Influência da Colaboração Interorganizacional na Implementação de Inovações Outros Idiomas

ID:
55340
Resumo:
A colaboração para inovação é abordada em diversos textos, mas poucos trazem evidências empíricas da influência da colaboração sobre a inovação. Assim, objetivo desta pesquisa consiste identificar e analisar o grau a influência da colaboração sobre a implementação de inovações nas indústrias brasileiras. A base teórica utilizada consistiu em textos que tratam da inovação de forma mais consistente e, especificamente, que abordam a colaboração para inovação. Para coleta de dados utilizou-se de um questionário estruturado aplicado às indústrias extrativistas e de transformação brasileiras, contando com uma amostra de 254 questionários válidos. O questionário mensurou a inovação (5 variáveis), as fontes de colaboração (9 variáveis) e os motivos para colaborar (9 variáveis). As análises foram pautadas na Análise Fatorial Exploratória, para os construtos Motivos e Fontes, e na Análise de Regressão Linear Múltipla, para verificar a influência de Motivos e Fontes sobre a Inovação. Os resultados indicam que a colaboração com filiais ou empresas do grupo, fornecedores, clientes e concorrentes apresentam impacto significativo, e mais elevado, em relação aos cinco tipos de inovação avaliados. Nos casos da inovação radical e incremental em processo e da inovação organizacional, além das fontes já mencionadas, também um dos fatores relativos aos motivos (acesso à recursos) foi significante, indicando influencia destes também sobre a implementação de inovações. Como contribuição teórica, esta pesquisa busca evidências empíricas sobre o impacto da colaboração sobre a inovação, algo ainda incipiente. Como contribuição prática, fornece subsídios para as empresas e para definição de políticas públicas.
Citação ABNT:
KÜHL, M. R.; COSTA, Z. F. Influence of Interorganizational Collaboration on the Implementation of Innovations. International Journal of Innovation, v. 7, n. 3, p. 412-430, 2019.
Citação APA:
Kühl, M. R., & Costa, Z. F. (2019). Influence of Interorganizational Collaboration on the Implementation of Innovations. International Journal of Innovation, 7(3), 412-430.
DOI:
https://doi.org/10.5585/iji.v7i3.373
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55340/influencia-da-colaboracao-interorganizacional-na-implementacao-de-inovacoes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Klement, C. F. F. (2007). Inovação em serviços: estudo de casos em uma organização da indústria hoteleira brasileira. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Baggio, D.; Wegner, D. (2016). Práticas colaborativas de P&D no contexto de pequenas e médias empresas brasileiras. Revista de Ciências da Administração, 18(46), 52-67.

Balestrin, A.; Verschoore, J. R.; Reyes Junior, E. (2010). O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 14(3), 458-477.

Barbieri, J. C. (2007). Organizações inovadoras sustentáveis. In.: Barbieri, J.C.; Simantob, M.A. (Org.). Organizações inovadoras sustentáveis: uma reflexão sobre o futuro das organizações, São Paulo: Atlas. pp. 85-112.

Bastos, C.P.; Britto, J. (2017). Inovação e geração de conhecimento científico e tecnológico no Brasil: uma análise dos dados de cooperação da Pintec segundo porte e origem de capital. Revista Brasileira Inovação - RBI, 16(1), 35-62.

Bessant, J.; Tidd, J. (2009). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Bonaccorsi, A.; Piccaluga, A. (1994). A theoretical framewok for the evoluation of university-industry relationships. R&D Management, 24(3), 229-247.

Bos-Brouwers, H.E.J. (2010). Corporate sustainability and innovation in SMEs: evidence of themes and activities in practice. Business Strategy and the Environment, (19), 417-435.

Bouncken, R.B.; Pesch, R.; Kraus, S. (2015). SME innovativeness in buyer- seller alliances: effects of entry timing strategies and inter-organizational learning. Rev. Manag. Sci., (9), 361-384.

Burgelman, R. A.; Christensen, C. M.; Wheelwright, S. C. (2004). Strategic Management of Technology and Innovation. 4ª ed. Mcgraw-Hill.

