Qualificação profissional de camareiras de hotéis e a crítica que Paulo Freire não escreveu Outros Idiomas

ID:
56336
Resumo:
Apesar da enorme importância do ofício das camareiras para o bom funcionamento dos hotéis, cursos de qualificação dessa ocupação tendem a atender as necessidades mais imediatas do mercado hoteleiro. Nesse contexto, o objetivo principal deste trabalho é problematizar a qualificação profissional de camareiras de hotéis a partir dos estudos de Paulo Freire. Apesar de não haver uma crítica sistemática de Paulo Freire à educação profissional, pode-se inferir como a crítica freiriana ao ensino chegaria aos cursos de qualificação profissional. A qualificação das camareiras ocorre em nível de qualificação profissional, em que a escolaridade básica exigida é o ensino fundamental, habilitando os alunos ao uso de equipamentos e materiais adequados, e à manutenção e limpeza dos apartamentos. Em nosso entendimento, o ensino profissional tem um papel de suma importância para a formação humanista das trabalhadoras, devendo, por isso, respeitar o “saber de experiência feito” das educandas-trabalhadoras, ter o trabalho como princípio educativo e ser crítica à reprodução do capital – alicerces da teoria Freiriana. Constitui-se uma pesquisa exploratória de revisão teórica (pesquisas bibliográfica e documental) e utiliza-se como pesquisa empírica a cidade de Brasília (Distrito Federal) para o estudo do perfil das camareiras de hotéis e da oferta de cursos de qualificação profissional do segmento.
Citação ABNT:
PAULA, A. T.; HERÉDIA, V. B. M. Qualificação profissional de camareiras de hotéis e a crítica que Paulo Freire não escreveu. Revista de Turismo Contemporâneo, v. 7, n. 1, p. 141-162, 2019.
Citação APA:
Paula, A. T., & Herédia, V. B. M. (2019). Qualificação profissional de camareiras de hotéis e a crítica que Paulo Freire não escreveu. Revista de Turismo Contemporâneo, 7(1), 141-162.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56336/qualificacao-profissional-de-camareiras-de-hoteis-e-a-critica-que-paulo-freire-nao-escreveu/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Arbache, J. S. (2001). O Mercado de Trabalho na Atividade Econômica do Turismo no Brasil. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR 15047: Turismo Camareira ou arrumador Competência de pessoal. Rio de Janeiro, 8.

Biroli, F. (2018). Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo.

Brasil. (2004). Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências.

Cañada, E. (2015). Las que limpian los hoteles: historias ocultas de precariedad laboral. Barcelona: Icaria Antrazyt.

Cañada, E. (2016). Externalización del trabajo en hoteles: Impactos en los departamentos de pisos. Barcelona: Alba Sud Editorial.

Centro de Excelência em Turismo – UNB/CET. (2017). Relatório da Pesquisa Avaliativa dos Arranjos Territoriais Possibilitadores da Qualificação do Turismo Nacional. Brasília: UNB/CET. [no prelo]

Classificação Brasileira de Ocupação. (2019). Camareiros, roupeiros e afins. Recuperado de: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTitulo.jsf.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – Dieese. (2013). Estudo do setor hoteleiro. São Paulo: Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT – CONTRACS.

Dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico. Brasília, DF.

Freire, A. M. A. (2017). Paulo Freire: Uma história de vida. (2a. ed. Rev.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. & Centro de Estudos do Desenvolvimento na América Latina [Cedal]. (1979). Multinacionais e trabalhadores no Brasil. Editora Brasiliense: São Paulo.

Freire, P. (1963). Conscientização e alfabetização: uma nova visão do processo. In: Estudos Universitários. Revista de Cultura da Universidade do Recife, Recife, 4.

Freire, P. (1977). Extensão ou comunicação? (3a. ed.). (R. D. Oliveira, Trad.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1978). Cartas à Guiné-Bissau: registros de uma experiência em Processo. (2a. ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. (17a. ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1989). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. (23a. ed.). São Paulo: Autores Associados, Cortez.

Freire, P. (1994). Cartas à Cristina. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2000). A educação na cidade. (4a. ed.). São Paulo: Cortez.

Freire, P. (2000). Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP.

Freire, P. (2002). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. (25a. ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2019). Sistema de Informações sobre o Mercado de Trabalho no Setor do Turismo – SIMT: extrator de dados. Recuperado de: http://www.ipea.gov.br/extrator/simt.html.

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília – IFB. (2018). Projeto Pedagógico do Curso FIC de Camareira/Arrumador de Meios de Hospedagem. Campus Riacho Fundo I. Brasília: IFB [no prelo].

Lei nº 12.513, de 26 de outubro de 2011. (2011). Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Lei nº 11.771, de 17 de setembro de 2008. (2008).

Manfredi, S. M. (2010). Educação Profissional. In: Streck, D. R., Redin, E., & Zitkoski, J. J. (Orgs.). Dicionário Paulo Freire. (2a. ed. Rev. Amp. 1a. Reimp.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Ministério da Educação. (2016). Portaria nº 12, de 03 de maio de 2016. Aprova a quarta edição do Guia PRONATEC de Cursos de Formação Inicial e Continuada FIC. Ministério do Trabalho.

Ministério do Trabalho. Relação Anual de Informações Sociais – RAIS. (2019). RAIS Vínculo 2016. Recuperado de: http://bi.mte.gov.br/bgcaged/login.php.

Ministério do Turismo. (2016a). Estatísticas básicas de turismo: Brasil, ano base 2015. Brasília: Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo. Universidade de Brasília.

Ministério do Turismo. (2018). Plano Nacional de Turismo 2018-2022: Mais Emprego e Renda para o Brasil. Brasília: Ministério do Turismo.

Ministério do Turismo. (2018). Política Nacional de Qualificação no Turismo: Para efeitos de implantação pelo Ministério do Turismo e pelos demais integrantes do Sistema Nacional do Turismo. Brasília: Ministério do Turismo.

Ministério do Turismo. (2019). CADASTUR: Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos. Recuperado de: https://cadastur.turismo.gov.br/hotsite/.

Weffort, F. C. (1967). Educação e Política. In: Freire, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.