A Percepção de Empresas Graduadas de Minas Gerais para um Programa de Pósincubação Outros Idiomas

ID:
55282
Resumo:
No Brasil, muitas ações buscam alavancar a inovação e o desenvolvimento tecnológico das empresas. Dentre elas estão as incubadoras de empresas, que dão suporte ao nascimento e desenvolvimento de projetos inovadores. Contudo, há evidências que identificam que nos primeiros anos após a saída da incubadora, o risco de insucesso das empresas é alto. Desta forma, os programas de pós-incubação surgem no intuito de dar suporte e são instrumentos importantes no auxílio às empresas recém-graduadas em seu processo de adaptação ao mercado. O presente artigo objetiva identificar os principais serviços em um programa de pósincubação a partir da percepção das empresas graduadas e gestores de incubadoras do estado de Minas Gerais. Para tanto, o estudo se caracterizou por um levantamento de campo (survey) com 60 EBTs graduadas até o ano de 2017, pelas incubadoras de empresas de Minas Gerais. O estudo foi de natureza mista, e utilizou duas fontes de coleta de dados (questionários com empresários e entrevistas com gestores de incubadoras). Quanto às analises, usou-se análise fatorial para o questionário, e análise de conteúdo por categorias para as entrevistas. A análise fatorial para os serviços da pós-incubação apresentou 4 fatores relevantes que explicam 73,65% da variância, sendo: oportunidades de internacionalização, assessoria técnica, desenvolvimento comercial e oportunidades de melhoria na gestão. As entrevistas com os gestores de incubadoras confirmam o terceiro e quarto fator e parcialmente o segundo fator. Como principal contribuição do estudo foi possível estabelecer uma síntese dos principais serviços úteis em um programa de pós-incubação que pode ser utilizado por gestores de incubadoras ou parques tecnológicos.
Citação ABNT:
COUTINHO, J. M. A.; MINEIRO, A. A. C.; PASIN, L. E. V.; CARVALHO, C. C. A Percepção de Empresas Graduadas de Minas Gerais para um Programa de Pósincubação . Revista Economia & Gestão, v. 19, n. 53, p. 55-72, 2019.
Citação APA:
Coutinho, J. M. A., Mineiro, A. A. C., Pasin, L. E. V., & Carvalho, C. C. (2019). A Percepção de Empresas Graduadas de Minas Gerais para um Programa de Pósincubação . Revista Economia & Gestão, 19(53), 55-72.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55282/a-percepcao-de-empresas-graduadas-de-minas-gerais-para-um-programa-de-posincubacao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALLAHAR, H; BRATHWAITE, C. Business Incubation as an Instrument of Innovation: The Experience of South America and the Caribbean. International Journal of Innovation, v. 4, n. 2, p. 71-85, 2016.

ANDINO, B. F. A. Impacto da incubação de empresas: capacidades de empresas pósincubadas e empresas não incubadas. 2005. 184 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ANPROTEC Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. CERNE Centro de referência para apoio a novos empreendimentos. 3 ed. Brasília, 2014.

ANPROTEC Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Estudo de impacto econômico: segmento de incubadoras de empresas do Brasil, Relatório técnico: Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores, Brasília, 2016. 26 p.

ANPROTEC Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Histórico do setor de incubação de empresas no Brasil e no mundo. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.anprotec.org.br/publicacaoconhecas.php/publicacaoimp.php?idpublicacao=8 0. Acesso em 19 de setembro de 2016.

ANPROTECAssociação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores-CERNE. Disponível em: . Acesso em: 15 outubro 2015

ANPROTECAssociação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Estudo, Análise e Proposições sobre as Incubadoras de Empresas no Brasil, Relatório técnico: Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Brasília, 2012. 24 p.

ANSOFF, I. A nova estratégia empresarial. Tradução: Antônio Zoratto Sanvicente. São Paulo: Atlas, 1990.

ARAGÃO, I. M. Pós-incubação de Empresas de Base Tecnológica. 2005. 97 f. Tese (Doutorado em Administração) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Departamento de Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

ARANHA, J. A. S. Mecanismos de geração de empreendimentos inovadores. [S.I.]: Recurso eletrônico on-line, 2016. Disponível em: www.anprotec.org.br/site/menu/publicacoes-2/e-books/. Acesso em: 29 jun.2017.

