Política de Dividendos e Desempenho Econômicofinanceiro: Um Estudo nas Companhias do Estado de Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
55783
Resumo:
A relação entre a política de dividendos e o desempenho econômico-financeiro das organizações permite analisar aspectos relevantes quanto às características dos mercados. Considerando que o desenvolvimento nacional envolve a compreensão das diferenças regionais, este artigo teve como objetivo analisar essa relação, entre política de dividendos e desempenho econômico-financeiro, para as companhias listadas na Bolsa de Valores do Brasil (B3) e sediadas no estado de Minas Gerais. Utilizou-se a base de dados Economatica para a obtenção do grupo de variáveis proxy da política de dividendos (dividendos pagos, dividendos pagos por ação e dividend yield), do desempenho econômico-financeiro (ROA, ROE, lucro líquido, lucro por ação e liquidez) e de controle (ativo total). Aplicou-se a correlação canônica para a verificação das associações. Os resultados demonstraram que, de 2010 a 2017, a política de dividendos das companhias analisadas correlacionou-se de modo positivo com as variáveis proxy do desempenho econômico-financeiro, exceto com a liquidez. As associações mais fortes obtidas foram entre os dividendos pagos e as variáveis lucro líquido e ativo total, sugerindo-se, assim, que a distribuição de dividendos é fator de interesse nessas companhias, contrariando a Teoria da Irrelevância dos Dividendos. O modelo proposto apresentou margem de redundância total de 0,3124, indicando que as variáveis independentes utilizadas explicam 31,24% da variância média das variáveis utilizadas como proxy da política de dividendos. A presente pesquisa apresentou informações relevantes quanto às características das empresas de uma importante região econômica e forneceu subsídios para o desenvolvimento de futuras pesquisas que avancem nas análises desenvolvidas – sob uma ótica regional.
Citação ABNT:
SILVA, A. F.; OLIVEIRA, R. S.; RIBEIRO, K. C. S. Política de Dividendos e Desempenho Econômicofinanceiro: Um Estudo nas Companhias do Estado de Minas Gerais. Revista Mineira de Contabilidade, v. 20, n. 3, p. 77-89, 2019.
Citação APA:
Silva, A. F., Oliveira, R. S., & Ribeiro, K. C. S. (2019). Política de Dividendos e Desempenho Econômicofinanceiro: Um Estudo nas Companhias do Estado de Minas Gerais. Revista Mineira de Contabilidade, 20(3), 77-89.
DOI:
https://doi.org/10.21714/2446-9114RMC2019v20n3t06
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55783/politica-de-dividendos-e-desempenho-economicofinanceiro--um-estudo-nas-companhias-do-estado-de-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abreu, J. F., & Gulamhussen, M. A. (2013). Dividend payouts: Evidence from U.S. bank holding companies in the context of the financial crisis. Journal of Corporate Finance, 22, 54–65. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2013.04.001

Almeida, L. A., Pereira, E., & Tavares, F. (2015). Determinantes da Política de Dividendos: Evidência de Portugal. Review of Business Management, 17(54), 701–719. https://doi.org/10.7819/rbgn.v17i54.1943

Alzomaia, T. S. F., & Al-Khadhiri, A. (2013). Determination of Dividend Policy: The Evidence from Saudi Arabia. International Journal of Business and Social Science, 4(1).

Assaf Neto, A. (2010). Finanças Corporativas e Valor (5o ed). São Paulo: Atlas.

Baker, M., & Wurgler, J. (2004). A Catering Theory of Dividends. The Journal of Finance, 59(3), 1125–1165. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.2004.00658.x

Benavides, J., Berggrun, L., & Perafan, H. (2016). Dividend payout policies: Evidence from Latin America. Finance Research Letters, 17, 197–210. https://doi.org/10.1016/j.frl.2016.03.012

Benjamin, S. J., Mohamed, Z. B., & Marathamuthu, M. S. (2018). DuPont analysis and dividend policy: Empirical evidence from Malaysia. Pacific Accounting Review, 30, 52–72. https://doi.org/10.1108/par-05-2015-0019

Brasil. (1976). Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Disponível em: http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6404compilada.htm. Acesso em 31 de julho de 2019.

Brasil. (1995). Lei no 9.249, de 26 de dezembro de 1995. Altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, bem como da contribuição social sobre o lucro líquido, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ l9249. htm. Acesso em 31 de julho de 2019.

Das, S. (2017). Firm characteristics and dividend policy in India. Transnational Corporations Review, 9(3), 190–200. https://doi. org/10.1080/19186444.2017.1362862

Denis, D. J., & Osobov, I. (2008). Why do firms pay dividends? International evidence on the determinants of dividend policy. Journal of Financial economics, 89(1), 62–82.

Doutriaux, J., & Crener, M. A. (1982). Which statistical test does one use for survey research? Managerial and Decision Economics, 3(2), 99–111.