Cainelli, G.; Evangelista, R.; Savona, M. (2005). Innovation and economic performance in services: a firmlevel analysis. Cambridge Journal of Economics, (30), 435-458.

Camargo Filho, N.L.; Lima, J.J.; Mendina, H.J.C. (2014). Mapeamento do estudo acadêmico contemporâneo em cooperação entre 2000 e 2013. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 2(1), 7290.

Castro, M.; Bulgacov, S.; Hoffmann, V.E. (2011). Relacionamentos interorganizacionais e resultados: estudo em uma rede de cooperação horizontal da região Centro Sul do Paraná. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 15(1), 25-46.

Chesbrough, H. (2003). Open Innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: HBS Press.

Chesbrough, H. (2011). The era of open innovation. MIT Sloan Management Review: top 10 lessons on the new business of innovation, 44(3), 35-41.

Chesbrough, H. (2012). Inovação Aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Porto Alegre: Bookmann.

Christensen, C.M.; Raynor, M.E. (2003). The Innovators Solution: Creating and Sustaining successful Growth. Boston: HBS Press.

Colet, D.S.; Mozzato, A.R. (2018). Proposição de um framework da contribuição de aprendizagem interorganizacional para as micro e pequenas empresas. Navus, 8(3), 126-136.

Cropper, S.; Ebers, M.; Huxham, C.; Ring, P.S. (2010). The Oxford Handbook of Inter-Organizational Relations. Wiltshire: Oxford University Press.

CSO - Central Statistcs Office. (2009). Government of Ireland. Community Innovation Survey 2004 - 2006. Stationery Office, Dublin, Ireland.

Daidj, N. (2017). Cooperation, Coopetition and Innovation. London-UK; Hoboken-USA: Iste; Wiley.

Daroit, D.; Nascimento, L.F. (2004). Dimensões da inovação sob o paradigma do desenvolvimento sustentável. In: XXVIII Encontro da ANPAD. Anais eletrônicos... Curitiba: ANPAD.

Davila, T.; Epstein, M.J.; Shelton, R. (2007). As Regras da Inovação. Porto Alegre, Bookman.

Dias, A.H. (2001). Estudo sobre relação universidade-empresa: estudo de caso do Laboratório Interdisciplinar de Materiais Cerâmicos - LIMAC, 2001. 137 f. Dissertação (Mestrado em Economia). UFSC, Florianópolis.

Dodgson, M. (2015). Collaboration and innovation management. In.: Dodgson, M.; GANN, D.M.; Phillips, N. The Oxford Handbook of Innovation Management. Oxford-UK: Oxford University Press, pp. 462-481.

EUROSTAT. (2004). Innovation in Europe: Results for the EU, Iceland and Norway. Luxembourg: European Commission.

Faccin, K.; Balestrin, A. (2015). Práticas colaborativas em P&D: um estudo na indústria brasileira de semicondutores. Revista de Administração Mackenzie - RAM, 16(6), 190-219.

Fadeeva, Z. (2004). Promise of sustainability collaboration - potential fulfilled? Journal of Cleaner Production, (13), 165-174.

Faria, P.; Lima, F.; Santos, R. (2010). Cooperation in innovation activities: the importance of partners. Research Policy, (39), 1082-1092.

Fávero, L.P.; Belfiore, P. (2017). Manual de Análise de Dados: estatística e modelagem multivariada com Excel®, SPSS® e Stata®. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fávero, L.P.; Belfiore, P.; Silva, F.L.; Chan, B.L. (2009). Análise de Dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

Garcia, S.M.; Torres, G.C.L.; Garcia, R.M.C.; Ramos, M.J.P. (2018). Tecnologías de la información e influencia en la aplicación de los principios de innovación. Mercados y Negocios, 1(37), 49-76.

Gomes, C. M.; Kruglianskas, I. (2009). A influência do porte no comportamento inovador da empresa. Revista de Administração e Inovação - RAI, 6(2), 05-27.

Gomes, C. M.; Kruglianskas, I.; Scherer, F.L. (2012). The influence of the management of information sources on the innovation performance of large and small business. International Journal of Innovation Management, 16(2), 1250-012.

