Incentivos e Financiamentos para Pesquisa e Inovação na Agricultura: Estudo em Fundações de Pesquisas na Região Sul do Brasil Outros Idiomas

ID:
55983
Periódico:
Resumo:
A agricultura brasileira cada vez mais se consolida como um dos principais produtores mundiais de alimentos. O grande desafio deste ramo é atender a demanda global que segundo a Food and Agriculture Organization, em 2050 será 60% superior a atual. Tal desafio é agravado pelas mudanças de hábitos alimentares, mudanças climáticas e impactos ambientais. Esta pesquisa utilizou como base a Teoria da Dependência de Recursos, a qual parte do princípio que nenhuma organização é capaz de gerar sozinha todos os tipos de recursos que necessita para a sua sobrevivência e crescimento, e, por isso, depende do seu ambiente externo para a obtenção de recursos que viabilizem seu funcionamento. Dessa forma, buscou-se como objetivo geral discutir a dependência de recursos para pesquisa e inovação na agricultura em cinco Fundações de Pesquisa na região sul do Brasil. O estudo desenvolvido tem caráter descritivo e comparativo, com abordagem qualitativa. Para coleta dos dados, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com os gestores responsáveis pelas cinco Fundações de Pesquisa selecionadas. Os resultados apontaram que, apesar da existência de linhas de financiamento e incentivos fiscais, ainda existe um predomínio de recursos privados na condução de pesquisas para inovação na agricultura. As fundações pesquisadas contam com mantenedores, os quais são responsáveis por prover os recursos não oriundos do setor público ou das receitas orgânicas da entidade.
Citação ABNT:
GALVAN, W.; COSTA, Z. F. Incentivos e Financiamentos para Pesquisa e Inovação na Agricultura: Estudo em Fundações de Pesquisas na Região Sul do Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 17, n. 4, p. 938-950, 2019.
Citação APA:
Galvan, W., & Costa, Z. F. (2019). Incentivos e Financiamentos para Pesquisa e Inovação na Agricultura: Estudo em Fundações de Pesquisas na Região Sul do Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 17(4), 938-950.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395174706
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/55983/incentivos-e-financiamentos-para-pesquisa-e-inovacao-na-agricultura--estudo-em-fundacoes-de-pesquisas-na-regiao-sul-do-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3 ed. Lisboa: Edições 70, 2004.

BIN, A. et al. Organization of Research and Innovation: a Comparative Study of Public Agricultural Research Institutions. Journal of Technology Management & Innovation, v. 8, Special Edition, ALTEC, 2013.

BURGELMAN, R. A.; CHRISTENSEN, C. M.; WHEELWRIGHT, S. C. Gestão estratégica da tecnologia e da inovação. 5. ed. Porto Alegre: AMGH, 2012.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Sistemas de Inovação e Desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34-45, 2005.

CHEGINI, M. G. Creativity and Innovation as a New Approach in Human Capital. International Journal of Agricultural Management & Development. v. 3, n. 1, p. 23-31, 2013.

CHILD, J. Organizational structure, environment and performance: the role of strategic choice. Sociology, v. 6, n. 1, p. 2-22, 1972.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de Pesquisa em Administração. 10 ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

CORDER, S.; SALLES-FILHO, S. Revista Brasileira de Inovação, v. 5, n. 1, p. 33-76, 2006.

COSTA, F. N. Economia Monetária e Financeira: uma abordagem pluralista. São Paulo: Makron Books, 1999.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DAVIS, G. F.; COBB, J. A. Resource dependence theory: past and future. Research in the sociology of organizations, v. 28, n. 01, p. 21-42, 2009.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREEMAN, C. Inovação e Ciclos Longos de Desenvolvimento Econômico. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 5-20, 1984.

FUGAR, F. D. K.; ASHIBOE-MENSAH, N. A.; ADINYIRA, E. Human Capital Theory: implications for the ghanaian construction industry development. Journal of Construction Project Management and Innovation, v. 3, n. 1, p. 464-479, 2013.

GODOY, A. S. O estudo de caso qualitativo. In: GODOI, C. K.; BANDEIRADE- MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.). 2. ed. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2010, p. 115-143.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa de Inovação 2011. 2013. .

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco, 1998.

MUDAMBI, R.; PEDERSEN, T. Agency theory and resource dependency theory: Complementary explanation for subsidiary power in multinational corporations. Copenhagen: Center for Strategic Management and Globalization, 2007. (SMG Working Paper, n. 5).

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Manual de Frascati. 2002. .

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD; EUROPEAN STATISTICAL OFFICE – EUROSTAT. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3 ed. França: OCDE; EUROSTAT, 2005.

PARDEY, P. G.; ALSTON, J. M. Global and US trends in agricultural R&D in a global food security setting. In: ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT – OECD. Improving agricultural knowledge and innovation systems. Paris: OECD Publishing, 2012. p. 19-40.

PFEFFER, J.; SALANCIK, G. The external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper & Row, 1978.

PUGH, D. S.; HICKSON, D. J. Os Teóricos das Organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

ROSSETTO, C. R., ROSSETTO, A. M. O estudo da formulação estratégica de adaptação organizacional sobre a ótica do modelo de Tushmann e Romanelli In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 2003, Atibaia. Anais... Atibaia: ANPAD, 2003, v.1.

ROSSETTO, C. R.; ROSSETTO, A. M. Teoria Institucional e Dependência de Recursos na Adaptação Organizacional: uma Visão Complementar. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 4, n. 1, 2005.

SALAMON, L. A emergência do terceiro setor – uma revolução associativa global. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 5-11, 1998.

SBRAGIA, R. et al. Inovação: como vencer esse desafio empresarial. São Paulo: Clio Editora, 2006.

SMITH, K. Measuring Innovation. In: FAGERBERG, J; MOWERY, D.; NELSON, R. The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford University Press, 2005.

SUNDING, D.; ZILBERMAN, D. The agricultural innovation process: research and technology adoption in a changing agricultural sector. Handbook of agricultural economics, v. 1, part A, p. 207-261, 2001.

TAN, C. L.; NASURDIN, A. M. Human resource management practices and organizational innovation: an empirical study in Malaysia. Journal of Applied Business Research, v. 26, n. 4, p. 105-116, 2010.

VIOTTI, E. B. Um novo indicador de meta-síntese para a política de inovação. Parcerias Estratégicas, ed. esp., v. 18, n. 36, p. 151-174, 2013.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.