Análise do Espaço Público, por Meio de Variáveis Climáticas, na Zona Central de Cidade do Norte do Rio Grande do Sul, Brasil Outros Idiomas

ID:
55234
Resumo:
'Objetivo': Diagnosticar e analisar quatro variáveis principais da ambiência urbana na zona central de Passo Fundo, sendo elas temperatura, velocidade do vento, umidade e ruído ambiente. 'Metodologia': A metodologia consistiu, inicialmente, na definição de três áreas centrais da cidade (uma com vegetação e duas pavimentadas). A medição das variáveis foi realizada nos turnos da manhã e da tarde, com metade das amostragens, sendo feitas na sombra e a outra metade com exposição ao sol. Sobre cada área foram preenchidas fichas bioclimáticas para caracterização. 'Originalidade/Relevância': Além da análise apresentada ser uma proposta dentro da teoria bioclimática, a avaliação de espaços, como praças e vias permite que outros elementos da infraestrutura local complementem e gerem o conforto necessário para todos os habitantes. 'Principais resultados': Nas áreas pavimentadas existe maior concentração de calor e som, tanto no período da manhã, quanto no período da tarde. Além disso, a umidade é maior na área com vegetação e a medição do vento não apresentou um padrão como os demais itens avaliados. 'Contribuições teóricas/metodológicas': A pesquisa comprovou a importância das áreas verdes na cidade, tanto pelo equilíbrio climático, quanto pela existência de pontos com melhor ambiente urbano para a população. 'Conclusão': Considerando características de ambiência urbana no espaço público, sua importância para o conforto e também sua relação com o planejamento urbano, este trabalho avaliou o microclima existente em três locais pré-estabelecidos na cidade de Passo Fundo, localizada no norte do estado do Rio Grande do Sul, Brasil.
Citação ABNT:
SALVIA, A. L.; SANDOVAL, A. D. O.; MARTÍNEZ, M. R. G. R.; KALIL, R. M. L. Análise do Espaço Público, por Meio de Variáveis Climáticas, na Zona Central de Cidade do Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 8, n. 1, p. 19-37, 2019.
Citação APA:
Salvia, A. L., Sandoval, A. D. O., Martínez, M. R. G. R., & Kalil, R. M. L. (2019). Análise do Espaço Público, por Meio de Variáveis Climáticas, na Zona Central de Cidade do Norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 8(1), 19-37.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v8i1.13762
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55234/analise-do-espaco-publico--por-meio-de-variaveis-climaticas--na-zona-central-de-cidade-do-norte-do-rio-grande-do-sul--brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Adey, P.; Brayer, L.; Masson, D.; Murphy, P.; Simpson, P.; Tixier, N. (2013). ‘Pour votre tranquillité’: Ambiance, atmosphere, and surveillance. Geoforum, n. 49, 299-309.

Alves, E. D. L.; Biudes, M. S. (2011). Os microclimas da Universidade Federal de Mato Grosso/Cuiabá. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, n. 23, 600-620.

Ambrizzi, T. (2014). Variabilidade e mudança no clima: passado, presente e futuro. Mudanças climáticas: do global ao local. p. 1-38). Barueri: Manole.

Anjos, M. W. B. (2012). Ambiente urbano: contrastes térmicos e higrométricos espaciais em Aracaju-Sergipe (Brasil). Dissertação de mestrado, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Araújo, B. C. D.; Caram, R. M.; Araújo, V.; Dantas, M. (2006). Análise bioclimática em centro histórico. Anais do Encontro Nacional de Tecnologia no Ambiente Construído, Florianópolis, SC, Brasil.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2000). NBR 1051: Acústica - Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade - Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2003). NBR 15220: Desempenho térmico de edificações - Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro: ABNT.

Bowler, D. E.; Buyung-Ali, L.; Knight, T. M.; Pullin, A. S. (2010). Urban greening to cool towns and cities: A systematic review of the empirical evidence. Landscape and urban planning, 97(3), 147-155.

Carvalho, S. O. (2005). Análise bioclimática como ferramenta para implementação do Plano Diretor do Campus Central da UFRN. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Costa, A. D. L. (2003). Análise bioclimática e investigação do conforto térmico em ambientes externos: uma experiência no bairro Petrópolis em Natal, RN. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Clima de Passo Fundo. http://www.cnpt.embrapa.br/pesquisa/agromet/pdf/Clima_ de_Passo_Fundo.pdf

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Trigo. Laboratório de Agrometeorologia. Informações meteorológicas: normais climatológicas Passo Fundo. http://www.cnpt.embrapa.br/pesquisa/agromet/app/principal/normais.php

Givoni, B. (1969). Man, Climate and Architecture. Amsterdam: Elsevier Publishing Company Limited.

