Turismo e Geografia: Perspectivas da Indicação Geográfica (IG) no Planejamento Territorial Outros Idiomas

ID:
56764
Resumo:
O objetivo deste artigo é analisar a relação turismo e geografia a partir da criação de uma Indicação Geográfica (IG). Considera-se a importância neste contexto do planejamento territorial, evidenciado pelas políticas e ações que o conduzem ao fortalecimento da identidade cultural como estratégia de desenvolvimento para o turismo sustentável. Outro aspecto que também deve ser considerado neste contexto refere-se a uma visão planejada do turismo em torno dos territórios interligados em rede, com seus fluxos materiais e imateriais associados aos diversos destinos e suas áreas periféricas que compõem uma região turística. Nesse aspecto, a adoção de Indicação Geográfica (IG) para produtos com forte identidade cultural é um caminho para a valorização dos patrimônios identitários, territórios e cultura regional, fundamentais para criação de serviços e atrativos turísticos competitivos e sustentáveis. A metodologia utilizada para a construção deste artigo tem como base a pesquisa bibliográfica e documental, que compõem as estratégias da revisão sistemática. As IGs associadas ao turismo podem colaborar para a dinâmica de preservação e desenvolvimento sustentável dentro dos territórios, bem como valorizar produtores e produtos com tradição e singularidade, diferenciais enraizados na cultura local, além da ligação com a própria geografia e territorialidade.
Citação ABNT:
VIEIRA, L. V. L.; SOARES, R. N. Turismo e Geografia: Perspectivas da Indicação Geográfica (IG) no Planejamento Territorial. Caderno Virtual de Turismo, v. 19, n. 3, p. 1-14, 2019.
Citação APA:
Vieira, L. V. L., & Soares, R. N. (2019). Turismo e Geografia: Perspectivas da Indicação Geográfica (IG) no Planejamento Territorial. Caderno Virtual de Turismo, 19(3), 1-14.
DOI:
https://doi.org/10.18472/cvt.19n3.2019.1497
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56764/turismo-e-geogra---a--perspectivas-da-indicacao-geogra---ca--ig--no-planejamento-territorial/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BEDUSCHI FILHO, Luiz C.; ABRAMOVAY, Ricardo. Desafios para o desenvolvimento das regiões rurais. Nova Economia, v. 14, n. 3, 2009, p. 35-70.

BOULLÓN, Roberto C. Planejamento do espaço turístico. Tradução de Josely Vianna Baptista. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

BRASIL. Plano Nacional de Turismo: diretrizes e metas e programas 2003-2007. Brasília: Ministério do Turismo (MTUR), 2003.

BRUCH, Kelly L. Indicações geográficas para o Brasil: problemas e perspectivas. Propriedade intelectual: gestão do conhecimento, inovação tecnológica no agronegócio e cidadania. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2008.

BRUCH, Kelly L.; DEWES, Homero. 11. A relação entre os signos e o vinho na história. Revista Jurídica do Cesuca, v. 1, n. 1, p. 151-173, 2013.

CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas: ciência para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2005.

CERDAN, Claire Marie; BRUCH, Kelly Lissandra; SILVA, Aparecido Lima da; COPETTI, Michelle; FAVERO, Klenise Chagas; LOCATELLI, Liliana. Indicação Geográfica de produtos agropecuários: importância histórica e atual. In: PIMENTEL, Luiz Otávio (Org.) Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: módulo II, indicação geográfica. Florianópolis: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)/ FUNJAB., 2014. p. 32-58.

CERDAN, Claire. Valorização dos produtos de origem e do patrimônio dos territórios rurais no sul do Brasil: Contribuição para o desenvolvimento territorial sustentável. Política & sociedade, v. 8, n. 14, p. 277-300, 2009.

CORDISCO, Marina et al. Cultura, identidad y territorio: reflexiones para el desarrollo de una estrategia de diferenciación del servicio agroturístico en emprendimientos de un Grupo de Cambio Rural (INTA) del partido de Coronel Suárez (Buenos Aires). Mundo agrario, v. 14, n. 27, 2013.

COSTA, Coelho; REUBENS, Ewerton. As Indicações Geográficas (IGs) como elementos fortalecedores para a atividade turística. Revista Turismo: estudos e práticas, v. 3, n. 1, 2014.

DENCKER, Ada de Freitas Maneti. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. Futura, 1998.