Gomes, C. M.; Kruglianskas, I.; Scherer, F.L.; Menezes, U.G.; Kneipp, J.M. (2011). Estratégias de inovação para o desenvolvimento sustentável: uma análise do impacto no processo de internacionalização e na competitividade empresarial. In: XXXV Encontro da ANPAD. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ANPAD.

Gusberti, T.D.H.; Dorneles, C.; Dewes, M.F.; Cunha, L.S. (2014). Monitoramento da multidisciplinaridade no processo de transferência de tecnologia em uma universidade: proposta de análise de cluster. Revisa de Administração e Inovação - RAI, 11(3), 309-322.

Hair JR.; J.F.; Anderson, R.E.; Tatham, R.L.; Black, W.C. (2009). Análise multivariada de dados. 6ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Henderson, R.M.; Clark, K.B. (2001). Architectural Innovation: The Reconfiguration of Existing Product Technologies and the Failure of Established Firm. In: Burgelman, R.A.; Maidique, M.A.; Wheelwright, S.C. Strategic Management of Technology and Innovation. 3ª ed. Mcgraw-Hill.

Howells, J.; Tether, B.S. (2004). Innovation in services: issues at stake and trends. Centre for Research on Innovation and Competition - Commission of the European Communities: Brussels - Luxembourg. http//www.isi.fhg.de/publ/downloads/isi04b25/inno-3.pdf.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Pesquisa de Inovação Tecnológica - 2014. Rio de Janeiro: IBGE. .

Ipiranga, A.S.R.; Almeida, P.C.H. (2012). O Tipo de Pesquisa e a Cooperação Universidade, Empresa e Governo: Uma Análise na Rede Nordeste de Biotecnologia. Organizações e Sociedade - O&S, 19(60), 17-34.

Johannessen, J.; Olsen, B. (2010). The future of value creation and innovations: aspects of a theory of value creation and innovation in a global knowledge economy. International Journal of Information Management, (30), 502-511.

Kayser, A.C.; Schreiber, D. (2013). Inovação nas empresas a partir de projetos colaborativos. Revista Gestão e Desenvolvimento, 10(2), 69-78.

Kuhl, M.R. (2012). Interdependência entre a colaboração para inovação e o desempenho sustentável na indústria brasileira de eletroeletrônicos. Tese (Doutorado em Administração), UFPR: Curitiba.

Kuhl, M.R.; Amarante, T.; Maçaneiro, M.B. (2017). A importância da colaboração entre os setores da indústria brasileira: uma análise comparativa dos dados da PINTEC 2011. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, 2(4), 41-62.

Kuhl, M.R.; Cunha, J.C.; Maçaneiro, M.B.; Cunha, S.K. (2016). Colaboração para inovação e desempenho sustentável: evidências da relação na indústria eletroeletrônica. Brazilian Business Review - BBR, Vitória, 13(3), 1-25.

Maçaneiro, M.B.; Cunha, J.C. (2011). Os modelos technology-push e demand-pull e as estratégias de organizações ambidestras: a adoção de inovações tecnológicas por empresas brasileiras. Revista Capital Científico, 9(1), 27-41.

Malachias, C.S.; Meirelles, D.S. (2009). Regime tecnológico, ambiente de inovação e desempenho empresarial no setor de serviços: um estudo exploratório das empresas de tecnologia da informação. Revista de Administração e Inovação - RAI, 6(2), 58-80.

Malhotra, N.K. (2006). Pesquisa de Marketing: Uma orientação aplicada. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Mansury, M.A.; Love, J.H. (2008). Innovation, productivity and growth in US business services: A firm-level analysis. Technovation, 28(1/2), 52-62.

Maroco, J. (2014). Análise estatística - com utilização do SPSS. 6 ed. Lisboa: Edições Sílabo.

Mello, A.M.; Lima, W.D.; Boas, E.V.; Sbragia, R.; Marx, R. (2008). Innovative capability and advantage: a case study of Brazilian firms. Revista de Administração e Inovação - RAI, 5(2), 57-72.

