A Média de Utilização das Estratégias pelos Programas de 'Stricto Sensu' das Instituições do Brasil da Área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo Frente aos Cenários Prospectados para o Período de 2019 a 2030 Outros Idiomas

ID:
56879
Resumo:
'Objetivo do estudo': Elencar a média na escala de utilização das estratégias dos Programas de Stricto Sensu das Instituições de Ensino Superior do Brasil da área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo frente aos cenários prospectados para o período de 2019 a 2030. 'Metodologia/abordagem': A metodologia de cenários sugerida por Blanning e Reinig. 'Originalidade/Relevância': A pós-graduação apresenta-se como uma necessária fonte de criação de conhecimento para atender às emergentes demandas das empresas e da sociedade, então a escolha de se estudar o setor de ensino superior, em destaque os Programas de Stricto Sensu das instituições públicas e particulares do Brasil, se deve à relevância que este setor tem para o Brasil. Sendo relevante refletir sobre as condições e contribuições atuais e o cenário futuro desejável para estas pós-graduações. 'Principais resultados': Quanto à utilização das estratégias por cenário, a estratégia “fomentar a qualidade das teses e das dissertações” ficou em destaque nos cenários otimista e realista; olhando para o cenário pessimista, a estratégia que ficou em relevância foi a redução de custos. 'Contribuições teóricas / metodológicas': É trazer em pauta estratégias que poderão viabilizar contribuições importantes para as instituições e seus respectivos programas de pós-graduação em cenários de incertezas e desafios em decorrência da competitividade. 'Contribuições sociais / para a gestão': A inserção social é um critério importante para a integração e cooperação dos programas de pós-graduação stricto sensu já existentes, maduros e ou legitimados, com outros programas e centros de estudo do Brasil, contribuindo, de maneira enfática, para o fomento de novos profissionais, sobretudo nas regiões do Brasil menos favorecidas.
Citação ABNT:
RIBEIRO, H. C. M.; FORTE, S. H. A. C. A Média de Utilização das Estratégias pelos Programas de 'Stricto Sensu' das Instituições do Brasil da Área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo Frente aos Cenários Prospectados para o Período de 2019 a 2030. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 18, n. 4, p. 535-555, 2019.
Citação APA:
Ribeiro, H. C. M., & Forte, S. H. A. C. (2019). A Média de Utilização das Estratégias pelos Programas de 'Stricto Sensu' das Instituições do Brasil da Área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo Frente aos Cenários Prospectados para o Período de 2019 a 2030. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 18(4), 535-555.
DOI:
https://doi.org/10.5585/ijsm.v18i4.13909
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56879/a-media-de-utilizacao-das-estrategias-pelos-programas-de--stricto-sensu--das-instituicoes-do-brasil-da-area-de-administracao-publica-e-de-empresas--ciencias-contabeis-e-turismo-frente-aos-cenarios-prospectados-para-o-periodo-de-2019-a-2030/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Binder, M. P. (2009). Rede de recurso: um modelo desenvolvido a partir do caso Gol Linhas Aéreas. Revista de Administração e Inovação, 6(2), 28-43.

Blanning, R. W.; Reinig, B. A. (1998). Building scenarios for Hong Kong using EMS. Long Range Planning, 31(6), 900-910.

Bowman, G. (2016). The practice of scenario planning: an analysis of inter‐and intra-organizational strategizing. British Journal of Management, 27(1), 77-96.

Bradfield, R.; Cairns, G.; Wright, G. (2015). Teaching scenario analysis—An action learning pedagogy. Technological Forecasting and Social Change, 100, 44-52.

Brito, L. A. L.; Vasconcelos, F. C. de. (2004). A heterogeneidade do desempenho, suas causas e o conceito de vantagem competitiva: proposta de uma métrica. Revista de Administração Contemporânea, Edição Especial, 107-129.

Brito, R. P. de; Brito, L. A. L. (2012). Vantagem competitiva e sua relação com o desempenho - uma abordagem baseada em valor. Revista de Administração Contemporânea, 16(3), 360-380.

