Estratégias na Geração de Energia Elétrica no Pará e a Promoção de Estruturas Tecnológicas e Mecanismos Competitivos (2014-2017) Outros Idiomas

ID:
55154
Resumo:
Este estudo objetiva analisar a postura estratégica do governo federal na geração de energia elétrica no Estado do Pará entre 2014 e 2017. No Pará, observa-se que as ações estratégicas desenvolvidas pelo governo brasileiro, cada vez mais atribuem aos paraenses o papel de fornecedores de energia hídrica. Nessa perspectiva, esta investigação colaborou com uma visão aprofundada da capacidade que estas ações estratégicas no segmento de geração de eletricidade têm de promover possibilidades de desenvolvimento no Estado paraense. Na metodologia deste estudo foi realizada primeiramente uma pesquisa bibliográfica e documental que identificou ações estratégicas do governo federal junto ao segmento de geração de eletricidade no Pará e as classificou a partir de suas possíveis contribuições à promoção de estruturas tecnológicas e de mecanismos competitivos no Pará. Em seguida, por meio da ferramenta Matriz de SWOT, realizou-se um exame dessas ações estratégicas, de maneira a identificar suas forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. A investigação concluiu que as ações estratégicas do governo federal realizadas no setor elétrico paraense, no período analisado, não foram capazes de gerar mecanismos competitivos e estruturas tecnológicas promotores de melhorias no padrão de vida.
Citação ABNT:
ALÃO, A. A.; BORGES, F. Q. Estratégias na Geração de Energia Elétrica no Pará e a Promoção de Estruturas Tecnológicas e Mecanismos Competitivos (2014-2017) . Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 49, p. 291-308, 2019.
Citação APA:
Alão, A. A., & Borges, F. Q. (2019). Estratégias na Geração de Energia Elétrica no Pará e a Promoção de Estruturas Tecnológicas e Mecanismos Competitivos (2014-2017) . Desenvolvimento em Questão, 17(49), 291-308.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.49.291-308
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55154/estrategias-na-geracao-de-energia-eletrica-no-para-e-a-promocao-de-estruturas-tecnologicas-e-mecanismos-competitivos--2014-2017--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, J. N.; BALSAN, L. A. G.; BAZZO, P. S.; LUBECK, R. M.; GROHMANN, M. Z. Redes de cooperação de pequenas e médias empresas: os fatores competitivos aplicados em uma rede de imobiliárias. Gestão & Regionalidade, São Paulo, v. 26, n. 78, p. 15-27, 2011.

ANDREWS, K. R. The concept of corporate strategy. In: ANDREWS, K. R. The strategy process: concepts and contexts. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1980.

ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica. Resumo estadual (2015). Disponível em: http://www.aneel. gov.br/aplicacoes/ResumoEstadual/ResumoEstadual.asp. Acesso em: 20 jan. 2015.

ANSOFF, Igor. A nova estratégia empresarial. São Paulo: Atlas. 1991.

ARRIFANO, R.; CORRÊA, F.; BANDEIRA, L. Análise da continuidade do sistema de distribuição de energia elétrica no Estado do Pará. Revista Engenharia Elétrica, n. 2, 2014. Disponível em: http://www3.iesam-pa. edu.br/ojs/index.php/eng_eletrica/article/viewFile/1192/835. Acesso em: 15 mar. 2015.

BARBIERI, F. Filosofia da ciência como ferramenta microeconômica. Nova Economia, São Paulo, v. 16, n. 3, p. 507-534, 2006.

BEN. Balanço Energético Nacional. 2014. Disponível em: http://ben.epe.gov.br/downloads/Relatório_Final_BEN_2014.pdf. Acesso em: 23 fev. 2014.

BORGES, F. Q.; BORGES, F. Q. Plataforma logístico-cooperativa na gestão econômica do setor elétrico brasileiro. Desenvolvimento em Questão, São Paulo, v. 12, n. 26, p. 206-229, 2014.

BORGES, F. Q.; CHOTOE, J. R.; VARELA, L.B. Administração energética e análise tendencial de custos econômicos de fontes de geração no Brasil. Revista de Administração da Unimep, Fortaleza, v. 12, n. 3, p. 100-121, 2014.

BORGES, F. Q.; ZOUAIN, D. M. A matriz elétrica no Estado do Pará e seu posicionamento na promoção do desenvolvimento sustentável. Planejamento e Políticas Públicas, São Paulo, v. 2, n. 35, p. 187-221, 2010.

BRASIL. Plano Nacional de Energia 2030. Disponível em: http://www.epe.gov.br/PNE/20080111_1.pdf. Acesso em: 11 fev. 2015.

