Análise do Comportamento Decisório de Contadores do Estado do Rio de Janeiro Diante de Dilemas Influenciados por Estímulos à Luz da Teoria do Condicionamento Operante Outros Idiomas

ID:
55461
Periódico:
Resumo:
Este trabalho almeja analisar o processo decisório dos contadores do estado do Rio de Janeiro em situações em que foram confrontados com questões que os estimulavam a agir. A influência do ambiente e dos estímulos foi analisada com base na teoria do condicionamento operante de Skinner. Ela preconiza que a decisão dos indivíduos acontece em decorrência das consequências da ação e dos próprios estímulos anteriores a ela, como indicadores do que pode acontecer. Como metodologia foram aplicados dois tipos de questionários, com três questões cada; um que apresentava as questões com algum estímulo e outro que as exibia sem nenhum incentivo, apenas com a pergunta técnica. Os respondentes receberam um convite de participação por e-mail enviado pelo Conselho Regional de Contabilidade do estado do Rio de Janeiro. No primeiro questionário existia um estímulo diferente por questão, que induziria o respondente à opção mais favorável a ele. Já no questionário sem estímulos, os contadores não hesitariam em marcar a opção mais adequada. Ao todo, 278 contadores clicaram no convite enviado, sendo que, por critérios de seleção, a amostra se compõe de 236 respondentes. Também foram coletadas as variáveis: gênero, idade, tempo de profissão, formação acadêmica e atuação profissional. Os resultados demonstraram que os contadores não foram impactados pelos estímulos descritos nas três questões, dado que não se mudaram as opções preferíveis de um questionário para o outro. Na segunda questão, apesar de não ocorrer, houve maior tendência de inversão de preferências. Em relação ao gênero, idade e tempo de profissão, os grupos também não se mostraram impactados. Sugere-se o aperfeiçoamento do modelo de pesquisa para uma captação mais efetiva dos estímulos existentes no ambiente organizacional, uma vez que existem.
Citação ABNT:
ETTORE, L. A. G.; MACEDO, M. A. S.; CARVALHO, M. S. Análise do Comportamento Decisório de Contadores do Estado do Rio de Janeiro Diante de Dilemas Influenciados por Estímulos à Luz da Teoria do Condicionamento Operante. Pensar Contábil, v. 21, n. 75, p. 4-15, 2019.
Citação APA:
Ettore, L. A. G., Macedo, M. A. S., & Carvalho, M. S. (2019). Análise do Comportamento Decisório de Contadores do Estado do Rio de Janeiro Diante de Dilemas Influenciados por Estímulos à Luz da Teoria do Condicionamento Operante. Pensar Contábil, 21(75), 4-15.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55461/analise-do-comportamento-decisorio-de-contadores-do-estado-do-rio-de-janeiro-diante-de-dilemas-influenciados-por-estimulos-a-luz-da-teoria-do-condicionamento-operante/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, A. M. R. A utilização de estratégias de condicionamento operante em alunos com Transtorno de Défice de Atenção com Hiperatividade (TDAH). 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de Trás-Os-Montes e Alto Douro, Vila Real, 2014.

BARNES, C. M.; HOLLENBECK, J. R.; JUNDT, D. K.; DERUE, D. S.; HARMON, S. J. Mixing Individual Incentives and Group Incentives: Best of both worlds or social dilemma? Journal of Management, Thousand Oaks, v. 37, n. 6, p. 1611-1635, 2011. Doi: https://doi.org/10.1177%2F0149206309360845.

BARON, A.; LE BRECK, D. B. Are older adults generally more conservative? Some negative evidence from signal detection analyses of recognition memory and sensory performance. Experimental Aging Research, Abingdon, v. 13, p. 163-165, 1987. Doi: https://doi.org/10.1080/03610738708259319.

CARAVANTES, G.; PANNO, C.; KLOECKNER, M. Administração: teorias e processo. São Paulo: Pearson, 2005.

CATANIA, A. C.; REYNOLDS, G. S. A Quantitative Analysis of the responding maintained by interval schedules of reinforcement. Journal of the Experimental Analysis of Behavior, [s. l.], v. 11, p. 327-383, 1968.