ARRUDA, C.; NOGUEIRA, V.; COZZI, A.; COSTA, V. Causas da mortalidade das startups brasileiras. O que fazer para aumentar as chances de sobrevivência no mercado? Fundação Dom Cabral (FDC), 2012. Disponível em: https://www.fdc.org.br/.../Documents/.../causas_mortalidade_startups_brasileiras.pdf. Acesso em: 05 jun.2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BERGEK, A.; NORRMAN, C. Incubator best practice: a framework. Technovation, v. 28, n. 1, p. 20-28, 2008.

CARDOSO, D. Enfim, graduada. E agora? Revista Locus Científico – o ambiente da inovação brasileira, Ano XIX, n. 74, p. 31-37, 2014.

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CORREIA, A. M. M.; GOMES, M. L. B. Habitats de inovação na economia do conhecimento: identificando ações de sucesso. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 2, p.32 -54, 2012.

CRESWELL, J. W.; CLARK, V. L. P. Designing and Conducting Mixed Methods Research. Thousand Oaks, CA: Sage, 2006.

DORNELAS, J. C. Planejando incubadoras de empresas: como desenvolver um plano de negócios para incubadoras. 9 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

FERRÃO, J. F. Inovar para desenvolver: o conceito de gestão de trajetórias territoriais de inovação. Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 3, n. 4, p. 17-26, 2016.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HAIR JR., J. F. et al. Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

IACONO, A.; ALMEIDA, C. A. S. de; NAGANO, M. S. Interação e cooperação de empresas incubadas de base tecnológica: uma análise diante do novo paradigma de inovação. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 5, p. 1485-1516, 2011.

IACONO, A.; NAGANO, M. S. Pós-incubação de empresas de base tecnológica: um estudo de caso sobre o efeito da incubadora nos padrões de crescimento. Gestão da Produção, v. 24, n. 3, p. 570-581, 2017 InBIA. International Business Innovation Association. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2016.

LAI, W.H., LIN, C. C.. Constructing business incubation service capabilities for tenants at post-entrepreneurial phase. Journal of Business Research, v. 68, n. 11, p. 2285-2289, 2015.

LEWIS, D. A.; HARPER, A. E; MOLNAR, L. A. Incubating success. Incubation best practices that lead to successful new ventures Institute for Research on Labor, Relatório técnico: Employment, and Development. The University of Michigan, 2011. 144 p.

LISBOA, E.; CASTRO, M. O impacto da implementação da metodologia CERNE na Casulo – Incubadora de Empresas do UNICEUB. In: XXVI CONFERÊNCIA ANPROTEC, 2016, Fortaleza. Anais... Fortaleza, p. 239-263, 2016.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: foco na decisão. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2005.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. São Paulo: Hucitec. 2000.

MOREIRA, J. H. Modelo de gestão para incubação de empresas orientado a capital de risco. 2002. 136 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2002.

OLIVEIRA, P. H; TERENCE, A. C. F; PASCHOALOTTO, M. A. C. O período de incubação e de pós-incubação das pequenas empresas de base tecnológica. In: ENCONTRO

SCHWARTZ, M. Beyond incubation: an analysis of firm survival and exit dynamics in the post-graduation period. The Journal of Technology Transfer, v. 34, n. 4, p. 403-421, 2009.

SEBRAE Santa Catarina. Quais são os estágios de apoio de uma incubadora aos empreendimentos? Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2015.

TEIXEIRA, C. S.; ALMEIDA, C. G.; FERREIRA, M. C. Z. Habitats de Inovação: alinhamento conceitual. [S.I]: Recurso eletrônico, 2016. Disponível em: < http://via.ufsc.br/ > ISBN 978.85.464.0255.7>. Acesso em: 27 de novembro 2017.

TUMELERO, C; SANTOS, S. A. KUNIYOSHI, M. S. Sobrevivência de empresas de base tecnológica pós-incubadas: estudo sobre a ação empreendedora na mobilização e uso de recursos. Revista de Gestão, v. 23, v. 1, p. 31-40, 2016