Determinantes do Desempenho Econômico-Financeiro de Operadoras de Planos de Saúde Outros Idiomas

ID:
56837
Resumo:
O desempenho econômico-financeiro de organizações é amplamente estudado em finanças. Entretanto, o desempenho econômico-financeiro das Operadoras de Planos de Saúde (OPS) brasileiras não tem o destaque que merecem frente à sua importância para a população. O setor de saúde suplementar brasileiro movimenta, em termos de receita bruta, cerca de 132 bilhões de reais anualmente e é responsável pela cobertura de saúde de mais de 24% da população do país. Diante desse contexto, a presente pesquisa teve como objetivo analisar o desempenho econômico-financeiro das OPS, de diferentes características institucionais, com base em um conjunto de variáveischave. Para tanto, utilizaram-se as seguintes técnicas de análise: teste de Kolmogorov - Smirnov e teste de Kruskal Wallis . Foram encontradas fortes evidências de que os indicadores econômico-financeiros estão relacionados, principalmente, com a modalidade das OPS analisadas. Esse resultado pode representar uma contribuição valiosa para a análise econômico-financeira de OPS, ao indicar que elas não podem ser avaliadas/comparadas conjuntamente, sem a separação por modalidade.
Citação ABNT:
XAVIER, D. O.; SOUZA, A. A.; AVELAR, E. A. Determinantes do Desempenho Econômico-Financeiro de Operadoras de Planos de Saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 16, n. 1, p. 48-67, 2019.
Citação APA:
Xavier, D. O., Souza, A. A., & Avelar, E. A. (2019). Determinantes do Desempenho Econômico-Financeiro de Operadoras de Planos de Saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 16(1), 48-67.
DOI:
https://doi.org/10.21450/rahis.v16i1.4947
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56837/determinantes-do-desempenho-economico-financeiro-de-operadoras-de-planos-de-saude/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS). ANUÁRIO: Aspectos econômicofinanceiros das operadoras de planos de saúde. Ministério da Saúde/ANS. Rio de Janeiro, v. 11, p. 1‐616, 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS). Ministério da Saúde/ANS. Caderno de Informações da Saúde Suplementar, Rio de Janeiro, 2016.

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR (ANS). Perfil do Setor – Dados Gerais. 2016. < http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-gerais>. Acesso em 17 dez. 2016.

ALBUQUERQUE, G. M. DE; FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. L. Integração vertical nas operadoras de assistência médica privada: um estudo exploratório na região de São Paulo. Production, v. 21, n. 1, p. 39-52, 2011.

ALI, H. F.; CHARBAJI, A. Applying factor analysis to financial ratios of international commercial airlines. International Journal of Commerce and Management , v. 4, n. 1/2, p. 25-37, 1994.

ALTMAN, E. I. Financial ratios, discriminant analysis and the prediction of corporate bankruptcy. The journal of finance , v. 23, n. 4, p. 589-609, 1968.

ANYANWU, K. et al. Healthcare enterprise process development and integration. Web Semantics: Science, Services and Agents on the World Wide Web, Department of Computer Science. Athens: University of Georgia, Press, 2003.

ASSAF NETO, A.; MARTINS, E. Administração financeira : as finanças das empresas sob condições inflacionárias. São Paulo: Atlas, 1993.

BATISTA, F. F., et al. Uma investigação acerca da mortalidade das microempresas e empresas de pequeno porte da cidade de Sousa, PB. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade. Campina Grande, 2.1: 56-71, 2012.

BONACIM, C. A. G. et al . Avaliação de desempenho econômico-financeiro dos serviços de saúde: os reflexos das políticas operacionais no setor hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva , v. 16, n. suppl 1, p. 1.05569, 2011.

BRAGA, R. Fundamentos e técnicas de administração financeira . São Paulo: Atlas, 1992.

BRIGHAM, E. F.; HOUSTON, J. F. Fundamentos da moderna administração financeira . Rio de Janeiro: Campus, 1999.

CALVE, A., et al. Um estudo de governança corporativa nos hospitais filantrópicos do Espírito Santo. Revista Universo Contábil, v. 9, n. 4, p. 128-143, 2013.

CHIAPELLO, E. Les normes comptables comme institution du capitalisme. Une analyse du passage aux normes IFRS en Europe à partir de 2005. Sociologie du travail , v. 47, n. 3, p. 362-82, 2005.

CIPPARRONE, F., JUBRAN, L., JUBRAN, A. A EFICIÊNCIA DAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE NO BRASIL: Uma abordagem pela Aplicação da Análise Envoltória de Dados. RETEC Revista de Tecnologias, Ourinhos, v.1, n. 1, p. 39-48, julho-dezembro, 2004.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração, 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

FAGUNDES, J. A. et al. Formalização Contábil em Entidade de Assistência Social: Um Estudo de Caso sob a Ótica da Gestão de Custos. ConTexto, v. 12, n. 21, p. 59-67, 2012.

FERNANDES, D. R. Uma contribuição sobre a construção de indicadores e sua importância para a gestão empresarial. Revista da FAE, Curitiba, v.7, n. 1, p.1-18. jan./jun.2004.

