Aspectos de governança corporativa no Global Reporting Initiative (GRI) em empresas alimentícias Outros Idiomas

ID:
56976
Resumo:
Esta pesquisa tem por objetivo evidenciar práticas de governança corporativa nos relatórios de sustentabilidade - GRI’s, dando ênfase à importância de ambas as práticas em empresas do setor de alimentos e bebidas, listadas no Valor Econômico como as maiores receitas líquidas de 2015. Posteriormente, foram apurados indicadores para evidenciação de conceitos de governança corporativa presentes nesses relatórios. O estudo demonstrou a presença de aspectos de governança corporativa em todos os relatórios, onde os mais citados são os da equidade e transparência. Já os aspectos menos citados são os de auditoria independente e conselho fiscal. Sendo assim, é possível concluir que as empresas de grande porte possuem uma predisposição a divulgarem seus relatórios com maior evidenciação dos aspectos de governança corporativa, porém, esta não é uma regra, pois empresas como a Amaggi possuem uma divulgação menor dos aspectos de governança corporativa em seu relatório em relação a outras organizações de porte menor. Ademais, como contribuição gerencial desta pesquisa, um gestor poderia melhorar a evidenciação dos aspectos de governança corporativa na divulgação dos relatórios de sustentabilidade.
Citação ABNT:
LUGOBONI, L. F.; SOUZA JUNIOR, N. M.; SANTOS, B. S.; MACHADO, E. C.; SOUZA, R. P. Aspectos de governança corporativa no Global Reporting Initiative (GRI) em empresas alimentícias. Revista Metropolitana de Governança Corporativa, v. 4, n. 2, p. 4-33, 2019.
Citação APA:
Lugoboni, L. F., Souza Junior, N. M., Santos, B. S., Machado, E. C., & Souza, R. P. (2019). Aspectos de governança corporativa no Global Reporting Initiative (GRI) em empresas alimentícias. Revista Metropolitana de Governança Corporativa, 4(2), 4-33.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/56976/aspectos-de-governanca-corporativa-no-global-reporting-initiative--gri--em-empresas-alimenticias/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abbade, E. B., & de Vargas Mores, G. (2013). Responsabilidade social e desenvolvimento sustentável: Um estudo de caso em uma companhia brasileira de alimentos processados. Revista de Negócios, 18(2), 27-43.

Almeida, M. A., & dos Santos, J. F. (2016). Estrutura de capital e divulgação voluntária de informações de responsabilidade social corporativa das empresas brasileiras. Revista de Ciências da Administração, 18(45), 109-126.

Amorim, S. M. S. S, Oliveira, M. C., Ponte, V. M. R., & de Abreu, M. C. S. (2017) Pressões Institucionais na Divulgação Ambiental das Empresas do BRICS. Revista Organizações em Contexto, 13(25), 245-277.

Angotti, M., de Macêdo, H. C., & de Almeida Bispo, O. N. (2016). Poder Preditivo e Value Relevance da Demonstração do Resultado Abrangente: uma análise das companhias brasileiras listadas na BM&FBovespa. Enfoque: Reflexão Contábil, 35(3), 1-17.

Azevedo, J. B., Von Ende, M., & Wittmann, M. L. (2016). Responsabilidade social e a imagem corporativa: o caso de uma empresa de marca global. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 9(1), 95-117.

Benedicto, S. C., Júnior, E. D. S. G., Pereira, J. R., & de Andrade, G. H. N. (2013). Governança corporativa: uma análise da aplicabilidade dos seus conceitos na administração pública. Organizações Rurais & Agroindustriais, 15(2), 286-300.

Bewley, K. (2005). The impact of financial reporting regulation on the market valuation of reported environmental liabilities: preliminary evidence from US and Canadian public companies. Journal of International Financial Management & Accounting, 16(1), 1-48.

Bianchi, M., Fae, M. D., Gelatti, R., & da Rocha, J. M. L. (2013). Social responsibility as part of the organizational culture in socially responsible enterprises: content analysis between practice and speech/A responsabilidade social como parte integrante da cultura organizacional em empresas socialmente responsaveis: analise de conteudo entre a pratica e o discurso. Revista Eletronica de Estrategia e Negocios, 6(1), 160-192.

Borges, L. F. X.; Serrão, C. F. B. (2005). Aspectos de governança corporativa moderna no Brasil Revista do BNDES, Rio de Janeiro, 12 (24) 112-148.

Braga, C., Sampaio, M. S. A., dos Santos, A., & da Silva, P. P. (2011). Fatores determinantes do nível de divulgação ambiental no setor de energia elétrica no Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 4(2), 230-262.

Brody, R. G., Coulter, J. M., & Jewell, J. (2006). Losing the public's trust: Third-party service providers and disclosure. The CPA Journal, 76(9), 66.

Campos, C. J. G. (2004). MÉTODO DE ANÁLISE DE CONTEÚDO: Ferramenta Para a Análise de Dados Qualitativos no Campo da Saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília (DF), 57(5), 611-614.

Carvalho, A. G. D. (2002). Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração-RAUSP, 37(3), 19-32.

Conceição, S. H., Dourado, G. B., & Silva, S. F. (2012). Global Reporting Initiative (GRI)-um estudo exploratório da prática de evidenciação em sustentabilidade empresarial na américa latina. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 2(3), 1738.

