Turismo de Natureza ou na Natureza ou Ecoturismo? Reflexões e Contribuições Sobre um Tema em Constante Debate Outros Idiomas

ID:
55219
Periódico:
Resumo:
O artigo tem como objetivo ampliar o olhar sobre o termo “Turismo de Natureza”, que tem sido utilizado de maneiras distintas, e verificar a hipótese de que na realidade é uma derivação do termo “nature-based tourism”, do inglês, ou “turismo na natureza”. Nesse sentido, a fim de entender o conceito de Turismo de Natureza, optou-se por elaborar uma pesquisa bibliográfica que pudesse estruturar e conceituar de maneira clara o assunto ainda incipiente. Constatou-se que de fato o termo “turismo de natureza” utilizado por autores brasileiros, espanhóis, portugueses e cubanos está relacionado à perspectiva do turismo na natureza (nature‑based tourism). Nesse sentido, com base na leitura e interpretação do referencial bibliográfico, procura-se dar um posicionamento aqui em relação aos conceitos de Turismo de Natureza, turismo de natureza, turismo na natureza, bem como à inserção ou não do ecoturismo nessas perspectivas. Acredita-se que é dever da academia pensar, refletir e propor discussões relacionadas aos segmentos turísticos. Justamente pelo fato de existirem tantas dúvidas, questionamentos e, sobretudo, práticas que não condizem com o aporte conceitual, apresenta-se uma perspectiva diferente para o conceito de Turismo de Natureza.
Citação ABNT:
MARTINS, P. C.; SILVA, C. A. Turismo de Natureza ou na Natureza ou Ecoturismo? Reflexões e Contribuições Sobre um Tema em Constante Debate. Turismo em Análise, v. 29, n. 3, p. 487-505, 2018.
Citação APA:
Martins, P. C., & Silva, C. A. (2018). Turismo de Natureza ou na Natureza ou Ecoturismo? Reflexões e Contribuições Sobre um Tema em Constante Debate. Turismo em Análise, 29(3), 487-505.
DOI:
http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i3.p487-505
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55219/turismo-de-natureza-ou-na-natureza-ou-ecoturismo--reflexoes-e-contribuicoes-sobre-um-tema-em-constante-debate/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Salvati, S. S. (2002). Ecoturismo no Pantanal brasileiro e boliviano: estudo de políticas e alternativas sustentáveis. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Abellán, A. C. (2010). Bases del Turismo de Naturaleza en la comunidad de Murcia. Papeles de Geografía, (51-52), 75-83.

Abellán, A. C. (2011). El turismo de naturaleza en Murcia: la región de los cien humedales. Cuadernos de Turismo, (27), 183-204.

Ansarah, M. G. R. & Panosso Netto, A. A. (2010). Segmentação dos mercados como objeto de estudo do turismo. Anais do Seminário da Associação Brasileira de Pesquisa e PósGraduação em Turismo, São Paulo, SP, 7, 1-15.

Ansarah, M. G. R. (2005). Turismo e segmentação de mercado: novos segmentos. In L.G.G. Trigo (Ed.), Análises regionais e globais do turismo brasileiro (pp. 285-289). São Paulo, SP: Roca.

Barretto, M. & Rejowski, M. (2009). Considerações epistemológicas sobre segmentação: das tipologias turísticas à segmentação de mercado. In A. Panosso Netto & M.G.R. Ansarah (Eds.), Segmentação do mercado turístico: Estudos, produtos e perspectivas (pp. 3-18). Barueri, SP: Manole.

Barretto, M. (1995). Manual de iniciação ao estudo do turismo. Campinas, SP: Papirus.

Brasil (1994). Ministério da Indústria, do Comércio, do Turismo; Ministério do Meio Ambiente. Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. Brasília, DF: Embratur/ Ibama.

Capdepón Frías, M. (2013). El papel de los parques naturales como elementos de diversificación en el marco de la renovación de los destinos turísticos consolidados. (Tese de Doutorado). Universidade de Alicante, Alicante.