Google Inc. (2015). Google Earth. Versão 7.1.5.1557. Google Inc.

Google Inc. (2015). Google Maps. Google Inc.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2005). Cidades. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

Instituto do Ambiente. (2004). Ministério das Cidades, Ordenamento do Território e Ambiente. O ruído e a cidade. Lisboa.

Jiménez, A. M.; Suárez, P. M. (2005). El ruido ambiental urbano en Madrid. Caracterización y evaluación cuantitativa de la población potencialmente afectable. Boletín de la Asociación de Geógrafos Españoles, 1(40), 153-179.

Johansson, E.; Thorsson, S.; Emmanuel, R.; Krüger, E. (2014). Instruments and methods in outdoor thermal comfort studies–The need for standardization. Urban Climate, 10, 346-366.

Marchetti, M. C.; de Carvalho, M. S. (2011). Ruídos na Cidade de Londrina–Paraná, Brasil. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, n. 23, 621-651.

Melo, E. F. R. Q.; Romanini, A. (2007). A Gestão da Arborização Urbana na Cidade de Passo Fundo/RS. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, 2(1), 1-16.

Miyamoto, M. T. (2011). A influência das configurações urbanas na formação de microclimas: estudo de casos no município de Vitória-ES. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Nice, K. A.; Coutts, A. M.; Tapper, N. J. (2018). Development of the VTUF-3D v1. O urban micro-climate model to support assessment of urban vegetation influences on human thermal comfort. Urban Climate, https://doi.org/10.1016/j.uclim.2017.12.008

Nikolopoulou, M.; Steemers, K. (2003). Thermal comfort and psychological adaptation as a guide for designing urban spaces. Energy and Buildings, 35(1), 95-101.

Nunes, M. F. O. (1999). Poluição sonora em centros urbanos: o ruído de tráfego veicular. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, de http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP1999_A0068.PDF

Pantaleão, S. C.; Romero, M. A. (2008). Análise do espaço urbano: O calçadão de Londrina. Seminario Internacional Nutau, São Paulo, SP, Brasil, 7.

Perico-Agujelo, D. (2009). El espacio público de la ciudad: una aproximación desde el estudio de sus características bioclimáticas. Quadernos de vivienda y urbanismo, 2(4), 278-301.

Pradinie, K.; Navastara, A. M.; Martha, K. E. (2016). Who's Own the Public Space?The Adaptation of Limited Space in Arabic Kampong. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 227, 693-698.

Ramlee, M.; Omar, D.; Yunus, R. M.; Samadi, Z. (2015). Revitalization of urban public spaces: An overview. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 201, 360-367.

Rivero, R. (1985). Arquitetura e clima: acondicionamento térmico natural. Porto Alegre: DCLuzzatto Editores.

Romero, M. A. (2001). A arquitetura bioclimática do espaço público. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Schiller, S. (2000). Sustainable cities: Contribution of urban morphology. Architecture, City, Environment: Proceedings of PLEA 2000. p. 353-358. Cambridge: James & James.

Secretaria de Planejamento, Gestão e Participação Cidadã. (2015). Perfis: regiões funcionais de planejamento. Governo do Estado do Rio Grande do Sul. www.seplan.rs.gov.br/download/20150319163519perfis_todos.pdf

Sedesol; ONU - Habitat. (2007). Capítulo I: Conceptos. Guía de Diseño del Espacio Público Seguro, Incluyente y Sustentable. p. 29-61. Ciudad de México: Zona en recuperación.

Shashua‐ Bar, L.; Potchter, O.; Bitan, A.; Boltansky, D.; Yaakov, Y. (2010). Microclimate modelling of street tree species effects within the varied urban morphology in the Mediterranean city of Tel Aviv, Israel. International journal of climatology, 30(1), 44-57.

Taha, H. (1997). Urban climates and heat islands: albedo, evapotranspiration, and anthropogenic heat. Energy and buildings, 25(2), 99-103.

Thibaud, J. P. (2015). The backstage of urban ambiances: When atmospheres pervade everyday experience. Emotion, Space and Society, 15, 39-46.

Tsiros, I. X. (2010). Assessment and energy implications of street air temperature cooling by shade trees in Athens (Greece) under extremely hot weather conditions. Renewable Energy, 35(8), 1866-1869.

Vasconcelos, L. C. S.; Zamparoni, C. A. G. P. (2011). Os efeitos da urbanização no microclima no bairro Morada da Serra, Cuiabá – MT. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, 23, 573-599.