Comer à luz dos fogos de artifício: Um evento gastronômico impulsionado pela crise econômica catalã Outros Idiomas

ID:
56331
Resumo:
Os eventos gastronômicos têm se destacado na contemporaneidade e são passíveis de contribuir em vários cenários, quer quando estão relacionados aos aspectos sociais, econômicos ou culturais. Nesse sentido, o propósito deste estudo de caso foi conferir: qual o papel de um evento gastronômico quando se vive um período de crise econômica? Para tanto, o objeto selecionado para este trabalho foi um evento gastronômico criado por chefs de cozinha de Tarragona, uma cidade turística catalã. Com base nesse suporte, foi analisada a dinâmica comunicacional empregada pelos agentes envolvidos no processo de criação e organização desse evento, criado em 2010, que passou a fazer parte do cronograma turístico dessa cidade. Com cunho exploratório e qualitativo, esta pesquisa, desenvolvida em campo, apoiou-se nos princípios da Semiótica e da Análise do Discurso para examinar as narrativas dos agentes entrevistados, assim como os textos virtuais dedicados a divulgar o evento em pauta. Além de destacar o turismo da cidade, este estudo conclui que, em tempos de crise econômica, os eventos gastronômicos são apresentados como um dispositivo para estimular os agentes políticos e os gastronômicos a se unirem, como também criam uma oportunidade para os cidadãos-consumidores desfrutarem de seu tempo de ócio, num período no qual eles são limitados por questões econômicas.
Citação ABNT:
LUDERER, C. A.Comer à luz dos fogos de artifício: Um evento gastronômico impulsionado pela crise econômica catalã. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 7, n. 1, p. 28-48, 2019.
Citação APA:
Luderer, C. A.(2019). Comer à luz dos fogos de artifício: Um evento gastronômico impulsionado pela crise econômica catalã. Revista de Turismo Contemporâneo, 7(1), 28-48.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56331/comer-a-luz-dos-fogos-de-artificio--um-evento-gastronomico-impulsionado-pela-crise-economica-catala/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abend, L. (2011). Los aprendices de hechicero: Los secretos y las historias más personales de elBulli. Barcelona: Planeta.

Association of Tarragona Centre Restaurants – ART(e). (2019). Tarragona história viva. Recuperado de https://www.tarragonaturisme.cat/es/asociacion-de-restaurantes-de-tarragonaensanche-arte

Babylonia´s Travel. Recuperado de https://babiloniastravel.com/caganer-y-tio-costumbres-escatologicasen-la-navidad-catalana/

Baitello, N. (2005). Iconofagia: Ensaios de comunicação e cultura. São Paulo: Hacker editores.

Bourdieu, P. & Wacquant, L. (2005). Una invitación a la sociología reflexiva. Argentina: Siglo XXI Editores. ‘Caganer’ y Tió: costumbres escatológicas en la Navidad Catalana. (2013).

Calendario de actividades culturales. (2019). Tarragona Historia viva. Recuperado de https://www.tarragonaturisme.cat/es/calendario-de-actividades-culturales-2019

Charaudeau, P. (2009). Discurso das mídias. São Paulo: Editora Contexto.

Chizzotti, A. (2006). Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais . (2a ed.). São Paulo: Editora Vozes.

Concurso internacional de fuegos artificiales. (2019). Tarragona Historia Viva. Recuperado de https://www.tarragonaturisme.cat/en/events/international-fireworkscompetition

Costa, S. & Sonaglio, K. (2017). Gestão do turismo em tempos de crises e vulnerabilidades. Revista de Turismo Contemporâneo. 5(1), 98-117.

Desjeux, D. (2011). O consumo-abordagens em ciências sociais. Alagoas: UFAL.

Diez momentos imprescindibles para vivir Santa Tecla en Tarragona (y diez alternativas de propina). (2018). Tarragona experience. Recuperado de http://www.tarragonaturisme.cat/experience/2018/09/13/deu-moments-imprescindibles-perviure-santa-tecla-a-tarragona-i-deu-alternatives-de-propina/?lang=es

EDUC. Queré, L. (2012). A dupla vida do acontecimento: por um realismo pragmatista. In V. França & L. Oliveira, L. (Ed.). Acontecimento: reverberações. Belo Horizonte: Autêntica, pp. 21-38.

El Sector Turístico en Barcelona. (2014). Ayuntamiento de Barcelona: Área de Economía Empresa y Ocupación. Barcelona. Recuperado de https://ajuntament.barcelona.cat/turisme/sites/default/files/documents/150514_el_sector_turist ico_esp.pdf

Fairclough, N. (2008). Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Flandrin, J. & Montanari, M. (1998). História da Alimentação. (6a ed.). São Paulo: Estação Liberdade.

Fontanille, J. (2008). Semiótica do Discurso. São Paulo: Editora Contexto.

Gallego, E. (2018). El sector de la restauración en España. Distribución y Consumo, 154(4), 26-30.

Getz, D. (2008) Event tourism: definition, evolution and research. Tourism Management, 29 (3), 403-428.

Historia, present i futur de la barrentina. (2005). Confraria Barrentinaire. Recuperado de http://www.barretina.cat/documentacio/labarretina.htm

L’Associació. (2017). Associació de Restauració i Comerç del Serrallo – Arcs/serrallo. Recuperado de http://arcs-serrallo.com/

Leone, C. (2016). Crise e crises em Portugal. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Lohmann, G., & Panosso, A. (2012) Teoria do turismo: conceitos modelos e sistemas. São Paulo: Aleph.

Londoño, M. L. (2013). Turismo gastronómico y desarrollo local en Cataluña: el abastecimiento y comercialización de los productos alimentícios. Tese de doutodo, Universidade de Barcelona, Barcelona, Espanha.

Luderer, C. & Soares, C. (2017). Tripadvisor e a repercussão de experiências gastronômicas mnêmicas. Revista Turismo e Desenvolvimento. 2(27-28), 293-295.

Luderer, C. (2013). O papel dos chefs celebridades na construção do espetáculo da gastronomia: análise discursiva das revistas de gastronomia de luxo. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Luderer, C. (2015, junho). Los restaurantes gastronómicos-la invitación al consumo en tiempo de crisis. Comunicação apresentada no IV Congreso Internacional del Observatorio de la Alimentación y la Fundación Alícia, Barcelona, Espanha.

Part Alta Associació de Restaurants. (2019). Restaurants. Recuperado de https://www.arpatgn.com/

Prado, J. (2013). Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo:

Rancière, J. (1995). Políticas da escrita. Rio de Janeiro: Editora 34.

Santaella, L. (2012) O que é Semiótica. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Editora Brasiliense.

Ustrell, S. (2011). Escatologia catalana. El punt avui. Recuperado de http://www.elpuntavui.cat/article/387667.html

Vega, M. (2012). Las estrellas Michelin no pinchan: la alta cocina española llena sus mesas con clientes extranjeros. El País. Economía. Recuperado de http://economia.elpais.com/economia/2012/08/24/actualidad/1345810999_478492.html