Ceballos-Lascuráin, H. (1996). Tourism, ecotourism, and protected areas: The state of nature-based tourism around the world and guidelines for its development. Fontainebleau: Iucn. Recuperado de http://bit.ly/2K8qGgr

Céspedes-Villalobos, D., Gómez-Galdeano, E. & Becerra-Tólon, A. (2009). Demanda turística internacional por turismo naturaleza en Costa Rica: indicadores socio-demográficos y de condición de viaje. Revista Ciencias Económicas, 27(2), 75-103.

Costa, M. A. L. (2006). Segmentação do mercado turístico: O caso do destino Brasil. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, BA Dencker, A. F. (1998). Pesquisa em turismo: Planejamento, métodos e técnicas. São Paulo,

Eichenberg, F. O. & Silva, C. A. (2013). Turismo de natureza: a relação homem/natureza e os seus desdobramentos a partir dessa categoria de turismo. In F.A. Anjos, N.P. Angeli & P.F. Limberger (Orgs.), Turismo e hospitalidade no Brasil (pp. 165-194). Itajaí, SC: Univali.

Eichenberg, F. O. & Silva, C. A. (2015). A paisagem do turismo de natureza em Mato Grosso do Sul. Anais do Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, Teresina, PI, 16, s. p.

Eichenberg, F. O. (2013). Turismo de natureza no município de Jardim (MS): Possibilidades e conflitos. 2013. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MG.

Fennell, D. A. (2002). Ecoturismo: Uma introdução. São Paulo, SP: Contexto.

Galvão, J. (2004). O processo de planejamento do turismo de natureza: Reflexões sobre a construção da política municipal de desenvolvimento sustentável do turismo de Brotas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4ª ed). São Paulo: Atlas.

Gómez Ceballos, G. & Martínez, A. (2009). Alternativa para el turismo de naturaleza: caso de estudio: Soroa: Pinar del Río: Cuba. Pasos: Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, 7(2), 197-218.

Gorni, P. M. & Dreher, M. T. (2010). Estratégias intersetoriais no desenvolvimento do turismo de natureza: desafios e perspectivas. Turismo em Análise, 21(3), 567-593.

Hintze, H. C. (2010). Cultura de consumo e ecoturismo: a apropriação do prefixo ecocomo forma espetacular de pintar de verde o turismo. Revista Nordestina de Ecoturismo, 3(1), 63-71.

Jasso, J. M. S. & Abellán, F. C. (2015). Turismo de naturaleza en áreas protegidas de México: una propuesta de conservación, aprovechamiento y desarrollo local en el Nevado de Toluca. Cuadernos de Turismo, (36), 339-365.

Kline, J. D. (2001). Tourism and natural resource management: a general overview of research and issues: General technical report. United States Department of Agriculture, Forest Service, Pacific Northwest Research Station. Recuperado de http://bit.ly/2GAFLoz

Lima, B. S., Silva, C. A. & Eichenberg, F. O. (2015). A correlação entre: poder e desenvolvimento econômico no âmbito do Turismo de Natureza no município de Bonito, MS. Anais do Fórum Internacional de Turismo do Iguassu, Foz do Iguaçu, PR, 9, 1-19.

Lohmann, G. & Panosso Netto, A. (2008). Teoria do turismo: Conceitos, modelos e sistemas. São Paulo, SP: Aleph.

Martins, P. C. S. (2018). As paisagens da faixa de fronteira Brasil/Bolívia: Complexidades do Pantanal sul-matrogrossense e suas potencialidades para o Turismo de Natureza. (Tese de Doutorado). Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MG.

Martins, P. C. S., Silva, C. A. & Boin, M. N. (2016). O Pantanal e a(s) fronteira(s) de uma paisagem complexa. Atas do Seminário Latino-americano e Seminário Ibero-americano de Geografia Física, Guimarães/Portugal, 9 e 5, s. p.

McKercher, B. (2002). Turismo de natureza: Planejamento e sustentabilidade. São Paulo, SP: Contexto.

Mota, K. C. N. (2001). Marketing turístico: Promovendo uma atividade sazonal. São Paulo, SP: Atlas.

Nyaupane, G. P., Morais, D. B. & Graefe, A. R. (2004). Nature tourism constraints: a crossactivity comparison. Annals of Tourism Research, 31(3), 540-555.

Olafsdottir, G. (2013). On nature-based tourism. Tourist Studies, 13(2), 127-138.