Morales, A.A.A.; Nielsen, J.; Bacarini, H.A.; Martinelli, S.I.; Kofuji, S.T.; Díaz, J.F.G. Technology and Innovation Management in Higher Education - Cases from Latin America and Europe. Administrative Science, 8(11), 1-34.

Murray, A.; Haynes, K.; Hudson, L.J. (2010). Collaborating to achieve corporate social responsibility and sustainability?Possibilities and problems. Sustainability Accounting Management and Policy Journal, 1(2), 161-177.

Nidumolu, R.; Prahalad, C.K.; Rangaswami, M.R. (2009). Why sustentability in now the key driver of innovation. Harvard Business Review, 87(9), 56-64.

Noveli, M.; Segatto, A.P. (2012). Processo de cooperação universidadeempresa para inovação tecnológica em um parque tecnológico: evidências empíricas e proposição de um modelo conceitual. Revista de Administração e Inovação - RAI, 9(1), 81-105.

OCDE, Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2005). Manual de Oslo. Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados Sobre Inovação. .

Plonski, G.A. (1999). Cooperação universidade-empresa: um desafio gerencial complexo. Revista de Administração da USP, 34(4), 5-12.

Porto, G.; Costa, P.R. (2013). Abordagens da inovação. In. PORTO, G. Gestão da Inovação e Empreendedorismo. Rio de Janeiro: Elsevier. pp. 45-78.

Romijn, H.; Albaladejo, M. (2002). Determinants of innovation capability in small electronics and software firms in southeast England. Research Policy, (31), 1053-1067.

Rothwell, R. (1992). Development towards the fifth generation model of innovation. Technology Analisys e Strategic Management, 1(4). 73-75.

Rothwell, R. (1994). Towards the fifth-generation innovation process. International Marketing Review, 11(1), 731.

Scandelari, V.R.N. (2011). Inovação e Sustentabilidade: Ambidestralidade e Desempenho Sustentável na Indústria Eletroeletrônica. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Schumpeter, J.A. (1997). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juros e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Segatto-Mendes, A.P.; Sbragia, R. (2002). O processo de cooperação universidade-empresa em universidades brasileiras. Revista de Administração da USP, 37(4), 58-71.

Stein, M.L.T. (2000). Gênero feminino no contexto do trabalho fabril: setor eletroeletrônico em Curitiba e RM na década de 90. Dissertação de Mestrado. Cefet Pr. Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Curitiba.

Tang, H.K. (1998). An integrative model of innovation in organizations. Technovation, 18(5), 297-309.

Tether, B.S. (2002). Who cooperates for innovation, and why?An empirical analysis. Research Policy, (31) 947-967.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Tomlinson, P.R. (2010). Cooperation ties and innovation: some new evidence for UK manufacturing. Research Policy, (39), 762-775.

Tuccori, S.R.M.; Luppi JR.; E.; Carvalho, R.Q.; Santos, G.V.S. (2014). Collaboration for technological innovation: choices and decisions that make partnerships excel. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 6(1), 172-220.

Tushman, M.L.; O'Reilly III, C.A. (1997). Winning through Innovation: A Practical Guide to Leading Organizational Change and Renewal. Cambridge: Harvard Business School Press.

Wan, D.; Ong, C.H.; Lee, F. (2005). Determinants of firm innovation in Singapore. Technovation, 25(3), 261-268.

Wegner, D.; Begnis, H.S.M.; Alievi, R.M.; Maehler, A.E. (2016). The dynamics of cooperation: proposal of a life cycle model of small-firm networks. Gestão & Regionalidade, 32(94), 118-130.

Wonglimpiyarat, J. (2004). The use of strategies in managing technological innovation. Eupopean Journal of Innovation Management, Bradford, 7(3), 229-250.

Zilber, M.A.; Perez, G.; Lex, S. (2009). Inovação tecnológica e obtenção de vantagens competitivas: um estudo duplo qualitativo na indústria brasileira de equipamentos eletro-médicos. Organização & Sociedade - O&S, Salvador, 16(51), 707-723.