O Cluster Automotivo Sul Fluminense Experiência de Arranjo Produtivo ou Arranjo Institucional? Outros Idiomas

ID:
56068
Resumo:
Este artigo tem como objetivo analisar o Cluster Automotivo Sul Fluminense (Casf), aglomerado industrial inspirado pela experiência da PSA Peugeot Citroën no Cluster de Empresas de Automoción de Galicia (Ceaga), da Espanha. O cluster está localizado no Estado do Rio de Janeiro, mais precisamente na Região das Agulhas Negras, um importante polo da indústria automobilística brasileira. Desde os anos 90, os municípios da região vêm concentrando importantes investimentos da indústria automobilística a partir de cinco montadoras (MAN Latin America, PSA Peugeot Citroën, Renault-Nissan, Hyundai e Jaguar Land Rover) e de fornecedores nacionais e estrangeiros, que geram cerca de 30 mil postos de trabalho no âmbito regional. O artigo analisa o processo de criação do cluster e os principais resultados desta iniciativa a partir de uma abordagem qualitativa, com entrevistas com integrantes das montadoras. Como resultado observa-se que, a curto prazo, o cluster pretende assegurar condições de concorrência para as empresas ao incidir sobre assuntos estratégicos, como a educação, energia, transporte e habitação. A médio/longo prazos pretende fortalecer a competitividade da região, promovendo a cooperação, o intercâmbio de conhecimentos, a aprendizagem e a abertura cultural, aumentando os investimentos e fomentando as relações interfirmas e delas com o poder público.
Citação ABNT:
LIMA, R. J. C.; PAIVA, A. D. O Cluster Automotivo Sul Fluminense Experiência de Arranjo Produtivo ou Arranjo Institucional? . Desenvolvimento em Questão, v. 18, n. 50, p. 10-23, 2020.
Citação APA:
Lima, R. J. C., & Paiva, A. D. (2020). O Cluster Automotivo Sul Fluminense Experiência de Arranjo Produtivo ou Arranjo Institucional? . Desenvolvimento em Questão, 18(50), 10-23.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2020.50.10-23
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56068/o-cluster-automotivo-sul-fluminense-experiencia-de-arranjo-produtivo-ou-arranjo-institucional--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBUQUERQUE, E. M. de. Avaliação da técnica de amostragem respondent-driven sampling na estimação de prevalências de doenças transmissíveis em populações organizadas em redes complexas. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP). Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

ANFAVEA. Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores. Anuário da Indústria Automobilística Brasileira. São Paulo, 2016.

ARBIX, G.; RODRÍGUEZ-POSE, A. Estratégias do desperdício: a guerra fiscal e as incertezas do desenvolvimento. In: Novos Estudos Cebrap. São Paulo. 1999. p. 55-71.

BASILE, L.; CASAVOLA, P. The Firm as an Institution: Recent Evolution in the Contractual Perspective. Louvain Economic Review, vol. 60, n. 2, p. 249-270, 1994.

CALANDRO, M. L. A indústria automobilística brasileira: integração produtiva no Mercosul, regimes automotivos e perspectivas. In: Indicadores Econômicos FEE, ,v. 28, n. 1, p. 116-136, 2000.

CARDOSO, Adalberto M. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial (Mundo do Trabalho). São Paulo, 2003.

CARDOSO, Adalberto M. Globalização e relações industriais na indústria automobilística brasileira: quadro global e um estudo de caso. 1. ed. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2015.CASF. Cluster Automotivo Sul. Reunião Mensal do Cluster Automotivo de 09 de outubro de 2013. Disponível em: http://www.sr2.uerj.br/ inovuerj/wcti_pdf/cluster_Automotivo_Sul_Fluminenses.pdf. Acesso em: 10 out. 2014.

CAREGNATO, R. C. A; MUTTI, R. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm. 15(4):679-684. 2006.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. Arranjos e Sistemas Produtivos Locais na Indústria Brasileira. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, UFRJ, v. 5, n. Especial, 2001.

CEAGA. Cluster de Empresas de Automoción de Galícia. ¿Quiénes Somos y a qué nos Dedicamos? Disponível em: http://www.ceaga.com/ceaga.asp. Acesso em: 16 ago. 2015.

CONCEIÇÃO, J. J. da. Quando o apito da fábrica silencia: sindicatos, empresas e poder público diante do fechamento de indústrias e da eliminação de empregos na região do ABC. São Bernardo do Campo: MPF Editora, 2008.

DICKEN, P. Mudança Global: mapeando as novas fronteiras da economia mundial. Porto Alegre: Bookman, 2010.

DINIZ, E.; BOSCHI, R. A difícil rota do desenvolvimento, empresários e a agenda pós-neoliberal. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: UFMG; Iuperj; Ucam, 2007.

