Estrutura e Desempenho de uma Clínica Médica Brasileira: A Orquestração da Autonomia Profissional e da Efetividade do Atendimento Outros Idiomas

ID:
56738
Resumo:
Esse estudo se propôs a descrever a maneira como a configuração estrutural de uma clínica médica favorece a efetividade do atendimento junto aos seus clientes (pacientes), ao mesmo tempo em que propicia autonomia necessária aos profissionais do núcleo operacional. Trata-se de um estudo de caso, com abordagem qualitativa, cujas técnicas de investigação utilizadas foram a pesquisa bibliográfica seguida de pesquisa de campo. Concluiu-se que os mecanismos de coordenação estão associados a uma cultura forte acerca dos princípios ligados à medicina sistêmica, em que o ganho da saúde integral do paciente é conquistado por meio do trabalho multidisciplinar.
Citação ABNT:
GONZALEZ, I. V. D. P.; MOREIRA, P. R.; SANTOS, E. C. Estrutura e Desempenho de uma Clínica Médica Brasileira: A Orquestração da Autonomia Profissional e da Efetividade do Atendimento. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 12, n. 1, p. 119-148, 2019.
Citação APA:
Gonzalez, I. V. D. P., Moreira, P. R., & Santos, E. C. (2019). Estrutura e Desempenho de uma Clínica Médica Brasileira: A Orquestração da Autonomia Profissional e da Efetividade do Atendimento. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 12(1), 119-148.
DOI:
http://dx.doi.org/10.19177/reen.v12e12019119-148
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56738/estrutura-e-desempenho-de-uma-clinica-medica-brasileira--a-orquestracao-da-autonomia-profissional-e-da-efetividade-do-atendimento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

COUTO, A. B. G.; GOMES, L. F. A. M. A tomada de decisão em recursos humanos com dados replicados e inconsistentes: uma aplicação da teoria dos conjuntos aproximativos. Pesquisa Operacional, n. 3, v.30, p. 657-686, Setembro/Dezembro, 2010.

CRESWELL, John. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DIAS, A. T.; BERTI, S. D. Processo de Tomada de decisões: Estudo Multicaso Comparativo em Organizações Hospitalares de Belo Horizonte. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde. Vol. 14, n.3. Belo Horizonte, MG. Jul./Set., 2017.

FUSCO, J.P.A; SACOMANO, J.B. Operações e gestão estratégica das operações. São Paulo: Arte e Ciência, 2007.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GUIMARÃES, E. M. P.; ÉVORA, Y. D. M. Sistema de informação: instrumento para tomada de decisão no exercício da gerência. Ciência da Informação. Brasília, n.1, v. 33, p. 72-80, Janeiro/Abril de 2004, ISSN: 1518-8353. Disponível em Acesso em 02 de mar. 2016.

GURGEL JR, G. D.; VIEIRA, M. M. F. 2002. Qualidade total e administração hospitalar: explorando disjunções conceituais. Ciência e Saúde Coletiva. São Paulo, n.2, v. 7, p. 325334, Janeiro/Abril de 2002.

HARDY, C.; CLEGG, S. R. Alguns ousam chamá-lo de poder. In: CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001, v. 2, p. 260-289.

ICLINIC. O software médico que organiza e agiliza sua clínica. 2015. Disponível em < https://iclinic.com.br/quem-somos/>. Acesso em 03 de Março, 2018.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MALIK, A. M.; TELES, J. P.. Hospitais e Programas de qualidade no estado de São Paulo. RAE – Revista de Administração de Empresas. Jul./Set., 2001.

MARCONI, M. A. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, C. V.; ANDRADE, C. A.; FERNANDES, L. T.; COSTA, L. dos S. Proposta de Reestruturação organizacional do SESC/RN. ISSN 2237-4558. Navus. Florianópolis. SC. V.8. n. 3. P. 53-65. – jul./set., 2018.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1995.

MINTZBERG, H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

MOREIRA, E. T. STRAMAR, A.R. Modelo Holístico da Gestão da Inovação com ênfase na cooperação, flexibilidade e adaptação. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 193212, out./dez.,2014,

PERROTTI, E. Estrutura organizacional e Gestão do Conhecimento, Dissertação de Mestrado. Departamento de Administração da Escola de Administração, Economia e Contabilidade da Universidade de São Paulo, 2004.

PICCHIAI, D.; NERY, A. R. L. Estratégias, estrutura, competências organizacionais e o desempenho financeiro: estudo de caso de dois hospitais. JBES, São Paulo, p. 17-27, 18 mar., 2015. Disponível em Acesso em 18 de maio 2016.

ROBBINS, S. P; JUDGE, T. A; SOBRAL. F. Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro.14 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

TORTADO U.; DEL CORSO J. Mudança na configuração estrutural em aquisição de empresa nacional por multinacional. RAU, Universidade Metodista de Piracicaba, São Paulo, n.2, v. 6, p. 66-86, Maio/Agosto de 2008, ISSN: 1679-5350 Disponível em Acesso em 28 de mar. 2016.

VASCONCELOS, E.; HEMSLEY, J. Estrutura das Organizações: estruturas tradicionais, estruturas para a inovação, estrutura matricial. 3ªed. São Paulo, 2011.

VASCONCELOS, E.; HEMSLEY, J. Estrutura das Organizações: estruturas tradicionais, estruturas para a inovação, estrutura matricial. 4. ed. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002.

VASCONCELOS, E.; HEMSLEY, J. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 13. ed. SãoPaulo: Atlas, 2011.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2015.