O Uso da Matriz TOWS para Análise de Estratégias Sustentáveis em Cooperativas Outros Idiomas

ID:
55155
Resumo:
O objetivo deste artigo é analisar as estratégias de sustentabilidade em cooperativas, buscando avaliar organizações que não estão em processo de formação e sem restringir a ênfase das análises nas tradicionais dimensões econômica, social e ambiental da sustentabilidade. Para isto, foi feita uma adaptação da Matriz TOWS, usualmente utilizada para definir estratégias organizacionais, de modo que fosse adaptada como um mecanismo de análise das cooperativas, incorporando as dimensões territorial e política da sustentabilidade. Foram realizadas entrevistas com dirigentes e cooperados de cinco organizações localizadas no Estado de Rondônia, ligadas ao setor agropecuário. Os resultados indicam que a venda conjunta dos produtos, a compra de insumos e outros itens pelos produtores diretamente pelas cooperativas, lhes permite preço e prazo melhores que os encontrados no mercado, no entanto também foram identificadas algumas dificuldades nas organizações, como a sobrecarga de funções na gestão das cooperativas.
Citação ABNT:
PAES-DE-SOUZA, M.; SOUZA FILHO, T. A.; MEDEIROS, H. S.; SOUZA, D. B. O Uso da Matriz TOWS para Análise de Estratégias Sustentáveis em Cooperativas. Desenvolvimento em Questão, v. 17, n. 49, p. 309-328, 2019.
Citação APA:
Paes-de-souza, M., Souza Filho, T. A., Medeiros, H. S., & Souza, D. B. (2019). O Uso da Matriz TOWS para Análise de Estratégias Sustentáveis em Cooperativas. Desenvolvimento em Questão, 17(49), 309-328.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2019.49.309-328
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55155/o-uso-da-matriz-tows-para-analise-de-estrategias-sustentaveis-em-cooperativas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMOVAY, Ricardo. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, v. 29, n. 1, p. 1-21, jan./ago. 1999.

ABRAMOVAY, Ricardo. Desenvolvimento Sustentável, qual a estratégia para o Brasil. Revista Novos Estudos, n. 87, p. 97113, 2010.

BENINI, E. A.; BENINI, E. G. As contradições do processo de autogestão no capitalismo: funcionalidade, resistência e emancipação pela economia solidária. Organização & Sociedade, v. 17, n. 55, 2010.

BOTELHO FILHO, Flávio B. (org.). Agricultura familiar e desenvolvimento territorial – contribuições ao debate, Brasília: Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares, v. 5. n. 17, 2005.

ERDOĞAN, Eda Balkaş; AKBULUT, Nesrin Tan. Sustainability activities in innovation process of turkishgsm operator with its corporate social responsibility projects. Иновациивобразованието, p. 22, 2016.

ESTEVAM, Dimas de Oliveira; MACIEL, Rossandra Oliveira; RONÇANI, Liara Darabas. Cooperativismo não patrimonial como forma de desenvolvimento regional: o processo de criação da cooperativa dos agricultores familiares do Vale do Rio Capivari–COOPERRICA. RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 15, n. 28, 2013.

FERREIRA, Izamara Oliveira et al. A formação da COOPERCONLAR: a perspectiva dos cooperados na constituição da cooperativa da construção civil de Laranjeiras do Sul. Revista Capital Científico-Eletrônica (RCC), v. 11, n. 1, 2013. ISSN 2177-4153.

FLORES, Shana, S.; MEDEIROS, Rosa M. V. Desenvolvimento territorial sustentável: uma abordagem sobre sustentabilidade na agricultura. ENCONTRO DE GRUPOS DE PESQUISA “AGRICULTURA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E TRANSFORMAÇÕES SOCIOESPACIAIS”, 5., 2000, Santa Maria. Anais [...]. Santa Maria, RS, 25, 26 e 27 de novembro de 2009.

GAIGER, Luiz I. G. A economia solidária diante do modo de produção capitalista. Caderno CRH, Salvador, n. 39, p. 181-211, jul./dez. 2003.

GOOGLE MAPS. Google MyMap. 2019. Disponível em: https://www.google.com.br/maps. Acesso em: 2 abr. 2019.

HART, Stuart L.; MILSTEIN, Mark B. Criando valor sustentável. RAE Executivo. v. 3, n. 2, p. 65-79, 2004.

LLORET, Antonio. Modeling corporate sustainability strategy. Journal of Business Research, v. 69, n. 2, p. 418-425, 2016.

LONGONI, Annachiara; CAGLIANO, Raffaella. Environmental and social sustainability priorities: Their integration in operations strategies. International Journal of Operations & Production Management, v. 35, n. 2, p. 216-245, 2015.

MAZZA, Vera Maria S. Cooperativismo e sustentabilidade: um estudo sobre a produção científica na base Web of Science. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas, v. 1, n. 1, p. 12-22, 2014.

MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

NASCIMENTO, Luis F.; LEMOS, Ângela D. C.; MELLO, Maria C. A. Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman, 2008.

PROCTOR, Tony. Strategic marketing management for health management: cross impact matrix and TOWS. Journal of Management in Medicine, v. 14, Issue 1, p. 47-56, 2000.

RUOCCO, Paulo; PROCTOR, Tony. Strategic Planning in Practice: A Creative Approach. Marketing Intelligence & Planning, vol. 12, Issue 9, p. 24-29, 1994.

SACHS, Ignacy. Brasil rural: da redescoberta à invenção. Estudos Avançados [on-line], v. 15, n. 43, p. 75-82, 2001.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SGANDERLA, Gean C. S. Avaliação da sustentabilidade da cadeia produtiva do biodiesel mediante a avaliação de custos completos. 2008, 118p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) – Unir, Porto Velho, 2008.

SOARES, Joélcio G.; LÖWEN SAHR, Cicilian Luiza. Ação coletiva, cooperativismo e turismo: estudo de caso da Comunidade Menonita de Witmarsum (Paraná/Brasil). Pasos, Revista de Turismo y Patrimônio Cultural, v. 14, n. 1, 2016.

VILPOUX, Olivier François (org.). Sustentabilidade e agricultura familiar. 1. ed. Curitiba, PR: CRV, 2011.

WEIHRICH, Heinz. Analyzing the competitive advantages and disadvantages of Germany with the TOWS Matrix an alternative to Porter’s Model. Business Review Europeu, v. 99, Issue 1, p. 9-22, 1999.

WEIHRICH, Heinz. The TOWS Matrix: A tool for situational analysis. Long Range Planning. v. 15, Issue 2, Apr. 1982.