Cova, C. J. G. (2008). A ADOÇÃO DAS IFRS NO BRASIL E O FORTALECIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. PENSAR CONTÁBIL, RIO DE JANEIRO, 10(42):22-30

Dias, L. N. D. S., Soekha, L. D. O., & Souza, E. M. V. D. (2010). Estudo de caso do balanço social da Albrás: De relatórios internos ao modelo GRI. Sociedade, contabilidade e gestão, 3(1). 86-96

Fernandes, S. M. (2013). Fatores que influenciam o disclosure ambiental: um estudo nas empresas brasileiras no período de 2006 a 2010. Revista Ambiente ContábilUniversidade Federal do Rio Grande do Norte, 5(2), 250-267.

Gomes, A. P. M. (2016). Características da governança corporativa como estímulo à gestão fiscal. Revista Contabilidade & Finanças, 27(71), 149-168.

GRI GLOBAL REPORTING INITIATIVE (2016). RECUPERADO EM: 5 DE SET DE 2016 DE HTTPS://WWW.GLOBALREPORTING.ORG/INFORMATION/ABOUT-GRI/GRIHISTORY/PAGES/GRI'S%20HISTORY.ASPX.

Grün, R. (2005). Convergência das elites e inovações financeiras: a governança corporativa no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20(58), 67-90.

IBGC. GOVERNANÇA CORPORATIVA. RECUPERADO EM 1 DE SET DE 2016 EM HTTP://WWW.IBGC.ORG.BR/INTER.PHP?ID=18161

INSTITUTO ETHOS. VALORES, TRANSPARÊNCIA E GOVERNANÇA. RECUPERADO EM 1 DE SET DE 2016 EM:HTTP://WWW3.ETHOS.ORG.BR/CONTEUDO/GESTAO-SOCIALMENTERESPONSAVEL/VALORES-TRANSPARENCIA-E-GOVERNANCA/#.V6-TQLSRIDU

Kitagawa, C. H., & de Souza Ribeiro, M. (2009). Governança corporativa na América Latina: a relevância dos princípios da OCDE na integridade dos conselhos e autonomia dos conselheiros. Revista Contabilidade & Finanças-USP, 20(51), 61-76.

Klotzle, M. C., & Costa, L. A. (2010). Governança corporativa e desempenho dos bancos no Brasil. GESTÃO. Org-Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 4(4).

Leite Filho, G. A., Prates, L. A., & Guimarães, T. N. (2009). Análise os níveis de evidenciAção dos RelAtóRios de sustentAbilidAde dAs emPResAs bRAsileiRAs A+ do GlobAl RePoRtinG initiAtive (GRi) no Ano de 2007. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(7), 43-59.

Madorran, C., & Garcia, T. (2016). Corporate social responsibility and financial performance: the Spanish case. Revista de Administração de Empresas, 56(1), 20-28.

Malacrida, M. J. C., & Yamamoto, M. M. (2006). Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade & Finanças, 17(SPE), 65-79.

Marques, M. D. C. D. C. (2007). Aplicação dos princípios da governança corporativa ao sector público. Revista de Administração Contemporânea, 11(2), 11-26.

Mertzanis, H. (2001). Principles of corporate governance in Greece. Corporate Governance: An International Review, 9(2), 89-100.

Miller, G. S., & Skinner, D. J. (2015). The evolving disclosure landscape: How changes in technology, the media, and capital markets are affecting disclosure. Journal of Accounting Research, 53(2), 221-239.

NAGANO, R. T., KASSAI, J. R., KUSSABA, C. T., & CARVALHO, L. N. G. (2014). A EVOLUÇÃO DOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE E A NECESSIDADE DA OBRIGATORIEDADE DE SUA ASSEGURAÇÃO POR TERCEIROS. IN: II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS E I SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE, SÃO PAULO, ANAIS

Pires, C. M., Pereira, M. W. G., & Moura-Leite, R. (2015). Os elementos da responsabilidade social empresarial e sua relevância para o consumidor. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(2), 38-52.

Pletsch, C. S., Silva, A. D., & Hein, N. (2015). Responsabilidade social e desempenho econômico-financeiro das empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial–ISE. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(2), 53-69.

QUINTÃO, R. T., & ISABELLA, G. (2015). A INFLUÊNCIA DA ADOÇÃO DE PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA NO COMPORTAMENTO DE COMPRA DA ALTA E BAIXA RENDA. E&G ECONOMIA E GESTÃO, bELO HORIZONTE, 15(41): 231-255.

Sampaio, R. B. Q., Lima, B. C. C., de Aquino Cabral, A. C., & de Paula, Á. L. B. (2014). A Governança Corporativa e o retorno das ações de empresas de controle familiar e de controle não familiar no Brasil. REGE-Revista de Gestão, 21(2), 219-234.

Schneider, G. T., & Scholze, A. (2015). Mandatory Disclosure, Generation of Decision‐ Relevant Information, and Market Entry. Contemporary Accounting Research, 32(4), 1353-1372.

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The journal of finance, 52(2), 737-783.

Sonza, I. B., & de Oliveira Kloeckner, G. (2014). A governança corporativa influencia a eficiência das empresas brasileiras?. Revista Contabilidade & Finanças-USP, 25(65), 145-160.

Wu, X. (2005). Corporate governance and corruption: A cross‐country analysis. Governance, 18(2), 151-170.