O Empreendedorismo Social como Oportunidade de Inclusão Social: O Caso de uma Cooperativa de Reciclagem Outros Idiomas

ID:
55233
Resumo:
'Objetivo do estudo': ilustrar de que maneira o empreendedorismo social pode fomentar a inclusão social a partir de uma cooperativa de reciclagem localizada na região do Vale dos Sinos/RS. 'Metodologia/abordagem': estudo de caso com abordagem qualitativa a partir do acesso a múltiplas fontes de dados, tais como: observação participante, relatos de professores e acadêmicos integrantes do projeto de extensão que atende a cooperativa, entrevistas semiestruturadas e dados secundários. 'Originalidade/relevância': o empreendedorismo social se configura como uma nova perspectiva, principalmente no campo da gestão e da intervenção social, pois os problemas sociais passam a serem vistos como oportunidades e não como barreiras. Nesta perspectiva foram criadas diversas entidades, dentre elas, as cooperativas de reciclagem, que têm como foco a sustentabilidade e seu tripé social, econômico e ambiental. Diante disto, a originalidade desta pesquisa recai sobre a relação entre o empreendedorismo social e a inclusão social a partir das atividades de uma cooperativa de reciclagem. 'Principais resultados': foi possível evidenciar a relação entre o empreendedorismo social e a inclusão social, pois a cooperativa analisada, vista como um empreendimento social, apresenta características que trazem benefícios sociais, econômicos e ambientais para os cooperados e para a comunidade envolvida. 'Contribuições': a partir da discussão teórica, associada à pesquisa empírica, as principais contribuições estão ligadas a uma maior compreensão sobre como é realizada a gestão de uma cooperativa de reciclagem e de que forma este tipo de empreendimento social pode contribuir para a inclusão social. 'Conclusões': foram identificados diversos fatores que indicam a inclusão social, tais como: (re)inserção no mercado de trabalho; aumento da qualidade de vida; diminuição da vulnerabilidade social; elevação do nível de qualificação profissional; e ampliação da renda. O caso demonstra claramente a necessidade dos cooperados atuarem de forma mais autônoma em relação à Prefeitura, o que pode ser fomentado pela realização de parcerias como a formação de redes entre cooperativas, por exemplo. Parcerias com Universidades e outros centros de ensino também devem ser fomentadas para a realização de atividades que visem o desenvolvimento das lideranças.
Citação ABNT:
MACHADO, R. E.; RAFAEL, D. H.; CABRAL, S. M.; FIGUEIRÓ, P. S. O Empreendedorismo Social como Oportunidade de Inclusão Social: O Caso de uma Cooperativa de Reciclagem. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 8, n. 1, p. 1-18, 2019.
Citação APA:
Machado, R. E., Rafael, D. H., Cabral, S. M., & Figueiró, P. S. (2019). O Empreendedorismo Social como Oportunidade de Inclusão Social: O Caso de uma Cooperativa de Reciclagem. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 8(1), 1-18.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v8i1.13761
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55233/o-empreendedorismo-social-como-oportunidade-de-inclusao-social--o-caso-de-uma-cooperativa-de-reciclagem/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Campos, L. M.; Guimarães, R. D.; Vieira, R.; Reis, D. M. (2009). A reciclagem como empreendedorismo: fonte de transformação socioeconômica e ambiental. Revista da Micro e Pequena Empresa - Faccamp. 3(1).

Comini, G. M. (2012). Mapa de soluções inovadoras: Tendências empreendedoras na construção de negócios sociais e inclusivos. São Paulo: Instituto Walmart e Ashoka. http://gife.issuelab.org/resource/mapa-de-solucoes-inovadoras-tendencias-deempreendedores-na-construcao-de-nogocios-sociais-e-inclusivos.html

Richter, D.; Sturza, J. M. (2010). Movimentos sociais e democracia: Uma releitura necessária para busca de políticas públicas e exercício da cidadania. Curitiba: Multideia.

Barki, E.; Comini, G.; Cunliffe, A.; Hart, S.; Rai, S. (2015). Social Entrepreneurship and Social Business: retrospective and prospective research. Revista de Administração de Empresas, 55(4), 380-384.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bonoma, T.V. (1985). Case Research in Marketing: opportunities, problems and process. Journal of Marketing Research, 22, 199-208.

Burity, J. A. (2006). Cultura e identidade nas políticas de inclusão social. In A. Amaral Jr.; J. Burity (Orgs.). Inclusão social, identidade e diferença: perspectivas pós-estruturalistas de análise social. São Paulo: Annablume.

