BIGNETTI, L. P. As inovações sociais: uma incursão por ideias, tendências e focos de pesquisa. Ciências Sociais Unisinos, v. 47, n. 1, 2011.

BLYTHE, M. The work of art in the age of digital reproduction: the significance of the creative industries. International Journal of Art & Design Education, v. 20, n. 2, p. 144-150, 2001.

CLOUTIER, J. Qu’est-ce que l’innovation sociale? Crises, nov. 2003. Collection Études théoriques. Bibliothèque nationale du Québec, Canadá.

CORREIA, S. E. N. O papel do ator organizacional na inovação social. 2015. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Pernambuco, CCSA, Recife, 2015.

CRISES. Centre de Recherche sur les Innovations Sociales. Disponível em: http://crises.uqam.ca/le-centre/ presentation.html. Acesso em: 2016.

CRISES. Centre de Recherche sur les Innovations Sociales. Rapport Annuel des activités scientifiques du Crises 2009-2010. Quebec, 2010.

DALLAS COSTA, A.; SOUZA-SANTOS, E. R. Economia criativa no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Revista Economia & Tecnologia, v. 7, n. 4, 2011.

DCMS. Department for Culture Media and Sport. Creative industries economic estimates statistical bulletin. Jan. 2014.

DCMS. Department for Culture Media and Sport. Creative industries mapping document. Department for Culture, Media and Sport (Departamento de Cultura, Mídia e Esporte do Reino Unido). 2008. Disponível em: http://www.culture.gov.uk/reference_library/publications/4632.aspx.

DEES, J. G.; ANDERSON, B. B.; WEI-SKILLERN, J. Scaling social impact. Stanford Social Innovation Review, v. 1, n. 4, p. 24-33, 2004.

FIRJAN. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Indústria Criativa. 2012. Disponível em: http://www.tonka3d.com.br/Estudo-Mapeamento-Industria-Criativa-no-Brasil.pdf.

FIRJAN. FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. 2016. Disponível em: https://www.firjan.com.br/EconomiaCriativa/downloads/MapeamentoIndustriaCriativa-Firjan2016.pdf.

FLORIDA, R. A ascensão da classe criativa. Porto Alegre: L&PM, 2011.

GABRIELA, L. Social innovations in the context of modernization. Sociologia, v. 44, n. 3, p. 291-313, 2012.

GIL, R. Análise de Discurso. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. da. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2010. V. 2.

GOODE, W. J.; HATT, P. K. Métodos em pesquisa social. 2. ed. São Paulo: Nacional, 1968.

HARRISSON, D.; CHAARI, N.; COMEAU‐VALLÉE, M. Intersectoral alliance and social innovation: When corporations meet civil society. Annals of Public and Cooperative Economics, v. 83, n. 1, p. 1-24, 2012.

HOCHGERNER, J. The analysis of social innovations as social practice. Die Analyse sozialer Innovationen als gesellschaftliche Praxis. Vienna and Berlin: Zentrum für Soziale Innovation (ed.). Pendeln zwischen Wissenschaft und Praxis. ZSI-Beiträge zu sozialen Innovationen, 2011.

HOWALDT, J.; SCHWARZ, M. Social Innovation: Concepts. Research Fields and International Trends, Sozialforschungsstelle, Dortmund, 2010.

HOWKINS, J. The Creative Economy: How People Make Money from Ideas. London: Penguin Press, 2001. http://www.carqueijoartesanato.com.br. Acesso em: 1º jun. 2015. https://www.youtube.com/watch?v=bSZVUaYwJLA. Acesso em: 6 maio 2015.

LAZZERETTI, L.; COOKE, P. Creative Cities, Cultural Clusters, and Local Economic Development. Cheltenham: Edward Elgar, 2007.

MADEIRA, M. G. Economia criativa: implicações e desafios para a política externa brasileira. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2014.

MAURER, A. M. As dimensões de inovação social em empreendimentos econômicos solidários do setor de artesanato gaúcho. 2011. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2011.

MOULAERT, F. et al. Introduction: social innovation and governance in European cities: urban development between path dependency and radical innovation. 2007.

MOULAERT, F.; NUSSBAUMER, J. Defining the social economy and its governance at the neighbourhood level: A methodological reflection. Urban Studies, v. 42, n. 11, p. 2.071-2.088, 2005.

MULGAN, G. et al. Social innovation: what it is, why it matters and how it can be accelerated. 2007. University of Oxford: Said Business S.

MURRAY, R.; CAULIER-GRICE, J.; MULGAN, G. The open book of social innovation. London: National Endowment for Science, Technology and the Art, 2010.

OLIVEIRA, M. M. de. Como fazer pesquisa qualitativa. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

OSSANI, A. A inovação social como processo e resultado da governança da colaboração interorganizacional: o caso do Canal Futura. 2013. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2013.

PHILLS, J. A.; DEIGLMEIER, K.; MILLER, D. T. Rediscovering social innovation. Stanford Social Innovation Review, v. 6, n. 4, p. 34-43, 2008.

SANTOS-DUISENBERG, E. Secretaria da Economia Criativa no Brasil. In: BRASIL. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011-2014. Brasília: Ministério da Cultura, 2012.

SANTOS DE ALMEIDA, A.; MEIRA TEIXEIRA, R.; MELO SILVA LUFT, M. C. Mapeando a produção científica sobre economia criativa em periódicos nacionais e internacionais de 2000 a 2013. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 4, 2014.

SANTOS, F. M. A Positive Theory of Social Entrepreneurship. INSEAD, Social Innovation Centre. 2009. Disponível em: https://sites.insead.edu/facultyresearch/research/doc.cfm?did=41727.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SERRA, N.; FERNANDEZ, R. S. Economia criativa: da discussão do conceito à formulação de políticas públicas. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 4, p. 355-372, 2014.

SILVA, E. R. da. Análise do Storytelling para o processo de reflexão como forma de aprendizagem organizacional. 2016. Dissertação (Mestrado em Administração) –Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, 2016.

SUNG, T. K. The creative economy in global competition. 2015. Disponível em: https://www.researchgate. net/publication/275589560_The_creative_economy_in_global_competition.

TARDIF, C.; HARRISSON, D. Complémentarité, convergence et transversalité: la conceptualisation de l’innovation sociale au Crises. Crises, 2005. Disponível em: www.crises.uqam.ca.

UNCTAD. Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento. Creative Economy Report. 2008. Disponível em: http://gg.gg/f7qlz.

UNITED NATIONS. Creative Economy Report 2013. United Nations, Geneva and New York, 2013.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.