Análise das Diretrizes do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas na Perspectiva da Lógica Dominada por Serviço Outros Idiomas

ID:
56835
Resumo:
Este trabalho visa analisar as ações de marketing social executadas pelo projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE) na perspectiva da Lógica Dominada por Serviço (LDS), que se consolida como novo paradigma de marketing. Na LDS, pressupõe-se que o benefício proposto pelo projeto SPE não se consolida sem a participação ativa dos beneficiários. Essa participação é necessária para que recursos dos proponentes de valor e dos beneficiários sejam integrados, potencializando a cocriação de valor. Após revisão bibliográfica e análise documental, os dados analisados mostraram que há alinhamento entre as ações propostas no projeto SPE e as premissas da LDS, que permitiria a aplicação dessas em aprimoramentos ao projeto. Propõem-se, então, sugestões para que os benefícios percebidos pelas pessoas com a mudança proposta pelo Projeto SPE seja maximizado e a propensão a recaídas no comportamento seja minimizada, trazendo assim benefícios duradouros para a comunidade.
Citação ABNT:
HIGUCHI, A. K.; VEIGA, R. T. Análise das Diretrizes do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas na Perspectiva da Lógica Dominada por Serviço. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 16, n. 1, p. 12-28, 2019.
Citação APA:
Higuchi, A. K., & Veiga, R. T. (2019). Análise das Diretrizes do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas na Perspectiva da Lógica Dominada por Serviço. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 16(1), 12-28.
DOI:
https://doi.org/10.21450/rahis.v16i1.5676
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56835/analise-das-diretrizes-do-projeto-saude-e-prevencao-nas-escolas-na-perspectiva-da-logica-dominada-por-servico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKAKA, M. A. et al. The role of symbols in value cocreation. Marketing Theory , v. 14, n. 3, p. 311326, 1 set. 2014.

ANDREASEN, A. R. Social Marketing in the 21st century . Thousand Oaks: Sage, 2006.

ANDREASEN, A. R. Social Marketing: Its definition and Domain. Journal of Public Policy & Marketing, v. 13, n. 1, 1994.

BETTENCOURT, L. A.; LUSCH, R. F.; VARGO, S. L. A service lens on value creation: marketing´s role in achieving strategic advantage. California Management Review, v. 57, n. 1, p. 44-66, 2014.

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J. C.; PASSERON, J. C. O Ofício de Sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia . 7. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

DESAI, D. Role of Relationship Management and Value Co-Creation in Social Marketing. Social Marketing Quarterly , v. XV, n. 4, p. 112-125, 2009.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The Iron Cage Revisited: Institutional Isomorphism and Collective Rationality in Organizational Fields. American Sociological Review, v. 48, p. 147-160, 1983.

DONOVAN, R.; HENLEY, N. Principles and practice of social marketing . Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

EDVARDSSON, B. et al. Institutional logics matter when coordinating resource integration. Marketing Theory , v. 14, n. 3, p. 291-309, 1 set. 2014.

FROW, P. et al. Value propositions A service ecosystems perspective. Marketing Theory , v. 14, n. 3, p. 327-351, 1 set. 2014.

GALLO, J. H. S. Gravidez na adolescência: a idade materna, consequências e repercussões. Revista Bioética , v. 19, n. 1, p. 179-195, 2011.

GELUDA, K. et al. Quando um não quer, dois não brigam: um estudo sobre o não uso constante de preservativo masculino por adolescentes do Município do Rio de Janeiro, Brasil . Cadernos de Saúde Pública , v. 22, n. 8, p. 1671-1680, 2006.

GIDDENS, A. A Constituição da Sociedade . 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social . 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GORDON, R. Re-thinking and re-tooling the social marketing mix. Australasian Marketing Journal , v. 20, n. 2, p. 122-126, 2012.

KOTLER, P. Marketing para organizações que não visam lucro . São Paulo: Atlas, 1978.

LEFEBVRE, R. C. Transformative social marketing: co-creating the social marketing discipline and brand. Journal of Social Marketing , v. 2, n. 2, p. 118-129, 2012.

LUCA, N. R.; HIBBERT, S.; MCDONALD, R. Towards a service dominant approach to social marketing. Marketing Theory , p. 1-25, 2015.

LUSCH, R. F.; VARGO, S. L. Service Dominant Logic: premisses, perspectives, possibilities . 1. ed. New York: Cambridge University Press, 2014.

MARTINS, L. B. M. et al. Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/ AIDS em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo, Brasil . Cadernos de Saúde Pública , v. 22, n. 2, p. 315-323, 2006.

MATOS, E. B. A intenção de uso de preservativo: um estudo de adolescentes comparando gêneros e classes sociais . 2008. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

MCCOLL-KENNEDY, J. R. et al. Health Care Costumer Value Cocreation Practice Styles. Journal of Service Research, v. 15, n. 4, p. 370-389, 2012.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutionalized Organizations: Formal Structure as Myth and Ceremony. American Journal of Sociology , v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE).[S.l.]: Ministéro da Educação, 2016. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE. Diretrizes para implantação do Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas. [S.l.]: Ministério da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 3 jan. 2016. , 2006

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ministério da Saúde lança campanha de prevenção às DST e aids para carnaval 2015. Blog da Saúde. [S.l: s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2015. , 2015

NEGHINA, C. et al. Value cocreation in service interactions: Dimensions and antecedents. Marketing Theory, v. 15, n. 2, p. 221-242, 2015.

PAIVA, V.; PUPO, L. R.; BARBOZA, R. O direito à prevenção e os desafios da redução da vulnerabilidade ao HIV no Brasil. Revista Saúde Pública , 00116, v. 40, n. Supl, p. 109-119, 2006.

PARSONS, E.; MACLARAN, P. Contemporary Issues in Marketing and Consumer Behaviour . Oxford: Elsevier, 2009.

PEATTIE, S.; PEATTIE, K. Ready to fly solo? Reducing social marketing´s dependence on commercial marketing theory. Marketing Theory , v. 3, n. 3, p. 365-385, 2003.

SCAMMON, D. L. et al. Transforming consumer health. Journal of Public Policy & Marketing , 00032, v. 30, n. 1, p. 14-22, 2011.

SHETH, J. N.; FRAZIER, G. L. A Model of Strategy Mix Choice for Planned Social Change. Journal of Marketing , v. 46, n. 1, p. 15-26, 1982.

VARGO, S. L.; LUSCH, R. F. Institutions and axioms: an extension and update of service-dominant logic. Journal of the Academy Marketing Science , 00054, v. 44, p. 5-23, 2016.

VARGO, S. L.; LUSCH, R. L. Service-Dominant Logic: what is, what is not, what it might be. The Service Dominant Logic of Marketing: dialog, debate and directions . London: M. E. Sharpe, 2006. p. 43-56.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

WEBSTER, F. E. Aspectos sociais do marketing . São Paulo: Atlas, 1987.

WIELAND, H. et al. Toward a Service (Eco)Systems Perpective on value creation. International Journal of Service Science, Management, Engineering and Technology , v. 3, n. 3, p. 12-25, 2012.