CERTO, S. C. Administração moderna. 9. ed. São Paulo: Pearson, 2005.

CORDEIRO, J. S.; DUARTE, A. M. P. O profissional contábil diante da nova realidade. Qualitas Revista Eletrônica, Campina Grande, v. 5, n. 2, p. 68-96, 2006.

DAVEY, G. Animal Learning and Conditioning. Hong Kong: The Macmillan Press, 1981.

DAWES, R. M. Social dilemmas. Annual Review of Psychology, Palo Alto, v. 31, p. 169-193, 1980. Doi: https://doi.org/10.1146/ annurev.ps.31.020180.001125.

DIAS, L. N. S.; OLIVEIRA, L. M.; BRITTO, S. S. A teoria comportamental de Skinner aplicada às informações contábeis: um estudo no município de Castanhal-PA. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 38-54, 2009.

HANNA, E. S. Behavior Analysis of Complex Learning: some determinants of choice. 1991. Tese (Doutorado em Filosofia) – University of Wales College of Cardiff, Cardiff, 1991.

KAHNEMAN, D. P.; TVERSKY, A. Prospect theory: an analysis of decision under risk. Econometrica, Cleveland, v. 47, p. 263-291, 1979.

LIMA, R. L.; COSTA, A. J. B.; SANTANA, C. M. Educação contábil em tempos de IFRS: um estudo de caso entre uma universidade brasileira e outra alemã. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, Floriano, v. 2, n. 1, p. 61-76, 2015.

MIRANDA, A. P. Psicología del aprendizaje y adestramiento del perro. 2. ed. Madrid: Diaz de Santos, 2010.

MOREIRA, M. B.; MEDEIROS, C. A. Princípios básicos de análise de comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2007.

PINHO, A. P. M.; BASTOS, A. V. B.; ROWE, D. E. O. Diferentes vínculos organizacionais: explorando concepções, fatores organizacionais antecedentes e práticas de gestão. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 22, n. 75, p. 659-680, 2015. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1984-9237510.

PRUITT, D. G.; KIMMEL, M. J. 20 years of experimental gaming: critique, synthesis, and suggestions for future. Annual Review of Psychology, Palo Alto, v. 28, p. 363-392, 1977.

PRYOR, K. ¡No lo mates… enséñale!: el arte de enseñar y adiestrar. 2. ed. Santiago de Compostela: Kns Ediciones, 2006. E-book.

RANGEL, P. C. N. Variabilidade comportamental: uma comparação entre pessoas jovens e idosas. 2010. Tese (Doutorado em Ciências do Comportamento) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2010.

REESE, H. W.; RODEHEAVER, D. Problem solving and complex decision making. In: BIRREN, J. E.; SCHAIE, K. W. (org.). Handbook of the psychology of aging. New York: Von Nostrand Reinhold Co, 1985. p. 474-499.

ROBBINS, S.; JUDGE, T.; SOBRAL, F. Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. 14. ed. São Paulo: Pearson, 2010.

SALTHOUSE, T. A. Theoretical perspectives on cognitive aging. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1991.

SKINNER, B. F. Are theories of learning necessary? Psychological Review, Washington, DC, v. 57, p. 193-216, 1950.

SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

SKINNER, B. F. Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix, 1974.

SKINNER, B. F. The Behavior of Organisms. New York: Appleton-Century-Crofts, 1938.

SKINNER, B. F. The ontogeny and phylogeny of behavior. Science, New York, v. 153, p. 1203-1213, 1966.

SOUSA, K. T. Avaliação da Técnica de Condicionamento Operante para treinamento e novilhas leiteiras à base de pasto. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Zootecnia) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

THORNDIKE, E. L. Animal Inteligence. New York: McMillan, 1911.

VALE, R. S. Comportamento de escolha em humanos: uso de dados de grupos de sujeitos para avaliar efeitos de magnitude relativa de reforços quando a magnitude absoluta varia. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2005.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 12. ed. São Paulo: Atlas, 2010