Study on the Sustainable Indicators and Research Methodology in the Context of the Sustainable Development Reserve of Tupé, Amazonas - Brazil Outros Idiomas

ID:
55890
Resumo:
Este estudo tem como objetivo propor indicadores de sustentabilidade pautados nas dimensões ambiental, espacial, cultural, social e econômica e validar uma metodologia de pesquisa no contexto de Reserva de Desenvolvimento Sustentável. A principal motivação para o desenvolvimento da pesquisa é a necessidade de estabelecimento de indicadores de sustentabilidade para compreender os motivos de deslocamento populacional em comunidades de Reserva de Desenvolvimento Sustentável, considerando-se a necessidade de ações orientadas ao desenvolvimento mais sustentável dessas populações. A metodologia de pesquisa proposta é do tipo “qualitativa, longitudinal e estudo ecológico”, utilizando técnicas de observação direta e aplicação de questionário semiestruturado entre os anos de 2009, 2010, 2013, 2014 e 2018. Os indicadores e a metodologia foram aplicados em duas comunidades ribeirinhas da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Tupé, localizadas em Manaus, Amazonas, Brasil. Essa metodologia pode ser utilizada para a identifi cação de sinais de pertença, motivação do deslocamento populacional, solução de pontos críticos e formulação de Políticas Públicas. Permite analisar os indicadores de sustentabilidade parcialmente num determinado período ou na verifi cação da evolução do índice de sustentabilidade ao longo do tempo. A metodologia proposta permitiu evidenciar que, no período estudado, houve um esvaziamento das unidades de habitação na ordem de 23,5% na Comunidade São João do Tupé e um crescimento de 24% na Comunidade Agrovila. As condições de trabalho e renda e a deterioração das condições de permanência impactam no desejo de deslocamento populacional. Entretanto, os laços socioculturais, vínculos psicossociais e biografi as historicamente entrelaçadas com o lugar (sinais de pertencimento), pesam nas decisões individuais de partir ou ficar.
Citação ABNT:
MARIOSA, D. F.; BENEDICTO, S. C.; SUGAHARA, C. R. Study on the Sustainable Indicators and Research Methodology in the Context of the Sustainable Development Reserve of Tupé, Amazonas - Brazil. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 8, n. 3, p. 444-467, 2019.
Citação APA:
Mariosa, D. F., Benedicto, S. C., & Sugahara, C. R. (2019). Study on the Sustainable Indicators and Research Methodology in the Context of the Sustainable Development Reserve of Tupé, Amazonas - Brazil. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 8(3), 444-467.
DOI:
https://doi.org/10.5585/geas.v8i3.15756
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55890/study-on-the-sustainable-indicators-and-research-methodology-in-the-context-of-the-sustainable-development-reserve-of-tupe--amazonas---brazil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Almeida, L. Q. (2011) Por uma ciência dos riscos e vulnerabilidades na geografia. Mercator, 10(23), 83-99,126.

Almeida, M. G.; Vargas, M. A. M.; Mendes, G. F. (2011) Territórios, paisagens e representações: um diálogo em construção. Mercator, 10(22), 23-35.

Amaral, S. et al. (2013) Comunidades ribeirinhas como forma socioespacial de expressão urbana na Amazônia: uma tipologia para a região do Baixo Tapajós (Pará-Brasil). Revista Brasileira de Estudos de População, 30(2), 367-399.

Araújo, F. A. V.; Soares, B. R. (2009) Relação cidadecampo: desafios e perspectivas. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, 4(7), 201-229.

Araújo, R.; Fernandes, V.; Rauen, W. (2015) Indicadores de sustentabilidade no contexto do design de produtos. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 14(2), 14-27.

Bauman, Z. (2012) Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar.

Bellen, H. M. (2002) Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Bellen, H. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

Brasil.Ministério do Meio Ambiente. (2011) SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza: Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília: MMA/SBF.

Brito, F.; Souza, J. (2005) Expansão urbana nas grandes metrópoles: o significado das migrações intrametropolitanas e da mobilidade pendular na reprodução da pobreza. São Paulo em Perspectiva, 19(4), 48-63.