BRASIL. Sobre o PAC. 2014. Disponível em: http://www.pac.gov.br/sobre-o-pac. Acesso em: 10 out. 2014.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Uma nova gestão para um novo Estado: liberal, social e republicano. Revista do Serviço Público, v. 52, n. 1, p. 5-24, 2001.

CESBE. Cesbe S.A. Engenharia e Empreendimentos. 2015. Disponível em: www.cesbe.com.br. Acesso em: 12 mar. 2015.

CHANDLER, A. Strategy and structure: chapters in the history of the industrial enterprise. Cambridge:

DE OLIVEIRA, L. A estratégia organizacional na competitividade: um estudo teórico. Revista Eletrônica de Administração, São Paulo, v. 10, n. 4, p. 14-21, 2004.

DE OLIVEIRA, V. F.; ALMEIDA, N. N.; CARVALHO, D. M.; PEREIRA, F. A. A. Um estudo sobre a expansão da formação em engenharia no Brasil. 2013. Disponível em: http://www.bibliotekevirtual.org/revistas/ ABENGE/v32n03/v32n03a04.pdf. Acesso: fev. 2015.

DOS SANTOS, U. P.; CALIARI, T. Distribuição espacial das estruturas de apoio às atividades tecnológicas no Brasil: uma análise multivariada para as cinquenta maiores microrregiões do país. Economia, São Paulo, v. 13, n. 3b, p. 15-22, 2012.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor: práticas e princípios. São Paulo: Pioneira Thomson, 2005.

DRUCKER, P. F. Sociedade pós-capitalista. 7. ed. São Paulo: Pioneira, 1999.

ELETROBRAS ELETRONORTE. Eletrobras Eletronorte vai investir R$ 40 milhões em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento. Disponível em: http://www.eln.gov.br/opencms/opencms/modulos/noticia/noticia_0523.html?uri=/modulos/home_noticias.html. Acesso em: jun. 2015.

FAJNZYLBER. Competitivad internacional: evolución y lecciones. Revista de la Cepal, Santiago, n. 36, p. 7-24, dic. 1988.

FAUCHER, P.; RIBEIRO, M. T. Desenvolvimento tecnológico: novos espaços de convergência entre o público e o privado. Revista do Serviço Público, São Paulo, v. 46, n. 2-3, p. 29-54, 2015.

FERRELL, O. C.; HARTLINE, M. D. Estratégia de marketing. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas. Projeções. População. Banco de dados. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/redir_download.php. Acesso em: 30 mar. 2014.

M.I.T. Press, 1962. DE FREITAS, C. A. S. Auditoria de gestão e estratégia no setor público. Revista do Serviço Público, São Paulo, v. 52, n. 4, p. 57-70, 2001.

MALERBA, F.; MONTOBBIO, F. Exploring factors affecting international technological specialization: the role of knowledge flows and the structure of innovative activity. Journal of Evolutionary Economics, New York, v. 13, n. 4, p. 411-434, 2003.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa em marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MELO, M. C. S.; RUIZ, A. U.; CASTILHO, M. Estrutura tecnológica e abertura comercial no Brasil. ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 40., 2014, Porto de Galinhas. Anais [...]. Recife: Anpec, 2014. p. 14-21.

MINTZBERG, H. The strategy concept: five Ps for strategy. California Management Review. Berkeley, v. 30, n. 1, p. 11-24, 1987. Disponível em: http://www3.uma.pt/filipejmsousa/ge/Mintzberg,%201987.pdf. Acesso em: 10 out. 2014.

MORAIS, E. F. C.; MATTOS, J.; GASTAL, C. Mecanismos de inovação e competitividade. Brasília: MBC, 2006.

MOREIRA, D.; QUEIROZ, A. C. Inovação: conceitos fundamentais. In: MOREIRA, D.; QUEIROZ, A. C. Inovação tecnológica e organizacional. São Paulo: Thomson Learning, 2007. p. 1-22.

MULLER, A. C. Hidroelétricas, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, 1995.

PORTER, M.; TEISBERG E. O. Repensando a saúde. Estratégias para melhorar a qualidade e reduzir os custos. Cambridge: Harvard Bussines School Press, 2006.

RAUEN, C. V.; VELHO, L. Integrando abordagens da economia e da sociologia em análises da produção tecnológica. Soc. Estado, Brasília, v. 25, n. 1, p. 14-21, abr. 2010.

SERRA, F. A. R.; TORRES, M. C. S.; TORRES, A. P. Administração estratégica: conceitos, roteiro prático e casos. Rio de Janeiro: Reichmann e Affonso Editores, 2004.

SUZIGAN, W.; FERNANDES, S. C. Competitividade sistêmica: a contribuição de Fernando Fajnzylber. CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA ECONÔMICA, 5., 2003, Caxambu. Anais [...]. Minas Gerais: Caxambu, 2013. p. 14-21.

SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. 7. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2003.