Chermack, T. J.; Coons, L. M.; Nimon, K.; Bradley, P.; Glick, M. B. (2015). The effects of scenario planning on participant perceptions of creative organizational climate. Journal of Leadership & Organizational Studies, 22(3), 355371.

Cirani, C. B. S.; Silva, H. H. M. da, & Campanario, M. de A. (2012). A evolução do ensino da pós-graduação estrito senso em administração no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 16(6), 765-783.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Documento de área: Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo. Recuperado em: .

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES. Proposta de aprimoramento do modelo de avaliação da PG: documento final da Comissão Nacional de Acompanhamento do PNPG 2011-2020 - 10/10/2018. Recuperado em: .

Crespi, T. B.; Preusler, T. S.; Luna, N. A.; Ferreira, M. P. (2017). Novo Qualis: impacto na avaliação da produção intelectual dos pesquisadores em administração. Revista de Ciências da Administração, 19(47), 131-147.

Darugna, A. P.; Noriler, I. L. M.; Andrade, A. R. de. (2007). Uma proposta de planejamento estratégico para uma empresa de pequeno porte. Revista de Administração da UNIMEP, 5(3), 81-100.

Dierickx, I.; Cool, K. (1989). Asset stock accumulation and sustainability of competitive advantage. Management Science, 35(12), 1504-1511.

Faller, L. P.; Almeida, M. I. R. de. (2014). Planejamento por cenários: preparando pequenas empresas do varejo de móveis planejados para um futuro competitivo. Revista de Administração da USP, 49(1), 171-187.

Figueiredo, E. F.; Chedid, S. E.; Machado Neto, A. J. (2010). Cenários e orçamento empresarial: aplicação prática da metodologia de prospecção no Magazine Luiza. Anais... In: Encontro de Pesquisadores do Uni-FACEF Centro Universitário de Franca, 11.

Gaspar, M. A.; Campos, D. C. S. (2015). Estudo da produtividade de doutores egressos do PPGA FEA-USP. Revista da Faculdade de Administração e Economia, 6(2), 14-32.

Ghemawat, P. (2007). A estratégia e o cenário dos negócios. Porto Alegre: Bookman.

Godet, M. (2000). The art of scenarios and strategic planning: tools and pitfalls. Technological Forecastingand Social Change, 65, 3-22.

Gonçalves, M. S. (2011). Análise dos aspectos internos, do ambiente externo e elaboração de cenários como base para a definição das estratégias. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria.

Grant, R. M. (2003). Strategic planning in a turbulent environment: evidence from the oil majors. Strategic Management Journal, 24(6), 491517.

Haddad, C. R.; Catapan, A.; Silva, F. da, & Maldonado, M. U. (2017). Dinâmica de sistemas e prospecção de cenários: uma revisão da literatura. Future Studies Research Journal: Trends & Strategies, 9(3), 93-125.

Hamel, G.; Prahalad, C. K. (1994). Competing for the future. Boston: Harvard Business School.

Heinzen, D. A. de M. (2015). Alinhamento entre formulação e implementação da estratégia em Instituição de Ensino Superior, Tese (Doutorado em Administração e Turismo), Univalí. 202 pg.

Hicks, D.; Gidley, J. (2012). Futures education: Case studies, theories and transformative speculations. Futures, 44(1), 1-3.

Hirsch, S.; Burggraf, P.; Daheim, C. (2013). Scenario planning with integrated quantification - managing uncertainty in corporate strategy building. Foresight, 15(5), 363-374.

Hodgkinson, G. P.; Healey, M. P. (2008). Toward a (pragmatic) science of strategic intervention: Design propositions for scenario planning. Organization Studies, 29(3), 435-457.

Holdaway, E. A.; Meekison, J. P. (1990). Strategic planning at a canadian university. Long Range Planning, 23(4), 104-113.

Ithnin, F.; Sahib, S.; Eng, C. K.; Sidek, S.; Harun, R. N. S. R. (2018). Mapping the futures of Malaysian higher education: a meta - analysis of futures studies in the Malaysian higher educations cenario. Journal of Futures Studies, 22(3), 1-18.