Carvalho, M. T. M.; Sposto, R. M. (2012) Metodologia para avaliação da sustentabilidade de habitações de interesse social com foco no projeto. Ambiente Construído, 12(1), 207-225.

Cebrap. (2016) Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Sesc-Cebrap.

Challinor, E. P. (2011) Identidade e pertença: para além das dimensões materiais do sofrimento social. Etnográfica, 15(3). 479-500.

Chizzotti, A. (2005) Pesquisa em ciências humanas e sociais. 7. ed. São Paulo: Cortez.

Daly, H. E.; Cobb Junior, J. B. (1994) For the Common Good. Redirecting the economy toward community, the environment, and a sustainable future. Boston, MA: Beacon Press.

Donnelly, A.; Jones, M.; O’Mahony, T.; Byrne, G. (2007) Selecting environmental indicator for use in strategic environmental assessment. Environmental Impact Assessment Review, 27(2), 161-175.

Duarte, P. (2011) Esquadrias e vidros na construção civil. Revista Vidro Impresso, 5(1) 74-75.

Elias, N. (1994) A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar.

Fahy,F.; Rau,H. (2013). Methods of sustainability research in the social sciences. London: Sage.

Fang, K.; Heijungs, R.; De Snoo, G. R. (2014). Theoretical exploration for the combination of the ecological, energy, carbon, and water footprints. Ecological Indicators, 36(1), 508-518.

Fausto, B. (1999) Fazer a América: a imigração em massa para a América Latina. São Paulo: Edusp.

Geertz, C. (2001) O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petropolis: Vozes.

Giddens, A. (2009) A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes.

Gil, A. C. (2019) Métodos e técnicas de pesquisa social. 7 ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, M. F. V. B. (2010) Desigualdade socioambiental no espaco urbano de Guarapuava.(Report). Ra’eGa, 20(1), 95-105.

Guimarães, R. P.; Feichas, S. A. Q. (2009) Desafios na construção de indicadores de sustentabilidade. Ambiente & sociedade, 12(2), 307-323.

Haesbaert, R. (2007) Território e multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia, 9(17), 19-45.

Ingold, T. (2000) Th e perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. New York: Psychology Press.

Ingold, T. (2012) Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes antropológicos, 18(37), 25-44.

Jannuzzi, P. M. (2016) Monitoramento e avaliação de programas sociais: uma introdução aos conceitos e técnicas. Campinas - SP: Alínea.

Kovalski, R. A. (2016) Desenvolvimento territorial sustentável: uma análise da evolução do pensamento humano em relação à consciência sobre o meio ambiente. Revista de Humanidades, 31(1), 101-120.

Lawn, P. (2006). Sustainable Development Indicators in Ecological Economics. Cheltenham, UK: Edward Elgar.

Leff, E. (2009) Ecologia, capital e cultura: a territorializaçao da racionalidade ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lozano, R. (2008) Envisioning sustainability threedimensionally. Journal of Cleaner Production, 16(17), 1838-1846.

Marchand, G. A. (2014) Avaliação da gestão da fauna silvestre na comunidade de São João do Tupé (Manaus, Amazonas) pelo meio de um sistema de indicadores. Confins. Revue franco-brésilienne de géographie/Revista franco-brasilera de geografia, 20(1), 1-28.

Mariosa, D. F.; Silva, E. N. S.; Gasparini, G.; Reis Júnior, a. M. (2014) Ribeirinhos do Rio Negro: um estudo da qualidade socioambiental. 1. ed. Curitiba: Editora CRV.

May, V. (2011) Self, belonging and social change. Sociology, 45(3), 363-378.

Medronho, R. A. (2009) Estudos Ecológicos. In: Medronho R. A. et al. (Eds.). Epidemiologia. 2. ed. São Paulo: Atheneu. p. 265-274.

Morgenstern, H. (1995) Ecologic Studies in Epidemiology: Concepts, Principles, and Methods. Annual Review of Public Health, n. 16, p. 61-81.

