Dissonância do Turismo: Por um (Des)Encontro Habitante-Visitante Outros Idiomas

ID:
56762
Resumo:
O estudo tem como objetivo contribuir com o repensar da atividade turística ao tomar como eixo a dissonância no encontro entre visitantes e habitantes. Os objetivos específicos são caracterizar os debates teóricos e empíricos, na evolução do conceito de turismo, e resgatar a relação habitante-visitante como sua essência. . A presente investigação está embasada na literatura e na teoria com ênfase na discussão das anomalias e da busca pelo entendimento dessas contradições no turismo. Além dos questionamentos, criamse sugestões de propostas metodológicas, no que diz respeito à integração do fenômeno turístico à sociedade. O estudo avançou para compreensão de um modelo conceitual amplo, traz as inter-relações entre a atividade turística e o residente como ponto central dessa nova teoria.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
MILITO, M.; SILVA, V. H.; NÓBREGA, W. Dissonância do Turismo: Por um (Des)Encontro Habitante-Visitante. Caderno Virtual de Turismo, v. 19, n. 3, p. 1-15, 2019.
Citação APA:
Milito, M., Silva, V. H., & Nóbrega, W. (2019). Dissonância do Turismo: Por um (Des)Encontro Habitante-Visitante. Caderno Virtual de Turismo, 19(3), 1-15.
DOI:
https://doi.org/10.18472/cvt.19n3.2019.1464
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56762/dissonancia-do-turismo--por-um--des-encontro-habitante-visitante/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA-GARCÍA, PELAEZ-FERNANDEZ, BABUENA-VÁSQUEZ & CORTÉS-MARCIAS. Residents' perceptions of tourism development in Benalmadena (Spain). Tourism Management, n. 54, 259-274. 2016.

BARRETO, M. Relações entre Visitantes e Visitados: um retrospecto dos estudos Socioantropológicos. Turismo em Análise, v. 15, n. 2, p. 133-149. 2004

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 8 ed. São Paulo: Senac. 2001.

BRASIL, Ministério da Educação. http://portal.inep.gov.br/basica-censo-escolar-sinopse-sinopse. acessado em 09/05/2015. 2015.

BRASIL. Documento Referencial de Turismo no Brasil Turismo no Brasil 2011/ 2014. Brasília: Ministério do Turismo. 2010.

BRASIL. Programa de regionalização do turismo. Brasília: Ministério do Turismo. 2007

COHEN, E. Traditions in the qualitative sociology of tourism. Annals of Tourism Research, v. 15, pp. 29-46. 1988

DOXEY, J. Development of tourism destinations. London: Torbay. 1975

FERNADEZ FUSTER, L. Teoria y Tecnica del Turismo. Madrid: Nacional. 1978

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Florence. 1987

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Martins Fontes: São Paulo. 2000

GALLARZA, M. G., GARCIA, H. C.; SAURA, I. G. Destination image: towards a conceptual framework. Annals of Tourism Research, v. 29, n. 1, p. 56-78. 2002.

GRAY, P. Tourism theory and practice, a reply to Albert Sessa. Rejoiders and commentary. Annals of Tourism Research. 1983.

HALL, C. M. Turismo como la ciência social de la movilidad. Sitesis: Madrid. 2005.

HUH, C., VOGT, C. A. Changes in residents' attitudes toward tourism over time: a cohort analytical approach. Journal of Travel Research, 46, 446/455. 2008.

INSTITUTO DE PESQUISA DATA FOLHA. Imagens dos estrangeiros sobre a Copa do Mundo. http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/07/1486012-organizacao-da-copa-e-bem-avaliadapor83-dos-estrangeiros.shtml . 2014

JAFARI, J. & RITCHIE, J. R. B. Toward a framework for tourism education: problems and prospects. Annals of Tourism Research, v. 8, n. 1 p. 13-34. 1981

JAFARI, J. La cientifización del turismo. Estudios y Perspectivas en Turismo, Buenos Aires, Ciet, v. 3, n. 1, p. 7-37. 1994.

KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo: para uma nova compreensão do lazer e das viagens. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Edição comemorativa 25 anos, revisada e ampliada. 2009.

KUNH, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 9 ed. São Paulo: Perspectiva. 2006

LEIPER, N. An Etimology of “Tourism”. Annals of Tourism Research, v. 10, p. 277-281, 1983.

LEIPER, N. The Framework of Tourism: Towards a Definition of Tourism, Tourist,and the Tourist Industry. Annals of Tourism Research, v. 6, p. 390-407. 1979.

MACCANNELL, D. El Turista, uma neuva teoria de la clase ociosa. Barcelona: Ed. Melusina, 2003.

MILITO, M. C. Fatores que influenciam o apoio de residentes á megaeventos: um estudo sobre a FIFA WORLD CUP 2014 em Natal-RN. Dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós Graduação em Turismo, UFRN. 2013.

MILITO, M. C., MARQUES JR. & LEMUEL, M. A. Percepção do residente em relação a turismo e megaevento: análise bibliométrica de periódicos internacionais e latino-americanos. Revista Turismo em Análise, v. 24, n. 3, pp. 482-502. 2013

MOESCH, M. A Produção Do Saber Turístico. São Paulo: Contexto. 2000.

MORIN, E.; LE MOIGNE, J. A inteligência da complexidade. São Paulo: Peirópolis. 2000

OMT. Introdução ao turismo. São Paulo: Rocca. 2001.

PACKMAN, E. T. Sobre as Definições de Turismo da OMT: Uma Contribuição à História do Pensamento Turístico. Anais Da Associação De Pesquisa E Pós Graduação Em Turismo. 2014.

PANOSSO NETTO, A. Filosofia do Turismo: teoria e epistemologia. São Paulo: Aleph. 2005.

PANOSSO NETTO, A.; LOHMAN, G. Teoria do Turismo: conceitos, modelos e sistemas. Aleph: São Paulo. 2000

PANOSSO NETTO; NECHAR, M. C. Epistemologia do turismo: escolas teóricas e proposta crítica. In: Revista Brasileira de pesquisa em Turismo, São Paulo, v. 8, n. 1, pp. 120-144. jan/março. 2014.

ROSS, G. Psicologia do turismo. Contexto: São Paulo. 2002

SANTANA, A. Antropologia do turismo: analogias, encontros e relações. Aleph: São Paulo. 2009.

SESSA, A. Comments on Peter Gray´s “The contribuition of economic tourism”. Rejoiders and commentary. Annals of tourism Research. 1984.

TRIBE, J. The indiscipline of tourism. Annals Of Tourism Research, v. 24, n. 4, p. 638-657, 1997.