As 'Marcas' em Territórios Formados por Grupos Étnicos Alemães a Partir dos Estereótipos Linguagem, Trabalho e Religiosidade o Caso da Comunidade Rural de Linha Acre – Cândido Godói (RS) Outros Idiomas

ID:
56069
Resumo:
A inserção de uma mentalidade industrial no meio rural com a produção de alimentos em escala vem se apresentando como indutora de mudanças em pequenas comunidades rurais, que se veem diante da necessidade de buscar alternativas que visem a sua continuidade em termos físicos, mas também no que se refere as suas especificidades sociais e culturais. O presente estudo está pautado na identificação de aspectos relacionados aos estereótipos que “marcam” territórios formados por grupos sociais teuto-brasileiros, por se considerar que sejam relevantes para que estes atores possam encontrar novos significados no meio em que vivem. Este retorno ao passado só é possível por meio das lembranças e da memória que se faz presente no cotidiano, manifestada nas tradições, nos hábitos e nos costumes, como algo imperceptível, mas com força para modificar o futuro. A metodologia utilizada para coleta de dados deu-se com a utilização de relatos orais em pesquisa etnográfica, realizada na comunidade rural de Linha Acre – Cândido Godói (RS) durante os anos de 2016 e 2017. Durante a fase de análise dos dados foi possível constatar a presença de enraizamento no que diz respeito à presença de construções estereotipadas nos elementos linguagem, trabalho e religiosidade, escolhidos para a pesquisa.
Citação ABNT:
KIELING, R. I.As 'Marcas' em Territórios Formados por Grupos Étnicos Alemães a Partir dos Estereótipos Linguagem, Trabalho e Religiosidade o Caso da Comunidade Rural de Linha Acre – Cândido Godói (RS) . Desenvolvimento em Questão, v. 18, n. 50, p. 89-108, 2020.
Citação APA:
Kieling, R. I.(2020). As 'Marcas' em Territórios Formados por Grupos Étnicos Alemães a Partir dos Estereótipos Linguagem, Trabalho e Religiosidade o Caso da Comunidade Rural de Linha Acre – Cândido Godói (RS) . Desenvolvimento em Questão, 18(50), 89-108.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2020.50.89-108
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56069/as--marcas--em-territorios-formados-por-grupos-etnicos-alemaes-a-partir-dos-estereotipos-linguagem--trabalho-e-religiosidade-o-caso-da-comunidade-rural-de-linha-acre-----candido-godoi--rs--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BOSI, Ecléa. Memória e sociedade – lembranças de velhos. 2. ed. São Paulo: T.A. Queiroz Editor, 1983.

BOSI, Ecléa. O tempo vivo da memória: ensaios de psicologia social. 3. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2013.

BRASIL. Decreto-Lei n. 406, 4 de maio de 1938. Dispõe sobre a entrada, de estrangeiros no território nacional [revogada pela Lei 6815 – 19/08/1980]. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ decreto-lei/1937-1946/del0406.htm. Acesso em: 15 jul. 2015.

CASTRO, Álisson Sousa; COELHO, Ilanil. A importância do corpo nos processos rituais de um patrimônio cultural imaterial. 2013. Disponível em: http://www.anpuh-sc.org.br/spcsc%202013%20textos%20pdf/ spcsc2013_acastro_a%20importancia%20do%20corpo.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1990. Vol. 1.

KREUTZ, Lúcio. O professor paroquial: magistério e imigração alemã. Porto Alegre: Ed. da UFRGS; Florianópolis: Ed. da UFSC; Caxias do Sul: Educs, 1991.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes Limitada, 2016.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das letras, 2001.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral: uma polêmica. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

NUNES, Fernanda da Rocha Marques. Os paradoxos da memória nos textos de Walter Benjamin sobre a infância e a juventude. 2014. 98f. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

PUPP SPINASSÉ, Karen. Os imigrantes alemães e seus descendentes no Brasil: a língua como fator identitário e inclusivo. Conexão Letras, Porto Alegre, vol. 3, n. 3, p. 125-140, 2008.

SALLES, Iraci Galvão. Trabalho, progresso e a sociedade civilizada. São Paulo: Hucitec; Pró-Memória Instituto Nacional do Livro, 1986.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SEYFERTH, Giralda. A idéia de cultura teuto-brasileira: literatura, identidade e os significados da etnicidade. Horizontes Antropológicos, v. 10, n. 22, p. 149-197, 2004.

SEYFERTH, Giralda. A representação do “trabalho alemão” na ideologia étnica teutobrasileira. Boletim do Museu Nacional – Antropologia, n. 37, p. 1-33, 1982.

SILVA, Nelson José Batista da. Memória, esquecimento e criação em Nietzsche. 2012, 90f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Memória Social) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

THEIS, Wolfgang. Heimat-um termo abstrato. Revista Primus Vitam, v. 4, p. 1-7, 2012.

TORNQUIST, Ingrid Margareta. “Das Hon Ich von Meiner Mama” Zu Sprache Und Ethischen Konzepten Unter Deutschstämmigen in Rio Grande do Sul. Uppsala: Umeå, 1997.

WERLE, André Carlos. Jesuítas alemães e o projeto de uma colônia étnica e religiosamente homogênea no Extremo Oeste Catarinense: Porto Novo (Itapiranga). Revista Cadernos do Ceom, v. 16, n. 15, p. 221258, 2014.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 7-72.