Nordhaus, W. D.; Tobin, J. (1972) Is growth obsolete? In: Nordhaus, W. D.; Tobin, J. Economic Research: Retrospect and Prospect. New York: NBER. p. 1-80.

Ocde. (2002) Rumo a um desvolvimento sustentável: indicadores ambientais. Salvador: Centro de Recursos Ambientais.

Oliveira, C. O.; Francisco, A. C.; Goes, P. B. (2013, ) Sustentabilidade: uma visão das metodologias de avaliação. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Salvador, BA, Brasil. 33.

Petrie, J.; Cohen, B.; Stewart, M. (2007) Decision support frameworks and metrics for sustainable development of minerals and metals. Clean Techn Environ Policy, (9), 133-145.

Pintérd, L.; Hardib, P.; Martinuzzic, A.; Halla, J. (2012) Bellagio STAMP: Principles for sustainability assessment and measurement. Ecological Indicators, 17(1), 20-28.

Reis, M. N. (2011) Esquadrias de alumínio: análise dos critérios de escolha destes componentes em edifícios de apartamentos, padrão médio-alto, na Cidade de São Paulo. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Richardson, R. J. (2017) Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Ridoutt, B. G.; Pfister, S. (2013) Towards an Integrated Family of Footprint Indicators. Journal of Industrial Ecology, 17(3), 337-339.

Sachs, I. (2008) Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond.

Santos-Silva, E. N.; Scudeller, V. V.; Cavalcanti, M. J. (EDS.). (2011). BioTupé: meio físico, diversidade biológica e sociocultural do baixo Rio Negro, Amazônia Central. v. 3. Manuas, AM: Rizoma Editorial.

Scandar Neto, W. J. (2006) Síntese que organiza o olhar: uma proposta para construção e representação de indicadores de desenvolvimento sustentável e sua aplicação para os municípios fluminenses. Dissertação de Mestrado, Escola Nacional de Ciências Estatísticas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Schlapfer, M. et al. (2014) Th e scaling of human interactions with city size. Journal of The Royal Society Interface, 11(98), 1-14.

Silva, A. W. L.; Selig, P. M.; Morales, A. B. T. (2012) Indicadores de sustentabilidade em processos de avaliação ambiental estratégica. Ambiente & Sociedade, 15(3), 75-96.

Silva, E. A.; Freire, O. B. L.; Silva, F. Q. P. O. (2014) Indicadores de sustentabilidade como instrumentos de gestão: uma análise da GRI, Ethos e ISE. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, 3(1), 130-148.

Simões, A.; Alkmin, A. C.; Santos, C. (2017) Passado, presente e futuro da produção e análise de indicadores sociais no IBGE. In: Simões, A.; Alkmin, A. C. (Eds.) Indicadores sociais: passado, presente e futuro. Rio de Janeiro: IBGE. p. 17-27.

Siqueira, M. M.; Padovam, V. A. R. (2008) Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, 24(2), 201-209.

Sobral, A.; Freitas, C.M.(2010) Modelo de organização de indicadores para operacionalização dos determinantes socioambientais da saúde. Saúde e Sociedade, 19(1), 35-47.

Souza, C. C. V. (2010) Etnobotânica de quintais em três comunidades ribeirinhas na Amazônia Central, Manaus - AM. Dissertação de Mestrado, Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia/Universidade Federal do Amazonas, AM, Brasil.

Unece/Oecd/Eurostat. (2008) Report on measuring sustainable development: statistics for sustainable development, commonalities between current practice and theory. https://www.oecd.org/greengrowth/41414440.pdf

Veiga, J. E. (2009) Indicadores socioambientais: evolução e perspectivas. Revista de Economia Política, 29(4), 421-435.

Veiga, J. E. (2010) Indicadores de sustentabilidade. Estudos avançados, 24(68), 39-52.

Viegas, S. F. S. S. (2014) Sustentabilidade em instituições de ensino superior: um estudo na Universidade Federal Rural da Amazônia. Dissertação de Mestrado, Universidade da Amazônia, Belém, PA, Brasil.