GALVÃO, A.; BRESSAN, A. A.; DE CAMPOS, B. Finanças corporativas: teoria e prática empresarial no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

GASPARETTO, V. O papel da contabilidade no provimento de informações para a avaliação do desempenho empresarial. Revista Contemporânea de Contabilidade , Florianópolis, v. 1, n. 2, p. 109-22, jan. 2004.

GIL, A. C.; Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed.: São Paulo: Atlas, 1999.

KAPLAN, H. C. et al. The influence of context on quality improvement success in health care: a systematic review of the literature. The Milbank Quarterly , v. 88, n. 4, p. 500-559, 2010.

KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A estratégia em ação: balanced scorecard. Tradução: Luiz Euclydes Trindade Frazão Filho. 5. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A.: Metodologia cientifica: ciência e conhecimento científico. 7. ed. São Paulo, Atlas. 2004.

LENZ, R.; KUHN, K. A. Towards a continuous evolution and adaptation of information systems in healthcare. International Journal of Medical Informatics , v. 73, p. 75-89, 2004.

MALHOTRA, N.; BIRKS, D. Marketing research. An applied approach. London: Prentice Hall, 2007.

MALTA, D. C. et al . Perspectivas da regulação na saúde suplementar diante dos modelos assistenciais. Ciência Saúde Coletiva , v. 9, n. 2, p. 433-44, 2004.

MEIMAND, M.; CAVANA, R. Y.; LAKING, R. Using DEA and survival analysis for measuring performance of branches in New Zealand's Accident Compensation Corporation. Journal of Operational Research Society , v. 53, n. 3, p. 303-13, 2002.

NORTON, D. P.; KAPLAN, R.B. Kaplan e Norton na prática. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

PACE, E. S. U.; BASSO, L. F. C.; SILVA, M. A. Indicadores de desempenho como direcionadores de valor. Revista Administração Contemporânea , Curitiba, v. 7, n. 1, p. 37-65, mar. 2003.

PADOVEZE, C. L.; DE BENEDICTO, G. C. Análise das demonstrações financeiras. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2014.

PEREIRA, R. C.; SILVESTRE, R. M. Regulação e modelos assistenciais em saúde suplementar: produção científica da rede de centros colaboradores da ANS-2006/2008. Brasília: Organização PanAmericana da Saúde, 2009. Série Técnica Projeto de Desenvolvimento de Sistemas e Serviços de Saúde.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Métodos de avaliação de empresas e o balanço de determinação. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 10, n. 4, p. 47-59, 2003.

PESTANA, M. H.; GAGEIRO, J. N. Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS. 2003.

PING HUANG et al . Can European external peer review techniques be introduced and adopted into Taiwan's hospital accreditation System?, International Journal for Quality in Health Care , v. 12, n. 3, 2000, p. 251-254, https://doi.org/10.1093/intqhc/12.3.251.

RAJAN, R.; ZINGALES, L. What do we know about capital structure? Some evidence from international data. The Journal of Finance , v. 50, n. 5, p. 1.421-60, Dec. 1995.

SANT’ANNA, A. P.; SALLAI, A. L.; MENDES, C. B. Cálculo de Padrões para Regulação no Setor de Saúde Suplementar baseado em relações entre Despesas Operacionais e não-operacionais. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção Volume 5, 2005, Universidade Federal Fluminense.

SANTOS, A. L. C; D´SOUZA, M. F.; LIMA, G. A. S. F. de. Influência de características qualitativas nos indicadores contábeis de instituições microfinanceiras da américa latina e caribe. Revista de Contabilidade & Controladoria , v. 5, n. 3, p. 83, 2013.

SOARES, M. A. Análise de indicadores para avaliação de desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos de saúde brasileiras : uma aplicação da análise fatorial. 2006. 130fs. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) ─ Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em: Acesso em: 17 dez. 2019.

STEVENSON, W. J. Estatística aplicada à administração. 1. ed. São Paulo: Harbra, 2001.

TITMAN, S.; WESSELS, R. The determinants of capital structure choice. The Journal of finance , v. 43, n. 1, p. 1-19, 1988.

WINTERS-VAN DER MEER, S. et al. Are the Dutch long-term care organizations getting better? A trend study of quality indicators between 2007 and 2009 and the patterns of regional influences on performance. International journal for quality in health care , v. 25, n. 5, p. 505-514, 2013.

WINTERS, S. et al. The influence of corporate structure and quality improvement activities on outcome improvement in residential care homes. International journal for quality in health care , v. 26, n. 4, p. 378387, 2014.

YAMAGUCHI, M. M.; RUAS, M. C. Eficiência produtiva das operadoras de planos de saúde no Rio Grande Do Sul. In: XVI ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL. 2013, Porto Alegre. Anais …. Porto Alegre: ANPEC/SUL, 2013.

ZSIDÓ, K. E. et al. Application of traditional and new approach methods in business performance measurement. CrossCultural Management Journal , n. 7, p. 51-7, 2015.