Fama, E. F., & French, K. R. (2001). Disappearing dividends: Changing firm characteristics or lower propensity to pay? Journal of Financial Economics, 60(1), 3–43. https://doi.org/10.1016/S0304-405X(01)00038-1

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2017). Manual de Análise de Dados: Estatística e Modelagem Multivariada Com Excel, Spss e Stata (1ª ed). Rio de Janeiro: Elsevier.

Fonteles, I. V., Júnior, C. A. P., Vasconcelos, A. C. de, & Luca, M. M. M. D. (2013). Política de Dividendos das Empresas Participantes do Índice Dividendos da BM&FBovespa. Contabilidade Vista & Revista, 23(3), 173–204.

Forti, C. A. B., Peixoto, F. M., & Alves, D. L. (2015). Fatores Determinantes do Pagamento de Dividendos no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 26(68), 167–180. https://doi.org/10.1590/1808-057x201512260

França, L. M., Mantovaneli Júnior, O., & Sampaio, C. A. C. (2012). Governança para a territorialidade e sustentabilidade: A construção do senso de regionalidade. Saúde e Sociedade, 21, 111–127.

Gordon, M. J., & Shapiro, E. (1956). Capital Equipment Analysis: The Required Rate of Profit. Management Science, 3(1), 102–110. https://doi.org/10.1287/mnsc.3.1.102

Gugler, K. (2003). Corporate governance, dividend payout policy, and the interrelation between dividends, R&D, and capital investment. Journal of Banking & Finance, 27(7), 1297–1321. https://doi.org/10.1016/S0378-4266(02)00258-3

IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Brasil em Síntese—Minas Gerais. Disponível em: https://cidades. ibge.gov.br/brasil/mg/pesquisa/10060/60147?Local idade1=0&indicador =60154&tipo=ranking&ano=2016. Acesso em 31 de julho de 2019.

Ismail, S., & Yusof, Y. (2016). Determinants of dividend policy of public listed companies in Malaysia. Review of International Business and Strategy, 26(1), 88–99. https://doi.org/10.1108/RIBS-02-2014-0030

Jaara, B., Alashhab, H., & Jaara, O. O. (2018). The Determinants of Dividend Policy for Non-financial. International Journal of Economics and Financial Issues, 8(2), 198–209.

Jabbouri, I. (2016). Determinants of corporate dividend policy in emerging markets: Evidence from MENA stock markets. Research in International Business and Finance, 37, 283–298. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2016.01.018

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: Managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305–360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Jussila, I., Kotonen, U., & Tuominen, P. (2007). Customer-owned Firms and the Concept of Regional Responsibility: Qualitative Evidence from Finnish Co-operatives. Social Responsibility Journal, 3(3), 35–43. https://doi.org/10.1108/17471110710835563

Kaźmierska-Jóźwiak, B. (2015). Determinants of Dividend Policy: Evidence from Polish Listed Companies. Procedia Economics and Finance, 23, 473–477. https://doi.org/10.1016/S2212-5671(15)00490-6

Leite, M., Bambino, A. C., & Hein, N. (2017). Relação entre Política de Dividendos e Desempenho Econômico Financeiro em Empresas Brasileiras e Chilenas. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 7(1), 205–221. https://doi.org/10.18028/2238-5320/ rgfc.v7n1p205-221

Lintner, J. (1956). Distribution of Incomes of Corporations Among Dividends, Retained Earnings, and Taxes. The American Economic Review, 46(2), 97–113.

Martins, E. (org. )). (2006). Avaliação de Empresas: Da Mensuração Contábil À Econômica (1ª ed). São Paulo: Atlas.

Miller, M. H., & Modigliani, F. (1961). Dividend Policy, Growth, and the Valuation of Shares. The Journal of Business, 34(4), 411–433.

Miller, M. H., & Rock, K. (1985). Dividend Policy under Asymmetric Information. The Journal of Finance, 40(4), 1031–1051. https://doi.org/10.2307/2328393

Nogueira, K. B. L., & Gaio, L. E. (2014). Impacto da crise dos subprime nas empresas da BM&FBovespa: Uma análise fundamentalista. Nucleus, 11(2), 341–351.

Oliveira, S. O. (2003). Desenvolvimento local e organização sócio-espacial. Interações (Campo Grande), 4(6), 47–53.

Portal da Indústria. (2018). Perfil dos Estados. Disponível em: http:// perfilestados.portaldaindustria.com.br/estado/mg>. Acesso em 31 de julho de 2019.

Rabelo, G. B., Ponte, V. M. R., Junior, D. B. C. V., & Domingos, S. R. M. (2017). A distribuição de dividendos como ferramenta sinalizadora de Desempenho futuro nas companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista Universo Contábil, 13(3), 162–182.

Santos, C. (2010). Estatística Descritiva—Manual de Auto-aprendizagem (2o ed). Disponível em: http://www.silabo.pt/livros. asp?num=309. Acesso em 31 de julho de 2019.

Selltiz, C. (1960). Métodos de pesquisa nas relações sociais. (1ª ed.). São Paulo: EPU.

Silva, R. L. M., Nardi, P. C. C., & Tonani, R. (2016). A relevância do dividendo adicional proposto. Revista Contemporânea de Contabilidade, 13(29), 179–202.