Lippman, S. A.; Rumelt, R. P. (1982). Uncertain imitability. Bell Journal of Economics, 13(2), 418-438.

Maccari, E. A.; Almeida, M. I. R. de, Nishimura, A. T.; Rodrigues, L. C. (2009). A gestão dos programas de pós-graduação em administração com base no sistema de avaliação da Capes. Revista de Gestão USP, 16(4), 01-16.

Maccari, E. A.; Lima, M. C.; Riccio, E. L. (2009). Uso do Sistema de Avaliação da CAPES por Programas de Pós-Graduação em Administração no Brasil. Revista de Ciências da Administração, 11(25), 68-96.

Maccari, E. A.; Riccio, E. L.; Martins, C. B. (2013). A influência do sistema de avaliação da AACSB na gestão dos programas de pós-graduação stricto sensu em Administração nos Estados Unidos. Revista Eletrônica de Administração, 19(3), 738-766.

Maggs, P.; Chelin, J. (2013). Scenario planning for an uncertain future?Case study of the restructuring of the academic services team at UWE Library. Library Management, 34(8/9), 664676.

Marcial, E. C.; Grumbach, R. J. S. (2002). Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. 4 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Maroco, J. (2014). Análise estatística com utilização do SPSS. Lisboa: Edições Sílabo.

Martins, C. B.; Maccari, E. A.; Storopoli, J. E.; Andrade, R. O. B. de. (2013). Utilização da Resource Based-View no desempenho dos programas de pós-graduação stricto sensu em administração, ciências contábeis e turismo no Brasil: um estudo dos programas no período de 2001 a 2009. Anais...; EnANPAD, 37.

Meissner, P.; Wulf, T. (2013). Cognitive benefits of scenario planning: its impact on biases and decision quality. Technological Forecasting and Social Change, 80(4), 801-814.

Moritz, G de O.; Nuner, R.; Pereira, M. F. (2008). Os métodos de prospecção de cenários e sua aplicação nas organizações: um estudo de caso no período 1998-2008. Revista de Administração da FACES, 7(2), 68-83.

Moritz, G. de O.; Moritz, M. O.; Pereira, M. F.; Maccari, E. A. (2013). A Pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal: Trends & Strategies, 5(2), 0334.

Moritz, M. O. (2012). Perspectivas e tendências das universidades públicas gratuitas de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Administração) -UFSC, Florianópolis.

O'brien, F. A.; Meadows, M. (2013). Scenario orientation and use to support strategy development. Technological Forecastingand Social Change, 80(4), 643-656.

Oliveira, O. V. de, & Forte, S. H. A. C. (2011). Identificação dos recursos competitivos de utilização mais provável pela indústria bancária brasileira de 2008 a 2012. Revista de Administração da USP, 46(3), 243-257.

Oliveira, O. V. de; Aguiar, S. A. de; Gomes, D. M. de O. A.; Forte, S. H. A. C. (2017). Atirou no que viu, acertou no que não viu. Revista Alcance, 24(1), 129-146.

Oliveira, O. V. de; Forte, S. H. A. C. (2014). Estratégias e ferramentas competitivas das MPEs na região Nordeste. Revista da Micro e Pequena Empresa, 8(2), 18-37.

Oliveira, O.; Forte, S. (2009). A indústria bancária brasileira: construindo cenários prospectivos e identificando as estratégias de utilização mais provável. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 8(2), 64-77.

Paixão, R. B.; Bruni, A. L. (2013). Mestrados profissionais: características, especificidades, diferenças e relatos de sucesso. Administração: Ensino e Pesquisa, 14(2), 279-309.

Patrus, R.; Shigaki, H. B.; Dantas, D. C. (2018). Quem não conhece seu passado está condenado a repeti-lo: distorções da avaliação da pós-graduação no Brasil à luz da história da Capes. Cadernos EBAPE. BR, 16(4), 642-655.

