Pesquisa em administração e sua relação com o plano nacional de pós-graduação Outros Idiomas

ID:
57050
Resumo:
Este trabalho tem por objetivo analisar a produção acadêmica dos programas de pós-graduação em Administração das instituições pertencentes à região do Grande ABC paulista. À luz do que preconiza o Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG 2011-2020), buscou-se verificar, diante da autonomia e vocação que possuem, se as instituições contemplaram as recomendações feitas pelo PNPG vigente. Para tanto, foram analisadas 2 teses e 41 dissertações publicadas no período entre 2011 e 2015, pelas seguintes instituições: Centro Universitário da FEI (FEI), Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) e Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Por meio de abordagem qualitativa, desenvolveu-se um estudo do tipo pesquisa documental. Os dados foram coletados junto aos repositórios digitais de teses e dissertações das instituições. Por meio de análise de conteúdo temático-categorial, a averiguação tratou de dois dentre os cinco eixos presentes no PNPG: terceiro eixo – aperfeiçoamento da avaliação e sua expansão para outros segmentos; e quarto eixo – interdisciplinaridade entre as principais características da pós-graduação (convergência e compartilhamento). Os resultados indicam que a produção científica das instituições do Grande ABC corresponde às expectativas do PNPG, no que diz respeito às recomendações constantes no terceiro eixo. Quanto às recomendações do quarto eixo, os conteúdos das teses e dissertações produzidas atendem parcialmente às expectativas do Plano, apresentando características de interdisciplinaridade.
Citação ABNT:
FEHLAUER, D. K.; VIEIRA, A. M.; CLARO, J. A. C. D. S. Pesquisa em administração e sua relação com o plano nacional de pós-graduação. Gestão e Desenvolvimento, v. 16, n. 3, p. 83-105, 2019.
Citação APA:
Fehlauer, D. K., Vieira, A. M., & Claro, J. A. C. D. S. (2019). Pesquisa em administração e sua relação com o plano nacional de pós-graduação. Gestão e Desenvolvimento, 16(3), 83-105.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/57050/pesquisa-em-administracao-e-sua-relacao-com-o-plano-nacional-de-pos-graduacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BALBACHEVSKI, E. A pós-graduação no Brasil: novos desafios para uma política bem-sucedida.Os desafios da educação no Brasil. Goiânia: UFG, 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BARRETO, F. C. S.; DOMINGUES, I. O PNPG 2011-2020: Os desafios do país e o sistema nacional de pós-graduação. Educação em Revista, v. 28, n. 3, p.17-53, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Plano Nacional de Pós-Graduação PNPG 2011-2020. Brasília, DF: CAPES, v.1, 2010.

BRASIL.Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. História. Brasília, 2015. . Acesso em: 28 ago. 2015.

BRASIL.Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Diretoria de Avaliação DAV – Documento de área 2013. (Administração, Ciências Contábeis e Turismo). Brasília, 2013.

CANDIDO, J. G. Uma juventude organizada e não participativa: um estudo de caso sobre uma gestão jovem em São Bernardo do Campo. 2011. 165f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo.

CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior). Documento de área Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo. https://capes.gov.br/images/documentos/Documentos_de_area_2017/27_ADMI_doc_area_2016_final_20jan2017.pdf. Acesso em: 23 fev. 2017.

CAPORALI, R. Mapeamento dos Cursos de Pós-Graduação em Administração e suas Respectivas Linhas de Pesquisas no Brasil. Revista Pretexto, v. 19, n. 2, p. 29-50, 2018.

CHINELATO, F. B.; ZIVIANI, F. Internacionalização dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração no Brasil. Revista ADM.MADE, v. 20, n. 2, p. 1-22, 2016.

COSTA, M. M. P. Dos cabides de emprego aos cabides do conhecimento: um caso de parceria entre o instituto General Motors e a Escola Municipal de Ensino Professora Alcina Dantas Feijão no desenvolvimento da responsabilidade social empresarial. 2012. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo.

DEMARCHI, L. A concepção sobre ser humano para o discente do curso de administração: aproximações com a fenomenologia de Edith Stein. 2013. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo.

FERREIRA, V. O Papel dos Programas de Pós-Graduação em Administração de Empresas na Perspectiva da Relevância Estratégica: O Atendimento das Expectativas dos Stakeholders. Revista de Administração de Empresas, v. 58, n. 1, p. 91-95, 2018.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de Conteúdo: série pesquisa. 4. ed. Brasília: Liber Livros, 2012. 96 p.

GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 460p.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai./jun., 1995.

KENISTON, K. Ideologia e conflito: Os jovens, a contestação e a mudança social. In: BIRNBAUM P.; CHAZEL F. Teoria Sociológica. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo. 1977. p. 396-303.

LIMA, T. B.; SILVA, A. B. Como os Mestrandos Aprendem?Significados e Transformações em um Programa de Pós-Graduação em Administração. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 8, n. 1, p. 36-55, 2018.

MACEDO, R. A. A formação de clusters para pequenas e médias empresas e as vantagens logísticas na região do Grande ABC Paulista. 2013. 92f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo.

MARCOVITCH, J. A cooperação da universidade moderna com o setor empresarial. Revista de Administração. São Paulo, v. 34, n. 4, p. 13-17, out./dez., 1999.

MOROSINI, M. C. A Pós-graduação no Brasil: formação e desafios. Revista Argentina de Educación Superior. Buenos Aires, v.1, n. 1, p. 125-152, nov. 2009.

OLIVEIRA JÚNIOR, M. M. O Futuro dos Programas de Pós-Graduação em Administração: Novas Escolhas e Novos Caminhos. Revista de Administração de Empresas, v. 58, n. 1, p. 87-90, 2018.

POMBO, O. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em Revista. v. 1, n. 1, p. 3-15, março, 2005.

ROMANOWSKI, J. P.; ENS, R. T. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Revista Diálogo Educacional. Curitiba, v. 6, n. 19, p. 37-50, set./dez., 2006.

ROMEU, J. R. M.; ROMEU, C. I. M.; JORGE, V. L. J. Estudos de pós-graduação no Brasil. Caracas, 2004.

SCHWARTZMAN, S. O sentido da interdisciplinaridade. Novos Estudos, n. 32, p. 191-198, 1992.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

TEIXEIRA, P. M. M. Pesquisa em ensino de biologia no Brasil [1972-2004]: um estudo baseado em dissertações e teses. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

THIESEN, J. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação. v. 13, n. 39, p. 545-598, set./dez., 2008.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2013.

VIEIRA, A. M. Cultura organizacional em instituições de ensino: mapeamento e análise descritivo-interpretativa da produção acadêmica (1990-2005). 2007. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Estadual Paulista (UNESP), Marília.