Carneiro, N. S. (2013). Contra a “violência de inexistir”: psicologia crítica e diversidade humana. Revista de Psicologia e Sociologia, 25(1), 40-47.

Casaqui, V. (2014). Concepções e significados do empreendedorismo social no Brasil e em Portugal: crise, performance e bem comum. Observatório (OBS*) Journal, 8(2), 67-82.

Castel, R. (1994). Da indigência à exclusão, a desfiliação. Precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In A. Lancetti (Org.). Saúde loucura. 4 ed. São Paulo:

Comini, G.; Barki, E.; Aguiar, L. T. (2012). A three-pronged approach to social business: a Brazilian multi-case analysis. RAUSP Revista de Administração, 47(3), 385-397.

Datta, P. B.; Gailey, R. (2012). Empowering Women Through Social Entrepreneurship: Case Study of a Women’s Cooperative in India. Entrepreneurship Theory and Practice, 36(3), 569-587.

Dess, J. G. (2002). The meaning of “social entrepreneurship”. Draft report for the Kauffmann Center for Entrepreneurial Leadership. California: Standford University.

Doherty, B.; Haugh, H.; Lyon, F. (2014). Social enterprises as hybrid organizations: A review and research agenda. International Journal of Management Reviews, 16(4), 417-436.

Elkington, J.; Hartigan, P. (2008). The power of unreasonable people: how social entrepreneurs create markets that change the world. Boston: Harvard Business Press.

Gaiger, L. I. (2003). Empreendimentos econômicos solidários. In A. D.; Cattani (Org). A outra economia. Porto Alegre: Veraz.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Grippi, S. (2001). Lixo, reciclagem e sua história: guia para as prefeituras brasileiras. Rio de Janeiro: Interciência.

Hucitec. Clot, Y. (2007). A função psicológica do trabalho. 2 ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Iizuka, E. S.; Varela, C. A.; Larroudé, E. R. A. (2015). Social Business Dilemmas in Brazil: Rede Asta case. Revista de Administração de Empresas - REA, 55(4), 385-396.

Leal, A. L.; Freitas, A. A.; Fontenele, E. S. (2015). Criação de valor no empreendedorismo social: evidências a partir da comparação com o empreendedorismo comercial. Revista de Gestão Social e Ambiental - RGSA, 9(1), 51-65.

Mason, C. (2012). Up for Grabs: A critical discourse analysis of social entrepreneurship discourse in the United Kingdom. Social Enterprise Journal. 8(2), 123-140.

Melo, N. F.; Froes, C. (2002). Empreendedorismo social: a transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Petry, M.; Veron, H.; Bonato, E. (2015). Avaliação descritiva e comparativa de índices econômicos, financeiros e operacionais dos serviços de coleta seletiva, triagem e reciclagem de resíduos sólidos em Novo Hamburgo. Anais do II Congresso Municipal de Meio Ambiente de Caxias do Sul, RS, Brasil, 2.

Quintão, C. (2004). Empreendedorismo social e oportunidades de construção do próprio emprego. Anais do Seminário Trabalho Social e Mercado de Emprego, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Porto, Portugal.

Sassaki, R. K. (2010). Construindo uma sociedade para todos. 8 ed.). Rio de Janeiro: WVA.

Silva, J. M. C. (2011). Políticas públicas como instrumento de inclusão social. Revista da Faculdade de Direito da UFG, 35(1), 160-185.

Silva, M. F.; Moura, L. R.; Junqueira, L. A. (2015). As interfaces entre empreendedorismo social, negócios sociais e redes sociais no campo social. Revista de Ciências da Administração, 17(42), 121-130.

Thalhuber, J. (1998). The definition of a social entrepreneur. National Centre for Social Entrepreneurs. 3pp. http://www.socialentrepreneurs.org/entredef.html

Then, V. (2014). Social Entrepreneurship: one response to the crisis. European Social Policy. Academic OneFile. http://go.galegroup.com/ps/i.do?id=GALE%7CA358985404&v=2.1&u=capes&it=r&p=AONE&s w=w&asid=f8af90f521058708256f729708737779

Travaglini, C.; Bandini, F.; Mancinone, K. (2009). An Analysis of Social Enterprises Governance Models Through a Comparative Study of the Legislation of Eleven Countries. SSRN. https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1479653

Yin, R. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Yunus, M.; Moingeon, B.; Lehmann-Ortega, L. (2010). Building social business models: lessons from the Grammen Experience. Long Range Planning, 43, 308-325.

Yunus, M.; Weber, K. (2007). Creating a World without Poverty: social business and the future of capitalism. New York, NY: PublicAffairs.