DIAS, José Carlos Vaz. Propriedade intelectual e os dez anos da lei de inovação: conflitos e perspectivas. Gramma, 2016.

FLORES, Murilo. A identidade cultural do território como base de estratégias de desenvolvimento – uma visão do estado da arte. Contribuição para o Projeto Desenvolvimento Territorial Rural a partir de Serviços e Produtos com Identidade – RIMISP. Março, 2006, p. 3-47.

FONTOURA, Leandro M.; ANDRADE, Sabrina de A. Turismo e geografia: O Planejamento Territorial do Turismo. Anais... II Fórum Internacional de Turismo Do Iguaçu, junho de 2008. Foz do Iguaçu – Paraná

FRATUCCI, A. C. Refletindo sobre a Gestão dos Espaços Turísticos: perspectivas para as redes regionais de turismo. Turismo em Análise, v.20, n. 3, 2009.

FROEHLICH, José Marcos; ALVES, Heberton F. Inocêncio. Novas identidades, novos territórios: Mobilizando os recursos culturais para o desenvolvimento territorial. Revista Extensão Rural, v. 14, p. 65-90, 2007.

INPI. Pedidos de indicação geográfica concedidos e em andamento. Modificado pelo CGCOM em 30 de março de 2017. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/indicacao-geografica/pedidos-de-indicacao-geog rafica-no-brasil Acesso: 30 de março 2017.

INPI. Pequenos negócios terão incentivo para proteger patentes, marcas e IGs. 11 de março de 2016. Disponível em:; Acesso em: 10 de fev. 2016.

INSKEEP, Edward. Environmental planning for tourism. Annals of Tourism Research, v. 14, n. 1, p. 118-135, 1987.

MAIOR, Alice P. Souto; COSTA, Helena A. Sistemas produtivos locais em turismo: relacionamentos estratégicos e aglomeração territorial como vantagens competitivas. Revista Acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, v. 1, n. 1, (2008). P. 13-a,.

MAIORKI, Giovane J.; DALLABRIDA, Valdir R. A indicação geográfica de produtos: um estudo sobre sua contribuição econômica no desenvolvimento territorial. INTERAÇÕES, Campo Grande, v. 16, n. 1, p. 13-25, jan./jun. 2015.

MARTINS, Lígia M. As aparências enganam: divergências entre o materialismo histórico dialético e as abordagens qualitativas de pesquisa. Anais da Reunião anual da ANPED, v. 29, p. 1-17, 2006.

NIEDERLE, Paulo. Compromissos para a qualidade: projetos de indicação geográfica para vinhos no Brasil e na França. Tese de Doutorado. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2011.

PANOSSO NETTO, Alexandre; LOHMANN, Guilherme. Teoria do Turismo: conceitos, modelos e sistemas. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2012.

PANOSSO NETTO, Alexandre; NECHAR, Marcelino Castillo. Epistemologia do turismo: escolas teóricas e proposta crítica. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 8, n. 1, p. 120-144, 2014.

PIMENTEL, Luiz Otávio (Org.). Curso de propriedade intelectual & inovação no agronegócio: módulo II, indicação geográfica. Florianópolis: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA)/ FUNJAB, 2014, v. 4, p. 32-58.

PORTAL BRASIL. Produtos com registro de identificação geográfica se destacam no setor agropecuário, 2014. Disponível em: <"http://www.brasil.gov.br/governo/2012/01/produtos-com-registro-de-identificacaogeograficase-destacam-no-setor-agropecuario">. Acesso em 15 de maio 2014.

RAFFESTIN, Claude. 1993. Por uma Geografia de Poder. São Paulo: Ática, 1980.

SAQUET, Marcos A.; DA SILVA, Sueli S. MILTON SANTOS: concepções de geografia, espaço e território/milton santos: geography conceptions, space and territory. Geo UERJ, v. 2, n. 18, p. 24 à 42, 2011.

SEBRAE/SP. 1. Entendendo o Atrativo Turístico. Cadernos de Atrativos Turísticos. São Paulo: SEBRAE, 2016. 1 a 168. .

SERGIPE. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico da Ciência e Tecnologia e do Turismo. Empresa Sergipana de Turismo. Regionalização do Turismo: roteiros do Brasil no Estado de Sergipe – Aracaju:

UWE, Flick. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2004.

VEAL, A.J. Metodologia de Pesquisa em Lazer e Turismo. São Paulo: Aleph, 2011.