Peinado, J.; Fernandes, B. H. R. (2012). Estratégia, competências e desempenho em empresas de pet shop: evidências de um levantamento em Curitiba. Revista de Administração da USP, 47(4), 609-623.

Penrose, E. (1959). The theory of the growth of the firm. Oxford: Oxford University Press.

Phadnis, S.; Caplice, C.; Sheffi, Y. (2016). How scenario planning influences strategic decisions. MIT Sloan Management Review, 57(4), 24-27.

Polesi, A. (2006). Cenários para o Brasil no futuro. Estudos Avançados, 20(56), 1-7.

Porter, M. E. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: Free Press.

Postma, T. J. B. M.; Liebl, F. (2005). How to improve scenario analysis as a strategic management tool? Technological Forecasting & Social Change, 72(2), 161-173.

Ram, C.; Montibeller, G.; Morton, A. (2011). Extending the use of scenario planning and MCDA for the evaluation of strategic options. Journal of the Operational Research Society, 62(5), 817-829.

Ribeiro, H. C. M.; Costa, B. K.; Muritiba, S. N.; Oliveira Neto, G. C. de. (2012). Visão Baseada em Recursos: uma análise bibliométrica dos últimos 11 anos. Revista de Ciências da Administração, 14(34), 39-59.

Rieckmann, M. (2012). Future-oriented higher education: which key competencies should be fostered through university teaching and learning? Futures, 44(2), 127-135.

Rumelt, R. P. (1984). Towards a strategic theory of the firm. In: LAMB, R. B. (Ed.). Competitive Strategic Management. UpperSadler River: Prentice Hall, 95-117.

Sanseverino, A. M.; Gomes, C. F. S.; Barcelos, M. R. dos S. (2018). Cenários prospectivos para uma universidade pública. ENGEVISTA, 20(4), 601-622.

Santos, J. E. A. dos, & Cândido, G. A. (2013). Estrutura de governança em arranjos produtivos locais: uma aplicação no arranjo calçadista no município de Campina Grande/PB. Anais...; Encontro de Estudos em Estratégia, 4, Bento Gonçalves.

Saurin, R.; Ratcliffe, J. (2011). Using an adaptive scenarios approach to establish strategies for tomorrow's workplace. Foresight, 13(4), 46-63.

Silva, M. C. da, & Forte, S. H. A. C. (2016). Estratégias de criação de valor compartilhado a serem adotadas diante de cenários prospectados para a indústria da construção civil no Ceará. Future Studies Research Journal: Trends & Strategies, 8(3), 227-254.

Sobreira, M do C.; Machado, C. O.; Rebouças, C. Q.; Forte, S. H. A. C. (2014). Cenários prospectivos no combate ao turismo sexual internacional em Fortaleza. Revista Turismo - Visão e Ação - Eletrônica, 16(2), 416449.

Sousa, J R de; Forte, S. H. A. C.; Oliveira, O. V. de. (2012). Recursos estratégicos no cenário 2009/2015 das IESS particulares da região nordeste do Brasil. Revista Ibero Americana de Estratégia, 11(2), 91-119.

Tapinos, E. (2013). Scenario planning at business unit level. Futures, 47, 17-27.

Tondolo, V. A. G.; Bitencourt, C. C. (2008). Uma perspective baseada em recursos no agronegócio cooperativo. RAE-eletrônica, 7(1), 1-12.

Walsh, P. R. (2005). Dealing with the uncertainties of environmental change by adding scenario planning to the strategy reformulation equation. Management Decision, 43(1), 113122.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.

Wright, G.; Goodwin, P. (1999). Futurefocussed thinking: combining scenario planning with decision analysis. Journal of Multicriteria Decision Analysis, 8(6), 311-321.

Amarante, J.; Crubellate, J. M.; Meyer Junior, V. (2017). Estratégias em universidades: uma análise comparativa sob a perspectiva institucional. Revista Gestão Universitária na América Latina, 10(1), 190-212.

Lindgren, M.; Bandhold, H. (2003). Scenario planning. Palgrave.