Oliveira, A. C. R & Tomazzoni, E. L. (2015). Turismo com base na natureza (TBN): modelo teórico para análise da satisfação dos visitantes. Revista Turydes: Turismo y Desarollo, (19).

Panosso Netto, A. & Ansarah, M. G. R. (Eds.). (2009). Segmentação do mercado turístico: Estudos, produtos e perspectivas. Barueri, SP: Manole.

Pedroso, R. F. (2012). A gestão turística face às novas tendências com aplicação nas áreas protegidas: Estudo de caso no âmbito do turismo de natureza. (Dissertação de Mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa.

Pelegrín, G. A. B. (2014a). El Parque Regional de las Salinas y Arenales de San Pedro del Pinatar: Actividades humanas y conservación. Murcia: Dirección General de Medio Ambiente de la Región de Murcia y Universidad de Murcia.

Pelegrín, G. A. B. (2014b). El turismo de naturaleza en espacios naturales: el caso del parque regional de las Salinas y Arenales de San Pedro del Pinatar. Cuadernos de turismo, (34), 33-51.

Pérez, V., Guerrero, F., González, M., Pérez, F. & Caballero, R. (2014). La sostenibilidad de los destinos cubanos de turismo de naturaleza: un enfoque cuantitativo. Tourism & Management Studies, 10(2), 32-40.

Pires, P. S. (2002). As dimensões do ecoturismo. São Paulo, SP: Senac.

Pires, P. S. (2005). Entendendo o ecoturismo. In L.G.G. Trigo (Ed.). Análises regionais e globais do turismo brasileiro (pp. 483-494). São Paulo, SP: Roca.

Portugal. (1998). Resolução de Conselho de Ministros nº 112/98, de 25 de agosto. Estabelece a criação do Programa Nacional do Turismo de Natureza (PNTN) – Regula a prática de actividades de animação ambiental, aplicável na Rede Nacional de Áreas Protegidas (RNAP). Diário da República, série I-B, (195), 4348-4350.

Pulido Fernández, J. I. (2005). Criterios para una política turística sostenible en los parques naturales de Andalucía. Sevilha: Consejería de Turismo, Comercio y Deporte.

Silva, C. A. (2006). Análise sistêmica, turismo de natureza e planejamento ambiental de Brotas: proposta metodológica. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Silva, F. A. S. (2013). Turismo na natureza como base do desenvolvimento turístico responsável nos Açores. (Tese de Doutorado). Universidade de Lisboa, Lisboa.

Silva, P. V. (2015). A importância da água para a percepção turística na bacia do rio Formoso em Bonito-MS. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP. ]

Soldateli, M. (2005). Impactos ambientais negativos no contexto do turismo de natureza. In L.G.G. Trigo (Ed.). Análises regionais e globais do turismo brasileiro (pp. 517-535). São Paulo, SP: Roca.

Sousa, A. J. G. (2014). O turismo de natureza no Funchal. (Dissertação de Mestrado). Universidade de Coimbra, Coimbra.

SP: Futura. Eagles, P. F. J. (2001). International trends in park tourism (4ª ed.). Matrei in Osttirol: Europarc.

THR – Asesores em Turismo Hotelaría y Recreación, S. A. (2006). Turismo de natureza: 10 produtos estratégicos para o desenvolvimento do turismo em Portugal. Turismo de Portugal: Lisboa.

Vale, C. C. (2012). Teoria geral do sistema: histórico e correlações com a Geografia e com o estudo da paisagem. Entre-Lugar, 3(6), 85-108.

Vaz, G. N. (1999). Marketing turístico: Receptivo e emissivo. São Paulo, SP: Pioneira.

Viana, F. C. & Nascimento, M. A. L. (2009). O turismo de natureza como atrativo turístico do município de Porto Alegre, Rio Grande do Norte. Pesquisas em Turismo e Paisagens Cársticas, 2(1), 79-96.

Weaver, D. B. (Ed). (2001). The encyclopedia of ecotourism. Wallingford: Cabi Publishing.

Weiler, B. & Davis, D. (1993). An exploratory investigation into the roles of the naturebased tour leader. Tourism Management, 14(2), 91-98.