FIRJAN. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. Indústria automotiva prevê 45 mil novos empregos na Região Sul Fluminense até 2020. 2013. Disponível em: http://www.firjan.org.br/data/pages/2C908CEC427BC58F01429603BAD124F3.htm. Acesso em: 25 jul. 2014.

HUMPHREY, J.; SCHMITZ, H. Governance and Upgrading: Linking Industrial Cluster and Global Value Chain Research. In: IDS Working Paper, Brighton: University of Sussex; Institute of Development Studies, n. 120, 2000.

KELLER, P. F. Clusters, distritos industriais e cooperação interfirmas: uma revisão da literatura. In: Revista Economia & Gestão, v. 8, n. 16, p. 30-47, 2008.

MAGNANI, R. et al. Review of sampling hard-to-reach and hidden populations for HIV surveillance. Aids, v. 19, p. S67-S72, 2005.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTIN, S. B.; VEIGA, J. P. C. Globalização dos mercados, localização produtiva e relações interfirmas: o caso das montadoras alemãs nos EUA nos anos 1990. In: NABUCO, M. R.; NEVES, M. de A.; NETO, A. M. de C. (org.). Indústria automobilística: a nova geografia do setor produtivo Rio de Janeiro: DP & A Editora, 2002. p. 17-45.

MARTINS, A. de A. A cultura corporativa de uma empresa transnacional em um território produtivo: o caso da aliança Renault/Nissan em Resende/RJ. 2016. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Antropologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

OLSON, M. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, USP, 1999.

PAIVA, A. D. de. O Cluster Automotivo Sul Fluminense: experiência de aglomeração industrial ou ação coletiva empresarial? 2016. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense (UFF), Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA), Volta Redonda, 2016.

PORTER, M. B. Clusters and new economics of competition. In: Harvard Business Review, ,p. 77-90, Nov./ Dec. 1998.

PORTER, M. B. Competição: estratégias competitivas essenciais. 1. ed, São Paulo: Editora Campus, 1999. 515p.PREFEITURA DE PORTO REAL. Notícias. 2014. Disponível em: http://www.portoreal.rj.gov.br/cluster-automotivo-se-reune-com-representantes-da-secretaria-estadual-de-ciencia-e-tecnologia/. Acesso em: 28 ago. 2014.

RAMALHO, J. R.; SANTANA, M. A. (org.). Trabalho e desenvolvimento regional: efeitos sociais da implantação do polo automotivo Sul Fluminense. Rio de Janeiro: Mauad X, 2006.

RAMALHO, J. R.; SANTANA, M. A. The VW´s modular system and workers´ organisation in Resende, Brazil. International Journal of Urban and Regional Research, Oxford UK, v. 26, n. 4, p. 756-766, 2002.

ROELANDT, T. J. A.; HERTOG, P. Cluster Analysis and Cluster-based Policy Making in OECD Countries: An Introduction to the Theme. In Boosting Innovation: The Cluster Approach. Paris: OECD Proceedings, 1999.

SALERNO, M. S.; MARX, R.; ZILBOVICIUS, M. A nova configuração da cadeia de fornecimento na indústria automobilística no Brasil. In: Revista de Administração, São Paulo: FEA-USP, v. 38, n. 3, p. 192-204, 2003.

SANTOS, R. S. P. dos. A construção social da região: desenvolvimento regional & mobilização sociopolítica no Sul Fluminense. Rio de Janeiro: UFRJ/PPGSA-IFCS, 2006.

SCHMITZ, H. Does Local Co-operation Matter? Evidence from Industrial Clusters in South Asia and Latin America. In: Oxford Development Studies, v. 28, n. 3, p. 323-336, 2000.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. In: World Development, v. 27, n. 9, p. 1.503-1.514, 1999.

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Subsídios para a identificação de clusters no Brasil: atividades da indústria. Sebrae-SP. Relatório de Pesquisa, São Paulo, 2002.

SINDISTAL – Sindicato da Indústria de Instalações Elétricas, Gás, Hidráulicas e Sanitárias do Estado do Rio de Janeiro. Firjan e empresas do sul fluminense instalam grupo do setor automotive. 2013. Disponível em: http://www.sindistal.org.br/noticias/firjan-e-empresas-do-sul-fluminense-instalam-grupo-do-setor-automotivo/. Acesso em: 25 jul. 2014.

VALOR ECONÔMICO. Sobra de Capacidade Atormenta Montadoras. 21/10/2016. Disponível em: https://valor. globo.com/empresas/coluna/sobra-de-capacidade-atormenta-montadoras.ghtml. Acesso em: 15 jan. 2017.

ZACCARELLI, S. B. Estratégia e sucesso nas empresas. São Paulo: Saraiva, 2000.